Cidades Virtuais

251 visualizações

Publicada em

O slide é um trabalho da disciplina de economia regional e urbana do curso de economia da urca, Cidades Virtuais.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
251
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cidades Virtuais

  1. 1. Cidades Virtuais Alunas: Amanda Vital Brena Barbosa Milania Leite
  2. 2. Pierre Lévy Pierre Lévy nasceu na Tunísia, país do norte da África, em 2 de julho de 1956, no seio de uma família de judeus; nesta época sua terra natal era colônia da França. Não se sabe praticamente nada sobre sua existência até 1980, quando ele terminou seu Mestrado em História da Ciência, na Universidade de Sorbonne, em Paris, a não ser que se graduou em História. As pesquisas de Lévy se concentraram especialmente na área da cibernética e da inteligência artificial.
  3. 3. CIBERNÉTICA O que seria o espaço cibernético? O espaço cibernético é um terreno onde está funcionando a humanidade, hoje. É um novo espaço de interação humana que já tem uma importância enorme sobretudo no plano econômico e científico e, certamente, essa importância vai ampliar-se e vai estender-se a vários outros campos, como por exemplo na Pedagogia, Estética, Arte e Política. É a instauração de uma rede de todas as memórias informatizadas e de todos os computadores. Atualmente, temos cada vez mais conservados, sob forma numérica e registrados na memória do computador, textos, imagens e músicas produzidos por computador. Então, a esfera da comunicação e da informação está se transformando numa esfera informatizada. O interesse é pensar qual o significado cultural disso. Com o espaço cibernético temos uma ferramenta de comunicação muito diferente da mídia clássica, porque é nesse espaço que todas as mensagens se tornam interativas, ganham uma plasticidade e têm uma possibilidade de metamorfose imediata. E aí, a partir do momento que se tem o acesso a isso, cada pessoa pode se tornar uma emissora, o que obviamente não é o caso de uma mídia como a imprensa ou a televisão. Então, daria para a gente fazer uma tipologia rápida dos dispositivos de comunicação onde há um tipo em que não há interatividade porque tem um centro emissor e uma multiplicidade de receptores. Esse primeiro dispositivo chama- se Um e Todo.
  4. 4. Pierre Lévy O que é o Virtual? o caso das empresas virtuais. Uma empresa organizada classicamente dispõe os seus trabalhadores num espaço determinado. Já uma empresa virtual abre as portas ao tele trabalho. Estas empresas virtuais criaram um problema que deriva da forma como são organizadas. Nas empresas clássicas existiu uma atualização, ou seja, de um problema passou-se a uma solução: organizar uma empresa através de critérios clássicos: horários estabelecidos, postos de trabalho físicos. A virtualização das empresas veio criar um problema (ruptura com as regras tradicionais) que advém da solução (regras tradicionais) encontrada pelas empresas clássicas. Conclui-se, portanto, que a virtualização não se opõe ao real, mas é um fator que origina novas realidades particulares. Consegue trazer à organização da sociedade uma maior liberdade. A maior liberdade concretiza-se no espaço. A empresa deixa de ter um lugar físico preciso.
  5. 5. Cibercultura É uma nova maneira de compreender as relações tecnológicas que se estabelecem na sociedade. Ela é um espaço de comunicação, uma migração do mundo real para o imaginário, que possibilita aos indivíduos uma gama infinita de criação e recriação do seu próprio espaço social.
  6. 6. Ciberespaço É a denominação dum espaço que existe no mundo de comunicação em que não é necessária a presença física do homem para constituir a comunicação como fonte de relacionamento, dando ênfase ao ato da imaginação, necessária para a criação de uma imagem anônima, que terá comunhão com os demais. É o espaço virtual para a comunicação disposto pelo meio de tecnologia. Apesar de a internet ser o principal ambiente do ciberespaço, devido a sua popularização e sua natureza de hipertexto, o ciberespaço também pode ocorrer na relação do homem com outras tecnologias: celular, pagers, comunicação entre radioamadores e por serviços do tipo “tele amigos”.
  7. 7. Comunidade Virtual São espaços virtuais de comunicação e cooperação que se destinam ao debate de temas específicos por um conjunto de pessoas com interesses ou objetivos comuns.
  8. 8. Educação Online Pode ser definida como o conjunto de ações de ensino- aprendizagem que são desenvolvidas através de meios telemáticos, como a Internet, a videoconferência e a teleconferência. A educação online nos traz questões pedagógicas específicas com desafios novos para a educação a distância e para a presencial. Existe hoje no Brasil uma grande variedade de cursos on-line: cursos para poucos e para muitos alunos, cursos com pouca interação e com muita interação, cursos centrados no professor e cursos centrados nos alunos; cursos que utilizam uma tecnologia (Internet, videoconferência, teleconferência) e outros que integram várias tecnologias.
  9. 9. Os livros e cadernos, aos poucos, estão sendo substituídos por tablets. O quadro negro, que depois ficou branco, agora é digital. As aulas podem ser assistidas a distância. E a tarefa de casa pode ser feita numa rede social. O que antes parecia coisa de filme futurista tornou-se realidade. A tecnologia está cada vez mais presente no cotidiano das pessoas, assim como na educação. Antes de isso tudo tornar-se tão evidente, o filósofo francês Pierre Lévy já defendia a teoria da inteligência coletiva e da cibercultura. Para ele, estamos vivendo o início de uma transformação cultural, em que a forma de construir o conhecimento é colaborativa. Lévy explica que os educadores precisam mergulhar na cultura digital, para compreender o universo dos estudantes. Além disso, ele salienta que os professores devem usar as ferramentas virtuais em benefício da educação, explorando suas singularidades e dando mais espaço para que os estudantes participem mais ativamente do processo de ensino-aprendizagem.
  10. 10. Berlim Berlim mostrou-se uma parceira disposta a colaborar, fornecendo conteúdo para o site sem cobrar nada. Representada pelo Business Location Center Berlin-Brandenburg, a capital alemã encomendou um modelo 3D de si mesma à empresa 3D Geo – que então forneceu esses dados ao Google. “É uma nova dimensão para um marketing localizado inovador e também para o incentivo aos investidores”, diz Harald Wolf, senador de Berlim para a Economia, Tecnologia e Direitos da Mulher.
  11. 11. Nova York Para quem ainda não conhece essa belíssima cidade, agora se tem a possibilidade de viajar sobre ela de forma segura. É um trabalho absolutamente excepcional aquele que a Pixelcase, uma empresa australiana (Perth), colocou recentemente online. A Pixelcase é uma empresa especializada em virtual tours (visitas virtuais) e na sua lista de clientes encontram-se praticamente todas as empresas ou entidades australianas que procuraram este tipo de produto.
  12. 12. New Songdo New Songdo é uma tentativa de colocar na prática o conceito de Ubiquitous City (U-City), traduzido livremente como cidade ubíqua. Não foi a primeira cidade a receber o título de U-City, noentanto é a primeira a ser totalmente construída a partir desse conceito. New Songdo é a cidade ubíqua mais avançada do mundo sendo construída do zero. Construída na Coréia do Sul é a pioneira delas.
  13. 13. Vida digital A tecnologia de computação estará tanto visível como invisivelmente. A cidade será o exemplo máximo de um estilo de vida totalmente digital, com todos os sistemas de informação de residências, empresas e serviços conectados. Estima-se que todas as casas terão centenas, até milhares de chips por onde diversos dados e informações circularão.
  14. 14. Uma vida totalmente high-tech -Imagine uma residência de idosos que detecta por meio de sensores de pressão a ocorrência de uma queda e aciona a ajuda imediatamente. -Ou um sistema de coleta de lixo que recompensa os moradores se os materiais recicláveis forem depositados no local adequado. -Não seria incrível, por exemplo, ser avisado antes de sair de casa qual o trajeto apresenta menos trânsito e onde há vagas disponíveis? -Essas são algumas das tarefas que uma U-City poderia disponibilizar.
  15. 15. Localização Songdo tem uma localização estratégica, que permite alcançar um terço da população mundial em pouco mais de três horas de voo. Mercados regionais como Rússia, China e Japão estão muito próximos, o que faz desta cidade o epicentro comercial asiático. A área de construção ocupa seis quilômetros quadrados (equivalente a 735 campos de futebol) localizada na costa de Incheon, cidade que fica a 65 quilômetros da capital Seul. Na inauguração oficial, New Songdo terá 65 mil habitantes. Candidatos já estão na fila. A expectativa é que New Songdo seja um pólo econômico, tecnológico e sustentável. E o investimento é grande, cerca de 80 bilhões de reais (é o maior investimento imobiliário privado já realizado). Mas as polêmicas sobre como esta vigilância extrema afetará a vida da população também gera desconfianças. Se a aplicação do modelo das Cidades Ubíquas funcionará, só poderemos saber com o tempo.
  16. 16. TRANSPORTE Objetivos: diminuir o uso de veículos automotivos. Por ser um dos principais responsáveis pela poluição. Transportes Alternativos: a cidade contará com um transporte público de qualidade por meio de ônibus e metrôs, uma rede de 25 km de ciclovias e inclusive transportes aquáticos nos canais. Estacionamento: 5% das vagas serão reservadas para veículos de baixa emissão de poluentes. Quadras comerciais terão mais 5% das vagas para carros com carona. A cidade foi projetada de forma que os moradores da cidade não gastem, a pé, mais de 12,5 minutos para chegar às lojas, parques ou a um acesso ao transporte público. Uma ponte liga o distrito ao Aeroporto Internacional de Incheon um dos maiores do mundo, tanto em número de passageiros como em volume de carga. Incheon é o caminho para um terço da população do planeta em um voo de cerca de três horas.
  17. 17. Sustentabilidade - 40% do seu território será destinado a áreas verdes. - -Seus edifícios usarão 20% a menos de água e 14% a menos de eletricidade em relação a uma cidade típica do mesmo tamanho. - -Todos os prédios deverão ter certificados de padrões internacionais de design e construção sustentáveis. - O canal do parque central usará água do mar, economizando milhões de litros de água potável por dia. - O consumo de água potável por sistemas de encanamento será reduzido em até 40% dependendo do projeto utilizado. - A água de chuvas será utilizada ao máximo devido ao tipo de clima e o padrão de quantidade de chuva da região. Essa água será mais bem aproveitada por telhados especialmente desenvolvidos, os quais também amenizarão o efeito estufa. -Outras medidas aliadas à tecnologia também serão utilizadas, os sistema de vigilância indicarão por exemplo, ruas onde o movimento é menor para que reduza- se a iluminação nestes locais.
  18. 18. Cidade de Songdo, na Coreia do Sul: projetada para ser a cidade tecnologicamente mais avançada do país, teve seu custo de construção estimado em 35 bilhões de dólares
  19. 19. Avanço tecnológico nas cidades Um estudo da Ericsson, feito em parceria com a consultora Arthur D. Little, apontou as cidades com maiores avanços tecnológicos do mundo com base nas categorias de sustentabilidade, infra-estrutura, segurança, saúde, educação e outros. A pesquisa Networked Society City Index exibiu um gráfico com 25 cidades que se dividem em três velocidades de crescimento. São Paulo, a única cidade brasileira presente no ranking, ficou em 14º lugar, considerada uma posição de média velocidade em desenvolvimento. A grande ganhadora foi a Cidade de Cingapura, seguida por Estocolmo, na Suécia. As primeiras colocadas se destacaram por seus esforços em tecnologia sustentável, que diminuem emissões em CO2. Já São Paulo foi escolhida pelo alto índice de inclusão digital e acessibilidade de pessoas com deficiência pela capital.
  20. 20. Referências do conteúdo: http://www.webaula.com.br/index.php/pt/acontece/noticias/2874-pierre-levy-fala- dos-beneficios-das-ferramentas-virtuais-para-a-educacao https://blogdopetcivil.com/2012/09/17/cidades-ubiquas-um-novo-conceito-sobre-a- vida-urbana/ http://www.tecmundo.com.br/historia/2662-a-cidade-do-futuro-esta-em- construcao-na-coreia-do-sul-.htm Referências Vídeos: https://www.youtube.com/watch?v=2DNj_9XVjFo http://olhardigital.uol.com.br/noticia/sao_paulo_esta_entre_as_cidades_mais_avan cadas_em_tecnologia/17968 https://www.youtube.com/watch?v=a54EBFjUoJg https://www.youtube.com/watch?v=V2uzo-xzta0&list=PL7B7A0A3F45D25EA7
  21. 21. OBRIGADA!!!

×