O período literário conhecido como Ultra-romântico    dominou o cenário europeu na segunda metade do século    XIX.       ...
Dentre as obras do autor, destaca-se, pelaexpressividade, singularidade e representatividadesocial, o drama Macário .     ...
Quanto a estrutura formal, a obra tem sidodefinida pela crítica como um DRAMA-PROBLEMÁTICO, uma vez que é todo ele umamist...
A história se divide, basicamente, em doisepisódios:       No primeiro deles, o estudante chega parapassar a noite em uma ...
O Espaço...       Quanto à descrição física e moral da cidade, adescrição apresentada por Álvares de Azevedo, por meiodo p...
SATÃ: Mulheres, padres, soldados e estudantes. As mulheres sãomulheres, os padres são soldados, os soldados são padres, e ...
O segundo episódio se passa na Itália e focalizao diálogo entre Macário e o amigo Penseroso, comquem também dialoga acerca...
Considerações gerais:•      As dúvidas de Macário, reforçadas pelo niilismo deSatã, são fundamentais para a leitura do dra...
• Ao entrar em cena, a figura do satanismopersonificado carrega, na mistura de negativismo,humor negro e desrespeito aos v...
Os dois episódios constituem, em conjunto, olugar comum onde Álvares de Azevedo encontrarespaldo para a construção de um v...
A obra representa a concretização de um projetoliterário romântico (centrado na perspectiva alemã deSchiller) que privileg...
Puff... (sopro ou baforada)• O prefácio de Macário – intitulado Puff - se faz maispelas negativas do que propriamente por ...
Macário (2)
Macário (2)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Macário (2)

2.656 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.656
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
106
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Macário (2)

  1. 1. O período literário conhecido como Ultra-romântico dominou o cenário europeu na segunda metade do século XIX. Caracteriza-se pelo exagero de certas tendências românticas:• Melancolia e o desespero permanentes;• Excesso emocional;• O desejo pela morte;• A percepção de uma dor universal que recobre todo o presente, levando ao escapismo temporal e espacial e à introspecção.• No Brasil o ultra-romantismo é representado, tradicionalmente, pela 2ª geração romântica, cujo maior expoente é Álvares de Azevedo.
  2. 2. Dentre as obras do autor, destaca-se, pelaexpressividade, singularidade e representatividadesocial, o drama Macário . Obra prima da 2ª fase do Romantismo brasileiro, narra o diálogo do jovem estudante com Satã e oamigo Penseroso que se passa, em maior parte, em umacidade grande (provavelmente, São Paulo) que é opalco onde protagonizam mulheres lascivas, padresdissolutos, soldados ébrios e estudantes vadios.
  3. 3. Quanto a estrutura formal, a obra tem sidodefinida pela crítica como um DRAMA-PROBLEMÁTICO, uma vez que é todo ele umamistura de drama (texto feito para a representaçãoteatral), diário pessoal e narrativa. “Nesta linha, porém, o triunfo se encontra noextravagante Macário, mistura de teatro, narraçãodialogada e diário íntimo; no conjunto, e comoestrutura, sem pé nem cabeça. Não cometamos a injustiça de julgar Macáriopelos padrões teatrais, condenando-o porque nãoobserva as regras dramáticas.” (Antonio Candido)
  4. 4. A história se divide, basicamente, em doisepisódios: No primeiro deles, o estudante chega parapassar a noite em uma taverna, onde, pouco tempodepois, começa a conversar com um Estranho que seapresentará, mais tarde, como Satã e o levará até umacidade, palco das mais diversas devassidões, queconsistirão em um ponto de partida para uma sériede reflexões e críticas.
  5. 5. O Espaço... Quanto à descrição física e moral da cidade, adescrição apresentada por Álvares de Azevedo, por meiodo personagem Satã, remete a uma São Paulo dosestudantes românticos entediados:“Demais, essa terra é devassa como uma cidade, insípida comouma vila, e pobre como uma aldeia. Se não estás reduzido a dar-te ao pagode, a suicidar-te de spleen, ou a alumiar-te a rolo, nãoentres lá. É a monotonia do tédio...”Tal cidade diabólica tem nome de santo, e a descrição deseus habitantes oferece ao personagem Satã inúmerasoportunidades de debater sobre aparências ecomportamentos, conforme mostram os fragmentos aseguir:
  6. 6. SATÃ: Mulheres, padres, soldados e estudantes. As mulheres sãomulheres, os padres são soldados, os soldados são padres, e osestudantes são estudantes: para falar mais claro: as mulheres sãolascivas, os padres dissolutos, os soldados ébrios, os estudantesvadios. Isso, salvo honrosas exceções, por exemplo, de amanhã emdiante, tu. (...)MACÁRIO: Que boa terra! É o Paraíso de Mafoma!SATÃ: Mas as moças poucas vezes têm bons dentes. (...) Um médicoque ali viveu e morreu deixou escrito numa obra inédita, que para suadesgraça o mundo não há de ler, que a virgindade era uma ilusão. Econtudo, não há em parte alguma mulheres que tenham sido maisvezes virgens que ali. (...)SATÃ: (...) Aquelas mulheres são repulsivas. O rosto é macio, os olhoslânguidos, o seio morno... Mas o corpo é imundo. Tem uma lepra queocultam num sorriso. Bufarinheiras de infâmia dão em troca do gozo oveneno da sífilis. Antes amar uma lazarenta!
  7. 7. O segundo episódio se passa na Itália e focalizao diálogo entre Macário e o amigo Penseroso, comquem também dialoga acerca do amor, da moral e doscostumes da sociedade da época. Os dois episódios constituem, em conjunto, olugar comum onde Álvares de Azevedo encontrarespaldo para a construção de um verdadeiro debate –de tal forma bem articulado - que conjuga em si temasde ordem histórica, filosófica, sociológica e religiosa.
  8. 8. Considerações gerais:• As dúvidas de Macário, reforçadas pelo niilismo deSatã, são fundamentais para a leitura do drama enquantoveículo da relação polêmica entre Álvares de Azevedo e oRomantismo brasileiro oficial . nacionalista, indianista oucrente no futuro brilhante da nação .• São colocadas em discussão a impossibilidade deconhecer ao outro, a falta de sentido da filosofia humana, ainutilidade de se procurar um sentido para a existência.
  9. 9. • Ao entrar em cena, a figura do satanismopersonificado carrega, na mistura de negativismo,humor negro e desrespeito aos valoresestabelecidos que a caracteriza, a responsabilidadede ecoar a voz desiludida do estudante Macário,que pode ser visto sem problemas como umarepresentação interessante, em suas oscilações, doultra-romântico brasileiro nos meados do séculoXIX.
  10. 10. Os dois episódios constituem, em conjunto, olugar comum onde Álvares de Azevedo encontrarespaldo para a construção de um verdadeiro debate –de tal forma bem articulado - que conjuga em si temasde ordem histórica, filosófica, sociológica e religiosa.
  11. 11. A obra representa a concretização de um projetoliterário romântico (centrado na perspectiva alemã deSchiller) que privilegia o questionamento das formasliterárias e, ao mesmo tempo, aponta para anecessidade de uma postura reflexiva e crítica. Nesseafã, a IRONIA constitui uma poderosa arma paradesestabilizar não apenas a estrutura formal do gênerodrama, mas também a imagem canonizada deRomantismo brasileiro em meados do século XIX. Afinal, o gênio inquieto de Azevedo mostra-sesempre sequioso de engajamento extraliterário e decontribuição para com o contexto brasileiro da época. Disso decorre o vanguardismo romântico quecontraria a caracterização mais banal e difundida domovimento, cuja literatura seria lacrimosa, ultra-sentimentalista e, aparentemente, ACRÍTICA.
  12. 12. Puff... (sopro ou baforada)• O prefácio de Macário – intitulado Puff - se faz maispelas negativas do que propriamente por meio de umadefinição clara e objetiva;• inclui uma longa lista de autores (frequentados porÁlvares de Azevedo);•Esses autores constituem uma série de precursoresdiabólicos, ou seja, de escritores que têm o diabo comopersonagem de suas obras;•

×