1 01 a cultura do ágora

3.465 visualizações

Publicada em

Cultura do Ágora

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.465
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.152
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1 01 a cultura do ágora

  1. 1. História da Cultura e das Artes Curso Profissional de Turismo Módulo 1 – A Cultura do Ágora 1 http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  2. 2. 2 O que é a arte?
  3. 3. 3 Todas estas imagens são arte?
  4. 4. O que é arte? Arte é a capacidade do Homem produzir objetos ou realizar ações com as quais, (cumprindo ou não finalidades úteis), ele pode expressar ideias, sentimentos ou emoções estéticas.
  5. 5. 6 expressar ideias, sentimentos ou emoções estéticas. A arte é:
  6. 6. Cabeça de Touro; Pablo Picasso
  7. 7. 8 Obras de arte : Nascem de uma inspiração criadora; Fruto da inteligência, da imaginação, da sensibilidade; São atos únicos, irrepetíveis, produto da imaginação do artista; Exigem intencionalidade artística.
  8. 8. 9 A obra de arte depois de acabada adquire vida própria, sendo interpretada de acordo com a mentalidade do público.
  9. 9. 10 Souto Moura
  10. 10. 10º ano, Curso Profissional de Turismo, 2012/2013 11 Souto Moura, arquiteto português nascido em 1952. É um dos expoentes máximos da chamada Escola do Porto, vencedor do Prémio Pritzker em 2011.
  11. 11. 12 Estádio Municipal de Braga Eduardo de Souto Moura
  12. 12. Estádio Municipal de Braga Eduardo de Souto Moura 10º ano, Curso Profissional de Turismo, 2012/2013 13
  13. 13. Quais são os aspetos inovadores desta obra ? 14
  14. 14. 15 Coliseu de Roma
  15. 15. 16 Arena de Amesterdão
  16. 16. 17 Wembley, Londres
  17. 17. 18 Estádio Olímpico de Pequim
  18. 18. 19
  19. 19. 20 https://www.youtube.com/watch?v=0Uui1yrAt6E Estádio Municipal de Braga
  20. 20. 21
  21. 21. 22
  22. 22. 23
  23. 23. 24
  24. 24. A Cultura do Ágora Módulo 1 25 Apresentação sobre a civilização grega concebida para o curso Profissional Técnico de Turismo http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  25. 25. O Homem da democracia de Atenas ( O tempo) 26
  26. 26. 27 https://www.youtube.com/watch?v=OrtTZlrPNd0 O século de Péricles (Era uma vez… o Homem)
  27. 27. 28
  28. 28. 29
  29. 29. 30 Gregos estavam divididos em cidades-estado Fatores de união: Cultura; Língua; Religião.
  30. 30. 31 O que é uma cidade-estado? Uma cidade independente, com leis e governo próprio; A Grécia, na Antiguidade, estava dividida em cidades-estado;
  31. 31. 32
  32. 32. 33 Civilização Grega ou Helénica Período Arcaico (século IX a.c. ao século V a.c. Período Clássico (século V a.c. ao século IV a.c. Período Helenístico (século III ao século I a.c.
  33. 33. Atenas é uma das principais cidades-estado grega 34
  34. 34. Situação económico-social Solo pobre e montanhoso; Atenas cria relações comerciais com o mundo mediterrânico; Exportações: azeite, vinho, mel, mármore, chumbo, cerâmica e objetos de metal; Desenvolvimento da indústria; Criam colónias no Mediterrâneo; 35
  35. 35. Mapa das principais colónias gregas 36
  36. 36. Situação Política Em Atenas, no século V a.c., desenvolve-se um sistema político chamado democracia. Demos= povo Cracia= poder O século V a.c., foi um século de ouro (paz, riqueza e bem estar para a cidade de Atenas). 37
  37. 37. Situação Política 38 Péricles governou Atenas entre 460 e 429 a.c. … a todos pelas leis, é garantida a igualdade; mas no que se refere à participação na vida pública, cada um obtém a consideração por virtude do seu mérito e a classe à qual pertence importa menos que o seu valor pessoal. (…). A liberdade é a nossa regra no governo da república. Péricles
  38. 38. Atenas (o espaço) 39
  39. 39. Pólis é a comunidade (cidadãos livres) que vivem num determinado território; O cidadão é simultaneamente governado e governante; Participa na vida política da Pólis (cidade); Atenas (por comparação com outros regimes políticos) é uma sociedade mais justa, humanizada, livre e evoluída. 40
  40. 40. A pólis de Atenas: a ágora, o porto e o mar (o local) 41
  41. 41. 42
  42. 42. 43
  43. 43. Século V a.c., o Século de Péricles Cidade de Atenas: +/- 350.000 habitantes; +/- 35.000 cidadãos; +/- 55.000 metecos;(estrangeiros) +/-260.000 mulheres, crianças e escravos; 44
  44. 44. Religião está a cargo do Estado; Procissões e o teatro são as principais celebrações; As celebrações são realizadas fora dos templos; Partenon, Nashville 45
  45. 45. Espaço urbano: Acrópole – fortaleza no ponto mais alto; Ágora – praça pública; Campos de cultivo adjacentes à cidade; Porto de mar – Pireu; 46
  46. 46. Acrópole de Atenas 47
  47. 47. Acrópole é construída na zona mais alta, pois podia ser melhor defendida. Aí construíam as estruturas mais nobres, tais como os templos e os palácios dos governantes. 48
  48. 48. Ágora – Praça pública; Começa por ser um local com fins religiosos; Depois é também um mercado; Principalmente é um centro político. Local onde se realizam as assembleias políticas; 49
  49. 49. Mapa da ágora de Atenas 10º L, Curso Profissional de Turismo, 2012/2013 50
  50. 50. 51 Stoa – galeria para o debate político
  51. 51. Século V: Progresso na cultura e arte; Péricles inicia a reconstrução de Atenas, destruída durante a guerra com os persas; Período de ouro da civilização ateniense; Riqueza atrai artistas, filósofos e intelectuais; 52
  52. 52. Decadência de Atenas: 435 a.c., Guerra do Peloponeso com Esparta; Peste mata 1/3 da população. Morre Péricles; 338 a.c. Atenas é conquistada por Felipe II da Macedónia; Século II a.c. Grécia é conquistada por Roma; 53
  53. 53. O pensamento grego é o resultado de um longo e organizado processo de racionalização e humanização de conceitos religiosos da sua mitologia;. Influências orientais (Egipto); A Organização do pensamento (Síntese) 54
  54. 54. Na Ásia Menor, no século VI a.c., surgem alguns pensadores que procuram explicações coerentes e racionais para as origens do Universo; Procuram explicações racionais para as relações entre: Os Homens e o Universo (Cosmos); Os Homens entre si; Os Homens e a Natureza; Surge a Filosofia (Amor pela sabedoria); 55
  55. 55. Sócrates (470-399 a.c.): “Só sei que nada sei e sobre tudo devo refletir”; Só o conhecimento de si próprio e de tudo o que o rodeia é que permite ao Homem chegar à virtude, à verdade, ao Bem e ao Belo; A Filosofia procura o conhecimento do Homem; 56
  56. 56. Platão (427-347 a.c.): Discípulo de Sócrates; Defende a sociedade perfeita, assente na justiça e leis da Natureza; Escreveu a República; Fundou a Academia – escola onde se estudava a Psicologia (ciência da alma), Matemática, Geometria, Astronomia e Lógica; Valoriza o conhecimento empírico (experiência) do mundo, a razão e a moral; 57
  57. 57. Aristóteles 384-322 a.c.): Discípulo de Platão; Funda o Liceu onde de criou a primeira grande biblioteca da antiguidade; Observação da realidade, experimentação e valorização da razão para procurar encontrar as leis que regem o Universo; 58
  58. 58. Os filósofos gregos valorizaram a razão; O Homem é um ser racional e humanista; Estas conceções refletem-se na arte, política, educação e religião; 59
  59. 59. Os gregos adoravam vários deuses (politeísmo); Os deuses eram semelhantes ao Homem (Antropomorfismo), quer no aspeto físico quer nos sentimentos, paixões, virtudes e defeitos; Eram imortais, não envelheciam, eram inteligentes; 60
  60. 60. Intervinham na vida do Homem; Para conseguir uma intervenção benéfica os deuses eram alvo de um culto cívico, que abrangia toda a população; O culto era praticado no exterior do templo; Organizavam-se procissões (ex: Panateneias) O teatro e os jogos eram também manifestações religiosas; 61
  61. 61. Heróis (semideuses): filhos de deuses e humanos ou homens que por terem realizado ações sobre-humanas se tornavam heróis; Os gregos não tinham dogmas ou livros sagrados; 62
  62. 62. Família aristocrática, mas ligada ao pensamento democrático. 461 a.c. – eleito Strategos autokrator (Estratego) – eleição anual; Será eleito mais de vinte vezes nos próximos trinta anos; Péricles (c.495/492-429 a.c.) (Biografia) 63
  63. 63. Torna-se na figura fundamental da cidade de Atenas; Inteligente, culto, honesto e competente; Desempenhou um papel fundamental na reconstrução da cidade de Atenas após as guerras com os Persas; Foi o mentor da supremacia política de Atenas que durante o seu governo atinge o apogeu; 64
  64. 64. Desperta invejas; Surgem ataques e acusações à sua figura e aos seus amigos: Fídias, escultor; Aspásia, mulher de Péricles, intelectual; 65
  65. 65. Guerra com Esparta começa a correr mal; Péricles é suspenso do governo; Morre vítima de peste em 429 a.c.; Atenas entra em decadência económica, política e social; Sócrates é condenado à morte sobre a acusação de não respeitar os deuses; 66
  66. 66. Péricles procurou consolidar os ideais democráticos; Procurou que as leis fossem aplicadas justamente; Regime de democracia direta, plebiscitária; Diminuiu o poder dos nobres e ricos, mais conservadores; Criou um subsídio para os cargos públicos (misthos); Rotatividade dos cargos públicos – recrutamento dentro de todas as classes sociais; 67
  67. 67. Contradições da democracia ateniense: Lei de 451 a.c., limita a cidadania aos filhos de pai e mãe atenienses; Imperialismo, procurou dominar a Grécia, guerra com Esparta; A Liga de Delos (união defensiva de várias cidades gregas) foi dominada por Atenas. O tesouro foi transportado para Atenas; 68
  68. 68. Xerxes (rei persa) invade a Grécia; União de várias cidades gregas (Atenas e Esparta); Batalha de Termópilas – 300 espartanos chefiados por Leónidas resistem durante vários dias a dezenas de milhar de persas; Acontecimento Batalha de Salamina 480 a.c. 69 https://www.youtube.com/watch?v=dw576klzYnA https://www.youtube.com/watch?v=Xb4Gko_JQH0
  69. 69. Atenas é pilhada e incendiada. Fuga para Salamina; Temístocles (almirante ateniense) atrai a frota persa (muito superior em número de barcos) para o estreito de Salamina; 70
  70. 70. 71 Estreito de Salamina, vista aérea
  71. 71. Mapa da Batalha de Salamina 72
  72. 72. Os barcos gregos leves e ágeis destroem a armada persa (barcos maiores, mais pesados e menos manobráveis) que não conseguem manobrar no estreito; Com o fim das guerras persas a Grécia conseguiu manter a sua independência – afastada a ameaça oriental; Atenas torna-se a mais importante cidade grega; A rivalidade entre Atenas e Esparta levará à decadência da Grécia; 73
  73. 73. A Arquitetura Grega 74HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  74. 74. A arquitetura grega foi uma busca de harmonia, perfeição, proporção; Texto adaptado de René Huyghe, Sentido e destino da arte Foi a procura do belo; 75HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  75. 75. Procura da proporção ideal; Arquitetura ligação entre a geometria, a matemática – procura da proporção divina; Criaram regras de construção, o cânone; Cânone é um sistema arquitetural em que todas as partes são proporcionais 76
  76. 76. Atena Niké, Atenas Templo de Edfu, Egito 77HCA, Curso Turismo, Módulo 1 Dimensões: 4,2mx3,8m
  77. 77. Templo de Apolo, Termos c. 620 a.c. - Reconstituição Os primitivos templos gregos eram construídos em madeira; 78 Os templos em madeira eram pintados para melhor se conservarem; A partir do século VII a.c. passam a ser construídos em pedra;
  78. 78. A obra era um trabalho coletivo: arquitetos, escultores, pintores, etc.; Objetivo final: procura da beleza, da harmonia; Estava ao serviço da vida pública e da religiosa, conciliando- as; 79HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  79. 79. Cidade Grega Área Sagrada – templos e tesouro da cidade Área Pública – local de comércio, política, reunião, etc Área Privada – bairros residenciais ágora, acrópole 80
  80. 80. 81HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  81. 81. Hipódamo de Mileto concebeu uma cidade racional com uma malha ortogonal. Mileto era uma cidade da Ásia Menor (atualmente Turquia); 82HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  82. 82. Planta de Mileto 83HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  83. 83. Planta de Mileto 84HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  84. 84. Casa grega As casas estavam organizadas em torno de um pátio central; Mais tarde os Romanos adotaram estes modelos de cidade e casa; 85
  85. 85. Na cidade grega surgiram construções dedicadas ao divertimento e, ao mesmo tempo, ao culto religioso. Estádio de Delfos 86
  86. 86. Teatro de Dionísio e de Epidauro 87 https://www.youtube.com/watch?v=mDqBt YV6mLc
  87. 87. Arquitetura Religiosa É na arquitetura religiosa (templo) que os gregos melhor revelaram o seu génio construtivo; O culto era no exterior, e por isso o altar estava colocada fora; O templo destinava-se a ser visto de fora; 88
  88. 88. As plantas eram simples, na maioria dos caso a sua forma é Inspiradas na sala do trono dos palácios micénicos Mégaron retangular 89/62
  89. 89. Os gregos utilizaram o sistema de construção trilítico, pilares verticais unidos por lintéis horizontais; Utilizaram raramente a linha curva; pilares Lintel 90
  90. 90. O exterior dos edifícios era decorado com esculturas e pintado com azul, vermelho e dourado Parténon, fachada, reconstituição 91/62HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  91. 91. Entablamento Colunas Base ou envasamento 92
  92. 92. Os gregos inventaram o sistema de ordens arquitetónicas As ordens são um sistema de proporções, determinados pelo raio da coluna. 93HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  93. 93. Capitel Fuste Base 94
  94. 94. Criaram duas ordens arquitetónicas diferentes: Atena Niké Parténon ordem jónica Ordem dórica 95
  95. 95. Ordem dórica Mais antiga. Nasceu na Grécia Continental. c. 600 a.c.; Formas geométricas, pouca decoração; Aspeto maciço e pesado; Atribui-se um carácter masculino; 96HCA, Curso Turismo, Módulo 1 https://www.youtube.com/watch?v=9Tcp1C 2mVZ0
  96. 96. Correções da ótica 97HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  97. 97. Correções da ótica 98HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  98. 98. Ordem Jónica Nasce na Jónia (Ásia Menor) no século VI a.c.; Proporções mais esbeltas que a ordem dórica; Decoração mais abundante; Está associada à figura feminina; 99
  99. 99. A ordem jónica teve, ao longo dos tempos, algumas variantes: Substituição das colunas por estátuas de mulheres (cariátides) ou homens (atlantes). Erectéion 100HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  100. 100. Outra variante da ordem jónica foi a ordem coríntia Esta ordem distingue-se da jónica pela sua decoração mais rica (folhas de acanto), bem visível no capitel. 101
  101. 101. Uma forma prática de distinguir a ordem a que pertencem os templos é pelos capitéis. 102
  102. 102. HCA, Curso Turismo, Módulo 1 103
  103. 103. A arquitetura religiosa grega: Dois exemplos: Parténon (ordem dórica) Atena Niké (ordem jónica) 104HCA, Curso Turismo, Módulo 1 https://www.youtube.com/watch?v=ASdYVEIDXnM
  104. 104. Partenon Atena Niké Pártenon e Atena Niké Pártenon e Atena Niké situam-se na acrópole ateniense que foi reconstruida nos meados do século V a.c. 105
  105. 105. Pouco depois da vitória sobre os Persas Péricles incumbiu Fídias de coordenar a reconstrução da acrópole; Arquitetos Íctino e Calícrates; 447 a 420 a.c.; Fídias é o autor da decoração escultórica; 106
  106. 106. Parténon Parténon, Nashville, EUA 107
  107. 107. Medidas: 30,80x69,47x10,43 m 108
  108. 108. 109HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  109. 109. Fachada este Fachada Oeste 110HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  110. 110. Templo dórico 1 – Pronaos 2 – Naos ou Cella 3 – Atena Parteno 4 – Opístodomo 5 - Pronaos 111/62HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  111. 111. Interior do templo: a estátua de Atena Partenos (12 m de altura) em marfim e ouro, esculpida por Fídias; Tesouro da Liga de Delos; Templo pintado de azul, vermelho e dourado; Construído em mármore; Atena Parteno Réplica, Nashville 112HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  112. 112. 113
  113. 113. Friso exterior, apresenta métopas; Conta uma história de uma maneira parecida com a banda desenhada. métopas 114
  114. 114. Friso interior de friso contínuo, tipo jónico, Fídias executou a procissão das Panateneias, organizada pelos atenienses todos os anos; Grande liberdade de composição e grande naturalismo; 115
  115. 115. Métopas do friso do Parténon, contam uma história 116
  116. 116. Pártenon, réplica em Nashville, EUA 117
  117. 117. Atena Niké 118
  118. 118. Friso contínuo 119
  119. 119. 120
  120. 120. 121
  121. 121. Escultura 122HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  122. 122. Para os Gregos a escultura era uma glorificação dos atletas, heróis e deuses; Escultura realista e idealista; “O Homem é a medida de todas as coisas”; Escultura O único tema da escultura é exclusivamente humana, com exceção dos centauros e faunos (animais mitológicos) 123HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  123. 123. Estátuas eram coloridas para obter um maior realismo; Temática: quase exclusivamente o Homem; Estátuas primitivas – século IX ao VI a.c. – foram realizadas em madeira 124HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  124. 124. Estátua egípcia Estátua arcaica grega Influências 125HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  125. 125. Kouros, VI a.c. Koré, VII a.c. Estatuária do período arcaico apresenta dois tipos básicos: Rapaz nu (Kouros, plural kouroi); Rapariga vestida (Koré, plural korai) Representam o ideal de beleza, não representam ninguém em concreto, não são retratos – não se representa um atleta mas o atleta; 126HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  126. 126. Características: Pose muito rígida, pouco natural; Barba e cabelo simplificados; Olhos em amêndoa; Sorriso enigmático; Simetria bilateral; Rosto e musculatura esquematizados; Estas estátuas eram pintadas de maneira realista; 127 Época arcaica (século IX a.c. a VI a.c.) HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  127. 127. Koré, c. 500/550 a.c. Koré, séc. VI a.c. 128HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  128. 128. Kouroi, VI a.c. Kouros, c. 500 a.c. Gradualmente estas estátuas foram tornando mais realistas 129HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  129. 129. Período clássico (século V e IV a.c.) é a época de ouro da escultura grega; Existem poucos originais dessa época (cópias romanas); 130HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  130. 130. Século V a.c.: Fase de transição: Estilo severo, severidade das expressões e no tratamento dos corpos; 131HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  131. 131. Efebo de Kritios c. 480 a.c. 132HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  132. 132. HCA, Curso Turismo, Módulo 1 133 Posição natural Peso assenta sobre uma perna – perna apoiada Outra perna serve para manter o equilíbrio – perna livre Assimetria Posição de CONTRAPPOSTO
  133. 133. Efebo de Kritios c. 480 a.c. 134HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  134. 134. Auriga de Delfos Bronze c. 480 a.c. Poseídon No século V a.c. as estátuas têm uma pose mais natural, os pormenores são tratados com maior realismo e perfeição. Os escultores gregos dominam a técnica de trabalhar a pedra. É o chamado período clássico. 135HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  135. 135. Dorífero – Policleto (cópia romana) Policleto estabelece o primeiro cânone da escultura grega, escreveu um tratado sobre proporções, “O cânone” Exp: cabeça 1/7; pé 1/6; face 1/10; etc.; 136HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  136. 136. Discóbolo – Míron (cópia romana) Cânone – é um conjunto de regras e proporções que estabelece um ideal de beleza. O cânone de Policleto durou um século. 137HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  137. 137. Fídias - considerado por muitos o maior escultor do século V a.c.; Difícil de saber praticamente só se conhece do autor os relevos do Pártenon (frisos, métopas e frontões); As descrições falam de perfeição anatómica, serenidade e força, influenciando outros escultores; Fídias, Atena Parteno (cópia romana). Original teria sido executado em ouro, marfim e pedras preciosas 138HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  138. 138. Século IV a.c.: Estátuas tornam-se mais realistas, mais graciosas; Aparece o nu feminino; 139HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  139. 139. Scopas – estátuas expressivas 140/62HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  140. 140. Praxíteles – corpos esbeltos, o primeiro a esculpir um nu feminino Hermes e Dionísio Afrodite de Cnido 141/85HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  141. 141. Lisipo, Apoxiomeno c. 320 a.c. Lísipo, estabelece um novo cânone no século IV a.c., 142HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  142. 142. Cânones de Policleto e Lísipo O corpo torna-se mais esbelto. 143HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  143. 143. Vitória de Samotrácia O Gaulês Moribundo Período Helenístico, séculos III, II e I a.c.: A arte torna-se expressiva, procura efeitos teatrais e dramáticos; São representados o sofrimento, as emoções; 144
  144. 144. Os lutadores 145HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  145. 145. Retrato de Péricles Aparece o retrato 146HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  146. 146. Vénus de Milo 147HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  147. 147. Figuras Tanagra, século I a.c., período romano, figuras em barro policromado, destinadas ao consumo privado 148HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  148. 148. Relevo: É aplicado nos templos: tímpanos, friso jónico e métopas; Funções do relevo: Contar uma história; Decorar o espaço arquitetónico; 149HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  149. 149. 150HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  150. 150. Na ordem dórica as métopas eram decoradas com 2 ou 3 personagens, contando uma história tal como hoje em dia a banda desenhada; 151HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  151. 151. Ordem jónica: Friso decorado de uma forma contínua, desenrolando uma ação sequenciada; Temas: procissões, desfiles, corridas, etc.; 152HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  152. 152. A pintura mural desapareceu quase toda Pintura sobre cerâmica oferece-nos uma visão da Grécia e dos gregos; Encontram-se peças em todo o Mediterrâneo, Península Ibérica, Germânia, Egipto, Síria, Mesopotâmia, etc.; Existiram várias oficinas, vários estilos e peças de qualidade muito diferente Cerâmica e pintura 153HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  153. 153. As peças eram produzidas para usos muito diversos: doméstico, comerciais, religiosos, etc.; Os estilos decorativos evoluíram ao longo dos tempos; A cerâmica é um “arquivo de imagens”; Porque ao longo dos tempos representam cenas da vida na sociedade grega. 154HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  154. 154. Estilo Geométrico Estilo Geométrico (séculos IX e VIII a.c.); Decoração geométrica (meandros, gregas, triângulos, linhas, etc) organizada em bandas ou frisos paralelos; A partir do século VIII a.c. surgem motivos figurativos muito estilizados e esquematizados; Motivos repetidos; 155HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  155. 155. 156HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  156. 156. Estilo arcaico (século VIII a V a.c.) Subdivide-se em fase orientalizante e fase arcaica recente Estilo arcaico 157HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  157. 157. Fase orientalizante (século VIII a 650 a.c.); Influências orientais; Cenas de carácter mitológico e elementos decorativos de inspiração vegetal e naturalista; Pormenores dado a traços brancos, vermelhos ou negros; 158HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  158. 158. HCA, Curso Turismo, Módulo 1 159 Figuras negras
  159. 159. HCA, Curso Turismo, Módulo 1 160
  160. 160. Fase arcaica, técnica das figuras a negro Fase arcaica de 650 a 480 a.c., caracterizado pela técnica de figuras a negro; Sobre o fundo vermelho pintava-se os elementos figurativos como silhuetas; Utiliza-se a técnica da incisão com um estilete para criar os pormenores; 161HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  161. 161. Embora continue bidimensional o desenho apresenta agora uma maior naturalidade; Temática variada: cenas do quotidiano, religiosas, mitológicas, etc.; Oficinas atenienses são as grandes produtoras deste estilo; 162HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  162. 162. HCA, Curso Turismo, Módulo 1 164
  163. 163. Estilo clássico (figuras vermelhas) 165HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  164. 164. HCA, Curso Turismo, Módulo 1 166
  165. 165. HCA, Curso Turismo, Módulo 1 167
  166. 166. Estilo clássico (480 a 323 a.c.) marcado pela técnica de figuras vermelhas; Inventor – Andócides (?) 168HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  167. 167. 169HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  168. 168. Vaso coberto com verniz negro, com exceção das figuras que ficam com a cor natural da argila; Pormenores acrescentados a pincel com cor negra Figuras ganham naturalidade, realismo e tridimensionalidade; Surgem, embora esquemáticos, cenários naturais ou arquitetónicos; 170HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  169. 169. O vaso de Pronomos 410-400 a.c. Estilo de figuras vermelhas Autor: pintor de Pronomos 171HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  170. 170. Este vaso tem um grande valor documental: atores, vestes, máscaras, etc.; 172HCA, Curso Turismo, Módulo 1 https://www.youtube.com/watch?v=WOqdI2loZCU
  171. 171. Estilo belo – linha de contorno sobre fundo branco; 173/62HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  172. 172. Surgem outros estilos; As cidades gregas tinham as suas próprias oficinas; Os principais autores assinavam as suas obras, o que mostra o reconhecimento público; No período helenístico perde qualidade; 174HCA, Curso Turismo, Módulo 1
  173. 173. HCA, Curso Turismo, Módulo 1 175 O teatro na Grécia Antiga https://www.youtube.com/watch?v=Jy8vS4MPiZI A origem da tragédia https://www.youtube.com/watch?v=PB-xAILAqns A história do teatro grego
  174. 174. Os Persas, Ésquilo É a mais antiga tragédia grega conhecida; A ação decorre em Susa, capital do império persa; Relata a derrota dos persas na batalha de Salamina; O tema, no entanto, é o castigo dos deuses à arrogância e ambição dos Homens; Xerxes, rei Persa, líder de um enorme império, pretendia conquistar a Grécia e por causa dessa ambição desmedida foi castigado pelos deuses;
  175. 175. HCA, Curso Turismo, Módulo 1 177 A Civilização grega (resumo) https://www.youtube.com/watch?v=dcxzu55DRlI Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, História da Cultura e das Artes,, Ana Lídia Pinto e outros, Porto Editora, 2011

×