SlideShare uma empresa Scribd logo

Destinação de Residuos Solidos

O slide é um trabalho da disciplina de economia regional e urbana do curso de economia da urca, Destinação de Residuos Solidos.

1 de 39
Baixar para ler offline
As 8 Cidades Com Melhor
Sistema de Destinação de
Resíduos Sólidos no Brasil e no
Mundo
LIXO URBANO
Um dos principais problemas ambientais da atualidade é a
grande produção de lixo, pois esse processo tem como
consequência a liberação de gases que promovem o efeito
estufa e a poluição das águas subterrâneas e superficiais.
Esse fenômeno é uma das consequências do aumento populacional
nas cidades, da intensificação do modelo consumista, do uso de
produtos descartáveis, além do modismo, pois existe uma
“necessidade” de se adquirir objetos mais modernos.
LIXO URBANO
Domiciliar: alimentos, papéis, plásticos, vidros, papelão, produtos
deteriorados, etc.
Industrial: cinzas, lodos, metais, cerâmicas, madeira, borracha,
resíduos alcalinos, etc.
Hospitalar: embalagens, seringas, agulhas, curativos, gazes,
ataduras, peças atômicas.
Lixo tecnológico: computadores, pilhas e aparelhos eletrônicos
em geral.
Destinação de Residuos Solidos
Resíduos Sólidos
No Brasil, a norma NBR 10.004/07 atribui a seguinte definição
aos resíduos sólidos:
 Resíduo Sólido é todos aqueles resíduos nos estado sólido e semi-sólido
que resultam da atividade da comunidade de origem industrial, doméstica,
hospitalar, comercial, de serviços, de varrição ou agrícola.
 Incluem-se os lodos de Estações de Tratamento de Água (ETAs) e Estações
de Esgotos (ETEs), resíduos gerados em equipamentos e instalações de
controle da poluição e líquidos que não possam ser lançados na rede
pública de esgotos, em função de suas particularidades.
Qual é a diferença entre lixo e resíduos
sólidos?
 Nenhuma, antigamente os resíduos sólidos eram denominados lixo e fim.
Atualmente há uma compreensão que os materiais separados, passíveis de
reciclagem ou reaproveitamento recebem tratamento de resíduos sólidos,
enquanto os materiais misturados e acumulados tem mais uma conotação
de lixo.
 Os resíduos sólidos são uma das principais causas da poluição do solo
decorrentes dos acúmulos de embalagens de plástico, papel e metais, e de
produtos químicos, como fertilizantes, pesticidas e herbicidas.

Recomendados

Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 Gerenciamento de Resíduos Sólidos Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos SólidosMaster Ambiental
 
ResíDuos SóLidos
ResíDuos SóLidosResíDuos SóLidos
ResíDuos SóLidossenargo
 
Educação Ambiental e Mudanças de Hábitos
Educação Ambiental e Mudanças de HábitosEducação Ambiental e Mudanças de Hábitos
Educação Ambiental e Mudanças de Hábitoscarlosbidu
 
Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos SólidosColeta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos SólidosMaster Ambiental
 
Coleta seletiva conscientização
Coleta seletiva conscientizaçãoColeta seletiva conscientização
Coleta seletiva conscientizaçãoAne Pimentel
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSMayke Jhonatha
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemApresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemClaudia Costa
 
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO Ricardo Arend
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisCarlos Priante
 
Coleta Seletiva
Coleta SeletivaColeta Seletiva
Coleta SeletivaDeaaSouza
 
Fundamentos de educação ambiental
Fundamentos de educação ambientalFundamentos de educação ambiental
Fundamentos de educação ambientalMarília Gomes
 
Aula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislaçãoAula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislaçãoGiovanna Ortiz
 
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos parte1
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos   parte1Armazenamento e tratamento de residuos sólidos   parte1
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos parte1Gilson Adao
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteMarilucia Santos
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambientelaiszanatta
 

Mais procurados (20)

Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemApresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
 
Gerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de ResíduosGerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de Resíduos
 
Aula 5 reciclagem
Aula 5  reciclagemAula 5  reciclagem
Aula 5 reciclagem
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos Ambientais
 
Coleta Seletiva
Coleta SeletivaColeta Seletiva
Coleta Seletiva
 
O lixo urbano
O lixo urbanoO lixo urbano
O lixo urbano
 
Fundamentos de educação ambiental
Fundamentos de educação ambientalFundamentos de educação ambiental
Fundamentos de educação ambiental
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos SólidosPolítica Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos Sólidos
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Cartilha coleta seletiva
Cartilha coleta seletivaCartilha coleta seletiva
Cartilha coleta seletiva
 
Aula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislaçãoAula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislação
 
Coleta seletiva
Coleta seletivaColeta seletiva
Coleta seletiva
 
Gerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidosGerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidos
 
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos parte1
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos   parte1Armazenamento e tratamento de residuos sólidos   parte1
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos parte1
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio Ambiente
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
 

Destaque

Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador Hospitalar
Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador HospitalarGerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador Hospitalar
Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador HospitalarFernanda Cabral
 
Evolução histórica dos resíduos em Portugal
Evolução histórica dos resíduos em PortugalEvolução histórica dos resíduos em Portugal
Evolução histórica dos resíduos em PortugalSofia_Afonso
 
residuos solidos urbanos
residuos solidos urbanosresiduos solidos urbanos
residuos solidos urbanoskaren1092
 
Gestão Ambiental
Gestão AmbientalGestão Ambiental
Gestão Ambientalguestfcc10a
 
Residuos solidos
Residuos solidosResiduos solidos
Residuos solidosLOKISBOBIS
 
Aula residuos de serviços da saúde
Aula   residuos de serviços da saúdeAula   residuos de serviços da saúde
Aula residuos de serviços da saúdesanthdalcin
 
Clasificación de los residuos sólidos
Clasificación de los residuos sólidosClasificación de los residuos sólidos
Clasificación de los residuos sólidosandres trivi
 

Destaque (10)

Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador Hospitalar
Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador HospitalarGerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador Hospitalar
Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador Hospitalar
 
Residuos Solidos Urbanos
Residuos Solidos UrbanosResiduos Solidos Urbanos
Residuos Solidos Urbanos
 
Residuos Sólidos Urbanos. Generalidades
Residuos Sólidos Urbanos. GeneralidadesResiduos Sólidos Urbanos. Generalidades
Residuos Sólidos Urbanos. Generalidades
 
Evolução histórica dos resíduos em Portugal
Evolução histórica dos resíduos em PortugalEvolução histórica dos resíduos em Portugal
Evolução histórica dos resíduos em Portugal
 
residuos solidos urbanos
residuos solidos urbanosresiduos solidos urbanos
residuos solidos urbanos
 
Residuos Sólidos Urbanos
Residuos Sólidos UrbanosResiduos Sólidos Urbanos
Residuos Sólidos Urbanos
 
Gestão Ambiental
Gestão AmbientalGestão Ambiental
Gestão Ambiental
 
Residuos solidos
Residuos solidosResiduos solidos
Residuos solidos
 
Aula residuos de serviços da saúde
Aula   residuos de serviços da saúdeAula   residuos de serviços da saúde
Aula residuos de serviços da saúde
 
Clasificación de los residuos sólidos
Clasificación de los residuos sólidosClasificación de los residuos sólidos
Clasificación de los residuos sólidos
 

Semelhante a Destinação de Residuos Solidos

G10 reciclagem
G10   reciclagemG10   reciclagem
G10 reciclagemcristbarb
 
A importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioA importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioLareska Rocha
 
Palestra de ti+úo reciclagem
Palestra de ti+úo reciclagemPalestra de ti+úo reciclagem
Palestra de ti+úo reciclagemforumsustentar
 
PLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMB
PLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMBPLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMB
PLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMBDeisi Motter
 
Olixourbano 100629124536-phpapp01
Olixourbano 100629124536-phpapp01Olixourbano 100629124536-phpapp01
Olixourbano 100629124536-phpapp01Kelvin Oliveira
 
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...Cepagro
 
Ambiente Limpo/Ambiente Vivo
Ambiente Limpo/Ambiente VivoAmbiente Limpo/Ambiente Vivo
Ambiente Limpo/Ambiente VivoProfesornc
 
Ciclo Ambiental - Camisetas de garrafa PETãO PortuguêS Ok Light
Ciclo Ambiental - Camisetas de garrafa PETãO PortuguêS Ok LightCiclo Ambiental - Camisetas de garrafa PETãO PortuguêS Ok Light
Ciclo Ambiental - Camisetas de garrafa PETãO PortuguêS Ok LightT-Brasil
 
Cartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e Condomínio
Cartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e CondomínioCartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e Condomínio
Cartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e CondomínioHawston Pedrosa
 
Projeto resíduos sólidos parte 4
Projeto resíduos sólidos parte 4Projeto resíduos sólidos parte 4
Projeto resíduos sólidos parte 4escola
 
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...Cepagro
 
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo FruetCarta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo FruetJessica Pertile
 
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de JaneiroColeta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de JaneiroMaira Teixeira
 
G6 trabalho de física - reciclagem
G6   trabalho de física - reciclagemG6   trabalho de física - reciclagem
G6 trabalho de física - reciclagemcristbarb
 
PGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos RatosPGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos RatosSâmara Gomes
 

Semelhante a Destinação de Residuos Solidos (20)

G10 reciclagem
G10   reciclagemG10   reciclagem
G10 reciclagem
 
A importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioA importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meio
 
Palestra de ti+úo reciclagem
Palestra de ti+úo reciclagemPalestra de ti+úo reciclagem
Palestra de ti+úo reciclagem
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
GEOGRAFIA URBANA
GEOGRAFIA URBANAGEOGRAFIA URBANA
GEOGRAFIA URBANA
 
PLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMB
PLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMBPLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMB
PLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMB
 
A coleta seletiva
A coleta seletivaA coleta seletiva
A coleta seletiva
 
Olixourbano 100629124536-phpapp01
Olixourbano 100629124536-phpapp01Olixourbano 100629124536-phpapp01
Olixourbano 100629124536-phpapp01
 
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
 
Ambiente Limpo/Ambiente Vivo
Ambiente Limpo/Ambiente VivoAmbiente Limpo/Ambiente Vivo
Ambiente Limpo/Ambiente Vivo
 
Ciclo Ambiental - Camisetas de garrafa PETãO PortuguêS Ok Light
Ciclo Ambiental - Camisetas de garrafa PETãO PortuguêS Ok LightCiclo Ambiental - Camisetas de garrafa PETãO PortuguêS Ok Light
Ciclo Ambiental - Camisetas de garrafa PETãO PortuguêS Ok Light
 
Cartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e Condomínio
Cartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e CondomínioCartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e Condomínio
Cartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e Condomínio
 
DDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptxDDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptx
 
DDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptxDDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptx
 
Projeto resíduos sólidos parte 4
Projeto resíduos sólidos parte 4Projeto resíduos sólidos parte 4
Projeto resíduos sólidos parte 4
 
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
 
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo FruetCarta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
 
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de JaneiroColeta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
 
G6 trabalho de física - reciclagem
G6   trabalho de física - reciclagemG6   trabalho de física - reciclagem
G6 trabalho de física - reciclagem
 
PGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos RatosPGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos Ratos
 

Mais de Matheus Pereira

Programa de Direitos Humanos
Programa de Direitos HumanosPrograma de Direitos Humanos
Programa de Direitos HumanosMatheus Pereira
 
Mapeamento dos Movimentos Sociais Locais - RJ
Mapeamento dos Movimentos Sociais Locais - RJMapeamento dos Movimentos Sociais Locais - RJ
Mapeamento dos Movimentos Sociais Locais - RJMatheus Pereira
 
Obras VLT (Parangaba Mucuripe)
Obras VLT (Parangaba Mucuripe)Obras VLT (Parangaba Mucuripe)
Obras VLT (Parangaba Mucuripe)Matheus Pereira
 
Aeromóvel de Porto Alegre
Aeromóvel de Porto AlegreAeromóvel de Porto Alegre
Aeromóvel de Porto AlegreMatheus Pereira
 
Cidade Inclusiva e Sustentavel (Equidade Urbana)
Cidade Inclusiva e Sustentavel (Equidade Urbana)Cidade Inclusiva e Sustentavel (Equidade Urbana)
Cidade Inclusiva e Sustentavel (Equidade Urbana)Matheus Pereira
 
Cidades Emergentes e Sustentaveis
Cidades Emergentes e SustentaveisCidades Emergentes e Sustentaveis
Cidades Emergentes e SustentaveisMatheus Pereira
 
As 10 Principais Cidades Emergentes do Brasil e do Mundo
As 10 Principais Cidades Emergentes do Brasil e do MundoAs 10 Principais Cidades Emergentes do Brasil e do Mundo
As 10 Principais Cidades Emergentes do Brasil e do MundoMatheus Pereira
 
Tóquio - Economia Regional e Urbana
Tóquio - Economia Regional e UrbanaTóquio - Economia Regional e Urbana
Tóquio - Economia Regional e UrbanaMatheus Pereira
 

Mais de Matheus Pereira (11)

Programa de Direitos Humanos
Programa de Direitos HumanosPrograma de Direitos Humanos
Programa de Direitos Humanos
 
Mapeamento dos Movimentos Sociais Locais - RJ
Mapeamento dos Movimentos Sociais Locais - RJMapeamento dos Movimentos Sociais Locais - RJ
Mapeamento dos Movimentos Sociais Locais - RJ
 
Obras VLT (Parangaba Mucuripe)
Obras VLT (Parangaba Mucuripe)Obras VLT (Parangaba Mucuripe)
Obras VLT (Parangaba Mucuripe)
 
Aeromóvel de Porto Alegre
Aeromóvel de Porto AlegreAeromóvel de Porto Alegre
Aeromóvel de Porto Alegre
 
Cidade Inclusiva e Sustentavel (Equidade Urbana)
Cidade Inclusiva e Sustentavel (Equidade Urbana)Cidade Inclusiva e Sustentavel (Equidade Urbana)
Cidade Inclusiva e Sustentavel (Equidade Urbana)
 
Cidades Emergentes e Sustentaveis
Cidades Emergentes e SustentaveisCidades Emergentes e Sustentaveis
Cidades Emergentes e Sustentaveis
 
Rede Nossa São Paulo
Rede Nossa São PauloRede Nossa São Paulo
Rede Nossa São Paulo
 
Cidades Virtuais
Cidades VirtuaisCidades Virtuais
Cidades Virtuais
 
As 10 Principais Cidades Emergentes do Brasil e do Mundo
As 10 Principais Cidades Emergentes do Brasil e do MundoAs 10 Principais Cidades Emergentes do Brasil e do Mundo
As 10 Principais Cidades Emergentes do Brasil e do Mundo
 
São Paulo
São PauloSão Paulo
São Paulo
 
Tóquio - Economia Regional e Urbana
Tóquio - Economia Regional e UrbanaTóquio - Economia Regional e Urbana
Tóquio - Economia Regional e Urbana
 

Último

Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfkeiciany
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...manoelaarmani
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxssuser86fd77
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfkeiciany
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 

Último (20)

Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 

Destinação de Residuos Solidos

  • 1. As 8 Cidades Com Melhor Sistema de Destinação de Resíduos Sólidos no Brasil e no Mundo
  • 2. LIXO URBANO Um dos principais problemas ambientais da atualidade é a grande produção de lixo, pois esse processo tem como consequência a liberação de gases que promovem o efeito estufa e a poluição das águas subterrâneas e superficiais. Esse fenômeno é uma das consequências do aumento populacional nas cidades, da intensificação do modelo consumista, do uso de produtos descartáveis, além do modismo, pois existe uma “necessidade” de se adquirir objetos mais modernos.
  • 3. LIXO URBANO Domiciliar: alimentos, papéis, plásticos, vidros, papelão, produtos deteriorados, etc. Industrial: cinzas, lodos, metais, cerâmicas, madeira, borracha, resíduos alcalinos, etc. Hospitalar: embalagens, seringas, agulhas, curativos, gazes, ataduras, peças atômicas. Lixo tecnológico: computadores, pilhas e aparelhos eletrônicos em geral.
  • 5. Resíduos Sólidos No Brasil, a norma NBR 10.004/07 atribui a seguinte definição aos resíduos sólidos:  Resíduo Sólido é todos aqueles resíduos nos estado sólido e semi-sólido que resultam da atividade da comunidade de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, de serviços, de varrição ou agrícola.  Incluem-se os lodos de Estações de Tratamento de Água (ETAs) e Estações de Esgotos (ETEs), resíduos gerados em equipamentos e instalações de controle da poluição e líquidos que não possam ser lançados na rede pública de esgotos, em função de suas particularidades.
  • 6. Qual é a diferença entre lixo e resíduos sólidos?  Nenhuma, antigamente os resíduos sólidos eram denominados lixo e fim. Atualmente há uma compreensão que os materiais separados, passíveis de reciclagem ou reaproveitamento recebem tratamento de resíduos sólidos, enquanto os materiais misturados e acumulados tem mais uma conotação de lixo.  Os resíduos sólidos são uma das principais causas da poluição do solo decorrentes dos acúmulos de embalagens de plástico, papel e metais, e de produtos químicos, como fertilizantes, pesticidas e herbicidas.
  • 7. San Francisco, Califórnia  A cidade produz pouco mais de 2 milhões de toneladas por ano. Desse total, 1,6 milhão é transferido para a reutilização, reciclagem (incluindo materiais de construção e demolição) e compostagem de resíduos alimentares, papéis sujos de alimentos e resíduos de jardinagem.  Com a iniciativa “Zero Waste” (“Resíduo Zero”), 80% dos resíduos produzidos na cidade de San Francisco já deixaram de ser encaminhados para o aterro sanitário, para serem reintroduzidos em diversos processos produtivos.  A cidade conquistou esse percentual a partir da criação de políticas que reduzem o desperdício e aumentando o acesso à reciclagem e compostagem, utilizando-se, principalmente das estratégias:
  • 8. San Francisco, Califórnia  1) Evitar a produção de resíduos: as empresas são estimuladas a ser responsáveis por seus produtos e os consumidores a evitar lixo indesejado.  2) Reciclar e Compostar: a cidade implantou programas para reciclagem e compostagem de quase todo o resíduo produzido, de diferentes formas;  3) Tratamento Seguro de Produtos Tóxicos: com métodos convenientes para evitar a poluição e obedecer a lei, uma vez que certas atividades cotidianas envolvem produtos tóxicos, os quais não devem ser destinados junto aos resíduos comuns.
  • 9. San Francisco, Califórnia  Resultados da iniciativa “Zero Waste”  Em 2010 a meta de 75% é ultrapassada - 78% dos resíduos produzidos na cidade de San Francisco deixaram de ser encaminhados para o aterro sanitário.  Em 2012, 80% dos resíduos deixaram de ser destinados aos aterros sanitários.  Além da redução do envio dos resíduos aos aterros sanitários, o programa também contribuiu para a redução de 12% das emissões de Gases de Efeito Estufa da cidade, comparado aos níveis de 1990.
  • 11. Barcelona, Espanha  Com experiência de implantação da gestão ambiental, compras públicas sustentáveis e eficiência energética em edifícios, o setor público de Barcelona é referência internacional.  Barcelona investe na coleta pneumática de resíduos sólidos urbanos (com a sigla RPRSU na Espanha) desde 1992.  Hoje, a cidade conta com 42 km de rede de tubulação subterrânea e oito centrais de coleta com capacidade de 20 mil t/ano.  Os 2,1 mil pontos de entrada (coletores) espalhados pela cidade ainda separam os resíduos em quatro frações: orgânico, vidro, papel e plástico.
  • 12. Barcelona, Espanha  A tecnologia funciona da seguinte maneira: a população deposita sacos de resíduos em coletores instalados nas vias e/ou edifícios  Quando esses coletores, conectados a uma tubulação subterrânea, estão cheios, um sensor aciona o disparo dos resíduos, que seguem em vácuo, por sucção, até as centrais de coleta, onde os materiais são separados e compactados em contêineres estanques, para destinação final.
  • 14. Barcelona, Espanha  Vantagens da coleta Peneumática de resíduos sólidos  Coleta e transporte automatizados de resíduos sólidos urbanos, com eliminação do trabalho de coleta manual de lixo;  Descarte do uso de caminhões, com redução de consumo de combustível e de emissões atmosféricas, e favorecimento ao trânsito urbano;  Melhoria estética e higiênica do ambiente urbano com eliminação do mau cheiro resultante da exposição de sacos de lixo em espaço público;  Conforto aos usuários pela possibilidade de disposição de lixo 24 horas por dia, 365 dias por ano;  Incentivação à reciclagem de materiais em larga escala; Organização e infraestrutura para devida destinação final.
  • 15. Santa Helena, Paraná  Desde o ano de 2002, já havia em Santa Helena 12 catadores que faziam o trabalho de catação no aterro sanitário da cidade. Nessa ocasião, esses catadores receberam da administração municipal um barracão com mesas para a separação dos materiais recolhidos.  Em 2004, foi oficializado o Programa de Coleta Seletiva no Município, por meio de um convênio entre os catadores de materiais recicláveis e a Prefeitura de Santa Helena.  Pelo acordo, a administração municipal cedeu, em comodato, um barracão de 1.500 m², com esteira e prensa.  A prefeitura, juntamente com a Associação dos Agentes Ambientais, distribui sacos plásticos apropriados nas residências, a cada 30 dias, para acondicionamento do material reciclável. Todo o material recolhido é encaminhando à cooperativa para ser beneficiado.
  • 16. Santa Helena, Paraná  Para facilitar a recolha e, principalmente, a separação dos materiais, a administração municipal de Santa Helena adquiriu contêineres e os distribuiu nas quadras da cidade e em áreas agrícolas. São dois tipos de contêineres: um para o material reciclável e outro para o lixo orgânico.  Resultados das Politicas de Coleta Seletiva  O programa recolhe atualmente cerca de 70 toneladas mensais de materiais recicláveis. A expectativa é aumentar esse volume para 100 toneladas mensais e, com isso, ampliar em 30% a renda de cada família envolvida;  Em agosto de 2015, o município de Santa Helena se tornou referência na região da Bacia do Paraná III em coleta seletiva, separação e destinação de material reciclável.
  • 19. Curitiba, Paraná  No município de Curitiba, a coleta seletiva de lixo é feita desde 1989.  Hoje, o programa Lixo que não é Lixo abrange 100% da cidade, que produz cerca de 2,2 mil toneladas de resíduos sólidos por dia. Deste total, 550 toneladas são separadas pela população e encaminhadas para a coleta seletiva.  O lixo reciclável recolhido é encaminhado usina de valorização de materiais, onde é separado e encaminhado para a comercialização. Os recicláveis também podem ser trocados por alimentos, por meio do Programa Câmbio Verde: quatro quilos de material reciclável valem um quilo de alimento
  • 20. Curitiba, Paraná  O programa também recebe óleo de cozinha usado, que é vendido a empresas para a fabricação de material de limpeza ou lubrificantes.  Na troca, um litro de óleo usado vale dois quilos de alimentos.  Além da coleta seletiva, a capital paranaense faz uma coleta específica para lixo tóxico domiciliar, como pilhas, baterias e remédios.  O lixo comum é destinado ao aterro sanitário, que também recebe os resíduos de mais 14 municípios da região metropolitana.
  • 21. Curitiba, Paraná  Curitiba foi a primeira cidade o brasil a instalar Estação de Sustentabilidade para entrega voluntária de resíduos.  A estação é um local preparado para entrega voluntária de resíduos recicláveis por moradores da região.  O novo modelo visa envolver os cidadãos na gestão dos resíduos sólidos, aperfeiçoar a coleta seletiva e criar mais um mecanismo de inclusão social, ao delegar a administração dos resíduos para associações de catadores.
  • 24. Cidade do México  Uma das meta do “Plano Verde” está ligada à política de resíduos sólidos, que estabelece normas para a reciclagem.  O incentivo ao gerenciamento de embalagens e materiais recicláveis e a utilização de produtos biodegradáveis e/ou recicláveis são para minimizar os impactos no meio ambiente.  A medida também prevê reciclar no mínimo 79% dos resíduos.  Por isso mais usinas de reciclagem serão construídas e a inserção de campanhas de educação ambiental nas escolas e meios de comunicação estão no projeto.
  • 25. Cidade do México  Para dar um destino útil aos materiais recicláveis, uma empresa de reciclagem de Guadalajara – município ao noroeste da Cidade do México – recicla 40 toneladas de resíduos em placas plásticas que podem ser usadas na construção sustentável.  O material pode ser transformado em placas usadas na construção de casas populares para abrigar 50% da população mexicana. Uma pequena casa de 55 metros quadrados sai no valor de R$ 10 mil.
  • 27. Zurique, Suíça  Por seis anos Zurique apareceu repetidamente como primeira colocada no ranking de cidade com a melhor qualidade de vida do mundo.  A preocupação com o meio ambiente - incluindo esforços para reduzir a poluição do ar, garantir recursos hídricos e respeitar a biodiversidade são apenas alguns dos benefícios proporcionados ao morador da cidade.  Existem duas plantas de incineração de lixo na região de Zurique, que fazem a queima de resíduos, transformados então em energia e aquecimento. 70% do aquecimento da cidade é gerado pelo lixo revela Leta Filli, diretora de comunicação do (Departamento de coleta e reciclagem de lixo).
  • 28. Zurique, Suíça  Mas esse modelo de sucesso depende de um estreito elo de comprometimento entre governo, indústria e população. Exemplo claro disso vem do sistema de coleta de lixo e reciclagem local.  370 mil pessoas vivem em Zurique e, só em 2007, elas tornaram possível a reciclagem de 53 mil toneladas de lixo.  O sistema de coleta é extremamente organizado. No começo do ano, é distribuído um calendário, com as datas semanais e mensais de recolhimento de material e resíduos, para os próximos 12 meses.  O lixo orgânico e tudo que não pode ser reaproveitado, é coletado semanalmente.
  • 30. Londrina, Paraná  Com a implantação da coleta seletiva na cidade desde 1996 e a inclusão de catadores no programa municipal em 2001, a cidade de Londrina, no Paraná, se destaca como exemplo na gestão eficiente dos materiais recicláveis.  Em 1996, Londrina já contava com a realização de coleta seletiva pela cidade. No entanto, a inclusão de catadores no processo se deu apenas em 2001, integrados pelo programa municipal.  Os catadores do aterro da cidade foram incentivados pelo governo municipal a se estruturarem em associações, de forma a sustentar um sistema de coleta e triagem melhor definido, de forma coletiva.
  • 31. Londrina, Paraná  Dessa forma, a cidade foi setorizada e distribuída entre as associações, a fim de organizar o sistema de coleta e inclusão social para o trabalho.  No segundo semestre de 2001 já houve uma ampliação na oferta do serviço de coleta seletiva em 20 mil residências (de 30 mil para 50 mil, representando mais de 35% do total do município).  Logo nos anos seguintes com o objetivo principal de aumentar o poder de controle e negociação no preço de venda dos materiais recicláveis, os membros das associações fundaram uma nova associação, a Central de Pesagem e Vendas – CEPEVE, que se tornou articuladora na comercialização conjunta dos materiais.
  • 32. Londrina, Paraná  Com a introdução dessas ações a população da cidade passou a separar o material reciclável na própria fonte.  Dessa forma, é diferenciado o papel do catador de resíduos comuns e aqueles de material reciclável. Os catadores de reciclável passam a se responsabilizar pela coleta, separação e venda dos resíduos, com autonomia própria para suas atividades.  Até novembro de 2011, o sistema de coleta seletiva atendeu cerca de 67.500 casas com coleta porta a porta. E, desde dezembro do mesmo ano, a chegada de outra cooperativa fez com que o sistema atingisse mais 95.224 domicílios, ampliando a abrangência para 77% dos domicílios.  A quantidade total de resíduos recicláveis comercializados em 2011 foi de 4.665 toneladas e a taxa de cobertura da coleta seletiva em relação à população urbana foi de 100%.
  • 34. Borás, Suécia  Em Borás, na Suécia, a maior parte dos resíduos sólidos gerados pela população de cerca de 64 mil habitantes é reciclada, tratada biologicamente ou transformada em energia (biogás).  Que abastece a maioria das casas, estabelecimentos comerciais e a frota de 59 ônibus que integram o sistema de transporte público da cidade  Em função disso, o descarte de lixo no município sueco é quase nulo, e seu sistema de produção de biogás se tornou um dos mais avançados da Europa.
  • 35. Borás, Suécia  São Produzidos 3 milhões de metros cúbicos de biogás a partir de resíduos sólidos.  Para atender à demanda por energia, foram pesquisados resíduos que possam ser incinerados e importamos lixo de outros países para alimentar o gaseificador.  O modelo de gestão de resíduos sólidos adotado pela cidade, que integra comunidade, governo, universidade e instituições de pesquisa, começou a ser implementado a partir de meados de 1995 e ganhou maior impulso em 2002 com o estabelecimento de uma legislação que baniu a existência de aterros sanitários nos países da União Europeia.
  • 36. Borás, Suécia  Para atender à legislação, a cidade implantou um sistema de coleta seletiva de lixo em que os moradores separam os resíduos em diferentes categorias e os descartam em coletores espalhados em diversos pontos na cidade.  Dos pontos de coleta, os resíduos seguem para uma usina onde são separados por um processo óptico e encaminhados para reciclagem, compostagem ou incineração.
  • 39. Referências  http://brasilescola.uol.com.br/geografia/lixo-urbano.htm  https://www.ecodebate.com.br/2010/05/12/lixo-ou-residuos-solidos- artigo-de-roberto-naime/  http://infraestruturaurbana.pini.com.br/solucoes-tecnicas/11/coleta-de- lixo-subterrenea-e-a-vacuo-conheca-modelo-245157-1.aspx  http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/curitiba-instala-primeira-estacao-de- sustentabilidade-para-entrega-voluntaria-de-residuos/34886  http://www.pensamentoverde.com.br/category/cidades-sustentaveis/