A NUTRIÇÃO
NA DOENÇA CELÍACA

Yorana Mendes Martins
OBJETIVO


Reconhecer que a alimentação e a nutrição
controla os sintomas da Doença Celíaca.
JUSTIFICATIVA


A Doença Celíaca compreende grande variedade de

problemas clínicos cuja natureza, freqüência e a gravida...
HISTÓRICO DA DOENÇA


O primeiro relato de DC, foi por um médico, Aretaeus the
Cappadocian, no 2º século AC (Antes de Cri...
HISTÓRICO DA DOENÇA


Willem Dick (um pediatra holandês) reconheceu a associação
entre a ingestão de pão e cereais e a re...
EPIDEMIOLOGIA DA DOENÇA


Até a década passada, a DC foi considerada uma doença rara,
mas hoje ela é conhecida por ser un...
EPIDEMIOLOGIA DA DOENÇA


A incidência da DC no Brasil atinge uma frequência de 1 para
cada 681 pessoas e demonstra que é...
FISIOPALOGIA
GLÚTEN

TRIGO (Triticum
Aestivum)

CEVADA
Hordeum Vulgare)

CENTEIO
(Secale Cevale)

AVEIA
(Avena Sativa)

Gl...


Essas duas proteínas combinadas possuem propriedade de
formar, juntamente com a água, uma substância elástica e
aderent...
FISIOPATOLOGIA


A fisiopatologia da DC é complexa, resultando da interacção
entre fatores ambientais, genéticos e imunol...
APRESENTAÇÃO CLÍNICA


Usualmente a DC se manifesta antes dos dois primeiros anos
de vida quando se introduz a dieta rica...
SINTOMAS CLÁSSICOS DA DOENÇA


diarréia crônica,



vômitos,



irritabilidade,



anorexia,





fadiga,
distensão ...
DOENÇAS
ASSOCIADAS
DERMATITE HEPERTIFORME


A dermatite hepertiforme (DH) é uma enfermidade na qual
surgem erupções na pele. Ela afeta frequ...
DERMATITE HEPERTIFORME
INFERLIDADE


Em mulheres com infertilidade de causa inexplicada foi
detectada uma prevalência de DC entre 2,1-4%. A ades...
DIAGNÓSTICO


Apesar de a biópsia intestinal permanecer como padrão ouro
para o diagnóstico da DC, nos últimos anos muito...
BIÓPSIA ENDOSCÓPICA


A avaliação da histologia intestinal obtida por biópsia
permanece imprescindível para o diagnóstico...
BIÓPSIA ENDOSCÓPICA
CAPSULA ENDOSCÓPICA


Podem ser observadas anormalidades na mucosa de pacientes
com DC sem diagnóstico prévio, através do...
CAPSULA ENDOSCÓPICA
TRATAMENTO
TRATAMENTO


Os princípios do tratamento da DC não mudaram
substancialmente desde os estudos pioneiros de Dicke e
colabor...
ALIMENTOS PERMITIDOS







Carnes;
Lacticínios;
Ovos;
Legumes, verduras, frutas;
Arroz, farinha de arroz, sagu, pip...
ALIMENTOS NÃO PERMITIDOS


Farinha de trigo, pães, macarrão, farinha de rosca;



Farinha de cevada, bala de cevada, cer...
ROTULAGEM


Os rótulos são um instrumento de informação aos
consumidores, permitem que as escolhas alimentares ocorram

d...
LEGISLAÇÃO


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), em
2002 criou a resolução RDC nº 40, de 08 de fevereiro...
Lei nº 10.674 / 2003


Em maio de 2003, foi criada a Lei nº 10674 retificando a
resolução RDC n° 40 de 2002. Na Lei nº 10...
hnn
CONCLUSÃO




A doença celíaca afeta 1-2 % da população geral, pode ser
diagnosticada em qualquer idade e possui uma gra...
CONCLUSÃO


Uma dieta sem glúten continua a ser o único tratamento para
a doença celíaca com suficiente evidência científ...
FIM DA
APRESENTAÇÃO
OBRIGADA Á TODOS!!!
Monografia - A Nutrição na Doença Celíaca
Monografia - A Nutrição na Doença Celíaca
Monografia - A Nutrição na Doença Celíaca
Monografia - A Nutrição na Doença Celíaca
Monografia - A Nutrição na Doença Celíaca
Monografia - A Nutrição na Doença Celíaca
Monografia - A Nutrição na Doença Celíaca
Monografia - A Nutrição na Doença Celíaca
Monografia - A Nutrição na Doença Celíaca
Monografia - A Nutrição na Doença Celíaca
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Monografia - A Nutrição na Doença Celíaca

3.337 visualizações

Publicada em

Monografia apresentada ao curso de Nutrição e Dietética
Novembro/2013

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.337
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
85
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Monografia - A Nutrição na Doença Celíaca

  1. 1. A NUTRIÇÃO NA DOENÇA CELÍACA Yorana Mendes Martins
  2. 2. OBJETIVO  Reconhecer que a alimentação e a nutrição controla os sintomas da Doença Celíaca.
  3. 3. JUSTIFICATIVA  A Doença Celíaca compreende grande variedade de problemas clínicos cuja natureza, freqüência e a gravidade do mesmo são as causas no impacto da vida do portador da DC.  Um aspecto importante é a dieta que causa impactos de melhoramento na saúde e uma boa manutenção no organismo do celíaco podendo o mesmo manter a
  4. 4. HISTÓRICO DA DOENÇA  O primeiro relato de DC, foi por um médico, Aretaeus the Cappadocian, no 2º século AC (Antes de Cristo). A primeira Descrição de DC foi dada por Samuel Gee, em 1888. Ele sugeriu que o tratamento alimentar podia ser benéfico (LOSOWSKY, 2008; PAVELEY, 1988 citado por TABOADA, 2010). Samuel Gee
  5. 5. HISTÓRICO DA DOENÇA  Willem Dick (um pediatra holandês) reconheceu a associação entre a ingestão de pão e cereais e a recorrência de diarréia em alguns dos seus doentes (BOOTH, 1989; DICKE,VAN DE KAMER, WEYERS, 1953 citado por MACHADO et al. 2006). Willem Dick
  6. 6. EPIDEMIOLOGIA DA DOENÇA  Até a década passada, a DC foi considerada uma doença rara, mas hoje ela é conhecida por ser universalmente distribuída e envolver todas as raças, sendo uma das mais conhecidas doenças genéticas (RODRIGO, 2006).  Tradicionalmente a DC foi considerada uma doença da infância, mas sabe-se que hoje em dia a maioria dos doentes são diagnosticados na fase adulta em qualquer idade, incluindo idosos (RUBIO-TAPIA, TABOADA, 2010). MURRAY, 2010 citado por
  7. 7. EPIDEMIOLOGIA DA DOENÇA  A incidência da DC no Brasil atinge uma frequência de 1 para cada 681 pessoas e demonstra que é relativamente comum em nosso país (SIPAHI et al. 2000 citado por CITADO POR NASCIMENTO, BARBOSA, TAKEITI, 2012).  Alguns autores admitem que a incidência é maior no sexo feminino (LEPERS et al. 2004; CICLITIRA, 2001 citado por RITO NOBRE, SILVA, PINA CABRAL, 2007).
  8. 8. FISIOPALOGIA GLÚTEN TRIGO (Triticum Aestivum) CEVADA Hordeum Vulgare) CENTEIO (Secale Cevale) AVEIA (Avena Sativa) Gluteina Gliadina O glúten constitui 90% das proteínas do endosperma do grão de trigo, subdivide-se em duas frações de acordo com a solubilidade
  9. 9.  Essas duas proteínas combinadas possuem propriedade de formar, juntamente com a água, uma substância elástica e aderente, insolúvel em água, que é o glúten, extremamente importante, pois é o responsável pela textura da massa de pães. As prolaminas são consideradas tóxicas ao celíaco e diferem de acordo com o tipo de cereal (BOBBIO, 1995; PEÑA et al. 1999 citado por NASCIMENTO, BARBOSA, TAKEITI, 2012).
  10. 10. FISIOPATOLOGIA  A fisiopatologia da DC é complexa, resultando da interacção entre fatores ambientais, genéticos e imunológicos (RODRIGO, 2006 citado por RITO NOBRE, SILVA, PINA CABRAL, 2007).
  11. 11. APRESENTAÇÃO CLÍNICA  Usualmente a DC se manifesta antes dos dois primeiros anos de vida quando se introduz a dieta rica em glúten. Porém pode ocorrer em qualquer idade. O quadro clínico na DC pode variar muito, dependendo da gravidade e extensão das lesões (WORLD GASTROENTEROLOGY NEWS, 2005 citado por FARO, 2008).
  12. 12. SINTOMAS CLÁSSICOS DA DOENÇA  diarréia crônica,  vômitos,  irritabilidade,  anorexia,   fadiga, distensão abdominal. (KODA, BARBIERI, 1983 citado por SDEPANIAN, MORAIS, FAGUNDES-NETO, 2011).
  13. 13. DOENÇAS ASSOCIADAS
  14. 14. DERMATITE HEPERTIFORME  A dermatite hepertiforme (DH) é uma enfermidade na qual surgem erupções na pele. Ela afeta frequentemente as pernas, as nádegas, os joelhos e os ombros.  As manifestações na pele podem aparecer repentinamente ou aos poucos, sendo o prurido (coceira) o sintoma inicial e mais evidente. Em seguida, surge vermelhidão, urticária, além de vesículas e bolhas maiores que se rompem facilmente, devido à prática de coçar (MIRAVÉ, JIMÉNEZ, 2001 citado por NASCIMENTO, BARBOSA, TAKEITI, 2012).
  15. 15. DERMATITE HEPERTIFORME
  16. 16. INFERLIDADE  Em mulheres com infertilidade de causa inexplicada foi detectada uma prevalência de DC entre 2,1-4%. A adesão a uma dieta sem glúten provou melhorar a fertilidade nestes doentes (KAGNOFF, 2006). A DC também foi associada a menarca tardia, menopausa prematura, amenorréia e abortos recorrentes porém, no que diz respeito às complicações reprodutivas da DC, são necessárias investigações suplementares (BAI et al. 2007 citado por TEIXEIRA, 2012).
  17. 17. DIAGNÓSTICO  Apesar de a biópsia intestinal permanecer como padrão ouro para o diagnóstico da DC, nos últimos anos muitos pesquisadores têm procurado testes menos evasivos que completariam o diagnóstico no rastreamento e na monitorização da dieta sem glúten. Os principais marcadores sorológicos utilizados são os seguintes anticorpos: antigliadina (AGA), antirreticulina (ARA), antiendomísio (EMA) e transglutaminase tecidual (tTG), que são os mais recentes (VILLALTA et al. 2010 NASCIMENTO, BARBOSA, TAKEITI, 2012).
  18. 18. BIÓPSIA ENDOSCÓPICA  A avaliação da histologia intestinal obtida por biópsia permanece imprescindível para o diagnóstico da DC de um paciente sob dieta com glúten (TRONCONE, 2004; GREEN, ROSTAMI, MARSH, 2005 citado por BAPTISTA, 2006).
  19. 19. BIÓPSIA ENDOSCÓPICA
  20. 20. CAPSULA ENDOSCÓPICA  Podem ser observadas anormalidades na mucosa de pacientes com DC sem diagnóstico prévio, através do exame de cápsula endoscópica (MUHAMMAD, PITCHUMONI, 2008 CITADO POR SILVA, FURLANETTO, 2010).
  21. 21. CAPSULA ENDOSCÓPICA
  22. 22. TRATAMENTO
  23. 23. TRATAMENTO  Os princípios do tratamento da DC não mudaram substancialmente desde os estudos pioneiros de Dicke e colaboradores, que se iniciaram na década de 30 e que permanecem até o presente momento sendo este uma dieta isenta de glúten por toda a vida (BERGE-HENEGOUWEN, MULDER, 1993 citado por SDEPANIAN, MORAIS, FAGUNDES-NETO, 2011).
  24. 24. ALIMENTOS PERMITIDOS       Carnes; Lacticínios; Ovos; Legumes, verduras, frutas; Arroz, farinha de arroz, sagu, pipoca; Pão bolos e biscoitos feitos com cereais;
  25. 25. ALIMENTOS NÃO PERMITIDOS  Farinha de trigo, pães, macarrão, farinha de rosca;  Farinha de cevada, bala de cevada, cerveja;  Farinha de aveia;  Molhos com farinha de trigo, farofas, croquetes;  Pastéis;
  26. 26. ROTULAGEM  Os rótulos são um instrumento de informação aos consumidores, permitem que as escolhas alimentares ocorram de forma criteriosa quando são bem compreendidos. As informações nele impressas devem ser fidedignas, legíveis e acessíveis a todo consumidor (FERREIRA,LANFER- MARQUEZ, 2007 citado por CESINO, 2010).
  27. 27. LEGISLAÇÃO  A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), em 2002 criou a resolução RDC nº 40, de 08 de fevereiro de 2002, que foi publicada no Diário Oficial da União; de 13 de fevereiro de 2002, onde aprova o Regulamento Técnico para rotulagem de alimentos e bebidas embalados que contenham glúten (ANIVISA, 2002).
  28. 28. Lei nº 10.674 / 2003  Em maio de 2003, foi criada a Lei nº 10674 retificando a resolução RDC n° 40 de 2002. Na Lei nº 10674 os produtos alimentícios comercializados devem obrigatoriamente informar sobre a presença de glúten, como medida preventiva e de controle da doença celíaca, e que todos os alimentos industrializados deverão conter em seu rótulo e bula, obrigatoriamente, as inscrições "contém glúten" ou "não contém glúten", conforme o caso.
  29. 29. hnn
  30. 30. CONCLUSÃO   A doença celíaca afeta 1-2 % da população geral, pode ser diagnosticada em qualquer idade e possui uma grande distribuição a nível mundial. As manifestações clínicas são variadas e a apresentação clássica da doença é hoje menos freqüente, com conseqüente aumento do número de adultos diagnosticados e das formas de apresentação da doença. O conhecimento dos sinais e sintomas da DC é imprescindível para que os profissionais de saúde tenham a suspeita de seu diagnóstico, devendo ser lembrado que os testes sorológicos devem ser solicitados na presença de qualquer grau de suspeita do diagnóstico dessa patologia.
  31. 31. CONCLUSÃO  Uma dieta sem glúten continua a ser o único tratamento para a doença celíaca com suficiente evidência científica da sua eficácia. A dieta requer acompanhamento e educação do paciente por um nutricionista especializado. Se o glúten não for eliminado da dieta podem surgir complicações nos sintomas da doença.
  32. 32. FIM DA APRESENTAÇÃO OBRIGADA Á TODOS!!!

×