Luana Arcuri
Maristela Chicarelli
Mirian Cesar
Paloma Daniele
CÁP - 4 MEMÓRIA: JORNALISMO, MEMÓRIA E
HISTÓRIA NA ERA DIGIT...
CONTINUIDADES
• Com relação a memória é possível identificar uma série de continuidades no jornalismo.
• Os jornais impres...
• Antes da Web, alguns jornais tinham melhores arquivos (mais completos, mais bem
indexados) e, portanto, melhores condiçõ...
ALGUMAS CONSEQUÊNCIAS
Efeitos da digitalização da informação e sofisticação das bases de dados, em relação a
memória:
• Na...
MEMÓRIA COMO FERRAMENTA NARRATIVA
• A memória entra em ação de maneira recorrente, de modo quase natural, na produção
do r...
DIGITALIZAÇÃO E FLUXOS CONTÍNUOS
• Bases de dados jornalísticas e não jornalísticas podem ser conjugadas, interligadas e
e...
MEMÓRIA A QUALIDADE
207 comentários
MARGINÁLIA E GUERRA DE MEMÓRIAS
• Marginália jornalística pode ser caracterizada como uma forma de memória estabilizada.
•...
Comentários de leitores e memória
“Com o ciberjornalismo, os comentários passam a ser incorporados ao
mesmo espaço do text...
Cap 4   memoria apresentação
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cap 4 memoria apresentação

184 visualizações

Publicada em

Trabalho da disciplina de Webjornalismo. Cap 4 do livro: Memória: Jornalismo, memória e história na era digital.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
184
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cap 4 memoria apresentação

  1. 1. Luana Arcuri Maristela Chicarelli Mirian Cesar Paloma Daniele CÁP - 4 MEMÓRIA: JORNALISMO, MEMÓRIA E HISTÓRIA NA ERA DIGITAL Marcos Palacios
  2. 2. CONTINUIDADES • Com relação a memória é possível identificar uma série de continuidades no jornalismo. • Os jornais impressos, desde longa data, mantêm arquivos físicos das suas edições passadas, abertos à consulta do público e utilizados por seus editores e jornalistas no processo de produção de informação noticiosa. A Rede Gazeta possui dois Centros de Documentação (Cedoc), um de Mídia Impressa e outro de Mídia Eletrônica, onde são guardados todos os conteúdos veiculados na TV Gazeta e nos exemplares dos jornais A GAZETA e Notícia Agora, além das fotos publicadas nos impressos. • O jornalismo impresso moderno recorre à publicação de pesquisas, baseadas em informação de arquivo, que complementam, ampliam ou ilustram o material noticioso corrente. O mesmo ocorre com relação às emissoras de rádio e TV, que mantêm arquivos sonoros e de imagem, eventualmente utilizados na produção de material noticioso de caráter jornalístico ou documental. Estado de Minas - http://impresso.em.com.br
  3. 3. • Antes da Web, alguns jornais tinham melhores arquivos (mais completos, mais bem indexados) e, portanto, melhores condições de recurso à memória na produção do texto sobre a atualidade. Presentemente, mais e mais arquivos vão sendo digitalizados, indexados, tornados públicos e abertos, equalizando as condições de uso da memória, não só na produção, mas também na recepção. Folha de São Paulo- http://acervo.folha.com.br/
  4. 4. ALGUMAS CONSEQUÊNCIAS Efeitos da digitalização da informação e sofisticação das bases de dados, em relação a memória: • Na produção de formas narrativas diferenciadas, com distintos modos de incorporação de memória (background, contexto, contraposição etc), em seus diferentes formatos (áudio, vídeo, fotos, textos, fac-símiles etc); 1. Nas formas de interação com o usuário, que passa a dispor de recursos para investigar, no próprio site do jornal, aspectos históricos/memorialísticos em torno do material de atualidade que lhe é oferecido. • Uma importante consequência desse crescente potencial para o uso de recursos de memória verifica-se na estruturação e edição dos textos jornalísticos. Não somente tornou-se mais fácil para os jornalistas incorporarem elementos de memória na produção do texto. • Textos relacionados passam a ser indexados hipertextualmente (Leia mais; Veja também; Notícias relacionadas, etc)
  5. 5. MEMÓRIA COMO FERRAMENTA NARRATIVA • A memória entra em ação de maneira recorrente, de modo quase natural, na produção do relato da atualidade, seja como ponto de comparação do evento presente com eventos passados (recentes ou remotos), como oportunidades de analogias, como convites à nostalgia, ou mesmo através da apresentação do presente como elemento para desconstruir e tornar a construir, sob a luz de novos fatos, os acontecimentos do passado (zelizer, 2008, p. 82)
  6. 6. DIGITALIZAÇÃO E FLUXOS CONTÍNUOS • Bases de dados jornalísticas e não jornalísticas podem ser conjugadas, interligadas e estabelecer comunicação entre elas (hiperligação, hipertextualidade, multimidialidade). para propósitos práticos, as redes digitais disponibilizam espaço virtualmente ilimitado para ao armazenamento de informação que pode ser produzida, recuperada, associada e colocada à disposição dos públicos alvos visados.
  7. 7. MEMÓRIA A QUALIDADE 207 comentários
  8. 8. MARGINÁLIA E GUERRA DE MEMÓRIAS • Marginália jornalística pode ser caracterizada como uma forma de memória estabilizada. • A marginália tem caráter de estabilidade dos comentários e soma vozes de usuários e registram suas reações sobre determinado assunto, em determinado tempo.
  9. 9. Comentários de leitores e memória “Com o ciberjornalismo, os comentários passam a ser incorporados ao mesmo espaço do texto jornalístico original, de maneira que podemos falar de anotações de margem, no sentido físico do termo.”

×