Universidade de São Paulo - USPEscola de Comunicações e Artes   Departamento de Comunicações e ArtesRealidade Sócio Econôm...
Negro(a)sBrasileiro(a)s
Natanael, Camburi - SP
Filomena com fifó de três bicos, Cururupu - MA
Na ternura, na mímica excessiva, no catolicismo em que se deliciam nossos sentidos, na música, noandar, na fala, no canto ...
Dos Congos, Cabindas e Angolas na costa ocidental da África, dos Macuas e Angicos, na oriental,provieram todos os africano...
Rua do Samba - São Paulo
“A verdade é que importaram-se para o Brasil, da área mais penetrada pelo islamismo,       negros maometanos de cultura su...
Infelizmente as pesquisas em torno da imigração de escravos negros para o Brasil tornaram-se extremamente                 ...
Depois que o Conselheiro Rui Barbosa por motivos ostensivamente de ordem econômica em13 de maio de 1891 mandou queimar os ...
O filho perguntou pro paiOnde é que está o meu avôO meu avô onde é que está?O pai perguntou pro avôOnde é que está meu bis...
Rua do Samba - São Paulo
Rua do Samba - São Paulo
Festa Iemanjá, Salvador - BA
Rua do Samba - São Paulo
Pouso do Chico Rei, Ouro Preto - MG
Caixeira do Divino de Alcântara - MA
Casa Mina Gêge, São Luiz - MA
Bumbo, Santana do Parnaíba - SP
Tambor do Congo Ciclo do Rosário, Justinópolis - MG
Moçambique Ciclo do Rosário, Justinópolis - MG
Ciclo do Rosário, Justinópolis - MG
A     Irmandade de NossaSenhora do Rosário de Justinópolis, reúnehá mais de cem anos as tradições doCandombe, Congo, Moçam...
Patangomo e pandeiro, Ciclo do Rosário, Justinópolis - MG
Imperadores do Cíclo do Rosário, Justinópolis - MG
Novos Imperadores do Cíclo do Rosário, Justinópolis - MG
Cíclo do Rosário, Justinópolis - MG
Tambores do Candombe, Justinópolis - MG
Candombe, Justinópolis - MG
Candombe, Justinópolis - MG
Capitão de Moçambique Ciclo do Rosário, Justinópolis - MG
Bastões dos Capitães Ciclo do Rosário, Justinópolis - MG
Tambor de Crioula, Cururupu - MA          Tambor    de crioula ou punga é umadança do Maranhão homenageando São Benedito(u...
Tambor de Crioula do Kelé, São Luis - MA
Promessa do Dito para o Tambor de Crioula
A animação dos tambor de crioula tá nas                mulhé, na rodada da saia delas. Por que mulhé é bicho              ...
Tambor de Crioula, São Luis - MA
Tambor de Crioula, Cururupu - MA
As    Caixeiras do Divino de Alcântaracantam, tocam caixas, num batuque lento eintrospectivo, contando pequenas histórias ...
Fazedor de caixa, Alcântara - MA   Caixeira do Divino, Alcântara - MA
Caixeira do Divino, Alcântara - MA
Altar do Divino, Alcântara - MA
Caixeiras do Divino de Alcântara - MA
Caixeira do Divino de Alcântara - MA
Caixeiras do Divino - São Paulo
“A   catequese era a primeirafervura que sofria a massa de negros, antes deintegrar-se na civilização oficialmente cristãa...
Ao lado da língua banto, da quimbunda ou congoense falaram-se entre os nossos negros outraslinguas-gerais: a Gege, a Haúça...
A    formação brasileira foi beneficiada pelo melhor da cultura negra da África, absorvendoelementos por assim dizer de el...
Camburi - São Paulo
São Paulo - SP
São Gonçalo do Rio Abaixo - MG
Ouro Preto - MG
Rua do Samba - SP
Rua do Samba - SP
Foz do Rio Jequitinhonha, Belmonte - BA
Cilíco, Cururupu - MA   Vilson ( Boi do Vilson), Cururupu - MA
Kaçula - SP
Cilíco, Cururupu - MA
Folia de Reis, Romaria - MG
Festa do Divino, São Paulo - SP
Folia de Reis, Pirapora - MG
Folia de Reis, Belo Horizonte - MG
Festa Junina, FEBEM – São Paulo
Pandeiro de Costa de Mão, Cururupu - MA           O sotaque de Cururupu (costa de mão) tem uma história interessante. A or...
Mario (compositor de toada de boi), Cururupu - MA
Chapéu de brincante, Cururupu - MA
Carcaça do boizinho, Cururupu - MA
Boizinho do bumba-meu-boi pandeiro de costa de mão, Cururupu - MA
Fazendo a venta do boizinho, Cururupu - MA
Couro do boi, Cururupu - MA
Couro do boi, Cururupu - MA
Couro do boi, Cururupu - MA
Vestuário do brincante, Cururupu - MA
Couro do boi, Cururupu - MA
Batismo do boi, Cururupu - MA
Batismo do boi, Cururupu - MA
No Maranhão tem dois tipos: MinaGêje e Mina Nagô.                                             Tambor de Mina Gêje, Cururup...
Tambor de Mina é a mais difundida dasreligiões Afro - brasileiras no Maranhão e na Amazônia.A palavra tambor deriva da imp...
Mãe Amélia Casa Mina Gêge, São Luis - MA
Casa Mina Gêge, São Luis - MA
Festa do Divino na Casa Mina Gêge, São Luis – MA
Casa Mina Nagô , São Luis - MA
Alegria de São Benedito
Casa Mina Gêge
Mãe Dudu Casa Mina Nagô, São Luiz - MA
Tambores da Casa Mina Gêge
Caixeira Mina Nagô, São Luis - MA
Obrigação para Iemanjá, Rio Negro - AM
Festa de Yemanjá, Salvador - BA
Festa de Iemanjá – Salvador - BA
Na Bahia, um preto diz com um certoorgulho: “Eu sou descendente de africano”. Esseorgulho vem do prestígio que tem o cando...
O     negro nos aparece no Brasil,através de toda nossa vida colonial e da nossaprimeira fase de vida independente, deform...
Rio Jequitinhonha, Jequitinhonha - MG
Marinheiro (Rio Guamu), Belém - PA
Vendedores Ambulantes, Salvador - BA
Namoro na ponte de Almenara - MG
Rio Jequitinhonha , Almenara - MG
Colhedor de Dendê, Itaparica - BA
Feira do Ver-o-pêso, Belém - PA
Boiadeiro, Monte Santo - BA
Operários na construção de estradas - Mogi das Cruzes - SP
Estaleiro do Belo, Cururupu - MA
Mas    não se pode acusar de rígido, nem de falta de mobilidade vertical o regime brasileiro,em vários sentidos sociais um...
Marcão, São Paulo - SP
Mão do vereador Netinho de Paula - São Paulo
Baile do Lu – São Paulo
Baile do Lu – São Paulo
Organizadores do Baile do Lu – São Paulo
II Congresso de Cultura Negra das Américas, PUC - SP
Abdias Nascimento, II Congresso de Cultura Negra das Américas PUC - SP
Hamilton Cardoso e Dulce II Congresso de Cultura Negra das Américas PUC - SP
II Congresso de Cultura Negra das Américas, PUC - SP
Beka, Salvador - BA
Rua do Samba - São Paulo
Naná Vasconcelos – SP0Luiz Melodia, São Paulo - SP
Barraco, Brasília – DF
Sabará - MG
Seringueiro, São Gabriel da Cachoeira - AM
Agricultor, Romaria - MG
Fazenda Recurso, Santa Rita - MA
Artesão, Mendanha - MG
Extrativistas, São Gabriel da Cachoeira - AM
Romeiros, Romaria - MG
Romeiros, Romaria - MG
Trocando a ferradura, Salvador - BA
Boiadeiro, Vila Rica - RO
Santa Rita dos Pretos - Maranhão
Santa Rita dos Pretos - Maranhão
Santa Rita dos Pretos - Maranhão
Justinópolis - MG
Barão de Guaicui - MG
Barão de Guaicui - MG
Alcântara - MA
Camburi - SP
Extrativista , Rio Roosevelt - MT
Festa do Divino de Alcântara - MA
Salvador - BA
Festa do Rosário, Silvianópolis - MG
Camburi, litoral norte de São Paulo
Bóia-fria, Assis - SP
Cíclo do Rosário, Justinópolis - MG
Cíclo do Rosário, Justinópolis - MG
Rua do Samba, São Paulo - SP
Rua do Samba, São Paulo - SP
Bagunça (compositor), São Paulo - SP
Ruben Valentin (artista plástico), Brasília - DF
Emanoel Araújo (curador e escritor) - SP
Sambódromo - São Paulo
Caixeira do Divino - São Paulo           Meu trabalho é uma singeladeclaração de respeito aos milhares de negros(as) que, ...
Fotos realizadas entre 1969 e 2011 nos Estados de Minas Gerais, Bahia, Goiás,Amazonas, Pará, Maranhão, São Paulo, Mato Gro...
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Negros Brasileiros Juvenal Pereira
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Negros Brasileiros Juvenal Pereira

339 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
339
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Negros Brasileiros Juvenal Pereira

  1. 1. Universidade de São Paulo - USPEscola de Comunicações e Artes Departamento de Comunicações e ArtesRealidade Sócio Econômica e Política Brasileira Prof. Waldenyr Caldas Cultura Africana e Afro-Brasileira Prof. Ricardo Alexino Ferreira Aluno Juvenal Pereira São Paulo, outubro de 2011
  2. 2. Negro(a)sBrasileiro(a)s
  3. 3. Natanael, Camburi - SP
  4. 4. Filomena com fifó de três bicos, Cururupu - MA
  5. 5. Na ternura, na mímica excessiva, no catolicismo em que se deliciam nossos sentidos, na música, noandar, na fala, no canto de ninar menino pequeno, em tudo que é expressão sincera da vida, trazemos quase todosa marca da influência negra. Gilberto Freyre Pouso do Chico Rei, Ouro Preto - MG
  6. 6. Dos Congos, Cabindas e Angolas na costa ocidental da África, dos Macuas e Angicos, na oriental,provieram todos os africanos brasileiros. Spix e Martius Rua do Samba - São Paulo
  7. 7. Rua do Samba - São Paulo
  8. 8. “A verdade é que importaram-se para o Brasil, da área mais penetrada pelo islamismo, negros maometanos de cultura superior não só a dos indígenas com à da grande maioria dos colonos brancos - portugueses e filhos de portugueses quase sem instrução nenhuma, analfabetos uns, semi- analfabetos na maior parte.100 quilates de diamante. Diamantina - MG
  9. 9. Infelizmente as pesquisas em torno da imigração de escravos negros para o Brasil tornaram-se extremamente difíceis, em torno de certos pontos de interesse histórico e antropológico.
  10. 10. Depois que o Conselheiro Rui Barbosa por motivos ostensivamente de ordem econômica em13 de maio de 1891 mandou queimar os arquivos da escravidão. Talvez esclarecimentos genealógicospreciosos se tenham perdido nesses autos-de-fé republicanos. “ Gilberto Freyre Justinópolis – MG
  11. 11. O filho perguntou pro paiOnde é que está o meu avôO meu avô onde é que está?O pai perguntou pro avôOnde é que está meu bisavôMeu bisavô onde é que está?Avô perguntou pro bisavôOnde é que está tataravôTataravô onde é que está?TataravôBisavôAvôPai Xangô, aganjúVivaEgumBabáAlapalá (...)Gilberto Gil Brasília – DF
  12. 12. Rua do Samba - São Paulo
  13. 13. Rua do Samba - São Paulo
  14. 14. Festa Iemanjá, Salvador - BA
  15. 15. Rua do Samba - São Paulo
  16. 16. Pouso do Chico Rei, Ouro Preto - MG
  17. 17. Caixeira do Divino de Alcântara - MA
  18. 18. Casa Mina Gêge, São Luiz - MA
  19. 19. Bumbo, Santana do Parnaíba - SP
  20. 20. Tambor do Congo Ciclo do Rosário, Justinópolis - MG
  21. 21. Moçambique Ciclo do Rosário, Justinópolis - MG
  22. 22. Ciclo do Rosário, Justinópolis - MG
  23. 23. A Irmandade de NossaSenhora do Rosário de Justinópolis, reúnehá mais de cem anos as tradições doCandombe, Congo, Moçambique e Foliade Reis.O ajuntamento começou com o Candombeem 1916, quando ao ver os congadeiros narua, um proprietário de terras, encantadocom a beleza dos cantos, batuques edanças, decidiu doar o terreno onde seencontra atualmente a igreja e a sede daIrmandade de Nossa Senhora do Rosáriode Justinópolis
  24. 24. Patangomo e pandeiro, Ciclo do Rosário, Justinópolis - MG
  25. 25. Imperadores do Cíclo do Rosário, Justinópolis - MG
  26. 26. Novos Imperadores do Cíclo do Rosário, Justinópolis - MG
  27. 27. Cíclo do Rosário, Justinópolis - MG
  28. 28. Tambores do Candombe, Justinópolis - MG
  29. 29. Candombe, Justinópolis - MG
  30. 30. Candombe, Justinópolis - MG
  31. 31. Capitão de Moçambique Ciclo do Rosário, Justinópolis - MG
  32. 32. Bastões dos Capitães Ciclo do Rosário, Justinópolis - MG
  33. 33. Tambor de Crioula, Cururupu - MA Tambor de crioula ou punga é umadança do Maranhão homenageando São Benedito(um dos santos mais populares da diáspora). Osgrupos tocam os tambores agradecendo uma graçaalançada, ou a chegada de uma pessoa querida. Éuma dança alegre, energizada e erótica, marcadapor um envolvimento sonoro visceral, canto ebatuque.
  34. 34. Tambor de Crioula do Kelé, São Luis - MA
  35. 35. Promessa do Dito para o Tambor de Crioula
  36. 36. A animação dos tambor de crioula tá nas mulhé, na rodada da saia delas. Por que mulhé é bicho danado pra dançar bonito. Elas dá muita inspiração pra cantadô tirá toada e pros tocadô esmurrá tambô a noite inteira, até de manhã. (Anônimo)Cururupu - MA
  37. 37. Tambor de Crioula, São Luis - MA
  38. 38. Tambor de Crioula, Cururupu - MA
  39. 39. As Caixeiras do Divino de Alcântaracantam, tocam caixas, num batuque lento eintrospectivo, contando pequenas histórias em louvorao Divino Espírito Santo. A tradição familiar começoucom suas bisavós, avós, passou de mãe para filha. Eassim continua. Elas seguem com o Divino, “andandode pés”, por caminhos sem fins.
  40. 40. Fazedor de caixa, Alcântara - MA Caixeira do Divino, Alcântara - MA
  41. 41. Caixeira do Divino, Alcântara - MA
  42. 42. Altar do Divino, Alcântara - MA
  43. 43. Caixeiras do Divino de Alcântara - MA
  44. 44. Caixeira do Divino de Alcântara - MA
  45. 45. Caixeiras do Divino - São Paulo
  46. 46. “A catequese era a primeirafervura que sofria a massa de negros, antes deintegrar-se na civilização oficialmente cristãaqui formada com elementos tão diversos.Esses elementos, a Igreja quebrou-lhes a forçaou a dureza, sem destruir-lhes toda apotencialidade“ Gilberto FreyreCaixeira do Divino - São Paulo
  47. 47. Ao lado da língua banto, da quimbunda ou congoense falaram-se entre os nossos negros outraslinguas-gerais: a Gege, a Haúça, a Nagô ou Iorubá – que Vernhagen dá como a mais falada do que oportuguês entre os antigos negros da Bahia.
  48. 48. A formação brasileira foi beneficiada pelo melhor da cultura negra da África, absorvendoelementos por assim dizer de elite. (Gilberto Freyre)
  49. 49. Camburi - São Paulo
  50. 50. São Paulo - SP
  51. 51. São Gonçalo do Rio Abaixo - MG
  52. 52. Ouro Preto - MG
  53. 53. Rua do Samba - SP
  54. 54. Rua do Samba - SP
  55. 55. Foz do Rio Jequitinhonha, Belmonte - BA
  56. 56. Cilíco, Cururupu - MA Vilson ( Boi do Vilson), Cururupu - MA
  57. 57. Kaçula - SP
  58. 58. Cilíco, Cururupu - MA
  59. 59. Folia de Reis, Romaria - MG
  60. 60. Festa do Divino, São Paulo - SP
  61. 61. Folia de Reis, Pirapora - MG
  62. 62. Folia de Reis, Belo Horizonte - MG
  63. 63. Festa Junina, FEBEM – São Paulo
  64. 64. Pandeiro de Costa de Mão, Cururupu - MA O sotaque de Cururupu (costa de mão) tem uma história interessante. A origem deste sotaque estáligada à vida dos negros. Eles levavam porradas com palmatória na palma das mãos.Mesmo com as mãos feridas os negros festejavam São João e para não perderem a festa tocavam os pandeiros comas costas das mãos. Acompanham o “costa de mão” maracás de metal e tambor onça.
  65. 65. Mario (compositor de toada de boi), Cururupu - MA
  66. 66. Chapéu de brincante, Cururupu - MA
  67. 67. Carcaça do boizinho, Cururupu - MA
  68. 68. Boizinho do bumba-meu-boi pandeiro de costa de mão, Cururupu - MA
  69. 69. Fazendo a venta do boizinho, Cururupu - MA
  70. 70. Couro do boi, Cururupu - MA
  71. 71. Couro do boi, Cururupu - MA
  72. 72. Couro do boi, Cururupu - MA
  73. 73. Vestuário do brincante, Cururupu - MA
  74. 74. Couro do boi, Cururupu - MA
  75. 75. Batismo do boi, Cururupu - MA
  76. 76. Batismo do boi, Cururupu - MA
  77. 77. No Maranhão tem dois tipos: MinaGêje e Mina Nagô. Tambor de Mina Gêje, Cururupu - MA
  78. 78. Tambor de Mina é a mais difundida dasreligiões Afro - brasileiras no Maranhão e na Amazônia.A palavra tambor deriva da importância do instrumentonos rituais de culto. Mina deriva de negro da Costa daMina, denominação dada aos escravos procedentes dacosta situada a leste do Castelo de São Jorge de Mina.Pierre Verger Casa Mina Gege, São Luis - MA
  79. 79. Mãe Amélia Casa Mina Gêge, São Luis - MA
  80. 80. Casa Mina Gêge, São Luis - MA
  81. 81. Festa do Divino na Casa Mina Gêge, São Luis – MA
  82. 82. Casa Mina Nagô , São Luis - MA
  83. 83. Alegria de São Benedito
  84. 84. Casa Mina Gêge
  85. 85. Mãe Dudu Casa Mina Nagô, São Luiz - MA
  86. 86. Tambores da Casa Mina Gêge
  87. 87. Caixeira Mina Nagô, São Luis - MA
  88. 88. Obrigação para Iemanjá, Rio Negro - AM
  89. 89. Festa de Yemanjá, Salvador - BA
  90. 90. Festa de Iemanjá – Salvador - BA
  91. 91. Na Bahia, um preto diz com um certoorgulho: “Eu sou descendente de africano”. Esseorgulho vem do prestígio que tem o candomblé. Éisso que me interessou no candomblé. Ele davaaos descendentes de africanos um certosentimento de orgulho. Pierre Verger
  92. 92. O negro nos aparece no Brasil,através de toda nossa vida colonial e da nossaprimeira fase de vida independente, deformadopela escravidão. Gilberto Freyre São Luis - MA
  93. 93. Rio Jequitinhonha, Jequitinhonha - MG
  94. 94. Marinheiro (Rio Guamu), Belém - PA
  95. 95. Vendedores Ambulantes, Salvador - BA
  96. 96. Namoro na ponte de Almenara - MG
  97. 97. Rio Jequitinhonha , Almenara - MG
  98. 98. Colhedor de Dendê, Itaparica - BA
  99. 99. Feira do Ver-o-pêso, Belém - PA
  100. 100. Boiadeiro, Monte Santo - BA
  101. 101. Operários na construção de estradas - Mogi das Cruzes - SP
  102. 102. Estaleiro do Belo, Cururupu - MA
  103. 103. Mas não se pode acusar de rígido, nem de falta de mobilidade vertical o regime brasileiro,em vários sentidos sociais um dos mais democráticos, flexíveis e plásticos. Gilberto Freyre Marinheiro, Rio Amazonas - AM
  104. 104. Marcão, São Paulo - SP
  105. 105. Mão do vereador Netinho de Paula - São Paulo
  106. 106. Baile do Lu – São Paulo
  107. 107. Baile do Lu – São Paulo
  108. 108. Organizadores do Baile do Lu – São Paulo
  109. 109. II Congresso de Cultura Negra das Américas, PUC - SP
  110. 110. Abdias Nascimento, II Congresso de Cultura Negra das Américas PUC - SP
  111. 111. Hamilton Cardoso e Dulce II Congresso de Cultura Negra das Américas PUC - SP
  112. 112. II Congresso de Cultura Negra das Américas, PUC - SP
  113. 113. Beka, Salvador - BA
  114. 114. Rua do Samba - São Paulo
  115. 115. Naná Vasconcelos – SP0Luiz Melodia, São Paulo - SP
  116. 116. Barraco, Brasília – DF
  117. 117. Sabará - MG
  118. 118. Seringueiro, São Gabriel da Cachoeira - AM
  119. 119. Agricultor, Romaria - MG
  120. 120. Fazenda Recurso, Santa Rita - MA
  121. 121. Artesão, Mendanha - MG
  122. 122. Extrativistas, São Gabriel da Cachoeira - AM
  123. 123. Romeiros, Romaria - MG
  124. 124. Romeiros, Romaria - MG
  125. 125. Trocando a ferradura, Salvador - BA
  126. 126. Boiadeiro, Vila Rica - RO
  127. 127. Santa Rita dos Pretos - Maranhão
  128. 128. Santa Rita dos Pretos - Maranhão
  129. 129. Santa Rita dos Pretos - Maranhão
  130. 130. Justinópolis - MG
  131. 131. Barão de Guaicui - MG
  132. 132. Barão de Guaicui - MG
  133. 133. Alcântara - MA
  134. 134. Camburi - SP
  135. 135. Extrativista , Rio Roosevelt - MT
  136. 136. Festa do Divino de Alcântara - MA
  137. 137. Salvador - BA
  138. 138. Festa do Rosário, Silvianópolis - MG
  139. 139. Camburi, litoral norte de São Paulo
  140. 140. Bóia-fria, Assis - SP
  141. 141. Cíclo do Rosário, Justinópolis - MG
  142. 142. Cíclo do Rosário, Justinópolis - MG
  143. 143. Rua do Samba, São Paulo - SP
  144. 144. Rua do Samba, São Paulo - SP
  145. 145. Bagunça (compositor), São Paulo - SP
  146. 146. Ruben Valentin (artista plástico), Brasília - DF
  147. 147. Emanoel Araújo (curador e escritor) - SP
  148. 148. Sambódromo - São Paulo
  149. 149. Caixeira do Divino - São Paulo Meu trabalho é uma singeladeclaração de respeito aos milhares de negros(as) que, escravizados, ajudaram a construir oalicerce econômico, étnico, multi cultural eafetivo do Brasil enquanto os senhoresfornicavam nas redes. Juvenal Pereira
  150. 150. Fotos realizadas entre 1969 e 2011 nos Estados de Minas Gerais, Bahia, Goiás,Amazonas, Pará, Maranhão, São Paulo, Mato Grosso, Rondônia, Rio de Janeiro eBrasília - DF

×