Geo Urb 5.pptx

1.251 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.251
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geo Urb 5.pptx

  1. 1. Geografia Urbana<br />Aula 5<br />
  2. 2. Em 1815 em diante nascem algumas propostas revolucionárias, políticas e urbanísticas para mudar ao mesmo tempo a organização social e a organização dos conjuntos habitacionais.<br />
  3. 3. ROBERT OWEN (1771-1858) propõe um dispor 1.200 pessoas num terreno de 500 hectares formando um quadrado. (1820- 1825) a aldeia modelo<br />CHARLES FOURIER (1772- 1837) é um escritor que publica na França a descrição de um novo sistema filosófico e político. <br />
  4. 4. Fourier projeta um grupo chamado Falange, abrangendo 1600 pessoas de diferentes posições sociais sobre um terreno de 250 hectares para morar num edifício unitário, o Falanstério.<br />Esse modelo exerceu fascínio em vários países da Europa e da América entre 1830 e 1850.<br />Jean – Baptista GODIN realiza para seus operários um edifício mais modesto, inspirado no Falanstério de FOURIER que ele chamou de familistério.<br />
  5. 5.
  6. 6. OFalanstério, "nem urbano nem rural"3, no qual deve habitar um grupo de 1620 pessoas de diferentes estratos sociais, a falange (comunidade), implantado num terreno com 250 ha.<br />Entre 1830 e 1850 existem várias tentativas de colocar este modelo em prática por parte de alguns países.<br />
  7. 7. O modelo de habitação coletiva de Fourier caracteriza-se pela negação da família, pela ruptura com os modelos passados, pela forma de introdução da natureza no modelo deter essencialmente uma visão funcionalista com o início do zonamento funcional. <br />O edifício apresenta já uma separação de funções, por alas e pisos, separando os serviços, equipamentos, oficinas, habitações e zona para visitantes. <br />
  8. 8. No piso térreo existe um pátio central e pátios fechados de menor dimensão, de modo a não terem vista para o campo, que funcionam como jardins de Inverno, e passagens fechadas para as carroças. O pátio central consiste no elemento de separação entre o edifício principal e os estábulos, celeiros e lojas. No primeiro piso, encontram-se as galerias cobertas climatizadas que fazem toda a comunicação interna, substituindo as ruas.<br />
  9. 9.
  10. 10. Os modelos – irrealizáveis na primeira metade do século XIX e superado pelo debate político da segunda metade do mesmo século – são o contrário teórico da cidade liberal; de fato, deslocam o acento da liberdade individual para organização coletiva.<br />
  11. 11. Tem em vista resolver de forma pública todos ou quase todos os aspectos da vida familiar e social<br />Recorrem à análise e a programação racional. Antecipam, portanto, em tentativas isoladas a pesquisa coletiva da arquitetura moderna que terá início no século seguinte.<br />
  12. 12. Entretanto, a primeira lei sanitária é votada no verão de 1848 e somente após a revolução de desse mesmo ano, a segunda república aprova a lei sanitária de 1850.<br />As esquerdas perdem a confiança nas reformas setoriais – entre as quais aquelas que dizem respeito ao ambiente construídos.<br />
  13. 13. As esquerdas perdem a confiança nas reformas setoriais – entre as quais aquelas que dizem respeito ao ambiente construídos<br />Os socialistas científicos (Marx e Engels, publicam o manifesto do Partido Comunista em 1848) criticam os socialistas da primeira metade do século – entre os quais Owen e Fourier – considerando-os utopistas. <br />
  14. 14. Os operários devem conquistar o poder e realizar, antes de mais nada, a mudança das relações de produção que posteriormente tornará possíveis todas as mudanças nos vários setores (é a tese posta em prática por Lenin em 1917).<br />
  15. 15. A burguesia abandona a tese a liberal da não-intervenção do Estado nos mecanismos setoriais, e usam métodos elaborados na primeira metade do século (pelos reformadores e pelos socialistas utopistas).<br />
  16. 16. Da cidade liberal passa-se assim, a cidade pós-liberal. <br />Este modelo tem um sucesso imediato e duradouro: permite reorganizar as grandes cidades européias (antes de todas as outras, Paris), fundar as cidades coloniais em todas as partes do mundo e ainda influência de maneira determinante a organização das cidades em que vivemos hoje.<br />
  17. 17. Características da cidadepós-liberal<br />A administração pública e a propriedade imobiliária encontram um acordo: é reconhecido o espaço de pertinência de uma e outra, e é fixado com exatidão o limite entre estes dois espaços.<br />
  18. 18. A utilização dos terrenos urbanizados depende dos proprietários individuais (privados ou públicos). A administração influi apenas com regulamentos as medidas dos edifícios em relação às medidas dos espaços públicos, etc.<br />
  19. 19. As linhas de limite entre os espaços público e o privado – as frentes das ruas - bastam para formar o desenho da cidade.<br />A periferia a ser organizada faz aumentar o custo das moradias e obriga a conservar certo número de habitações precárias para as classes mais pobres. (subúrbio)<br />
  20. 20. A densidade excessiva no centro é atenuada por alguns corretivos: parques públicos e as “casas populares”<br />Os especialistas no funcionamento da cidade recebem um papel secundário subordinado à combinação entre a burocracia e a propriedade.<br />
  21. 21. A cidade pós-liberal se sobrepõe à cidade mais antiga, e tende a destruí-la: interpreta as ruas mais antigas como ruas-corredor, elimina os casos intermediários entre a utilização pública e privada do solo. Interpreta os edifícios como manufaturados intercambiáveis (Isto é, permite demoli-los e reconstruí-los).<br />
  22. 22. A Transformação de Paris no Segundo Império <br />Circunstâncias favoráveis:<br />-duas leis avançadas: a lei sobre a expropriação de 1840 e a lei sanitária de 1850.<br />- alto nível técnico<br />- poderes extensos do imperador Napoleão III<br />- atuação de Haussmann<br />
  23. 23. A transformação compreende:<br />novas ruas traçadas, abre-se 95 Km de novas ruas, que cortam todos os sentidos o organismo medieval e fazem desaparecer 50 Km de ruas antigas. <br /> <br />novos serviços básicos: o aqueduto, o esgoto, a instalação da iluminação a gás, a rede de transportes públicos com os ônibus puxados a cavalo;<br /> <br />
  24. 24. novos serviços secundários: as escolas, os hospitais, os colégios, as prisões, os parques públicos etc.<br /> <br />nova estrutura administrativa da cidade: o cinturão alfandegário do séc XVIII é abolido, e uma série de comunas periféricas são anexadas à comuna de Paris.<br />
  25. 25. A nova Paris demonstra o sucesso da gestão pós-liberal e se torna o modelo reconhecido por todas as cidades do mundo da metade do sec. XIX em diante.<br /> <br />
  26. 26. História da Evolução das Cidades<br />http://malembe-genericosurbanos.blogspot.com/2010/09/historia-da-evolucao-das-cidades-parte.html. Acesso em 06 de setembro de 2011.<br />

×