Construção de medidas em TD&E

433 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
433
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Construção de medidas em TD&E

  1. 1. Sinopse Crítica Walner Mamede Autor(es) do texto original Luciana Mourão Pedro PM Meneses Ano 2012 Titulo Construção de Medidas em TD&E (Cap. 3) Fonte (Livro, revista, jornal) Medidas de avaliação em TD&E (ABBAD, Gardênia et al) Editor(a) Artmed Local POA Páginas 38-47 Objetivos - Discutir a importância da construção de medidas - Explicar o processo de construção de medidas - Justificar técnicas de coleta de dados Idéias Principais - A avaliação não determina o sucesso dos resultados, mas o condiciona, probabilisticamente. Contudo, pelo desconhecimento sobre a importância do desenvolvimento das estratégias de medidas e avaliação, isso tem sido negligenciado em vários projetos. - Não existe uma técnica unívoca para a coleta de dados, mas entre as mais utilizadas encontramos a Delphi, a entrevista em profundidade, o grupo focal e a análise de objetivos. - É mais profícua a apresentação de uma heurística positiva ao processo de avaliação que de uma heurística negativa, o que será objetivo deste texto. - O processo de construção de medidas, via de regra, segue alguns passos: 1- Definição do foco: *Fundamentação teórica *Nível (reação, aprendizagem, comportamento, mudança ou valor final) *Componente-alvo (ambiente, insumos, procedimentos, processos ou resultados) *Efeitos esperados *Hipóteses para os efeitos (suposições) 2- Definição dos atores *Listar atores e expectativas de contribuição 3- Coleta de dados *Análise documental com foco nos objetivos *Coleta de informações junto aos atores sobre o problema, a finalidade, os objetivos, os processos, os procedimentos, os resultados e as suposições (entrevistas, questionários...) 4- Analise dos dados *Leitura preliminar *Comparar pontos de vista *Estabelecer convergências e divergências 5- Análise de conteúdo dedutiva *Definição das categorias avaliativas dirigida pelos níveis e componentes definidos na etapa 1 e orientadas pela literatura. *Nova leitura e classificação do material orientadas pelas categorias
  2. 2. 6- Decisão sobre o modelo do questionário *Definir tipo de escala, a qual orientará a confecção dos itens do questionário (mais comum: Likert de 5 ou 10 pontos) 7- Redação dos itens do instrumento *A partir das categorias definidas na etapa 5 e do tipo da escala, elaborar os itens. 8- Formatação do instrumento *Organizar os itens, juntamente, com informações de preenchimento e garantias de sigilo das respostas, em um documento único. - Métodos qualitativos (compreensão e interpretação dos dados) são mais utilizados nas fases de elaboração do questionário e de interpretação dos resultados. Métodos quantitativos (mensuração) são mais empregados na fase de aplicação do instrumento. - Um objetivo instrucional deve expressar o desempenho observável e mensurável desejado do aprendiz, na forma de um verbo de ação que indique, claramente, um único comportamento esperado. Objetivos centrados no papel do instrutor ou professor são considerados inadequados. - Os recursos necessários ao desempenho (condições) e o padrão a ser utilizado como referência de sucesso (critério) são desejáveis como parte do objetivo instrucional, mas não obrigatórios. - Indicadores de necessidades de treinamento devem ser passíveis de observação, mensuração e julgamento. - Após a análise documental, se constatada a inadequação ou obscurantismo dos objetivos, os atores envolvidos em sua elaboração e aqueles alvos de sua aplicação deverão ser consultados, a fim de que seja possível elaborar as questões avaliativas do instrumento de medida. - Entrevista em profundidade é uma “conversa a dois”, com um número total reduzido de participantes, um roteiro flexível (semi-estruturado), duração média de 40 a 75 minutos e que deve buscar, além das opiniões do entrevistado sobre os temas apresentados, explicações sobre suas razões, causas, motivações e justificativas. O entrevistador deve possuir conhecimentos sobre o contexto organizacional, o objeto de avaliação, os objetivos do trabalho e a literatura especializada, a fim de bem conduzir a entrevista e mantê-la focada, sem torná-la por demais rígida ou induzir as respostas ou dar ao entrevistado a impressão de que está em um interrogatório. - Grupo focal é a técnica de entrevista em grupo (6 à 10 indivíduos), com duração de uma hora à uma hora e meia e foco nas interações interpessoais e não nos conteúdos verbalizados, observando-se a direção do debate, as interações de ideias, as repercussões mútuas dos posicionamentos e as convergências e divergências de opiniões, sem que se busque o consenso ou um posicionamento correto, mas que haja adequada administração dos conflitos por parte do entrevistador. Os grupos devem ser constituídos por indivíduos com perfil semelhante quanto ao papel exercido no objeto avaliado, de forma que um não se imponha ao outro por sua posição, inibindo-o ou induzindo a posicionamentos falsos em busca de aprovação (o que pode ocorrer, inclusive, em relação à pessoa do entrevistador, devendo ser evitado). - Tanto na entrevista em profundidade quanto no grupo focal, é importante que sejam possibilitados, aos entrevistados, garantias de sigilo, ambiente acolhedor e opção de não participar da entrevista ou não gravá-la, nesse caso, deve outro profissional anotar as falas da forma mais fiel possível.
  3. 3. - O Delphi é uma técnica indicada para a projeção de impacto, que se utiliza de um questionário interativo que circula repetidas vezes entre os participantes (5 à 20 indivíduos), intercalando cada rodada com uma análise por parte do pesquisador, que realiza uma síntese das respostas e faz uma devolutiva aos participantes junto com o questionário na rodada seguinte. Isso se repete até que haja uma convergência de opiniões (em geral, 2 à 3 vezes), o que dura, no mínimo, 26 dias mais o período de preparo e análise. A técnica permite uma maior democratização, autonomia, reflexão e sinceridade na participação, já que as respostas devem permanecer anônimas e os respondentes podem gozar de conveniência quanto ao momento e local para elaborá-las, mas há de se cuidar para que não se force o consenso pela manipulação das respostas.

×