Prova 6º c artes

3.772 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.772
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prova 6º c artes

  1. 1. Prova de:____Arte ___ / Data: / /2010Professor:_Zivaini____________________________________________________________________________________________Aluno (a):_______________________________________nº _______ Série:_6ºC_____________________________________ 1- Assinale a alternativa correta: O QUE SE ENTENDE SOBRE FOLCLORE? ( )São palavras,e frases que na sua grande maioria têm a função comparativa com diversos assuntos, como animais,modo de agir,modo de pensar ( )ão perguntas de caráter enigmático onde a resposta parece difícil de ser descoberta ( )O conjunto de manifestações de caráter popular de um povo, ou seja é o conjunto de elementos artísticos feitos do povo para o povo, sempre ressaltando o caráter de tradicional destas representações, sempre transmitidas de uma geração para outra através da prática . 2- Diferencie lenda de mito. 3-Analise e responda: “Há que junto com o cordel sempre tem uma figura, o que danada é essa imagem chamada xilogravura?” a-O que é literatura de Cordel? b-Qual a origem dessa literatura? c-Quem foi o pioneiro dessa arte poética nordestina?
  2. 2. d-Qual a origem da xilogravura? Aos poetas clássicos Patativa do Assaré (Antônio Gonçalves da Silva)Poetas niversitário, Cheio de rima e sintindoPoetas de Cademia, Quero iscrevê meu volume,De rico vocabularo Pra não ficá parecidoCheio de mitologia; Com a fulô sem perfume;Se a gente canta o que pensa, A poesia sem rima,Eu quero pedir licença, Bastante me disanimaPois mesmo sem português E alegria não me dá;Neste livrinho apresento Não tem sabô a leitura,O prazê e o sofrimento Parece uma noite iscuraDe um poeta camponês. Sem istrela e sem luá.Eu nasci aqui no mato, Se um dotô me perguntáVivi sempre a trabaiá, Se o verso sem rima presta,Neste meu pobre recato, Calado eu não vou ficá,Eu não pude estudá A minha resposta é esta:No verdô de minha idade, — Sem a rima, a poesiaSó tive a felicidad Perde arguma simpatiaDe dá um pequeno insaio E uma parte do primô;In dois livro do iscritô, Não merece munta parma,O famoso professô É como o corpo sem armaFilisberto de Carvaio. E o coração sem amô.No premêro livro havia Meu caro amigo poeta,Belas figuras na capa, Qui faz poesia branca,E no começo se lia: Não me chame de patetaA pá — O dedo do Papa, Por esta opinião franca.Papa, pia, dedo, dado, Nasci entre a natureza,Pua, o pote de melado, Sempre adorando as belezaDá-me o dado, a fera é má Das obra do Criadô,E tantas coisa bonita, Uvindo o vento na servaQui o meu coração parpita E vendo no campo a revaQuando eu pego a rescordá. Pintadinha de fulô.Foi os livro de valô Sou um caboco rocêro,Mais maió que vi no mundo, Sem letra e sem istrução;Apenas daquele autô O meu verso tem o chêroLi o premêro e o segundo; Da poêra do sertão;Mas, porém, esta leitura, Vivo nesta solidadeMe tirô da treva escura, Bem destante da cidadeMostrando o caminho certo, Onde a ciença guverna.Bastante me protegeu; Tudo meu é naturá,Eu juro que Jesus deu Não sou capaz de gostáSarvação a Filisberto. Da poesia moderna.Depois que os dois livro eu li, Deste jeito Deus me quisFiquei me sintindo bem, E assim eu me sinto bem;E ôtras coisinha aprendi Me considero felizSem tê lição de ninguém. Sem nunca invejá quem temNa minha pobre linguage, Profundo conhecimento.
  3. 3. A minha lira servage Ou ligêro como o ventoCanto o que minha arma sente Ou divagá como a lesma,E o meu coração incerra, Tudo sofre a mesma prova,As coisa de minha terra Vai batê na fria cova;E a vida de minha gente. Esta vida é sempre a mesma.Poeta niversitaro,Poeta de cademia,De rico vocabularoCheio de mitologia,Tarvez este meu livrinhoNão vá recebê carinho,Nem lugio e nem istima,Mas garanto sê fiéE não istruí papé Texto acima foi extraído do livreto deCom poesia sem rima. cordel de mesmo título, sem dados para identificação.4-Leia o texto a cima e responda as questões abaixo. a- A quem se dirige o poeta? Retire do texto uma evidencia disso.b- O poeta tem formação escolar completa?c- Qual é a característica da poesia que o poeta mais aprecia?d- Quaios são os temas que o poeta prefere cantar?e- Qual a opinião do peta sobre a poesia moderna?f) Qual a idéia com que o autor conclui o poema?

×