MOM

127 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
127
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MOM

  1. 1. MOM Middleware Orientado a Mensagens
  2. 2. CONCEITOS  Conhecidos como sistemas de enfileiramento de mensagens.  Suporte para comunicação assíncrona persistente.  Capacidade de armazenamento de médio prazo para as mensagens trocadas  Aplicações se comunicam retirando e colocando mensagens em filas específicas.  Mensagem será eventualmente entregue ao receptor.
  3. 3. CONCEITOS  Sistemas de enfileiramento de mensagens ajudam fornecendo meios básicos para empacotar cada subconsulta em uma mensagem e roteá-la até o banco de dados adequado.  Exemplo:  Consulta que abranja vários bancos de dados pode ser repartida em subconsultas que são repassadas para bancos de dados individuais.
  4. 4. QUANDO UTILIZAR?  Quando se desejar que os componentes de uma aplicação não dependam de informações a respeito da interface de outros componentes de forma a poder facilmente substitui- los;  Deseja-se executar uma aplicação sem que exista a necessidade que todos os componentes estarem executando simultaneamente;  O modelo de negócios da aplicação permite que um componente envie informações a outro e continue a operar sem receber uma resposta imediatamente.
  5. 5. APLICAÇÕES MOM  E-mail  Fluxo de trabalho  Groupware  Processamento em lotes  Integração de banco de dados  Aplicações em Geral
  6. 6. FUNCIONAMENT O 1. Aplicações se comunicam inserindo mensagens em filas específicas. 2. Mensagens são repassadas por uma série de servidores de comunicação. 3. Mensagens são entregues ao destinatário, mesmo que ele não esteja em funcionamento quando a mensagem foi enviada Remetente e Receptor podem executar em completa independência.
  7. 7. ESTADOS DO REMETENTE E DO RECEPTOR  A ideia básica é a comunicação por filas. Assim as aplicações se comunicam inserindo mensagens em filas específicas. Nenhuma garantia é dada sobre quando, e nem ao menos se, a mensagem será lida.  Uma fila só pode ser lida por sua aplicação associada, mas é possível que várias aplicações compartilhem uma mesma fila.
  8. 8. CARACTERÍSTICAS DAS MENSAGENS  Mensagens podem conter qualquer tipo de dado  Mensagens devem ser adequadamente endereçadas  O endereçamento é feito com o fornecimento de um nome exclusivo da fila destinatária no âmbito do sistema
  9. 9. CARACTERÍSTICAS DAS MENSAGENS
  10. 10. ARQUITETURA Conceitos  Fila de Fonte: Fila na qual o remetente envia a mensagem. Estas filas são filas locais do remetente.  Fila de Destino: Uma mensagem colocada em uma fila contém a especificação de uma fila de destino para a qual ela deve ser transferida.  Gerenciadores de Fila: Um gerenciador de fila interage diretamente com a aplicação que está enviando ou recebendo uma mensagem.  Repassadores: Repassam mensagens que chegam para outros gerenciadores de fila.
  11. 11. ARQUITETURA Conceitos  Sistema de enfileiramento de mensagens pode crescer até uma rede de sobreposição (overlay) completa de nível de aplicação.
  12. 12. EXEMPLO
  13. 13. EXEMPLO: VENDA DE INGRESSOS  A figura mostra como vários clientes podem acessar um servidor Web de venda de ingressos pela Internet. Os clientes Web exibem páginas HTML que mostram disponibilidade e preço de ingressos e diagramas dos assentos.  Uma empresa que venda ingressos para eventos pode usar os seguintes recursos dos Serviços de Enfileiramento de Mensagens para melhorar seu sistema:  Serviço de mensagens sem conexão. Atualização de conta e envio de ingresso, realizados de maneira assíncrona.
  14. 14. EXEMPLO: VENDA DE INGRESSOS  Conexão à Internet. Aceita pedidos pela Internet usando um aplicativo dos Serviços de Enfileiramento de Mensagens e componentes COM, em conjunto com páginas ASP e IIS (Serviços de Informação da Internet). Isto é feito por meio de formulários da Web, que dão um suporte de segurança e de várias plataformas.  Suporte de várias plataformas. Integra computadores pessoais e sistemas legados. Por exemplo, o servidor de venda de ingressos pode estar sendo executando em um computador com UNIX.
  15. 15. MULTICASTING  Ideia Básica: Nós se organizam em uma rede de sobreposição que é usada para disseminar informações para seus membros  Nós na rede de sobreposição podem cruzar vários enlaces físicos: roteamento pode não ser ótimo  Construção do overlay  Árvore: único caminho entre cada par de nós  Malha: Cada nó terá vários vizinhos, em geral, existem vários caminhos entre cada par de nós
  16. 16. MULTICASTING  Multicasting de Nível de Aplicação (MNA)  No caso da estrutura em árvore, o problema é construir uma árvore eficiente!
  17. 17. MULTICASTING MNA - Qualidade da estrutura  Estresse de enlace: Quantas vezes uma mensagem atravessa o mesmo enlace?  Exemplo: mensagem de A a D atravessa Ra,Rb duas vezes  Penalidade de atraso relativo: Razão entre o atraso entre dois nós na sobreposição e o atraso que esses dois nós sofreriam na rede subjacente.  Exemplo: mensagens de B a C possuem um atraso de 71 no overlay, mas de 47 no nível de rede, que gera uma penalidade de 1.51  Custo da árvore: parâmetro de medição global, relacionado com a minimização dos custos agregados de enlaces.  Exemplo: atraso entre dois nós finais → spanning tree
  18. 18. MULTICASTING Disseminação de Dados – Algoritmos Epidêmicos  Ideia Básica: propagar informações rapidamente entre um grande conjunto de nós usando somente informações locais. Não há nenhum componente central que coordena a disseminação de informações.  Atualizações para um item de dado específico são iniciadas em um único nó, evitando conflito de escrita.
  19. 19. MULTICASTING Modelos de Disseminação de Dados  Três tipos de nós:  Infectado: se contiver dados que está disposto a espalhar para outros nós  Suscetível: nó que ainda não tenha visto esses dados  Removido: nó atualizado que não está disposto ou capacitado para propagar os dados.
  20. 20. MULTICASTING Antientropia  Ideia Básica: Um nó P escolhe aleatoriamente um outro nó Q  Push: P envia suas próprias atualizações a Q  Pull: P recebe novas atualizações de Q  Push-Pull: P e Q enviam atualizações um ao outro (abordagem enviar-receber)
  21. 21. MULTICASTING Gossiping  Ideia Básica: Se um nó P acabou de ser atualizado com o item de dado x, ele contata um nó arbitrário Q e tenta enviar a atualização a Q. Contudo, é possível que Q já tenha sido atualizado por um outro nó. Nesse caso, P pode perder o interesse em levar adiante a propagação da atualização, com probabilidade 1/k  Problema: Nós poderão não receber atualizações!

×