Infografico walter miranda

1.410 visualizações

Publicada em

Palestra realizada pelo artista plástico e designer, Walter Miranda em 07/10/2011, na FIT Faculdade Impacta de Tecnologia.
Título da palestra: Infográfico, é possível conceituar?
Walter, apresenta uma série de classificações sobre infográficos, faz um resumo da história, demonstra exemplos e cases, e provoca os alunos sobre como conceituar o que é um infográfico.

Publicada em: Design
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.410
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Infografico walter miranda

  1. 1. DESIGN INFOGRÁFICOÉ POSSÍVEL CONCEITUAR? Walter Miranda Artista Plástico e Designer GráficoPalestra realizada na FIT – Faculdade Impacta de Tecnologia em out/2011
  2. 2. Dicionário HouaissInfográfico: apresentação de informações compreponderância de elementos gráfico-visuais(fotografia, desenho, diagrama estatístico etc.)integrados em textos sintéticos e dados numéricos,geralmente utilizada em jornalismo comocomplemento ou síntese ilustrativa de uma notícia;infografia.Infografia: gênero jornalístico que utiliza recursosgráfico-visuais para apresentação sucinta eatraente de determinadas informações. Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  3. 3. A seguir, alguns conceitosgenéricos sobre infografia. Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  4. 4. A infografia é a apresentação visual de dados, idéias e informações.Faz uso de diagramas, desenhos, esquemas etc. Facilita a comunicação e amplia o potencial de compreensão dos leitores. É utilizada para explicar com maior clareza algum aspecto de um texto. Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  5. 5. Ela deve Informar com leveza e atrair o olhar do usuário. A mensagem deve ser clara e sucinta e não deve confundir o usuário. O usuário não deve necessitar de outros suportes para entender a mensagem. A infografia tem limites, pois é umainformação gráfica e visual. Ela não consegue explicar emoções e conceitos filosóficos. Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  6. 6. Entretanto, o texto também tem que estardevidamente claro e sucinto. Caso contrário oinfográfico não poderá ajudar, porque nãoserá possível adequá-lo ao conteúdo. Vejamos o exemplo a seguir. Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  7. 7. O dissacarídeo de fórmula C12H22O11, obtido através da fervura eda evaporação de H2O do líquido resultante da prensagem do cauleda gramínea Saccharus officinarum (Linnaeus), isento de qualqueroutro tipo de processamento suplementar que elimine suasimpurezas, quando apresentado sob a forma geométrica de sólidosde reduzidas dimensões e arestas retilíneas, configurando pirâmidestruncadas de base oblonga e pequena altura, uma vez submetido aum toque no órgão do paladar de quem se disponha a um testeorganoléptico, impressiona favoravelmente as papilas gustativas,sugerindo impressão sensorial equivalente provocada pelo mesmodissacarídeo em estado bruto que ocorre no líquido nutritivo da altaviscosidade, produzindo nos órgãos especiais existentes na Apismellifira (Linnaeus).No entanto, é possível comprovar experimentalmente que essedissacarídeo, no estado físico-químico descrito e apresentado sobaquela forma geométrica, apresenta considerável resistência amodificar apreciavelmente suas dimensões quando submetido atensões mecânicas de compressão ao longo do seu eixo emconseqüência da pequena deformidade que lhe é peculiar. http://www.dsc.ufcg.edu.br/~jacques/simplifique.htm
  8. 8. A sacarose extraída da cana de açúcar, queainda não tenha passado pelo processo depurificação e refino, apresentando-se sob aforma de pequenos sólidos tronco-piramidaisde base retangular, impressiona agradavelmenteo paladar, lembrando a sensação provocada pelamesma sacarose produzida pelas abelhas emum peculiar líquido espesso e nutritivo.Entretanto, não altera suas dimensões linearesou suas proporções quando submetida a umatensão axial em conseqüência da aplicação decompressões equivalentes e opostas. http://www.dsc.ufcg.edu.br/~jacques/simplifique.htm
  9. 9. O açúcar, quando ainda não submetido àrefinação e, apresentando-se em blocossólidos de pequenas dimensões e formatronco-piramidal, tem sabor deleitável dasecreção alimentar das abelhas; todavia nãomuda suas proporções quando sujeito àcompressão. http://www.dsc.ufcg.edu.br/~jacques/simplifique.htm
  10. 10. Açúcar não refinado, sob a forma depequenos blocos, tem o sabor agradável domel, porém não muda de forma quandopressionado. http://www.dsc.ufcg.edu.br/~jacques/simplifique.htm
  11. 11. Açúcar mascavo em tijolinhostem o sabor adocicado, mas nãoé macio ou flexível. http://www.dsc.ufcg.edu.br/~jacques/simplifique.htm
  12. 12. Rapadura é doce,mas não é mole,não! http://www.dsc.ufcg.edu.br/~jacques/simplifique.htm
  13. 13. Ou seja, a infografia exige umcasamento perfeito entre texto eimagem e ela deve ser planejadapensando na característica do públicoque receberá a mensagem. Caso opúblico não entenda os códigos decomunicação usados no infográfico,ele não entenderá a mensagem, comovemos nos exemplos a seguir. Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  14. 14. A cultura que receber esta mensagem, conseguirá entendê-la?
  15. 15. Sondas Pioneer 10 e 11, lançadas em março/1972 e abril/1973. Ambas levaram uma placa de ouro representadas abaixo. A chave para decifrar a placa consiste em dois pontos básicos: 1 - Entender o decaimento do elemento mais comum no universo: o hidrogênio. Esta transição emite uma onda de rádio de 21 centímetros de comprimento. 2 - As linhas tracejadas indicam uma relação numérica decimal binária. Posição do sol em relação a 14 quasares Decaimento do hidrogênio neutroProporção ser humano em relação à sonda Pioneer Distância da terra em relação ao sol e indicação de onde partiu a sonda
  16. 16. A seguir, um exemplo prático e objetivo.
  17. 17. Projeto para folder realizado em 1996, sobre cursos em meu ateliê.As pessoas interessadas nos cursos não liam o texto e ligavam perguntando asmesmas informações que estavam no folder.
  18. 18. Folder realizado em 1997, sobre os mesmos cursos.Os resultados obtidos foram superiores porque o casamento entre as imagense o texto extremamente conciso, atraiu melhor a atenção do leitor.
  19. 19. Um infográfico serve também paraquantificar uma informação ao adaptaruma realidade em uma nova dimensãomais compreensível.A seguir, temos algumas variaçõessobre um único tema. Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  20. 20. FORMAÇÃO DA TERRA E EVOLUÇÃO DA VIDA 1 Hadeano 2 Arqueano 2.1 Origem da Vida 3 Proterozóico 4 Primeira Poluição Global 5 Localidades de sedimentos proterozóicos no mundo 6 Eventos geológicos 6.1 Glaciações e estruturas formadas por estromatólitos 6.1.1 Seres que viveram nesse período 6.2 Seres unicelulares e microbiótas 7 A era Paleozóica 7.1 Cambriano 7.2 Ordoviciano 7.3 Siluriano 7.4 Devoniano 7.5 Carbonífero 7.6 Permiano 7.6.1 Extinção Pérmica 7.6.1.1 Efeitos na biodiversidade 7.6.1.2 Causas 8 A era Mesozóica 8.1 Triássico 8.2 Jurássico 8.3 Cretáceo 8.3.1 A extinção dos dinossauros 9 A era Cenozóica 9.1 Paleoceno 9.2 Eoceno 9.3 Oligoceno 9.4 Mioceno 9.5 Evolução Humana 9.6 Plioceno 9.7 Pleistoceno 9.8 Holoceno
  21. 21. FORMAÇÃO DA TERRA E EVOLUÇÃO DA VIDA 1 Hadeano 2 Arqueano 2.1 Origem da Vida 3 Proterozóico 4 Primeira Poluição Global 5 Localidades de sedimentos proterozóicos no mundo 6 Eventos geológicos 6.1 Glaciações e estruturas formadas por estromatólitos 6.1.1 Seres que viveram nesse período 6.2 Seres unicelulares e microbiótas 7 A era Paleozóica 7.1 Cambriano 7.2 Ordoviciano 7.3 Siluriano 7.4 Devoniano 7.5 Carbonífero 7.6 Permiano 7.6.1 Extinção Pérmica 7.6.1.1 Efeitos na biodiversidade 7.6.1.2 Causas 8 A era Mesozóica 8.1 Triássico 8.2 Jurássico 8.3 Cretáceo 8.3.1 A extinção dos dinossauros 9 A era Cenozóica 9.1 Paleoceno 9.2 Eoceno 9.3 Oligoceno 9.4 Mioceno 9.5 Evolução Humana 9.6 Pliocenohttp://astroclock2010.wordpress.com/cosmic-timeline-18/ 9.7 Pleistoceno 9.8 Holoceno
  22. 22. FORMAÇÃO DA TERRA E EVOLUÇÃO DA VIDA1 Hadeano2 Arqueano 2.1 Origem da Vida3 Proterozóico4 Primeira Poluição Global5 Localidades de sedimentos proterozóicos no mundo6 Eventos geológicos6.1 Glaciações e estruturas formadas por estromatólitos6.1.1 Seres que viveram nesse período6.2 Seres unicelulares e microbiótas7 A era Paleozóica 7.1 Cambriano 7.2 Ordoviciano 7.3 Siluriano 7.4 Devoniano 7.5 Carbonífero 7.6 Permiano 7.6.1 Extinção Pérmica 7.6.1.1 Efeitos na biodiversidade 7.6.1.2 Causas8 A era Mesozóica 8.1 Triássico 8.2 Jurássico 8.3 Cretáceo 8.3.1 A extinção dos dinossauros9 A era Cenozóica 9.1 Paleoceno 9.2 Eoceno 9.3 Oligoceno 9.4 Mioceno 9.5 Evolução Humana 9.6 Plioceno 9.7 Pleistoceno 9.8 Holoceno
  23. 23. FORMAÇÃO DA TERRA E EVOLUÇÃO DA VIDA
  24. 24. Ao compararmos textualmente o tempo de existência do planeta Terra com a presençado ser humano é extremamente difícil entender a proporcionalidade entre ambos.No infográfico abaixo, a quantificação da idade da Terra em 24 horas mostra apresença humana em apenas alguns segundos. Isto mostra a efemeridade humana. Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  25. 25. Vejamos a seguir algumasclassificações de infográficos Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  26. 26. Autônomo = independe do texto. A imagem fala por si só!http://www.lisosapiens.com/2010/12/50-infograficos-sobre-midias-sociais_13.html
  27. 27. Autônomo = independe do texto. A imagem fala por si só! http://www.esa.int/esaMI/ESOC/SEMN2VM5NDF_mg_6_s.html
  28. 28. Instrutivo = manuais, bulas, etc. http://toymube.blogspot.com/p/manuals.html
  29. 29. Infográfico exploratório: Demonstra detalhes de uma coisa, um fato, etc. http://blogof.francescomugnai.com/2009/04/50-great-examples-of-infographics/
  30. 30. Infográfico exploratóriohttp://blogof.francescomugnai.com/2009/04/50-great-examples-of-infographics/
  31. 31. Infográfico narrativo: Explica uma coisa, uma história, um fato.http://blogof.francescomugnai.com/2009/04/50-great-examples-of-infographics/
  32. 32. Simulatório = simula um fenômeno real. http://blogof.francescomugnai.com/2009/04/50-great-examples-of-infographics/
  33. 33. Infográfico descritivo: Descreve uma coisa, um local, um objeto. http://blogof.francescomugnai.com/2009/04/50-great-examples-of-infographics/
  34. 34. Sequencial apresenta várias fases de uma informaçãohttp://www.qualedigital.com/blog/wp-content/uploads/2011/09/qualeoblog-infografico-9-11-2001-wtc-torres-gemeas-ataque.jpg
  35. 35. Sequencial = apresenta várias fases de uma informação http://danieelsz.blogspot.com/2011/04/tragedia-em-realengo-luto.html
  36. 36. http://www.educacional.com.br/login/acessorestrito.asp?restr=0&URL=http://blog.educacional.com.br/blog_do_enem/2011/04/12/analise-de-infograficos-na-biologia/ Instrutivo: Educa, ensina alguma coisa. http://infograficosdetudo.blogspot.com/
  37. 37. http://colunas.epoca.globo.com/fazcaber/2010/02/08/como-sao-feitos-os-infograficos-de-epoca/ Educativo, descritivo, exploratório http://professorrobsoncosta.blogspot.com/2010/06/infografico-artrite-reumatoide.html
  38. 38. Interativo O usuário pode interagir com o infográfico para obter outras variáveis sobre o assunto.http://static.publico.clix.pt/homepage/infografia/ambiente/alteracoesclimaticas/
  39. 39. Interativo O usuário pode interagir com o infográfico para obter outrasvariáveis sobre o assunto.Nesse caso, ele clica nas pequenas fotos e elas ampliam. http://noticias.r7.com/blogs/infografia/tag/wtc/
  40. 40. InterativoUsuário passa omouse sobre aspequenas fotose elas ampliam. http://veja.abril.com.br/infograficos/os-oito-trabalhos-de-jobs/
  41. 41. InterativoO usuário pode interagir com o infográfico para obter outrasvariáveis sobre o assunto.Ao passar o mouse sobre as fotos elas se movimentam para adireita e esquerda para mostrar mais fotos. http://veja.abril.com.br/infograficos/os-oito-trabalhos-de-jobs/
  42. 42. INFOGRÁFICO ANIMADOhttp://www.youtube.com/watch?v=UNM2k4pk7LY
  43. 43. INFOGRÁFICO INTERATIVORealizado por Danilo Popino, Pagu Senna e Veronica Pontes. http://www.youtube.com/watch?v=DEIFxt8leso
  44. 44. É importante ressaltar que as classificaçõesapresentadas acima são miscíveis entre si.Isto porque um infográfico pode sersimultaneamente instrutivo, educativo eanimado; ele também pode ser descritivo eexploratório; e assim por diante.
  45. 45. Considerações sobreum designer de infográficos.
  46. 46. Um designer de infográficos deve ter um conhecimento cultural bemamplo, ter espírito de pesquisador, ser criativo e não ter preguiça.Deve dominar diversas técnicas artísticas, pois se souber desenhar,conhecer perspectiva, composição, teoria da cor etc. Se souberpintar e fazer ilustrações, certamente isto facilitará seu trabalho.Precisa dominar os programas de desenho vetorial, editores deimagem, programas geradores de imagens, vídeo, som etc.Precisa saber organizar os dados com agilidade.Geralmente, a infografia digital é multidisciplinar, pois agrega váriosefeitos áudio-visuais.Ela pode apresentar informações sucessivas, imagens animadas,opacas ou transparentes, sons e outros efeitos visuais. Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  47. 47. Um infográfico não é necessariamente uma ilustração.Isto significa que ele precisa ter objetividade antes de beleza visual e,o casamento entre objetividade e beleza visual cria o infográficoperfeito, pois ele atrairá a atenção e transmitirá a mensagem desejadacom clareza.Geralmente, a infografia digital é multidisciplinar, pois agrega váriosefeitos áudio-visuais.Ela pode apresentar informações sucessivas, imagens animadas,opacas ou transparentes, sons e outros efeitos visuais.A execução de uma infografia deve se adequar à necessidade do meiode comunicação.Jornal = 1 dia.Internet = imediato ou não. Depende da finalidade.Revista = depende do calendário da edição.Web jornal e TV = imediato.Breaking news = atualizadas e alteradas constantemente, pois emjornais eletrônicos (on line), a infografia apresenta uma visãosequencial de uma notícia ou matéria a cada momento. Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  48. 48. Dependendo da empresa que usa infográficos, odesigner de infográfico pode ser classificado comojornalista ou como um profissional que temindependência para criar infográficos .No primeiro caso, o designer trabalha em equipe eparticipa de reuniões para discutir a matéria e decidircom o grupo de trabalho os parâmetros pra criar oinfográfico.No segundo caso, o designer recebe a matéria e cria oinfográfico sem precisar consultar os profissionais queparticiparam da elaboração do texto.Independentemente da classificação, é sempre bom odesigner consultar quem escreveu o texto e discutir suasidéias. Isso é uma garantia de que o infográfico será maisobjetivo. Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  49. 49. 10 Propostas sobre Infografia Juan Antonio Giner - 24 de Junho de 2005 http://cursoabril.abril.com.br/comunidade/materia_77959.shtml1. Infografia não é decoração.Melhor desenho é o que não se vê. Não se trata de fazer gráficos que sejam bonitos, masde conseguir que transmitam o máximo de informação.2. Os departamentos de arte não podem ser redações paralelas.Wilson Hicks, diretor de fotografia de Life, equiparou fotógrafos e redatores porque, unscom câmeras outros com máquinas de escrever, são todos jornalistas.3. Mais informação e menos Macintosh.Vive-se com a técnica e não da técnica. Como dizem os ingleses "Garbage in, garbage out"(entra lixo, sai lixo). " O que a natureza não dá o Macintosh não empresta. O importante é opianista e não o piano.4. Precisamos de repórteres infográficos.Tem que ir para rua! Não se pode desenhar o que não se vê. Os artistas que farão osinfográficos têm que cobrir as notícias no campo.Só assim poderão alcançar a precisão e exatidão. Não se pode imaginar a realidade."Os fatos são caros, as opiniões são baratas" (André Mango, BBC)5. "Show, dont tell". Na Time, escreve-se o que não pode ser desenhado.Uma imagem vale mais do que mil palavras. Jornalismo é isso: dizer com o menor númerode palavras possível. Ser conciso dá trabalho.
  50. 50. 6. Nada de "Mentiras, Grandes Mentiras e Infográficos".Checar, checar, checar. Não podemos nos acostumar com desenhos de baixa densidadeinformativa e sem informações verdadeiras.7. A infografia deve estar integrada à redação.Não existe verdadeira infografia quando seus autores não participam de todas as fases darevista.Como a arte, a ilustração e a fotografia, a infografia deve estar no começo e não no fim dacadeia de montagem.Quando há tempo para pensar, fazer leva pouco tempo. O infografista não é um profissionalpassivo que executa ordens, ele deve ter iniciativa.8. A infografia é jornalismo total.A infografia não é um verso solto. Os artistas devem ter a mesma cultura jornalística que osoutros profissionais da redação. E saber trabalhar em equipe.9. Infografia de qualidade é cara.Como todo bom jornalismo, o barato sai caro, sempre. Credibilidade se consegue com esforçoe profissionalismo. Abaixo os amadores!10. "Não somos infografistas, somos jornalistas."Juan Antonio Giner é Presidente da Innovación Periodística. Professor da Faculdade de Ciências daInformação da Universidade de Navarra e Diretor da Society of Newspaper Design (SND) na Europa .
  51. 51. Um pouco de história
  52. 52. Minard é considerado um pioneiro na elaboração de gráficos relacionados a fatos e estatísticas.422.000 soldados partiram da França. 100.000 chegaram em Moscou. 10.000 voltaram para a França.
  53. 53. DEBATE:É POSSIVEL CONCEITUAR O QUE ÉUM INFOGRÁFICO COM EXATIDÃO?
  54. 54. Leonardo da Vinci – Infográfico ou ilustração?
  55. 55. Isto é um infográfico?
  56. 56. E isto?
  57. 57. E isto?
  58. 58. E isto?
  59. 59. E isto?
  60. 60. Calendário IslâmicoE isto?
  61. 61. E isto?
  62. 62. Isto é um infográfico?
  63. 63. E isto?
  64. 64. E isto?
  65. 65. E isto?
  66. 66. E isto?
  67. 67. O homem desenhado ao lado está mostrando que a linha no final dotexto, de onde parte a corda em que ele sobe, deveria ter sido escrita entre as duas linhas que ele está apontando. Isto é um infográfico?
  68. 68. Uma imagem pode ser considerada infográfico. E uma grafia artística?
  69. 69. Se uma imagem pode ser considerada infográfico...http://www.esa.int/esaMI/ESOC/SEMN2VM5NDF_mg_6_s.html
  70. 70. Isto é um infográfico?
  71. 71. E isto?
  72. 72. E isto?
  73. 73. Uma cena pintada podeser considerada infográfico?
  74. 74. Isto é uminfográfico?
  75. 75. E isto?
  76. 76. E isto?
  77. 77. E isto?
  78. 78. E isto?
  79. 79. E isto?
  80. 80. E isto?
  81. 81. Se uma imagem que, por si só, comunica uma informação visual e contém significados específicos, ela pode ser considerada um infográfico? E se for um símbolo cultural, ou religioso?
  82. 82. Um entalhe em madeira ou pedra pode ser considerado um infográfico?
  83. 83. Esculturas podem ser consideradas infográfico?http://rolfgross.dreamhosters.com/India-Web/Khajuraho.htm
  84. 84. Isto é um infográfico?http://rolfgross.dreamhosters.com/India-Web/Khajuraho.htm
  85. 85. E isto?http://rolfgross.dreamhosters.com/India-Web/Khajuraho.htm
  86. 86. E isto?http://rolfgross.dreamhosters.com/India-Web/Khajuraho.htm
  87. 87. As 4 imagens anteriores fazem parte do templo de Khajuraho – Índia - 950-1050http://www.shutterstock.com/pic-44603140/stock-photo-khajuraho-india-vamana-temple.html
  88. 88. http://reference.indianetzone.com/1/sculpture_themes_meanings.htm
  89. 89. Pinturas eilustraçõespodem serconsideradasinfográfico?
  90. 90. Isto é uminfográfico?
  91. 91. Isto é uminfográfico?
  92. 92. OBRAS DE ARTE PODEM SER CONSIDERADAS INFOGRÁFICO?
  93. 93. Autor: Walter MirandaTítulo: PROJETO SEATTLE: EXALTAÇÃO A GAIA - EXPECTATIVA DO PORVIR IVTécnica: óleo + objetos sobre madeiraDimensões: 122 x 75,4 cmAno: 2003 http://www.fwmartes.com.br/walter/obras/seattle/expectativa_porvir_IV.htm
  94. 94. Autor: Walter Miranda Título: PROJETO SEATTLE: EXALTAÇÃO A GAIA - CINZAS DE GAIA II Técnica: óleo + objetos sobre madeira Dimensões: 122 x 75,4 cm Ano: 2003http://www.fwmartes.com.br/walter/obras/seattle/cinzas_gaia_II.htm
  95. 95. Autor: Walter Miranda Título: PROJETO SEATTLE - EXALTAÇÃO A GAIA VI Técnica: óleo + objetos sobre madeira Dimensões: 122 x 75,4 cm Ano: 2003http://www.fwmartes.com.br/walter/obras/seattle/exaltacao_gaia_VI.htm
  96. 96. Autor: Walter MirandaTítulo: PROJETO SEATTLE: EXALTAÇÃO A GAIA - IRMÃOS DE GAIA IITécnica: óleo + objetos sobre madeiraDimensões: 122 x 75,4 cmAno: 2003 http://www.fwmartes.com.br/walter/obras/seattle/irmaos_gaia_II.htm
  97. 97. Autor: Walter Miranda Título: ADMIRÁVEL NOVA IDADE MÉDIA - TUDO ESTÁ NO ARTécnica: óleo + objetos sobre madeira Dimensões: 136 X 97 cm Ano: 2002 http://www.fwmartes.com.br/walter/obras/admiravel/nova_idade_media/tudo_esta_ar.htm
  98. 98. Autor: Walter Miranda Título: ADMIRÁVEL NOVA IDADE MÉDIA - ELO DA VIDA IITécnica: óleo + imagens digitalizadas + objetos sobre duratex Dimensões: 161,8 x 100 cm Ano: 2002 http://www.fwmartes.com.br/walter/obras/admiravel/nova_idade_media/elo_vida_II.htm
  99. 99. Autor: Walter Miranda Título: ADMIRÁVEL NOVA IDADE MÉDIA - JANELA PARA SABEDORIA II Técnica: óleo + imagens digitalizadas + objetos sobre duratex Dimensões: 161,8 x 100 cm Ano: 2002http://www.fwmartes.com.br/walter/obras/admiravel/nova_idade_media/janela_sabedoria_II.htm
  100. 100. Autor: Walter Miranda Título: ADMIRÁVEL NOVA IDADE MÉDIA - GARRAS TECNOLÓGICAS IITécnica: óleo + imagens digitalizadas + objetos sobre duratexDimensões: 161,8 x 100 cm Ano: 2002 http://www.fwmartes.com.br/walter/obras/admiravel/nova_idade_media/garras_tecnologicas_II.htm
  101. 101. Autor: Walter MirandaTítulo: RÉQUIEM A GAIA - ESTIGMA DO CHEFE SEATTLE - MUNDI ITécnica: óleo + cartões de crédito + moeda + filme de polietileno sobre madeiraDimensões: 161,8 x 100 cm Ano: 2007 http://www.fwmartes.com.br/walter/obras/filosoficas/requiem_a_gaia/mundi_I.htm
  102. 102. Autor: Walter Miranda Título: RÉQUIEM A GAIA – IN TOTUM IITécnica: óleo + objetos sobre madeiraDimensões: 161,8 x 100 cm Ano: 2010 http://www.fwmartes.com.br/walter/obras/filosoficas/in_totum/in_totum_II.htm
  103. 103. Autor: Walter MirandaTítulo: RÉQUIEM A GAIA -ESTIGMA DO CHEFE SEATTLE -AMÉRICA DO SULTécnica: óleo + fósforosqueimados + objetos + filme depolietileno sobre madeiraDiâmetro: 91 cmAno: 2007 http://www.fwmartes.com.br/walter/obras/filosoficas/requiem_a_gaia/america_sul.htm
  104. 104. Autor: Walter MirandaTítulo: RÉQUIEM A GAIA – IN TOTUM IVTécnica: óleo + objetos + filme depolietileno sobre madeiraDiâmetro: 91 cmAno: 2010http://www.fwmartes.com.br/walter/obras/filosoficas/in_totum/in_totum_IV.htm
  105. 105. CONCLUSÃOPara mim, a intenção geradora de um infográfico é informar.Um infográfico, seja para web site, para jornal, revista, TV etc., tem quetransmitir uma mensagem clara para todos.Muitas vezes, até mesmo quantificada e qualificada.O infográfico deve ser claro na informação visual transmitida para que aleitura feita pelo público seja equivalente.Meus quadros expressam conceitualmente coisas e assuntos que mepreocupam, me incomodam.Mas, a linguagem que eu uso, é uma linguagem dúbia no sentido de que,cada espectador da minha obra, tem uma leitura diferente sobre o assuntoabordado.Portanto, a mensagem em meus quadros não provoca uma leitura idênticanas pessoas, até porque eu não estou interessado nessa unanimidade que,para mim, seria preocupante.A minha intenção ao criar um quadro é provocar.Como o público vai reagir não é um problema para mim, porque se elepensar sobre o assunto, eu já atingi a minha intenção. Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  106. 106. Um infográfico não pode ter uma linguagem cifrada. Mas isto sempre dependerá de uma contextualização. Sua razão de existência baseia-se na intenção de transmitir uma mensagem, de esclarecer, de facilitar uma leitura.Portanto, um infográfico está inerentemente ligado à cultura estabelecida. Esta cultura pode ser local ou universal; temporal ou atemporal.Se a cultura for local e temporal, o infográfico somente será entendidopelos leitores daquele tempo e daquela região, porque somente elesentenderão os códigos de comunicação visual daquela cultura.Se a cultura tiver alcançado uma universalidade e atemporalidade, oinfográfico poderá ser lido por qualquer outra cultura, a qualquer tempo,porque os códigos de comunicação visual são facilmente assimiladospelos leitores, independentemente do local e do tempo. Walter Miranda – w-lmiranda@ig.com.br
  107. 107. EM SUMA:QUALQUER INFORMAÇÃO VISUAL PODE SER CARACTERIZADACOMO INFOGRÁFICO DESDE QUE A INTENÇÃO GERADORA DESTAINFORMAÇÃO SEJA UMA COMUNICAÇÃO GERAL E QUE SE LEVE EMCONSIDERAÇÃO O CONTEXTO EM QUE SE INSERE A MENSAGEM.ESTE CONTEXTO PODE SER CULTURAL, RELIGIOSO, GEOGRÁFICO,TEMPORAL ETC. WALTER MIRANDA Artista Plástico e Designer Gráfico Web site: www.miranda.fwmartes.com.br Email: w-lmiranda@ig.com.br
  108. 108. STEVE JOBS 1955-2011
  109. 109. WALTER MIRANDAArtista Plástico e Designer Gráfico Web site: www.miranda.fwmartes.com.br Email: w-lmiranda@ig.com.br

×