OS FILÓSOFOS DA NATUREZA           CAPÍTULO 2     Profº José Ferreira Júnior
A AURORA DA FILOSOFIA: os pré-socráticos
Os pré-socráticos   Destaca-se nos primeiros filósofos aconstrução de uma COSMOLOGIA (explicaçãoracional e sistemática das...
OS JÔNIOS
Tales de Mileto      Considerado o  primeiro pensador    grego: “pai da     filosofia”. Foiastrônomo. Chegou a  prever um ...
Mileto: cidade litorânea situada na Jônia, marcada pelo comércio e  múltiplas influências culturais.
Tales de Mileto: tudo é água   Na busca de fugir das antigasexplicações mitológicas sobre a criação domundo, Tales queria ...
Anaximandro de Mileto – 610-547 a.C
Anaximandro de Mileto “Nem água nem algum dos elementos, mas alguma substância diferente, ilimitada, e que dela nascem os ...
Anaxímenes de Mileto – 588-524 a.C“E assim como nossa almaque é ar, nos mantém unidos,da mesma maneira o ventoenvolve todo...
Heráclito de Éfeso – 500 a. C - ?• “Tudo flui, nada persiste, nem        permanece o mesmo”.• Nascido em Éfeso, cidade da ...
Heráclito de Éfeso – 500 a. C - ?• Concebia a realidade do mundo como algo  dinâmico, em permanente transformação  (escola...
Heráclito de Éfeso – 500 a. C - ?• É pela luta das forças opostas que o mundo  se modifica e evolui.• VIR-A-SER  moviment...
OS PITAGÓRICOS
Pitágoras de Samos – 570-490 a.C           • “Todas as coisas são números”.           • Nasceu na ilha de Samos, na       ...
Pitágoras de Samos – 570-490 a.C• CROTONA  fundou uma poderosa  sociedade de caráter filosófico e religioso  e de acentua...
Pitágoras de Samos – 570-490 a.C• Para ele, a essência de todas as coisas  reside nos NÚMEROS, os quais  representam a ord...
Pitágoras de Samos – 570-490 a.C• Dizia que no “fundo de todas as coisas” a  diferença entre os seres consiste,  essencial...
OS ELEATAS
Parmênides de Eléia – 510- 470 a.C          • Tornou-se célebre por ter            feito oposição a Heráclito.          • ...
Parmênides de Eléia – 510- 470 a.C• O caminho da ESSÊNCIA nos leva a concluir que  na realidade:  – Existe o SER, e não é ...
Parmênides de Eléia – 510- 470 a.C• Quando a realidade é pensada pelo  caminho da aparência, tudo se confunde em  função d...
Parmênides de Eléia – 510- 470 a.C• Parmênides teria descoberto os atributos do  ser puro: o ser ideal do plano lógico.• E...
Parmênides de Eléia – 510- 470 a.C• Então, “o mundo da ilusão não é uma ilusão  de mundo”, mas uma manifestação da  realid...
Zenão de Eléia• Elaborou argumentos para defender a  doutrina de seu mestre, Parmênides.• Pretendia demonstrar que a própr...
PARADOXO DE ZENÃO
Zenão de Eléia• Dizia Zenão:  – Se, na corrida, a tartaruga saísse à frente de Aquiles,    para alcançá-la ele precisaria ...
Zenão de Eléia• Na observação que fazemos do mundo,  através dos nossos sentidos, é evidente  que os argumentos de Zenão n...
OS PLURALISTAS
EMPÉDOCLES DE AGRIGENTO• Esforçou-se em conciliar as concepções de  Parmênides e Heráclito.• Aceitava de Parmênides a raci...
EMPÉDOCLES DE AGRIGENTO• Esses elementos são movidos e misturados de  diferentes maneiras em função de dois princípios  un...
DEMÓCRITO DE ABDERA• Responsável pelo desenvolvimento do  ATOMISMO.• Afirmava que todas as coisas que formam a  realidade ...
DEMÓCRITO DE ABDERA• Devido à existência do vácuo, o movimento do ser  torna-se possível. O movimento dos átomos permite  ...
DEMÓCRITO DE ABDERA• É o ACASO ou a NECESSIDADE que  promove a aglomeração de certos átomos e  a repulsão de outros.  – AC...
DEMÓCRITO DE ABDERA• A principal contribuição trazida pelo  atomismo, é a CONCEPÇÃO  MECANICISTA  segundo a qual “tudo o ...
REFERÊNCIA           BIBLIOGRÁFICA• CHALITA, Gabriel. Vivendo a Filosofia. 4 ed.  São Paulo: Ática, 2012.• ARANHA, Maria L...
Cap 2   os filosofos da natureza - postar
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cap 2 os filosofos da natureza - postar

5.549 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.549
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
685
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
143
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cap 2 os filosofos da natureza - postar

  1. 1. OS FILÓSOFOS DA NATUREZA CAPÍTULO 2 Profº José Ferreira Júnior
  2. 2. A AURORA DA FILOSOFIA: os pré-socráticos
  3. 3. Os pré-socráticos Destaca-se nos primeiros filósofos aconstrução de uma COSMOLOGIA (explicaçãoracional e sistemática das características douniverso) que substituísse a antigaCOSMOGONIA (explicação sobre a origem domundo baseada nos mitos). Querem descobrir, com base na razão enão na mitologia, a substância primordial(arché, em grego) existente nos seresmateriais, ou seja, a matéria-prima de que sãofeitas as coisas.
  4. 4. OS JÔNIOS
  5. 5. Tales de Mileto Considerado o primeiro pensador grego: “pai da filosofia”. Foiastrônomo. Chegou a prever um eclipse total do Sol. Demonstrou que a soma interna dosângulos do triângulo é 180º. 623-546 a.C
  6. 6. Mileto: cidade litorânea situada na Jônia, marcada pelo comércio e múltiplas influências culturais.
  7. 7. Tales de Mileto: tudo é água Na busca de fugir das antigasexplicações mitológicas sobre a criação domundo, Tales queria descobrir umelemento físico constante em todas ascoisas. Concluiu que a água é a substânciaprimordial, a origem única de todas ascoisas. Para ele, a água permanece amesma, em todas as transformações doscorpos, apesar dos diferentes estados:sólido, líquido e gasoso.
  8. 8. Anaximandro de Mileto – 610-547 a.C
  9. 9. Anaximandro de Mileto “Nem água nem algum dos elementos, mas alguma substância diferente, ilimitada, e que dela nascem os céus e os mundos neles contidos”.Para ele não era possível pensar uma única substância (ou o fogo ou a água...). Designou esta substância como ápeiron (em grego = o “indeterminado”, “infinito”).Tal realidade não é acessível aos sentidos como a água, por exemplo.
  10. 10. Anaxímenes de Mileto – 588-524 a.C“E assim como nossa almaque é ar, nos mantém unidos,da mesma maneira o ventoenvolve todo o mundo”.Tentando conciliar Tales e Anaximandro,concluiu ser o ar o princípio de todas as coisas.Porque o AR representa um elemento “invisível e imponderável, quase inobservável e, no entanto, observável: o ar é a própria vida, a força vital, a divindade que “ANIMA” o mundo, aquilo que dá testemunho à respiração”.
  11. 11. Heráclito de Éfeso – 500 a. C - ?• “Tudo flui, nada persiste, nem permanece o mesmo”.• Nascido em Éfeso, cidade da região jônica.• É considerado um dos mais importantes filósofos pré- socráticos e o primeiro representante do PENSAMENTO DIALÉTICO.
  12. 12. Heráclito de Éfeso – 500 a. C - ?• Concebia a realidade do mundo como algo dinâmico, em permanente transformação (escola MOBILISTA  movimento).• A vida era um fluxo constante, impulsionado pela luta de forças contrárias: a ordem e a desordem, o bem e o mal, o belo e o feio, a construção e a destruição, a justiça e a injustiça, o racional e o irracional, a alegria e a tristeza, etc.
  13. 13. Heráclito de Éfeso – 500 a. C - ?• É pela luta das forças opostas que o mundo se modifica e evolui.• VIR-A-SER  movimentação das coisas.• DEVIR  eterna mudança.• Imaginava a realidade dinâmica do mundo sob a forma de FOGO, com chamas vivas e eternas, governando o constante movimento dos seres.• “Não podemos entrar duas vezes no mesmo rio”
  14. 14. OS PITAGÓRICOS
  15. 15. Pitágoras de Samos – 570-490 a.C • “Todas as coisas são números”. • Nasceu na ilha de Samos, na costa jônica, não distante de Mileto. • 530 a.C.  Sofreu perseguição política por causa de suas idéias, sendo obrigado a deixar sua terra de origem. Instalou-se em Crotona.
  16. 16. Pitágoras de Samos – 570-490 a.C• CROTONA  fundou uma poderosa sociedade de caráter filosófico e religioso e de acentuada ligação com as questões políticas.• Depois de exercer considerável influência política na região, a sociedade pitagórica foi dispersada por opositores, e o próprio Pitágoras foi expulso de Crotona.
  17. 17. Pitágoras de Samos – 570-490 a.C• Para ele, a essência de todas as coisas reside nos NÚMEROS, os quais representam a ordem e a harmonia.• A essência das coisas – ARCHÉ – teria uma estrutura matemática da qual derivariam problemas como: finito e infinito, par e ímpar, unidade e multiplicidade, reta e curva, círculo e quadrado, etc.
  18. 18. Pitágoras de Samos – 570-490 a.C• Dizia que no “fundo de todas as coisas” a diferença entre os seres consiste, essencialmente, em uma questão de número (limite e ordem das coisas).• As contribuições da escola pitagórica podem ser encontradas nos campos da matemática, da música e da astronomia.
  19. 19. OS ELEATAS
  20. 20. Parmênides de Eléia – 510- 470 a.C • Tornou-se célebre por ter feito oposição a Heráclito. • Defendia a existência de dois caminhos para a compreensão da realidade: – O da Filosofia, da razão, da essência. – O da crendice, da opinião pessoal, da aparência enganosa.
  21. 21. Parmênides de Eléia – 510- 470 a.C• O caminho da ESSÊNCIA nos leva a concluir que na realidade: – Existe o SER, e não é concebível sua não-existência; – O SER é; o NÃO-SER não é.• Em vista disso, é considerado o primeiro filósofo a formular os PRINCÍPIOS DE IDENTIDADE e DE NÃO-CONTRADIÇÃO, desenvolvidos depois por Aristóteles.• Concluiu que o ser é eterno, único, imóvel e ilimitado.
  22. 22. Parmênides de Eléia – 510- 470 a.C• Quando a realidade é pensada pelo caminho da aparência, tudo se confunde em função do movimento, da pluralidade e do devir (vir-a-ser).• Para Parmênides, Heráclito teria percorrido o caminho das aparências ilusórias.• Essa via precisava ser evitada para não termos de concluir que “o ser e o não-ser são e não são a mesma coisas”.
  23. 23. Parmênides de Eléia – 510- 470 a.C• Parmênides teria descoberto os atributos do ser puro: o ser ideal do plano lógico.• E negou-se a reconhecer como verdadeiros os testemunhos ilusórios dos sentidos e a constatar a existência do ser-no-mundo: o ser que se exprime de diversos modos, os seres múltiplos e mutáveis.• Mas o filósofo sabia que é no MUNDO DA ILUSÃO, das APARÊNCIAS e das SENSAÇÕES que os homens vivem seu cotidiano.
  24. 24. Parmênides de Eléia – 510- 470 a.C• Então, “o mundo da ilusão não é uma ilusão de mundo”, mas uma manifestação da realidade que cabe à razão interpretar, explicar e compreender, até que alcance a essência dessa realidade.• Pela razão, devemos buscar a essência, a coerência e a verdade.• O esforço de toda sabedoria é sistematizar isso, tornar pensável o caos, introduzir uma ordem nele.
  25. 25. Zenão de Eléia• Elaborou argumentos para defender a doutrina de seu mestre, Parmênides.• Pretendia demonstrar que a própria noção de MOVIMENTO era inviável e contraditória.• O mais célebre dos argumentos é o PARADOXO DE ZENÃO, que se refere à corrida de Aquiles com uma tartaruga.
  26. 26. PARADOXO DE ZENÃO
  27. 27. Zenão de Eléia• Dizia Zenão: – Se, na corrida, a tartaruga saísse à frente de Aquiles, para alcançá-la ele precisaria percorrer uma distância superior à metade da distância inicial que os separava no começo da competição. – Entretanto, como a tartaruga continuasse se locomovendo, essa distância, por menor que fosse, teria se ampliado. Aquiles deveria percorrer, então, mais da metade dessa nova distância. – A tartaruga, contudo, continuaria se movendo, e a tarefa de Aquiles se repetiria ao infinito, pois o espaço pode ser dividido em infinitos pontos.
  28. 28. Zenão de Eléia• Na observação que fazemos do mundo, através dos nossos sentidos, é evidente que os argumentos de Zenão não correspondem à realidade.• Esses argumentos demonstram as dificuldades pelas quais, passou o pensamento racional para compreender conceitos como movimento, espaço, tempo e infinito.
  29. 29. OS PLURALISTAS
  30. 30. EMPÉDOCLES DE AGRIGENTO• Esforçou-se em conciliar as concepções de Parmênides e Heráclito.• Aceitava de Parmênides a racionalidade que afirma a existência e permanência do ser (“o ser é”), mas procurava encontrar uma maneira de tornar racional os dados captados por nossos sentidos.• Defendia a existência de quatro elementos primordiais, que constituem as raízes de todas as coisas percebidas: o FOGO, a TERRA, a ÁGUA e o AR.
  31. 31. EMPÉDOCLES DE AGRIGENTO• Esses elementos são movidos e misturados de diferentes maneiras em função de dois princípios universais opostos: – AMOR (philia)  responsável pela força de atração e união e pelo movimento de crescente harmonização das coisas. – ÓDIO (neikos)  responsável pela força de repulsão e desagregação e pelo movimento de decadência, dissolução e separação das coisas.• Todas as coisas existentes na realidade estão submetidas às forças cíclicas desses dois princípios.
  32. 32. DEMÓCRITO DE ABDERA• Responsável pelo desenvolvimento do ATOMISMO.• Afirmava que todas as coisas que formam a realidade são constituídas por partículas INVISÍVEIS e INDIVISÍVEIS (átomos).• Para ele, o ÁTOMO seria o equivalente ao “conceito de ser” em Parmênides.• Além dos átomos, existiriam no mundo real o VÁCUO  representaria a ausência de ser (O NÃO-SER).
  33. 33. DEMÓCRITO DE ABDERA• Devido à existência do vácuo, o movimento do ser torna-se possível. O movimento dos átomos permite infinita diversidade de composições.• Distinguia 3 fatores básicos para explicar as diferentes composições dos átomos: – FIGURA  a forma geométrica de cada átomo, Ex.: forma de A ≠ forma de B; – ORDEM  a seqüência espacial dos átomos de mesma figura. Ex.: AB ≠ BA; – POSIÇÃO  a localização espacial dos átomos. Ex.: M ≠ W.
  34. 34. DEMÓCRITO DE ABDERA• É o ACASO ou a NECESSIDADE que promove a aglomeração de certos átomos e a repulsão de outros. – ACASO  encadeamento imprevisível de causa. – NECESSIDADE  é o encadeamento previsível e determinado entre causas.• As infinitas possibilidades de aglomeração dos átomos explicam a infinita variedade de coisas existentes.
  35. 35. DEMÓCRITO DE ABDERA• A principal contribuição trazida pelo atomismo, é a CONCEPÇÃO MECANICISTA  segundo a qual “tudo o que existe no universo nasce do acaso ou da necessidade”.• Isto é, NADA NASCE DO NADA, NADA RETORNA AO NADA. Tudo tem uma causa. E os átomos são a causa última do mundo.
  36. 36. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA• CHALITA, Gabriel. Vivendo a Filosofia. 4 ed. São Paulo: Ática, 2012.• ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando: introdução à Filosofia. São Paulo; Ática, 1993.• COTRIM, Gilberto. Fundamentos da Filosofia: história e grandes temas. 16 ed. reform. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2006.

×