Sensopercepção vanessinha

4.038 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.038
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
119
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sensopercepção vanessinha

  1. 1. Vanessa Lys BoeiraSENSOPERCEPÇÃO
  2. 2. Sensopercepção Estímulos externos Órgãos sensoriais SensaçãoFenômeno passivo, físico, periférico e objetivoNos permite distinguir qualidades elementares:cor, forma, peso, temperatura, consistência , timbre, sabor
  3. 3. Sensopercepção Integrações sensoriais parciais Percepção Representações Fenômeno ativo, psíquico, central e subjetivo Dá significado ás sensações
  4. 4. Sensação X Percepção Distinção artificial As sensações parciais não chegam á consciência A percepção não é apenas uma soma de sensações parciais
  5. 5. Qualidades sensoriais Exteroceptivas  Propriedades e aspectos do que é perceptível no mundo exterior
  6. 6. Qualidades sensoriais Interoceptivas / Cenestésicas  bem-estar, mal-estar, fome, sede, sensibilidade visceral Proprioceptivas / Cinestésicas  Posição segmentar do corpo, equilíbrio, barestesia, palestesia
  7. 7. Imagem (Jaspers)Imagem perceptiva Imagem representativa Corporeidade: 3d  Sem corporeidade: 2d Extrojeção  Introjeção Nitidez  Imprecisão Frescor sensorial  Falta de frescor sensorial Estabilidade  Instabilidade Ausência de influência pela  Possibilidade de influência vontade pela vontade
  8. 8. Imaginação Atividade psíquica geralmente voluntária  Lembrança de imagens percebidas no passado  Criação de novas imagens Ausência de estímulos sensoriais
  9. 9. Fantasia ou Fantasma produto minimamente organizado da imaginaçãoConsciente ou inconscienteOrigem  Desejo, temores, conflitosFreqüente em criançasDominante em personalidades neuróticas e histéricasFonte de inspiração para pintores, escritores e poetas: elaboração de Fantasias
  10. 10. Alterações da Sensoripercepção
  11. 11. Alterações Quantitativas Agnosia Hiperestesia Hipoestesia Anestesia Alucinação negativa Macropsia Micropsia Dismegalopsia
  12. 12. Agnosia Freud Distúrbio de reconhecimento  visuais, auditivos ou táteis Não há déficit sensorial  Ocorrem as sensações sem associação as representações Comprometimento específico do ato perceptivo O doente descreve cor e forma do objeto sem identificá-lo Lesões em áreas associativas corticais
  13. 13. Hiperestesia Aumento global na atividade perceptiva Impressões sensoriais estão mais intensas Hipersensibilidade aos estímulos sensoriais comuns  Mania, intoxicação com anfetaminas, maconha e alucinógenos
  14. 14. Hipoestesia Diminuição global da intensidade perceptiva Quadros estuporosos  Depressão, esquizofrenia, delirium
  15. 15. Anestesia Abolição da sensibilidade Quadros estuporosos  Depressão, esquizofrenia, delirium Quadros conversivos  Amaurose, surdez histérica, anestesias em bota ou em luva, intoxicação alcoolica, coma
  16. 16. Alucinação Negativa Ausência de registro sensorial de determinado objeto Órgãos sensoriais íntegros Mecanismo psicogênico Quadros conversivos
  17. 17. Macropsia •Objetos aumentados de tamanhoMicropsia •Objetos diminuídos de tamanhoDismegalopsia •Objetos deformados, partes aumentadas e partes diminuídasDelirium, epilepsia temporal, esquizofrenia , intoxicação comalicinpogenosDistúrbio da Autoimagem Corporal •Mesmo magro, o paciente se vê como gordo •Anorexia nervosa •É um tipo de macropsia
  18. 18. Alterações Qualitativas
  19. 19. Alterações Qualitativas Ilusão Alucinação Alucinose Pseudoalucinação
  20. 20. Ilusão Engano, fantasia, miragem, logro, ludibrio Doentes mentais e pessoas normais Percepção falseada de um objeto real e presente Outro 0bjeto é percebido  Deturpação da imagem perceptiva: Mescla com uma imagem representativa  Possui corporeidade, projeta-se no espaço exterior  É aceita como realidade e não é influenciada pela vontade
  21. 21. Ilusão por desatenção Elementos representativos são introduzidos  completar ou corrigir estímulos externos escassos ou incorretos Desaparecem em um segundo momento quando se presta atenção
  22. 22. Ilusão Catatímica Deformação do objeto originado de afeto intenso  Desejo ou temor O apaixonado Situação de medo: árvore = assaltante Também desaparece com a atenção
  23. 23. Ilusão Onírica Rebaixamento do nível de consciência Delirium  Ilusões visuais associadas a fenômenos alucinatórios  Estetoscópio = cobra
  24. 24. Outros tipos de ilusão Peculiaridades no sistema de refração  Deformação da imagem em diferentes meios Limitação natural dos órgãos dos sentidos  Ilusões de ótica  Visão binocular
  25. 25. Pareidodiliao Imagem fantástica e extrojetadao Criada intencionalmente a partir de percepções reais de elementos incompletos ou imprecisoso Figuras humanas em relevos, nuvens, sons musicais em ruídos monótonoso O objeto real passa para segundo planoo Não é patológicao Relaciona-se com a atividade imaginativa
  26. 26. Alucinação Alucinare = dementado, enlouquecido, privado da razão Pseudopercepção Aparecimento na consciência de uma imagem alucinatória de características iguais à da imagem perceptiva Não corresponde a qualquer objeto Percepção sem objeto! Percepção na ausência de estímulos externos correspondentes
  27. 27. Alucinação A atenção NÃO remove a alucinação Ocorrem paralela e simultaneamente ás percepções reais Podem levar ao desenvolvimento de idéias deliroides Podem se produzir em qualquer qualidade sensorial Elementares (simples) Elaboradas (complexas)
  28. 28. Alucinações verdadeiras Apresentam todas as características de uma imagem perceptiva real Corporeidade e localização no espaço externo  Irresistível força de conhecimento  Aceitas pelo juízo de realidade, mesmo parecendo estranhas ao próprio paciente Jaspers: só ocorrem sob lucidez de consciência
  29. 29. Alucinações Tipos:  Visuais, auditivas, gustativas, olfativas, táteis, térmicas, dolorosas, cinestésicas, cenestésicas Esquizofrenia  Auditivas em diálogos, visuais Epilépicas  Simples Melancolia endógenas  Auditivas Enxaquecas  Visuais elementares
  30. 30. Alucinações Táteis  Ilusionismo parasitário Gustativas e olfativas  Quase sempre associadas Cenestésicas  O cérebro está encolhendo, o fígado está despedaçando, várias partes do corpo Cinestésicas  Sensações alteradas nos movimentos do corpo, sente o corpo afundando, pernas encolhendo...
  31. 31. Alucinose Imagem patológica com todas as características da imagem alucinatória O objeto percebido é localizado no espaço objetivo externo Convicção de realidade e participação do eu  O paciente reconhece a experiência perceptiva como algo estranho a si mesmo  Delirium alucinatório  É criticada pelo indivíduo  Lucidez de consciência
  32. 32. Pseudoalucinações Alucinações psíquicas, automatismo mental Imagens dotadas de certa vivacidade, projetadas para o exterior ou para o espaço interno Semelhança com a imagem perceptiva  O paciente geralmente tem noção de sua inadequação  Não há convicção!  Esquizofrenia, delirium, estados crepusculares histéricos e epilépticos.
  33. 33. Bibliografia Dalgalarrondo, Paulo; Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais, Cheniaux, Elie; Manual de Psicopatologia, 4ª edição Experiencias Psíquicas Normales y Morbosas
  34. 34. Obrigada!

×