As formas comunicativas  do habitar Prof. Dr. Massimo Di Felice ATOPOS - ECA- USP
Massimo Di Felice PAISAGENS PÓS-URBANAS O FIM  DA EXPERIENCIA URBANA  E AS FORMAS COMUNICATIVAS DO HABITAR
Hermes Hestia
OIKOS
M.Heidegger (1889-1976)
“ Construir, habitar e pensar” <ul><li>SER (X) não como ontologia, mas como quadruplice constelação  X  </li></ul><ul><li>...
<ul><li>“ As sociedades sempre foram influenciadas mais pela natureza dos  media ,   através dos quais os homens comunicam...
As três grandes revoluções comunicativas: <ul><li>A Revolução da Escrita </li></ul><ul><li>- a partir do IV milênio A.C at...
As formas comunicativas  do habitar <ul><li>O habitar empático </li></ul><ul><li>O habitar Exotòpico </li></ul><ul><li>O h...
O habitar empático <ul><li>“ No habitar empático a relação </li></ul><ul><li>comunicativa entre o sujeito e o </li></ul><u...
O habitar empatico Platão, A República
Cidades Ideais <ul><li>A República  de Platão </li></ul><ul><li>De Civitate Dei   de S. Agostino </li></ul><ul><li>A Cidad...
O habitar empatico Piero Della Francesca, A Cidade Ideal
O habitar empatico A Regra de S. Bento e os mosteiros   (1215)
O habitar empatico A cidade a forma de livro
 
 
O habitar exotópico <ul><li>“ A reprodução técnica da paisagem determinará, como sublinhado por  </li></ul><ul><li>Walter ...
 
O habitar exotopico “ Galileu, descobridor de partes do céu  nunca mais reencontradas”   (1564-1642)
<ul><li>  “ Os efeitos da tecnologia não ocorrem aos níveis das opiniões e dos conceitos : eles se manifestam nas relações...
<ul><li>“ A época das grandes exposições universais, do aço, da indústria, da eletricidade, da fotografia, do rádio, do ci...
A perda do “hic et nunc” <ul><li>“ A perda do sentido do lugar torna-se a experiência da modernidade que se expressa desde...
“ A perda do sentido do lugar torna-se a experiência do habitar  da modernidade”  O habitar exotópico
O habitar atópico <ul><li>“ A sociedade digital apresenta-se como uma sociedade feita de fluxos comunicativos e de interaç...
Como definir o habitar na época da sua reprodutibilidade digital ?
Genius Loci <ul><li>Os antigos romanos atribuíam a cada lugar uma especificidade, um “genius loci” que lhe era conferida p...
Info-estrutura <ul><li>A info-estrutura é uma meta-arquitetura que não està na nossa frente como artefato, nem tampouco é ...
Sistemas informativos geográficos
 
Sistemas informativos territoriais
Interface <ul><li>A interface indica de um lado os periféricos de um computador e telas dos monitores; de outro indica a a...
 
Interface e Pós-humano <ul><li>Interfaces são as zonas fronteiriças sensíveis de negociação entre o humano e o maquìnico, ...
Percebemos com os instrumentos tecnológicos que utilizamos
Ecossistemas artificiais <ul><li>“ o desenvolvimento da comunicação assistida e das redes digitais nos levam a definir o t...
O habitar atópico <ul><li>“ Nem em casa, nem fora, nem ida, nem volta, nem pátria, nem exílio, nem tradição, nem inovação,...
Ecossistemas artificiais  <ul><li>Tecno-geografias   </li></ul><ul><li>Festas Rave </li></ul><ul><li>Second Life </li></ul...
Festas Raves
Second life <ul><li>No Second Life </li></ul><ul><li>o espaço e as formas de habitar não são tridimensionais </li></ul><ul...
 
Geometrias pós-euclidianas
 
Crise da Ação <ul><li>Crise da ação artística  </li></ul><ul><li>(W. Benjamin) </li></ul><ul><li>Crise da ação sedutora  <...
Situaç ã o social tecnologica <ul><li>A natureza da interação social não è determinada mais pelo ambiente físico, mas pelo...
Da ação social para as redes sociais digitais <ul><li>Crise da ação social  </li></ul><ul><li>Crise da opinião publica </l...
 
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

As Formas Comunicativas Do Habitar Em Rede Ok

1.959 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.959
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
70
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
67
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As Formas Comunicativas Do Habitar Em Rede Ok

  1. 1. As formas comunicativas do habitar Prof. Dr. Massimo Di Felice ATOPOS - ECA- USP
  2. 2. Massimo Di Felice PAISAGENS PÓS-URBANAS O FIM DA EXPERIENCIA URBANA E AS FORMAS COMUNICATIVAS DO HABITAR
  3. 3. Hermes Hestia
  4. 4. OIKOS
  5. 5. M.Heidegger (1889-1976)
  6. 6. “ Construir, habitar e pensar” <ul><li>SER (X) não como ontologia, mas como quadruplice constelação X </li></ul><ul><li>O Habitar como prática comunicativa </li></ul><ul><li>A moradia do ser seria embaixo do céu em cima da terra ao lado dos mortais e das coisas X </li></ul><ul><li>O habitar antecede o construir </li></ul><ul><li>O habitar é a forma do ser “estar no mundo” </li></ul>(1951)
  7. 7. <ul><li>“ As sociedades sempre foram influenciadas mais pela natureza dos media , através dos quais os homens comunicam, do que pelo conteúdo da comunicação” </li></ul><ul><li>(Marshall McLuhan) </li></ul>
  8. 8. As três grandes revoluções comunicativas: <ul><li>A Revolução da Escrita </li></ul><ul><li>- a partir do IV milênio A.C até a invenção da impressão na metade do século XV - </li></ul><ul><li>A Revolução Elétrica ou Eletrônica </li></ul><ul><li>- após a invenção do telégrafo, da fotografia </li></ul><ul><li>da eletricidade, do radio e da TV nos séculos XIX e XX - </li></ul><ul><li>A Revolução Digital </li></ul><ul><li>- após a difusão das tecnologias comunicativas digitais em redes no final do século XX e no começo do XXI - </li></ul>
  9. 9. As formas comunicativas do habitar <ul><li>O habitar empático </li></ul><ul><li>O habitar Exotòpico </li></ul><ul><li>O habitar Atòpico </li></ul>
  10. 10. O habitar empático <ul><li>“ No habitar empático a relação </li></ul><ul><li>comunicativa entre o sujeito e o </li></ul><ul><li>território è mediada pela escrita. </li></ul><ul><li>Entre o sujeito e a paisagem </li></ul><ul><li>havia um projeto, um texto, ponto </li></ul><ul><li>de partida pela transformação do </li></ul><ul><li>externo e do desconhecido. </li></ul><ul><li>O espaço torna-se assim matéria </li></ul><ul><li>a ser moldada, suporte para </li></ul><ul><li>realização de um projeto ideal”. </li></ul>
  11. 11. O habitar empatico Platão, A República
  12. 12. Cidades Ideais <ul><li>A República de Platão </li></ul><ul><li>De Civitate Dei de S. Agostino </li></ul><ul><li>A Cidade do Sol de T. Campanella </li></ul><ul><li>A Carta de Atenas de Le Corbusier </li></ul>
  13. 13. O habitar empatico Piero Della Francesca, A Cidade Ideal
  14. 14. O habitar empatico A Regra de S. Bento e os mosteiros (1215)
  15. 15. O habitar empatico A cidade a forma de livro
  16. 18. O habitar exotópico <ul><li>“ A reprodução técnica da paisagem determinará, como sublinhado por </li></ul><ul><li>Walter Benjamin, um efeito dilatador e multiplicativo do espaço, que resultará na perda do “hic et nunc” , isto é, na perda do seu sentido objetivo e único e, ao mesmo tempo, no surgimento de uma natureza tecnológica que se coloca à frente do sujeito como alteridade autônoma” </li></ul>Massimo Di Felice
  17. 20. O habitar exotopico “ Galileu, descobridor de partes do céu nunca mais reencontradas” (1564-1642)
  18. 21. <ul><li> “ Os efeitos da tecnologia não ocorrem aos níveis das opiniões e dos conceitos : eles se manifestam nas relações entre os sentidos e nas estruturas da percepção, num passo firme e sem qualquer resistência.” (McLuhan) </li></ul>
  19. 22. <ul><li>“ A época das grandes exposições universais, do aço, da indústria, da eletricidade, da fotografia, do rádio, do cinema e dos novos meios de transportes, introduz um novo tipo de paisagem, duplicada e móvel, à qual os transeuntes ou o espectador assistem como a um espetáculo. Mas, ao lado desta paisagem migrante, o próprio sujeito, movido pelos trens, pelos trólebus e pelos elevadores, passa a vivenciar a experiência de um habitar exotopico, isto é, de uma forma inédita deslocativa, sem movimento, na qual ele habita através da movimentação mecânica e a percepção visual dos fluxos de eletricidade”. </li></ul>O habitar exotopico
  20. 23. A perda do “hic et nunc” <ul><li>“ A perda do sentido do lugar torna-se a experiência da modernidade que se expressa desde a mobília dos interiores das casas das novas classes em ascensão, </li></ul><ul><li>os ambientes domésticos enchem-se de souvenir, de objetos que convidam a ir além do lugar, de eletrodomésticos e de meio de comunicação. </li></ul><ul><li>Tudo parece convidar a sair do “aqui e agora” </li></ul><ul><li>O interior das casas, as roupas, os cabelos passam a se parecer com aqueles mostrados pelas imagens do cinema” </li></ul>O habitar exotopico
  21. 24. “ A perda do sentido do lugar torna-se a experiência do habitar da modernidade” O habitar exotópico
  22. 25. O habitar atópico <ul><li>“ A sociedade digital apresenta-se como uma sociedade feita de fluxos comunicativos e de interações homem-máquinas que anulam a distinção analógica entre emissor e receptor. O social torna-se o resultado de uma interação entre máquinas comunicativas e informações e inteligências coletivas.” </li></ul>
  23. 26. Como definir o habitar na época da sua reprodutibilidade digital ?
  24. 27. Genius Loci <ul><li>Os antigos romanos atribuíam a cada lugar uma especificidade, um “genius loci” que lhe era conferida por uma divindade especifica presente no lugar, que protegia e exercitava uma ação especifica e especial em aqueles que chegavam ou que neste moravam. </li></ul><ul><li>O genius loci contemporâneo é tecnológico, isto é, é o resultado de uma interface que lhe confere um aspecto especifico e uma característica própria. </li></ul><ul><li>O genius loci é a interface que nos permite de habitar um espaço ou um lugar específicos. </li></ul>
  25. 28. Info-estrutura <ul><li>A info-estrutura é uma meta-arquitetura que não està na nossa frente como artefato, nem tampouco é possível morar nela, mas se mostra como um circuito que </li></ul><ul><li>nos convida a uma interação, como um genius loci dinâmico e sem forma definida, </li></ul><ul><li>capaz de determinar um novo tipo de conforto e de bem estar . </li></ul>
  26. 29. Sistemas informativos geográficos
  27. 31. Sistemas informativos territoriais
  28. 32. Interface <ul><li>A interface indica de um lado os periféricos de um computador e telas dos monitores; de outro indica a atividade humana conectada aos dados através da tela. A interface é uma membrana, uma pele que junta dois corpos e que sobrepõe </li></ul><ul><li>dois circuitos. </li></ul><ul><li>Heim (1993: 74-80) </li></ul>
  29. 34. Interface e Pós-humano <ul><li>Interfaces são as zonas fronteiriças sensíveis de negociação entre o humano e o maquìnico, assim como o pivô de um novo conjunto emergente de relações homem-màquina (Lucia Santaella: 2003 p.91) </li></ul><ul><li>E´ destas novas relação que surge o habitar contemporâneo, um habitar atòpico </li></ul>
  30. 35. Percebemos com os instrumentos tecnológicos que utilizamos
  31. 36. Ecossistemas artificiais <ul><li>“ o desenvolvimento da comunicação assistida e das redes digitais nos levam a definir o território como uma inteligência distribuída em todas as partes, sinergizada em tempo real. Esse novo conceito poderia ocasionar o surgimento de um novo tipo de ecologia.” </li></ul>
  32. 37. O habitar atópico <ul><li>“ Nem em casa, nem fora, nem ida, nem volta, nem pátria, nem exílio, nem tradição, nem inovação, nem passado, nem futuro, mas transição, translação, tradução, transmissão, trânsito, no espaço, no tempo, na psique, na linguagem, na sexualidade, na sociedade </li></ul><ul><li>(...) Em cada lugar está tudo o que deveria estar, porque existe a coisa mais importante: o presente. Assim não alcançamos a imobilidade, mas, às vezes, a temporalidade do espaço, a sua dimensão efetiva, histórica. </li></ul><ul><li>O mundo não tem nem centro, nem periferia ” </li></ul>M. Perniola, Transiti
  33. 38. Ecossistemas artificiais <ul><li>Tecno-geografias </li></ul><ul><li>Festas Rave </li></ul><ul><li>Second Life </li></ul><ul><li>Espaços imersivos </li></ul><ul><li>Realidades expandidas </li></ul><ul><li>Geografias pòs-euclidianas </li></ul><ul><li>Arquiteturas relacional </li></ul>
  34. 39. Festas Raves
  35. 40. Second life <ul><li>No Second Life </li></ul><ul><li>o espaço e as formas de habitar não são tridimensionais </li></ul><ul><li>e todo o habitat è construído pelos seus usuários e moradores </li></ul>
  36. 42. Geometrias pós-euclidianas
  37. 44. Crise da Ação <ul><li>Crise da ação artística </li></ul><ul><li>(W. Benjamin) </li></ul><ul><li>Crise da ação sedutora </li></ul><ul><li>(J. Baudrillard, M.Perniola) </li></ul><ul><li>Crise da ação política </li></ul><ul><li>(P. Virilio) </li></ul>
  38. 45. Situaç ã o social tecnologica <ul><li>A natureza da interação social não è determinada mais pelo ambiente físico, mas pelos modelos de fluxos informativos </li></ul>
  39. 46. Da ação social para as redes sociais digitais <ul><li>Crise da ação social </li></ul><ul><li>Crise da opinião publica </li></ul><ul><li>Acesso de todos as todas as informações </li></ul><ul><li>Manipulação </li></ul><ul><li>Interatividade </li></ul><ul><li>Redes sociais digitais </li></ul><ul><li>Do publico para as redes </li></ul>

×