Revisão 6 ano 1 trim parcial b

4.407 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.407
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.494
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revisão 6 ano 1 trim parcial b

  1. 1. Lista de Exercícios – História – Prof. Carlos Zaranza01) Assunto: Fontes históricasArqueologia Tumbas descobertas Lima – Arqueólogos envolvidos em escavações quase perenes na costa norte do Peru, perto da cidade de Ferrenafe, descobriram um complexo espetacular de pelo menos 20 tumbas em forma de pirâmide com cerca de mil anos, da época da civilização pré-incaica sicán. Entre os tesouros recuperados há dois “túmis” – facões cerimoniais – fabricados em liga de prata, cobre e ouro. É a primeira vez que tais instrumentos são encontrados em uma cova. Foram descobertas também máscaras e armaduras. Tumi, um facão, era usado pela civilização sicán em cerimôniasA partir do fragmento e da figura acima, elabore um conceito para a ciência denominada Arqueologia.02) Assunto: História e tempoOs calendários“Em todas as épocas e lugares, os homens sempre buscaram uma explicação para a “origem do mundo”. E, por isso mesmo,sempre tiveram muito medo de que um dia ele acabasse! Na Bíblia, por exemplo, está escrito que Deus criou o mundo em apenasseis dias e descansou no sétimo e no último livro do Novo Testamento, lemos profecias terríveis sobre o destino da humanidade,como aquela que nos diz que o mundo pode terminar em um grande incêndio (o apocalipse). Os maias, no entanto, acreditavamque o mundo já havia sido criado, destruído e recriado várias vezes. E eles não viam nisso o “fim dos tempos”, pois haviamelaborado um calendário baseado na idéia de ciclos da natureza e da história [...] os deuses bons e maus é que comandavam osciclos de criação e destruição do mundo. Você pode concluir, então, que os calendários sempre foram muito importantes para queas religiões de diferentes povos fixassem a “origem do mundo” e o “começo dos tempos”. Com isso, procurava-se explicar ahistória daquele povo sobre a Terra.” (TURAZZI, Maria Inez; GABRIEL, Carmem. Tempo e História. São Paulo: Moderna, 2000)Após a leitura do texto anterior, percebemos que estabelecer uma medida universal para o tempo é muito complicado, porque variade acordo com a crença, a cultura e os costumes dos diferentes povos.A) Cite dois instrumentos utilizados para medir o tempo.B) Explique o funcionamento de um deles.03) Assunto: Tempo e história
  2. 2. I) “O que é o tempo? Enquanto não me perguntam, eu sei; se me perguntam e quero explicar, não sei.” (Santo Agostinho, século V) II) “... O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente”. (Carlos Drumond de Andrade, 1940 – “De mãos dadas”)Os instrumentos apresentados acima foram criados e bastante usados pelo ser humano em outros tempos.a) Identifique cada um deles.b) Explique um motivo que teria levando o ser humano a criar esses instrumentos.03) Assunto: História e tempoLeia o texto a seguir: DA TRADIÇÃO ORAL PARA A MULTIMÍDIA Ouvir e aprender com os mais velhos eram práticas comuns do passado. Hoje, o ritmo acelerado do trabalho e a nova configuração da família permitem cada vez menos situações diretas de trocas pessoais. A história oral vem de certa forma preencher esse vazio. Ela surge em 1950 nos Estados Unidos, na Europa e no México com o gravador. O equipamento possibilita o registro e a edição das entrevistas. Hoje, a gravação de imagens em vídeo, as fotografias e a internet mudaram radicalmente a relação com a informação. "Sem registro e sem a divulgação dos relatos não há história. Há apenas entrevistas", afirma o professor Lourival dos Santos, da USP. Por isso, projetos dessa natureza devem resultar num produto final. Há vários meios de registrar os relatos colhidos: livro, CD, peça de teatro, site ou mesmo numa exposição. O material recolhido deve ser preservado em um espaço na biblioteca. http://novaescola.abril.com.brExistem diversas maneiras de se contar a história vivida pela humanidade. Uma delas são os relatos (história oral).Apresente dois exemplos de como se conta a história.04) Assunto: História e tempo.Leia o texto: O TEMPOPara você perceber o valor de "um mês", pergunte para uma mãe que teve seu bebê prematuramente. Para você perceber o valor de"uma semana", pergunte a um editor de um jornal semanal. Para você perceber o valor de "uma hora", pergunte aos amantes queestão esperando para se encontrar. Para você perceber o valor de "um minuto", pergunte a uma pessoa que perdeu um trem. Paravocê perceber o valor de "um segundo", pergunte a uma pessoa que conseguiu evitar um acidente. Para você perceber o valor de"um milésimo de segundo", pergunte a alguém que venceu a medalha de prata em uma olimpíada. http://www.primeiroprograma.com.br
  3. 3. A partir da leitura do texto acima e do que foi estudado sobre o tempo, responda:Qual é o valor do tempo na vida das pessoas?05) Assunto: História e tempoLeia o texto abaixo: A veracidade das fontes orais
  4. 4. Informações históricas relativas a fatos como a chegada dos portugueses ao Brasil ou a abolição da escravatura são de fácil acessoem arquivos. Nesses locais, no entanto, só se encontram versões oficiais. "Existem muitas outras", afirma Santos, docente da USP.O que pensavam os índios e os escravos nesses momentos históricos? São poucos os documentos que trazem a voz dos doisgrupos. Considerar apenas arquivos escritos como comprovações verdadeiras é desconsiderar, por exemplo, a memória desociedades indígenas. Sem papéis, valem as lembranças dos mais velhos, transmitidas oralmente aos mais jovens — única formapossível de reconstrução do passado. Há historiadores que não reconhecem os relatos orais como fontes históricas. Eles apontamque a memória falha e que o presente recriam lembranças que transformam o passado. Seriam os documentos escritos maisconfiáveis que a história oral? Para Fábio Bezerra de Brito, docente de História da Escola de Aplicação da Faculdade de Educaçãoda USP, tanto os documentos quanto os relatos orais foram ditos ou escritos por pessoas que são por natureza parciais. "Na históriaoral o que as pessoas contam é apenas aquilo que elas acham merecedor de ser lembrado. E o que fica não é todo o passado. Éimportante compreender que memória é cultura e também poder. Os arquivos oficiais contêm as versões que mais interessam àsclasses sociais que dominaram e dominam as sociedades. E os livros, conseqüentemente, só reservam espaço para essasinterpretações. Os livros, então, não são confiáveis? "Claro que não podemos ignorar as histórias estabelecidas. Seria cometer omesmo erro. http://novaescola.abril.com.brA partir da leitura do texto e de sua interpretação, escreva o que você entendeu sobre a questão abordada no título “A veracidadedas fontes orais”.06) Assunto: História e tempo.Veja a imagem abaixo: EXEMPLO DE FONTES HISTÓRICAS Salvo-conduto de japonês na época da Segunda Guerra, encontrado em prontuário. http://www.klepsidra.net/klepsidra7/fonteshistoricas.htmlAs fontes históricas são o material mais importante para o historiador, cabendo a ele procurar, selecionar, analisar, comparar eextrair delas a verdade que deseja.Apresente outros três exemplos de fontes históricas escritas.
  5. 5. 07) Assunto: História e tempo.Leia o trecho abaixo e observe a imagem que o acompanha: Já é hora de ir pro colégio? Que dia você vai visitar seus avós? Que dia é o carnaval? Em que ano você nasceu? Quantos anos você tem? Só com essas perguntas, você já percebeu como medir o tempo é importante para o homem. Temos hora para tudo: trabalhar, estudar, comer, ir ao médico e até para as diversões. www.canalkids.com.brPodemos afirmar que o homem controla o tempo ou o tempo é que controla o homem? Explique.08) Assunto: História e tempoLeia o texto a seguir: “A DONA HISTÓRIA” A Dona História é uma senhora muito idosa. Ela anda meio cansada. Já viu tudo o que se pode imaginar e tem em suamemória registros que nem os computadores mais modernos, de última geração seriam capazes de armazenar. Seus registros sãomuito antigos. Neste pequeno texto vou citar apenas alguns dos grandes acontecimentos por ela registrados. Veja só, de acordo com o calendário cristão, Jesus Cristo nasceu no ano 1. Os romanos, perderam parte de seu império noano de 476. Na Europa, de acordo com os relatos dos monges, os primeiros castelos medievais surgiram por volta de 1650. Durante a Idade Média, organizaram-se as primeiras Cruzadas por volta do ano 980. Em 1357, a França e a Inglaterraviviam o auge da guerra dos Cem Anos. A partir de 1456, terminava a Idade Média e começava a Idade Moderna. Nesse contexto, Colombo acabou chegando aAmérica no ano de 1492 e Cabral ao Brasil, em 1500. No Brasil, Tiradentes, buscou, sem sucesso, no ano de 1789, promover a Independência. Essa só ocorreu em 1822. Poucomais de 100 anos depois, o mundo viveu uma grande crise econômica, ocorrida no ano de 1929, que foi a quebra da Bolsa deValores de Nova York. Enfim, a Dona História tem muitos registros e nós somos seus agentes. Ela está idosa, mas continuará resistindo eregistrando tudo o que acontece. O que não sabemos é se o cenário, palco dos acontecimentos resistirá por muito tempo. Texto escrito no ano de 2008. Autor: Prof. Valtaira) A partir da leitura do texto, transcreva todas as datas que aparecem para a folha de bloco e dê o século correspondente.b) No texto, aparece a expressão “agente histórico”. Explique o significado dela para a História.

×