Insuficiência Cardíaca em Assistência Domiciliar

545 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
545
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Insuficiência Cardíaca em Assistência Domiciliar

  1. 1. A prevalência é maior em pacientes com faixa etária elevada porque na maioria das vezes a insuficiência está relacionada a outras disfunções cardíacas A OMS considera a insuficiência cardíaca um problema de saúde pública. Segundo um estudo do Sistema Único de Saúde (SUS), essa foi a principal causa de internações no Brasil em 2009, com 300 mil pacientes. Nos Estados Unidos, são mais de 600 mil novos casos anualmente. Gasto de 40 bilhões por ano.
  2. 2. O principal é o cansaço após uma situação de esforço; Edema de MMII; Cianose; Estase de jugular; Estágios; I – Sintomas ocorrem aos esforços maiores que os habituais; II – Sintomas ocorrem aos esforços habituais; III – Sintomas ocorrem aos esforços menores que os habituais; IV – Sintomas ocorrem aos mínimos esforços;
  3. 3. DIURÉTICOS:  São medicamentos que atuam no funcionamento dos rins;  Favorecem a eliminação do sódio ao intensificar o fluxo urinário;  Os mais utilizados são os diuréticos de alça que diminuem a volemia e promove vaso dilatação: Furosemida. GLICOSÍDEOS CARDÍACOS  São medicamentos que aumentam a força de contração do miocárdio e diminuem a velocidade de condução através do nó atrioventricular;  Os efeitos adversos incluem náuseas, vômitos, diarreia e confusão;  O principal glicosídeo cardíaco é a digoxina.
  4. 4. OXIGENOTERAPIA:  Utilizada para aumentar a saturação de O² e diminuir o desconforto respiratório. BETABLOQUEADORES:  Que diminuem a descarga de adrenalina, reduzindo a frequência de contrações do coração.
  5. 5. E. R. O. S. 78 anos; Sexo: Feminino, branca, aposentada, casada, mãe de três filhos, residente da cidade de Alagoinhas, acompanhada pela equipe Multiprofissional da USF de referência. Em Consulta domiciliar de Enfermagem a paciente apresenta historia da moléstia atual de Hipertensão Arterial Sistêmica de longa data, com diagnóstico médico de Insuficiência Cardíaca; Apresenta historia médica pregressa de Dislipidemia tipo IV; Diabete mellitus tipo II; Hipotireoidismo secundário ao uso de amiodarona, Infecção urinária de repetição. Faz uso regularmente (SIC) de digoxina 100mg ½ cp/dia, furosemida 40 mg 1 cp/dia, captopril 25 mg 3 cp/dia e warfarin ½ cp/dia. Ao Exame físico: Estado geral regular, restrita ao leito, lúcida, orientada no tempo e espaço, ausência de pediculose, MMOO normocromicas e escleróticas anictéricas; região cervical com boa mobilidade, ausência de nódulos palpáveis; estase de jugular; BCNF com ritmo irregular, sem bulhas acessórias, com sopro holo-sistólico em área mitral, ++/4+, com irradiação para axila, pulmões com estertores sub-crepitantes em bases; Abdômen globoso com ruídos hidroaéreos hiperativos, Fígado 3 cm abaixo do RCD, indolor a palpação; MMSS hipoperfusos e acianóticos; MMII apresentando edema +++/4+ com sinal de Homam positivo. PRINCIPAIS QUEIXAS: Dispnéia, palpitações e edema de MMII’s. Aferido SSVV: PA:160x80mmHg; FC:120BPM; FR: 25ipm; T: 37,2°C. EXAMES COMPLEMENTARES: Glicose: 80 mg/dl, potássio 3,6 mEq/l, Creatinina: 1,5 mg/dl, tempo de protrombina 19%, RNI 4.13 ECG: Fibrilação atrial, SVE; Rx de tórax: Aumento de volume cardíaco, Diversão cranial da circulação pulmonar, Derrame pleural bilateral.
  6. 6. 1.Hipertensão; 2.Hipercreatinina; 3.Taquicardia; 4.Dispneia; 5.Edema em MMII; 6.Palpitações; 7.MMSS hipoperfusos
  7. 7. Débito cardíaco diminuído relacionada com a frequência cardíaca alterada evidenciada por palpitações, taquicardia e BCNF com ritmo irregular.
  8. 8. Troca de gases prejudicada relacionada com o desequilíbrio ventilação-perfusão evidenciada por dispneia, perfusão periférica diminuída e derrame pleural.
  9. 9. Risco de intolerância à atividade relacionado com a presença de problemas circulatórios e respiratórios..

×