projeto indisciplinar multidisciplinar

330 visualizações

Publicada em

Unip

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
330
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

projeto indisciplinar multidisciplinar

  1. 1. UNIVERSIDADE PAULISTA – UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM PROCESSOS GERENCIAIS PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR I São Paulo/SP 2011
  2. 2. UNIVERSIDADE PAULISTA – UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM PROCESSOS GERENCIAIS PACKFILM WORLD INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS LTDA. Autores: Evandro Mucha A96717-6 Elaine de Cássia Soares A96712-5 Camila Violante BOI1BJ-2 Lisley Leiko Harimoto A966BF-4 Projeto Integrado Multidisciplinar – PIM apresentado à Universidade Paulista – UNIP, para avaliação semestral no Curso de Gestão Tecnológica em Processos Gerenciais. Orientador: Professor Odair Marques São Paulo/SP 2011
  3. 3. UNIVERSIDADE PAULISTA – UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM PROCESSOS GERENCIAIS PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR I PACKFILM WORLD INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS LTDA. Autores: Evandro Mucha A96717-6 Elaine de Cássia Soares A96712-5 Camila Violante BOI1BJ-2 Lisley Leiko Harimoto A966BF-4 Aprovado em: /06/2011. ________________________________________ Professor Odair Marques São Paulo/SP 2011
  4. 4. AGRADECIMENTOS Dedicamos este trabalho aos professores do primeiro semestre do curso de Gestão Tecnológica em Processos Gerenciais – noturno, Campus Cidade Universitária, que compartilharam seus conhecimentos e contribuíram de forma valiosa na elaboração deste trabalho de grande importância para os futuros desafios de nossa carreira.
  5. 5. DEDICATÓRIA Dedicamos esta obra ao Senhor Odair Marques, professor de Economia e Mercado, Orientador de nosso Projeto Integrado Multidisciplinar e a Senhora Sandra Regina Kuka Mutarelli, coordenadora de nosso curso.
  6. 6. RESUMO O Projeto Integrado Multidisciplinar I do curso de Gestão Tecnológica em Processos Gerenciais aborda o levantamento de informações da Indústria denominada “Packfilm World Indústria de Embalagens Plásticas Ltda.”, que atua no ramo de filmes plásticos de polipropileno e relaciona dados relevantes sobre sua fundação, constituição, história, ramo de atividade, características administrativas, tecnologias utilizadas, formas de comunicação e administração de recursos materiais e patrimoniais. Palavras-chave: embalagem, plástico, polipropileno.
  7. 7. ABSTRACT The Multidisciplinary Integrated Project I of Technology Management Process Course is a information collection from an company known as “Packfilm World Indústria de Embalagens Plásticas Ltda.”, operating primarily in the business of plastic films and agregate relevant data on its history, foundation and constitution, business type, administrative characteristics, communication forms and management of heritage resources and materials. Keywords: packaging, plastic, polypropylene.
  8. 8. SUMÁRIO INTRODUÇÃO ...................................................................................................................................... 9  1.  DESCRIÇÃO DA ORGANIZAÇÃO .......................................................................................... 10  1.1.  Denominação e forma de constituição. ....................................................................... 10  1.2.  Dados e fatos relevantes da origem da organização. .............................................. 10  1.3.  Natureza e ramo de atuação. ....................................................................................... 12  1.4.  Faturamento e o porte da empresa. ............................................................................ 12  1.5.  Principais equipamentos. .............................................................................................. 13  1.6.  Composição da força de trabalho. ............................................................................... 13  1.7.  Principais Produtos. ....................................................................................................... 14  1.8.  Fornecedores, Matérias-primas e serviços fornecidos. ............................................ 15  1.9.  Principais Mercados e seus segmentos. .................................................................... 15  1.10.  Surgimento do negócio no Brasil e seu desenvolvimento até hoje. ....................... 16  1.11.  Principais Concorrentes e Aspectos Relevantes de cada um. ................................ 17  1.12.  Organograma .................................................................................................................. 19  2.  COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL ........................................................................................... 21  2.1.  Comunicação Interna ..................................................................................................... 21  2.2.  Comunicação Externa .................................................................................................... 22  2.3.  Tipos de Documentos .................................................................................................... 23  2.4.  Feedback ......................................................................................................................... 23  3.  TÉCNICAS DE INFORMÁTICA ............................................................................................... 24  3.1.  Equipamentos ................................................................................................................. 24  3.2.  Sistemas Operacionais e Aplicações .......................................................................... 24  3.3.  Rede de Computadores e Internet .............................................................................. 25  3.4.  Armazenamento de Dados e Segurança de Arquivos ............................................. 26  3.5.  Diagrama da Rede ......................................................................................................... 27  4.  RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ........................................................................ 28  4.1.  Recursos Materiais e Patrimoniais .............................................................................. 28  4.2.  Compras ........................................................................................................................... 29  4.3.  Recebimento de Mercadorias ....................................................................................... 30  4.4.  Estoques ou Depósitos .................................................................................................. 30  4.5.  Administração e Reposição de Estoque ..................................................................... 31  4.6.  Inventário ......................................................................................................................... 32  4.7.  Administração do Patrimônio ........................................................................................ 32  CONCLUSÃO ..................................................................................................................................... 33  BIBLIOGRAFIA: .................................................................................................................................. 34  ANEXOS .............................................................................................................................................. 35 
  9. 9. 9    INTRODUÇÃO   Pretende-se com este trabalho analisar a estrutura administrativa da indústria de filmes plásticos, baseando-nos nas disciplinas aplicadas durante o primeiro semestre do curso, para demonstrarmos o grau de aproveitamento que obtivemos e, ao mesmo tempo, ampliarmos os conhecimentos através da pesquisa. A empresa analisada é a “Packfilm World Indústria de Embalagens Plásticas Ltda.”, do qual um dos integrantes é colaborador. Os dados obtidos foram coletados na empresa, momento que tivemos a oportunidade de realizar entrevistas com os sócios-diretores, os gerentes administrativos, comercial e fabril. A empresa foi escolhida porque em virtude das mais variadas descobertas do homem, com a finalidade de proporcionar conforto para si, destacamos o beneficiamento de plástico como tecnologia inovadora e em pleno desenvolvimento, sendo que atualmente proporciona resultados exuberantes quando aplicados adequadamente. Ao final, o leitor conhecerá de maneira pormenorizada a empresa apresentada e as particularidades do produto estudado, em âmbito nacional.
  10. 10. 10    1. DESCRIÇÃO DA ORGANIZAÇÃO 1.1. Denominação e forma de constituição. Packfilm World Indústria de Embalagens Plásticas Ltda., sediada na Estrada dos Romeiros, número 2.410, cidade de Barueri é uma sociedade empresária limitada, registrada na Junta Comercial do Estado de São Paulo. Tornou-se ativa no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica em 23 de outubro de 2004 e atualmente é optante pelo regime tributário anual de Lucro Real Apurado. Constituída nos termos previstos da Lei número 10.4061 de 10 de janeiro de 2002, tem como objeto social a industrialização de embalagens plásticas, comércio, importação, exportação de produtos e matérias primas plásticas. O capital social da sociedade limitada é de R$ 724.200,00 (Setecentos e vinte e quatro mil e duzentos reais), totalmente subscrito e integralizado pelos sócios, da seguinte forma: Ambos denominados Sócios Administradores, representam a sociedade individualmente, com direito a uma retirada mensal pró-labore com valor fixado por deliberação e consideradas como encargos da sociedade. 1.2. Dados e fatos relevantes da origem da organização. A empresa teve origem quando seu fundador, na época era executivo de uma empresa que produzia sacos de lixo de primeira linha, observou a oportunidade                                                              1 Código Civil Brasileiro Sócio 1 90% 714.780 Sócio 2 10% 79.420 Total: 794.200
  11. 11. 11    de negócio de um produto com qualidade inferior para um mercado ainda não explorado: sacos plásticos utilizados em feiras livres. Quando seu empregador rejeitou a inclusão dessa linha de produto em sua produção, ele resolveu iniciar uma produção paralela, em sua própria casa, com trabalho manual e entrega noturna. O mercado começou a crescer e quando os sócios da empresa que produzia sacos de lixo de primeira linha descobriu a produção paralela, feita por um de seus executivos da alta direção, resolveu desligá-lo da empresa por justa causa, entendendo essa produção como concorrência. Desde então, em 1975, dá-se início à empresa que vamos tratar neste trabalho. A empresa que produzia sacos utilizados na feira adquiriu equipamentos e máquinas, aumentando a produção desta linha e iniciando a produção de sacos de lixo, mas de qualidade inferior, agora sim, concorrendo com seu antigo empregador. Em 1987, o filho do fundador, neste trabalho denominado Sócio 1, iniciou sua participação na empresa ainda como funcionário. Com visão empreendedora, iniciou um trabalho para inclusão de uma linha de produtos com qualidade superior, exigindo investimentos para a renovação do maquinário fabril instalado. Em 1989, iniciaram com a produção de sacos e sacolas para o atendimento personalizado e sob demanda para clientes mais exigentes. Esse trabalho seguiu até o ano de 1993, quando os gestores, pai e filho, decidiram separar a empresa para que cada um seguisse com uma linha de produtos. Essa cisão2 consolidou-se no final de 1994, o filho seguiu com a parte da empresa voltada aos produtos com qualidade superior, atualmente a Packfilm World Indústria de Embalagens Plásticas Ltda. Em 1996, O Sócio 1 direcionou suas atenções para novos negócios e à administração financeira e convidou um amigo de infância para integrar a sociedade, responsável pela direção comercial e fabril, é atualmente o Sócio 2.                                                              2 Operação pela qual a sociedade transfere todo ou somente uma parcela do seu patrimônio para uma ou mais sociedades, constituídas para esse fim ou já existentes.
  12. 12.   1.3. de p plást com pers 1.4. emp anos            3 Ban Naturez De nat produtos d ticas. Sua lin a prod sonalizados Faturam Com f presa de m Podem s:                       nco Nacional  16.500.000  17.000.000  17.500.000  18.000.000  18.500.000  19.000.000  19.500.000  20.000.000  20.500.000  21.000.000  21.500.000  22.000.000 za e ramo tureza indu distribuída nha de pro dução so s. mento e o faturament édio porte mos observ                        de Desenvo 2037192130 ,00 ,00 ,00 ,00 ,00 ,00 ,00 ,00 ,00 ,00 ,00 ,00 20 de atuaçã ustrial e at entre pe odutos é d b deman porte da e to anual , de acordo var o desen         olvimento Ec 20.371.921,30  006 F ão. tuando no elículas, b diversificad nda, disp empresa. médio de o com a ta nvolviment conômico e S 18.277.391,00  2007 Faturam ramo de f obinas, e da e difere ponibilizand e R$ 20 m abela de cl to de seu f Social (http:// 20.794.243,35  2008 mento filmes plás mbalagens nciada, ate do produ milhões, é assificação faturament goo.gl/Pt1gw 21.318.808,01  2009 sticos, tem s, sacos endendo o tos espe é conside o do BNDE to nos últim w) 21.236.298,06  2010 12 m sua linha e sacolas o mercado ecíficos e rada uma ES3 . mos 5 2  a s o e a
  13. 13. 13    1.5. Principais equipamentos. Distribuída em um prédio de 4.500m2 , a indústria conta com três grandes setores de produção: Extrusão, Impressão e Corte. Nesses setores existem máquinas industriais para extrusão de plástico, impressão flexográfica e corte, solda e acabamento dos filmes plásticos. Para realizar suas atividades, utiliza uma empilhadeira, balanças, misturadores, rebobinadeiras, refrigeradores de água e prensas. No setor de controle de qualidade, possui equipamentos de precisão que aferem a espessura, resistência e densidade dos filmes plásticos. 1.6. Composição da força de trabalho. Todos os colaboradores trabalham sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT. Os colaboradores do setor administrativo trabalham em horário comercial, contemplando 44 horas semanais. Já no setor fabril, existe uma mescla de colaboradores que trabalham 44 horas semanais e outros que se revezam em 3 (três) turnos de 8 horas diárias, uma vez que a fábrica mantém-se produtiva 24horas por dia. A empresa tem um movimento de produção variável, conforme a sazonalidade de seu produto final. Por esse motivo, conta com 75 colaboradores nos períodos de baixa produção e 95 colaboradores nos períodos de alta produção, distribuídos em 85% na área fabril e 15% na área administrativa. A área administrativa possui 2 (dois) colaboradores de nível operacional, 4 (quatro) colaboradores de nível gerencial e 2 (dois) sócios diretores, todos com ensino superior completo. Os demais têm formação do Ensino Médio.
  14. 14. 14    1.7. Principais Produtos. Na área de filmes e películas plásticas, graças à facilidade de configuração das máquinas de corte e solda, a possibilidade de criação de novos produtos é muito grande. Desta forma, a empresa trabalha principalmente com produtos sob demanda, nas linhas de: a. Filmes; b. Películas; c. Bobinas; d. Sacos e; e. Sacolas Todos os produtos têm como matérias-primas principais o Polietileno e Polipropileno, com filmes obtidos por processo de extrusão4 , laminados5 ou não. Podem ser coloridos ou transparentes, lisos ou impressos, em várias espessuras e tamanhos e diversos tipos de alças e fechos. A linha de produtos tem uma característica de qualidade e acabamento superior às sacolas do tipo “camiseta”, comumente utilizadas em supermercados ou feiras livres. Como forma de minimizar os efeitos poluentes do plástico, a empresa oferece um aditivo oxibiodegradável6 que pode ser adicionado à mistura de matérias primas para que o sofra uma oxidação programada, desta forma, o produto tem um ciclo de vida útil programado, sem causar maiores impactos ao meio ambiente.                                                              4 A extrusão de plástico consiste em fundir a matéria prima (polímero) em uma rosca aquecida e sob pressão, fazer passar através de um orifício, de modo a fazer com que o material adquira uma secção transversal igual à do orifício e posteriormente arrefecido num balão de ar. Este processo é, normalmente, contínuo, sendo usado para a produção de perfis, filmes plásticos, folhas plásticas, etc. 5 É a junção de dois ou mais filmes plásticos por processo de colagem. 6 Aditivo granulado que, ao ser introduzido no processo de fabricação de um produto plástico, torna este produto degradável por oxidação em um tempo significativamente menor, quando comparado ao plástico convencional.
  15. 15. 15    1.8. Fornecedores, Matérias-primas e serviços fornecidos. As principais matérias-primas utilizadas na empresa são o Polietileno e Polipropileno e ambos são polímeros derivados do petróleo. Os principais fornecedores são: a. Braskem S.A. Fornecedor de polietileno em grãos. b. Res Brasil Ltda. Fornecedor de aditivo oxibiodegradável. c. Tupahue Tintas S.A. Fornecedor de tintas flexográficas. d. Beneficiamento de Plásticos Apolo Ltda. Fornecedor de serviços de beneficiamento de plástico. e. Ibrapack Indústria e Comércio Ltda. Fornecedor de produto intermediário para produção. Os fornecedores acima relacionados são os responsáveis pelo fornecimento da matéria prima e serviços necessários para a produção dos produtos oferecidos pela empresa: grãos, tintas e serviços de transformação do plástico em bobinas e perfis. 1.9. Principais Mercados e seus segmentos. O mercado interno é o foco de atendimento. Em 2010 a empresa obteve sua receita distribuída em 75% dentro do Estado de São Paulo e 25% de outros Estados da Federação. Fornece sacos e lonas como insumos para produção de terceiros, filmes, sacos e sacolas para o consumo e ainda, com pequena representação, produtos para revenda. Dentre os principais clientes estão:
  16. 16. 16    a. Lojas de Departamentos; b. Lojas de Calçados; c. Lojas de roupas; e d. Indústrias em geral. 1.10. Surgimento do negócio no Brasil e seu desenvolvimento até hoje. Em 1949 foi inaugurada a primeira fábrica de poliestireno em São Paulo, a Bakol S.A. que deu início a produção comercial do poliestireno de alto impacto. Na década de 1970/80, os sacos de plástico tornaram se bastante populares, substituindo os de papel Kraft, especialmente através da sua distribuição gratuita nos supermercados e outras lojas. Também é uma das maneiras mais comuns de acondicionamento dos resíduos doméstico e, através da sua decoração com os símbolos das marcas, constituem uma forma barata de publicidade para as lojas que os distribuem. As embalagens plásticas, especialmente as sacolas do tipo “camiseta” distribuídas gratuitamente por supermercados, tem sido alvo das entidades ambientalistas que procuram interromper o uso e descarte indiscriminado desse produto. A primeira medida com restrição no uso de sacolas plásticas foi em Belo Horizonte. Em 2008 foi aprovada uma lei com a proibição do uso de sacolas plásticas derivadas do petróleo. Em maio de 2011, o prefeito Gilberto Kassab sancionou a proibição do uso de sacolas plásticas na cidade de São Paulo. A lei entrará em vigor no 1º de janeiro de 2012. Multas serão aplicadas e licenças comerciais poderão ser cassadas, em caso de descumprimento. Anteriormente a isso, a indústria do plástico desenvolveu outras matérias primas e aditivos que minimizam a ação poluente das sacolas plásticas na natureza:
  17. 17. 17     Aditivo Oxibiodegradável Diminui a vida útil do filme plástico de forma programada. O material entra em processo de decomposição por oxidação, ou seja, necessita apenas do contato com o oxigênio, seja do ar ou da água.  Biodegradável Uma matéria prima com origem vegetal, em contato com compostos orgânicos, o plástico se decompõe, por meio da ação de organismos vivos.  Hidrossolúvel Matéria prima à base de álcool polivinílico. A resina se desmancha em contato com a água sem deixar resíduos tóxicos ou nocivos. O mercado passa, neste momento, por discussões entre governo, indústria e entidades ambientalistas, no intuito de promover melhorias neste âmbito. 1.11. Principais Concorrentes e Aspectos Relevantes de cada um. A empresa trabalha com uma linha de produtos que pode ter um número muito grande de variações, devido à configuração e versatilidade das máquinas no setor de corte, solda e acabamento. Dessa forma, a grande maioria dos concorrentes, pode ser assim considerados, em linhas específicas de produto. Os principais concorrentes são: a. Poliprint Indústria e Comércio de Embalagens Plásticas Ltda. Localizada em Guarulhos/SP, pode ser considerada como a maior concorrente. Com capacidade produtiva de 1.200 toneladas por mês, 6 (seis) vezes maior que a produção da empresa estudada, atua com clientes de maior porte e participação no faturamento com preços muito atrativos.
  18. 18. 18    b. CBS Elos do Brasil Embalagens Localizada em Arujá-SP e Bom Jardim-RJ, têm uma linha de produtos parecida com a Packfilm World. As duas fábricas tem capacidade produtiva de 2.300 toneladas por mês. c. Plásticos Jurema Indústria e Comércio Ltda. Localizada em Carapicuíba-SP, é o concorrente mais parecido com a Packfilm World, uma vez que tem uma linha de produtos diversificada, mas atualmente não atua nos mesmos clientes.
  19. 19. 19    1.12. Organograma
  20. 20. 20    A alta direção é dividida pelos dois sócios diretores em 4 (quatro) partes: Administrativa e Financeira com o Sócio 1 e com o Sócio 2, a Industrial e Comercial. Os gerentes funcionais são responsáveis pelas áreas específicas e envolvem-se nos processos operacionais da empresa, em nível de execução. O organograma sofre ajustes conforme a necessidade dos setores administrativos e fabris, respondendo à demanda do mercado sazonal. Identificamos que a diretoria é responsável pela tomada de todas as decisões e muitas vezes, age diretamente sobre todas as camadas organizacionais da empresa com características administrativas da Teoria X, de Douglas McGregor, em que o comportamento das pessoas tem relação direta com os estilos utilizados pelos administradores, onde os colaboradores fazem somente o que lhes é solicitado e são resistentes à mudança. Segundo as pressuposições da Teoria X, de McGregor, o ser humano tem aversão ao trabalho, precisa ser coagido, controlado e dirigido. A ameaça de punição e premiação é utilizada para que se esforcem e produzam. Essas características podem ser observadas na administração da empresa, com leve tendência de mudança. Embora o ambiente administrativo seja comum, desenhado sob o conceito de ambiente aberto e buscando a integração das áreas em assuntos da empresa, observamos que não existe o espírito de equipe. Os responsáveis pelas áreas cuidam especialmente das tarefas solicitadas pela diretoria e existe uma dificuldade para assumir responsabilidades e compartilhar problemas e soluções.
  21. 21. 21    2. COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Para integração das pessoas, departamentos e áreas, observamos que no setor administrativo a empresa trabalha com o modelo de Openoffice7 . O escritório foi planejado de forma aberta, sem baias, onde a gerência permanece junto dos demais operadores. O Departamento Financeiro e as Diretorias ficam em ambientes separados dos demais. A comunicação empresarial não é planejada de forma estratégica nem coordenada por um departamento específico: é realizada individualmente por cada área da empresa para atender as necessidades pontuais, porém, segue os fluxos determinados para tal:  Ascendente;  Descendente, e  Horizontal. Na comunicação Interna ou Externa, o principal canal de comunicação é o e- mail, utilizado excessivamente na comunicação interpessoal e interfuncional. Entende-se como uma forma de “registrar” qualquer conversação, solicitação ou ação entre as pessoas, setores e departamentos. 2.1. Comunicação Interna Uma vez que a cultura organizacional é semiaberta, neste âmbito o departamento de pessoal interage diretamente, repassando as informações deliberadas pela área estratégica ou legal aos colaboradores, utilizando os seguintes recursos:  Quadro de avisos;  Telefones (ramais);                                                              7 Escritório planejado de forma aberta, sem baias, para maior integração e humanização da equipe.
  22. 22. 22     E-mails8 ; e  Mensagens instantâneas (MSN Messenger9 ). 2.2. Comunicação Externa A área comercial utiliza um recurso de CRM10 para analisar os clientes e replica as informações aos representantes de venda, que promovem de forma simplificada (banners, e-mails) a divulgação dos produtos e serviços em feiras específicas ou de forma presencial (visitas) junto aos clientes. A empresa não atua diretamente com a publicidade institucional, conta apenas com a sagacidade dos representantes de venda. As ferramentas utilizadas nesta forma de comunicação são:  E-mails;  Mensagens instantâneas (MSN Messenger);  Telefonia celular;  Telefonia fixa;  Iden11 ;  Voip12 ; e  Fax. A comunicação externa também está presente nas negociações com fornecedores, assuntos administrativos e fiscais, além do contato direto com clientes para solução de problemas de qualquer natureza.                                                              8 Correio eletrônico. 9 É um programa de mensagens instantâneas criado pela Microsoft Corporation. 10 Customer Relationship Management - Gestão de Relacionamento com o Cliente. Foi criada para definir toda uma classe de ferramentas que automatizam as funções de contacto com o cliente. 11 É uma tecnologia de rádio-comunicação via celular (funciona da mesma forma que os sistemas celulares tradicionais). 12 Voice over Internet Protocol ou Voz sobre IP, o roteamento de conversação humana usando a Internet ou qualquer outra rede de computadores baseada no Protocolo de Internet, tornando a transmissão de voz mais um dos serviços suportados pela rede de dados.
  23. 23. 23    2.3. Tipos de Documentos A empresa utiliza documentos do tipo memorando, circular e carta. Grande parte desses documentos é repassada por e-mail. Documentos impressos e assinados são utilizados em situações que necessariamente exigem a impressão do documento. Com a digitalização da informação, grande parte dos documentos tornaram- se eletrônicos e podem até receber uma assinatura digital legalmente válida e aceita por órgãos do governo e instituições financeiras. 2.4. Feedback O recurso de Feedback13 é pouco utilizado, feito de forma esporádica e somente em situações positivas. Não é utilizado como ferramenta que trata dos problemas, orientando-os para a melhoria dessas situações no futuro. Em algumas situações, encontramos a dificuldade em dar feedback, uma vez que algumas pessoas que observamos, têm como característica principal, não aceitá-lo.                                                              13   Feedback é um processo que promove mudanças de atitudes, comportamentos e pensamentos. É a realimentação da comunicação a uma pessoa ou grupo, no sentido de fornecer-lhe informações sobre como sua atuação está afetando outras pessoas ou situações. O feedback eficaz é aquele que ajuda pessoas ou grupos a melhorarem seus desempenhos e, assim, alcançar seus objetivos e metas.  
  24. 24. 24    3. TÉCNICAS DE INFORMÁTICA 3.1. Equipamentos A empresa utiliza 22 microcomputadores do tipo PC (Personal Computers), baseados em processadores Intel de diversos modelos, quantidade variável de memória RAM14 e armazenamento em disco. Todos utilizam monitores de cristal líquido de 18,5” (polegadas), teclados em português brasileiro e mouse. O Servidor de aplicações e arquivos é uma máquina diferenciada, com uma arquitetura interna mais elaborada para garantir a confiabilidade e disponibilidade de seu funcionamento. É uma máquina com custo superior e recursos avançados de contingência e monitoramento. Atualmente, dois microcomputadores utilizados são alugados de uma empresa que presta esse tipo de serviço, oferecendo serviços de manutenção, atualização e responsabilidade legal dos sistemas instalados contratualmente. No ambiente administrativo, a empresa conta com uma impressora multifuncional de sua propriedade e ainda outras duas impressoras de médio porte, também disponibilizadas por uma empresa de locação, responsável pela manutenção e recarga dos suprimentos necessários. 3.2. Sistemas Operacionais e Aplicações O Servidor de Aplicações e Arquivos utiliza o sistema operacional Windows Server 2003 Standard com licença para 22 usuários concorrentes, ou seja, utilizando simultaneamente.                                                              14 Random Access Memory (Memória de Acesso Aleatório) É um tipo de memória que permite a leitura e a escrita, utilizada como memória primária em sistemas eletrônicos digitais. O termo acesso aleatório identifica a capacidade de acesso a qualquer posição em qualquer momento
  25. 25. 25    Os microcomputadores de uso dos colaboradores utilizam o sistema operacional Windows em suas versões XP e Seven. A empresa utiliza de forma geral, o conhecido pacote de aplicativos Microsoft Office em sua versão 2007. No servidor existem aplicações de banco de dados como o SQL Server 2005 e o Firebird 2.1, armazenando informações de sistemas ERP15 como o SAP Business One e Odin, respectivamente. Aplicações utilizadas em todos os microcomputadores da empresa como ferramenta de gestão. 3.3. Rede de Computadores e Internet A rede interna de computadores é do tipo Estrela, onde cada computador é ligado a um concentrador16 através de um cabo do tipo par-trançado com 4 pares internos e conexões RJ-45. A internet está disponível na rede através de um roteador com balanceamento de carga, ou seja, duas conexões de internet são ligadas no equipamento que determina a divisão de carga das informações entre as conexões, evitando a lentidão ou indisponibilidade da rede. As conexões de internet são são do tipo ADSL17, disponibilizadas pela Telefônica em São Paulo. A segurança da rede interna é determinada por um firewall18 que bloqueia qualquer tentativa de invasão vinda da internet (externa) e limita o tipo de conteúdo que os colaboradores podem acessar.                                                              15 ERP (Enterprise Resource Planning) são sistemas de informação que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema. A integração pode ser vista sob a perspectiva funcional e sob a perspectiva sistêmica. 16 O concentrador ou Switch é o equipamento que determina para onde devem seguir as informações que circulam pela rede. 17 Asymmetric Digital Subscriber Line (ADSL) é uma tecnologia de comunicação de dados que permite uma transmissão de dados mais rápida através de linhas de telefone do que um modem convencional pode oferecer. 18 Dispositivo de uma rede de computadores que tem por objetivo aplicar uma política de segurança a um determinado ponto de controle da rede. Sua função consiste em regular o tráfego de dados entre redes distintas e impedir a transmissão e/ou recepção de acessos nocivos ou não autorizados de uma rede para outra.
  26. 26. 26    3.4. Armazenamento de Dados e Segurança de Arquivos O Servidor é responsável pelo armazenamento de todos os arquivos utilizados pelos usuários e seus e-mails. Um sistema de antivírus garante que nenhum vírus de computador possa causar danos aos arquivos dos usuários e um sistema de backup noturno faz a compactação dos dados e envia uma cópia dos arquivos para uma unidade de armazenamento remota, garantindo que mesmo em situações extremas, as informações permaneçam sempre seguras.
  27. 27. 27    3.5. Diagrama da Rede
  28. 28. 28    4. RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS 4.1. Recursos Materiais e Patrimoniais A empresa utiliza como matéria prima principal o plástico, principalmente do tipo polietileno, polímero de maior produção mundial, com menor custo, mais simples, quimicamente inerte e derivado do petróleo. Em uma visita, identificamos os materiais abaixo relacionados como principais matérias primas:  Polietileno;  Polipropileno;  BOPP (Polipropileno bi orientado);  Tintas Flexográficas e;  Aditivos Oxibiodegradáveis. Ainda no setor fabril, identificamos em um pequeno estoque de produtos acabados, alguns dos itens citados no item 1.7. Existem materiais de uso e consumo utilizados para limpeza, manutenção e escritório que não são controlados por estoque. A indústria está estabelecida em um prédio localizado na cidade de Barueri e conta com uma área de 4.500m2 utilizados para o setor fabril e outros 400m2 utilizados para a Administração. O setor fabril é dividido em 3 grandes setores:  Extrusão: 5 (cinco) máquinas extrusoras de polietileno de alta ou baixa densidade. São equipamentos que transformam a matéria prima em um filme plástico em diversos tamanhos e espessuras.  Impressão: 3 (três) impressoras flexográficas que trabalham com até 6 cores de
  29. 29. 29    impressão. Trabalham com as bobinas de filme plástico entregues pelo setor de extrusão.  Corte: 12 (doze) máquinas que cortam e/ou soldam as bobinas de filme plástico: lisas, entregues pela extrusão ou impressas, entregues pelo setor de impressão. Estas contam com acessórios e têm uma versatilidade muito grande de configurações possibilitando uma grande variação na linha de produtos. No setor de controle de qualidade, a empresa utiliza equipamentos de precisão que medem a espessura, resistência e densidade dos filmes plásticos. Conta ainda com empilhadeira, balanças, misturadores, rebobinadeiras, refrigeradores de água e prensas. Na administração são utilizados equipamentos de informática e comunicação bem como os móveis de escritório. Um programa ERP instalado em um servidor é considerado pela empresa como um bem patrimonial intangível. A empresa mantém escritórios administrativos e estratégicos no Centro Comercial de Alphaville e no bairro do Bom Retiro onde existem apenas mobiliários de escritório e os equipamentos de comunicação e informática. O Patrimônio da empresa pode ser resumido em seu maquinário industrial, equipamentos de informática e mobiliário de escritório já que não conta com imóveis em seu patrimônio. 4.2. Compras A matéria prima principal é o plástico. Como derivado do petróleo, tem seu preço indexado ao mesmo. Como material adquirido em grandes quantidades e com custo de aquisição considerável, estas compras são efetuadas diretamente pelo Diretor Industrial, que avalia a necessidade, busca fornecedores e efetiva as compras.
  30. 30. 30    As tintas flexográficas são enviadas pelo fabricante em regime de consignação. Um dos vendedores visita quinzenalmente a empresa para fazer a contabilização do consumo, juntamente com um funcionário da empresa, e envia a cobrança do volume utilizado. Alguns materiais adicionais utilizados como matéria prima são cotados e comprados conforme a necessidade do modelo de produto produzido. Materiais de consumo como: limpeza, manutenção, escritório e suprimentos de informática são comprados conforme necessidade e em quantidades suficientes para atender a empresa em um período de 30 dias. Não existe a formalização de pedidos de compras e eventualmente a empresa solicita que sejam emitidas cotações de fornecedores para a decisão de uma compra. 4.3. Recebimento de Mercadorias O Recebimento de materiais é efetuado por um funcionário que divide as tarefas de expedição e recebimento. Após uma verificação simples desse material, a entrega é autorizada e em uma doca, os caminhões descarregam as compras de grande quantidade. Os produtos são levados por carrinhos ou empilhadeiras até as áreas de armazenagem pré-estabelecidas e neste momento, é feita a contabilização do material em estoque. O recebimento de outros materiais mais simples, sem controle efetivo de estoque, sem armazenamento de grande quantidade e de menor importância no processo produtivo são recebidos e encaminhados aos respectivos setores de consumo. 4.4. Estoques ou Depósitos Os estoques podem ser divididos em três partes:  Matérias Primas - Plásticos;
  31. 31. 31     Matérias Primas – Tintas;  Processo  Produtos Auxiliares; e  Produtos Acabados. Existe um controle rígido nos depósitos de matéria primas devido à sua quantidade e valor. Já os estoques de material em processo e produto acabados não tem um controle efetivo. Como a característica da empresa é a produção de produtos sob demanda e na maioria dos casos esse produto é personalizado, o estoque de produtos acabados é muito pequeno. Os produtos são embarcados para entrega imediatamente após o término da produção. Uma pequena quantidade, algo em torno de 5% dos produtos acabados permanece em estoque. Esses produtos são armazenados para clientes que tem contrato de fornecimento mensal. São produzidos em grandes quantidades, capazes de abastecer o cliente em até 90 dias, para a redução do custo de produção. 4.5. Administração e Reposição de Estoque A administração de estoque acontece somente com a matéria prima principal, os polímeros de plástico, em seu estado de grãos. A quantidade de matéria prima em estoque é determinada por uma quantidade mínima ou a quantidade necessária para atender o volume de pedidos de venda aceitos. Em algumas situações, a empresa compra matéria prima aproveitando-se da oferta com preço atrativo ou a iminência de aumento de preços. O estoque de tintas em consignação é administrado pelo fornecedor e a reposição é feita sobre o consumo das mesmas. Não utilizam a curva ABC e XYB como forma de administração dos itens em estoque.
  32. 32. 32    4.6. Inventário O inventário da empresa é efetuado a cada quatro meses. A unidade de medida das matérias primas é o quilograma. É feita uma pesagem dos materiais em estoque, em processo e produtos acabados, acrescida de aparas19 e material disperso pelo chão, no setor fabril. 4.7. Administração do Patrimônio A empresa não possui imóveis próprios, dessa forma ela preocupa-se somente com as instalações e manutenção dos prédios. Atendendo as necessidades do mercado, redução de custo e otimização da produção, de tempos em tempos, a empresa investe em novas máquinas e/ou desfaz-se de outras que não atendem mais as necessidades da empresa.                                                              19 Sobra de filme plástico provenientes do corte, produtos danificados no processo de produção ou ainda, material utilizado para configuração e testes das máquinas antes do início de produção.
  33. 33. 33    CONCLUSÃO Pretendemos com esta obra, dentro dos temas abordados, mostrar as características detalhadas da empresa selecionada, para que todos possam entender e visualizar a metodologia e abordagem da empresa nestes assuntos. Conseguimos ilustrar com riqueza de detalhes, um descritivo satisfatório que esclarece qual a forma de trabalho da empresa. Estamos certos de que com as visitas à empresa, entrevistas com os gerentes e diretores, as análises no sentido administrativo e econômico, neste trabalho, atingiram nosso objetivo.
  34. 34. 34    BIBLIOGRAFIA: Cavalcanti, Pedro & Chagas, Carmo - A História da Embalagem no Brasil, ABRE, 2006. Dias, Marco Aurélio - Administração de Materiais: Uma Abordagem Logística – 4a. Ed. – São Paulo: Atlas, 1993 VIANA, João José - Administração de Materiais: Um Enfoque Prático. São Paulo: Atlas, 2006. CHIAVENATO, Idalberto - Introdução à Teoria Geral da Administração. 3ª. Ed. Campus, 2004. BAHIA, Benedito Juarez - Introdução à Comunicação Empresarial. Mauad. 1995. FRANCISCHINI, G. Paulino – Administração de Materiais e do Patrimônio. Cengage Learning, 2002. LACOMBE, Francisco – Administração Princípios e Tendências, São Paulo, Editora Saraiva, 2003. DORNELLES, Beatriz. Mídia, Imprensa e as Novas Tecnologias, Porto Alegre: EdiPUC-RS. HAUSSEN, Dóris Fagundes. Mídia, Imagem e Cultura, Porto Alegre, EdiPUC-RS. WEBER, Maria Helena. Comunicação e Espetáculos da Política, Porto Alegre: EdUFRGS, 2000. BNDES, Banco Nacional do Desenvolvimento Econônico e Social, <http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Navegacao_Suplementar/Per fil/porte.html>, Acesso em 28/05/2011.
  35. 35.     ANEXOS
  36. 36. 36    ANEXO A Em 1862, ocasião da Exposição Internacional de Londres, Alexander Parkers apresentou um tipo de resina, uma das primeiras amostras do que foi considerado na época o antecessor da matéria-plástica, ponto central de uma grande família de polímeros, que nos dias de hoje contém centenas de componentes. A resina ganhou o nome de "Parkesina". O material era utilizado em estado sólido e tinha como características principais: flexibilidade, resistência à água, cor opaca e fácil pintura. Desde o início da humanidade já eram usados objetos para o transporte de produtos como: caixas, cestos, potes, tonéis, entre outros. Esses objetos funcionais passaram a ser denominados como “embalagens”. Com a Revolução Industrial e expansão do varejo, os mercados se fixaram nas grandes capitais e com eles surgiram inúmeras inovações na produção de embalagem. Estas permitiram que os produtos fossem transportados dos locais onde eram fabricados ou colhidos para os centros consumidores. Por volta dos anos 30 nasceu o poliestireno20 , que tem como material base eteno21 e o benzeno22 , mas sua produção comercial só foi iniciada em 1936, na Alemanha. A partir de 1945, as matérias-primas plásticas entraram com tudo na casa das pessoas, independentemente de condição social. Foi um fenômeno, pois na época, o aço predominava. Em 1949 foi inaugurada a primeira fábrica de poliestireno em São Paulo, a Bakol S.A. que deu início a produção comercial do poliestireno de alto impacto.                                                              20 Material normalmente derivado do petróleo. 21 Gás incolor, odor etéreo, levemente adocicado que liquefaz a -103°C e solidifica a -169°C. 22 Hidrocarboneto aromático líquido, inflamável, incolor que possui um aroma doce e agradável.
  37. 37. 37    No início de 1960, F.H. Lambert desenvolveu o processo para moldagem de poliestireno expandido. O plástico substitui com vantagens uma série de matérias-primas utilizadas pelo homem há milhares de anos, como: vidro, madeira, algodão, celulose e metais. Além disso, ao substituir matérias-primas de origem animal, como couro, lã e marfim, possibilitou o acesso a bens de consumo pela população de baixa renda. Na década de 1970/1980, os sacos de plástico tornaram se bastante populares, substituindo os de papel Kraft23 , especialmente através da sua distribuição gratuita nos supermercados e outras lojas. O comercio varejista foi o propulsor do desenvolvimento dessas embalagens. Uma das características mais impressionantes da nossa época é o que se pode chamar de convergência entre a ciência e a tecnologia, ou seja, a distância no tempo entre uma descoberta científica e a sua aplicação tem sido cada vez mais reduzida, no entanto, o aproveitamento do plástico, que até a II Guerra Mundial foi lento, acelerou-se vertiginosamente no quarto de século seguinte. O plástico somente alcançou desenvolvimento em escala industrial nas últimas três décadas, mais acentuadamente no pós-guerra, como citado acima. Dentre os vários fatores que contribuíram para o desenvolvimento, acelerado nestes últimos vinte e cinco anos, figura prioritariamente o aprofundamento da teoria da química macromolecular24 , novos métodos de pesquisa, análise e ensaio e também o progresso na construção de equipamentos de transformação que possibilitaram a produção racional de grandes quantidades de produtos uniformes. Na economia, o polietileno25 , lançado em 1941, demorou 13 anos para chegar a US$100 milhões e apenas 10 anos para quase quintuplicar esse nível (em 1964, US$471 milhões).                                                              23 Tipo de papel fabricado a partir de uma mistura de fibras de celulose curtas e longas, provenientes de polpas de madeiras macias. 24 Consiste numa molécula formada por mais de 1500 átomos unidos por ligações covalentes (massa molecular superior a 10 000). 25 Quimicamente é o polímero mais simples de cadeia linear não ramificada.
  38. 38. 38    Atualmente o plástico é considerado um material de fabricação de produtos de alta resistência, durabilidade e de baixo custo. A preferência pelo plástico também é dada à praticidade de conservação do produto, que muitas vezes até pode ser de finalidade descartável. Porém, quando ocorre o descarte irregular do plástico no ambiente, este se torna nocivo devido a sua demorada decomposição, as diversas formas de poluição por ele geradas, tais como: problemas ambientais, urbanos e por propiciar o surgimento de doenças, tais como dengue e tétano. Contudo, uma saída responsável e eficiente foi o desenvolvimento da reciclagem, que além de beneficiar o meio ambiente, diminui a demanda de extração natural e dos resíduos plásticos que são acumulados no lixo. É um processo simples, quando comparado com o de remediação decorrente do impacto em longo prazo gerado no meio ambiente, além de ser bem significativo para melhora da qualidade de vida. A partir de 2002, a Irlanda foi o primeiro país a tomar medidas sobre a produção descontrolada de sacolas de plástico ao introduzir o PLAS TAX26 . Em um ano, o uso caiu mais de 90%. Na Alemanha e na França, as sacolas passaram a ser pagas. Na África, Ruanda, Quênia, Tanzânia e África do Sul, proibiram o uso de sacolinhas plásticas. A primeira medida com restrição no uso de sacolas plásticas no Brasil foi em Belo Horizonte, Minas Gerais: em 2008 foi aprovada uma lei que determinava a proibição de usos de sacolas plásticas derivadas do petróleo. Em maio de 2011, o prefeito Gilberto Kassab sancionou a proibição o uso de sacolas plásticas na cidade de São Paulo. A lei entrará em vigor no 1º de janeiro de                                                              26 Imposto que cobra ao consumidor por cada saco distribuído.  
  39. 39. 39    2012. Multas serão aplicadas e licenças comerciais poderão ser cassadas, caso seja descumprida a lei. Vale esclarecer que nem sempre o que se diz corresponde à verdade e muitas são as ideias erradas que existem relativamente ao plástico na sua relação com o meio ambiente: Apenas 4% do petróleo consumido no mundo ocidental se destinam à produção de plásticos. Com a utilização da tecnologia apropriada, a produção de plástico é totalmente eficiente, pois não há desperdício: os restos de plástico voltam a entrar no processo produtivo, os gases emitidos na sua produção são aproveitados. Na fabricação de plástico consome-se atualmente menos 40% a 70% de energia do que há 20 anos. O plástico é o material mais usado nos equipamentos de produção de energias alternativas, como a energia eólica e a energia solar ou ainda nos veículos verdes, pela sua leveza uso eficiente dos combustíveis.

×