Uma história do rádio

3.951 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre a história do rádio

Publicada em: Imóveis
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.951
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
93
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Uma história do rádio

  1. 1. UMA HISTÓRIA DO RÁDIO 1º semestre/RTV 2007 Prof. Vitória Fonseca
  2. 2. Uma história do Rádio► Baseado em:► FERRARETTO, Luiz Arthur. Rádio: o veículo, a história e a técnica. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzatto, 2000► British Broadcasting Corporation. O Rádio no Brasil. Londres: Serviço Brasileiro da BBC, 1988 – 10 programas
  3. 3. A história proposta► Capítulo 6: a implantação no Brasil (de 1919 a 1932)► Capítulo 7: a estruturação (de 1932 a 1940)► Capítulo 8: o apogeu do rádio espetáculo (de 1940 a 1955)► Capítulo 9: a decadência (de 1955 a 1970)
  4. 4. A implantação no Brasil (de 1919 a 1932) Após a Primeira Guerra Mundial, houve a necessidade das empresas norte-americanas buscarem novos mercados. O rádio seguiu essa regra. 6.1 – A Exposição Internacional do Rio de Janeiro ►A Westinghouse promove a primeira transmissão na exposição de 1922. ► A Western Eletric exibe dois trasmissores, que foram comprados pelo governo.  Sua transmissão foi ouvida em São Paulo, Petrópolis e Niterói  A transmissão despertou interesse de Roquette Pinto, que fundou a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro ► Funda uma nova etapa de radiotransmissão que antes estava confinada a “amadores da radiofonia” ► Em Recife havia o Rádio Clube de Pernambuco, fundado em 1919
  5. 5.  6.2 – A Rádio Sociedade do Rio de Janeiro ► Roquette-Pinto mobilizou um grupo de intelectuais para as potencialidades culturais do novo meio.  Junto com Henrique Marize funda a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro em 1923 ► Usavam emprestado, uma hora por dia, o radiotransmissor da praia vermelha. ► A radiodifusão nasce de maneira precária ► Aos poucos foram organizando a programação.  Roquette-Pinto alardeava as vantagens do novo meio ► “O rádio é o jornal de quem não sabe ler” (p.97)  Seu idealismo de modernização segue o clima da época. ► Marcado por uma grande migração, grandes greves operárias, Modernização da capital federal, o RJ, O movimento tenentista ► “Em todos estes fatos, há uma idéia de modernização como mudança. Inserido neste contexto de época, o professor Roquette-Pinto teria visto no rádio um instrumento de transformação educativa” (p.98) ► Mas, suas intenções esbarravam na dura realidade: o elitismo desse meio ► De 1923 – 1930 surgem várias emissoras em diversos estados ► Em 1932, a publicidade é regulamentada
  6. 6. A estruturação (de 1932 a 1940)►“Contexto”:  Mercado interno desenvolvido, comércio progride  Revolução de 1930  Getúlio Vargas incentiva o crescimento industrial  Rádio começa a se estruturar►Ano de 1932:  Decreto 21.111 ► Regulamenta o decreto anterior ► 20.047 – sobre o papel do Governo da radiodifusão ► Regulamenta o lugar ocupado pelas propagandas: 10%  Revolução Constitucionalista ► Posição estratégica do rádio ► Rádio Record (SP) faz oposição a Vargas ► Observa-se o potencial do Rádio como meio
  7. 7.  7.1 – O Sistema Brasileiro de radiodifusão ►Decreto 20.047:  Assegura o poder do Estado de conceder espaço  Prevê criação de uma rede nacional  Perpassava uma visão educacional e cultural ►Decreto 21.111:  Artigos 66 e 69: ► Destinava uma hora para um programa oficial (ex. Hora do Brasil)  Impulsiona como empreendimento comercial ►O sistema oficial não vingou. Vira um sistema misto:  Por um lado público, educativo ► Impulsionado por Roquette-Pinto ► Modelo seguido pela Rádio Sociedade do RJ até os anos 30  De outro, privado e comercial
  8. 8. ►Emissoras Educativas:  1936: Rádio Inconfidência: ► mantida pelo governo ► Iniciativa do Secretário Estadual de Agricultura: Israel Pinheiro: ► Meia hora do Agricultor ► Depois: Hora do Fazendeiro ► Recebeu mais de 25 mil cartas em 3 anos  1936: Rádio Sociedade é transferida para o Ministério da Educação e Cultura:  Roquette-Pinto doa a rádio para o Governo ► Sob condições: “...não utilizar a emissora para outros fins senão o desenvolvimento da cultura popular e jamais permitir a publicidade comercial ou a propaganda política” (p.104)  “lançadas” as bases da rádio educativa
  9. 9. 7.2 – O Nascimento do Rádio como espetáculo Massivo ►O rádio espetáculo deve a dois pioneiros:  César Ladeira  Adhemar Casé ►César Ladeira:  Rádio Record (SP) – PRB-9 ► Inaugurada em junho de 1931 ► Emissora em busca do lucro ► César Ladeira: a voz da Revolução Constitucionalista ► Novo modelo: ► Cast profissional exclusivo  1933, muda para Mayrink Veiga (RJ)
  10. 10. ► Adhemar Casé  Vendia aparelhos de rádio, mudou-se de Pernambuco para o Rio  Comparava as programações americanas com as brasileiras: ► Amadorismo ► Pausa na programação  Ele resolveu alugar um horário na Rádio Philips:  Domingo, 20 às 24  Primeiro programa: 14/02/1932 – Programa Casé: ► Tocava música popular e erudita (o primeiro tipo foi bem recebido pelos ouvintes) ► Se transformou num programa popular e numa das principais atrações do rádio ► Levou a outras rádios:Sociedade, Transmissora, Mayrink Veiga, Globo e Tupi ► Programa Casé  Valorização da publicidade:  Surge o primeiro jingle:  Criado por Antonio Gabriel Nassara para Padaria Bragança  “Oh, padeiro desta rua/ tenha sempre na lembrança./ Não me traga outro pão/que não seja o pão Bragança (refrão)”  Na mesma onda, se populariza programas de auditório:  Primeiro: Rádio Kosmos (1935)
  11. 11.  7.3 – O uso político da radiodifusão sonora ► Revolução Constitucionalista  Maio de 1932: ► Estudantes invadem a rádio Record (SP), lêem um manifesto contra Vargas ► De noite, durante uma invasão, quatro estudantes são mortos.Suas siglas originam o MMDC  Até outubro a Record lidera o movimento contra Vargas ► Governo Vargas:  Hora do Brasil ► No ar: 22/julho/1935 ► Divulgava notícias do governo e música popular  Em 1937: o governo “denuncia” o Plano Cohen  “No dia 10 de novembro, após a criação de todo um clima fictício de ameaça às instituições e de necessidade de um endurecimento do governo, o país passa a viver o Estado Novo” (p.108)  DIP (1939) ► Censura de assuntos jornalísticos ► Censura de letras ► OBS: Necessidade de buscar as músicas em som, não apenas em letras ► Brake
  12. 12.  7.4 – A Primeira Rede Brasileira de Emissoras ►Iniciativa da Byington & Cia:  Criar uma rádio nos moldes americanos  Começaram a encampar várias rádios  Criaram a rede verde-amarela ►Iniciativa que não vingou:  Era transmitido por linhas telefônicas de baixa qualidade  O governo não cedeu espaço nas ondas curtas, única forma de criar uma cadeia nacional ►O Brasil só teria uma rede na década de 70,com interligações via Satélite
  13. 13.  7.5 - A Rádio Nacional, do Rio de Janeiro ►PRE -8 ►12/set/1936: no ar ►Locutor: Celso Guimarães ►Usava o transmissor da Philips ►Formou um grande casting ►Mas, só fez sucesso quando encampada por Vargas
  14. 14.  7.6 – O primeiro programa montado ►Final da década de 30 – Almirante  Prepara a programação: ► Roteiros ► Ensaios  Inovação: Curiosidades Musicais (1938) ► Havia testado antes no Programa Casé ► Enfocava algum aspecto do cancioneiro popular ou folclórico ►Inicia o período de consolidação do rádio (até 1943 – com Um milhão de melodias)  1941 – Rádio Nacional ► primeira radionovela – Em busca da felicidade ► Reporter Esso ► Saroldi faz um balanço
  15. 15. O apogeu do Rádio Espetáculo (de 1940 a 1955) A encampação da Rádio Nacional ► Lein. 2.073 – determina a encampação do grupo (1940) ► O Grupo tinha uma “economia mista”  Ao mesmo tempo que tinha verba estatal  Mas, também possuem publicidade ► Tiveram um faturamento crescente ► Estruturainvejável: ► A Rádio Nacional tinha grande alcance  Ex: Pista de pouso no Mato Grosso ► 1942: aumentou para ondas curtas  Era ouvida em vários países  Paulo Tapajós e a produção de rádio  Paulo Tapajós e o sucesso da Nacional  O rádio como meio de Integração Nacional
  16. 16.  O American Way of Life das Ondas da Nacional ►Em 1942 o Brasil rompe relações com a Alemanha ►Se aproxima dos EUA:  American Way of life ►Passaram a usar fórmulas da rádio americana  Nome do produto associado ao programa  Promoções e programas patrocinados por produtos  Programas para lançar produtos: ► Ex. Um milhão de melodias ► Programa de propaganda da coca-cola e difusão de músicas americanas
  17. 17.  Radionovelas ►Havia dramatizações no rádioteatro ►Mas, o gênero só ia começar a fazer sucesso com a novela Em busca da felicidade  Junho/1941  Adaptação e tradução: ► Gilberto Martins ►O sucesso foi gradativo. Em 1945, a Nacional chegou a transmitir 14 novelas por dia ►O direito de Nascer  Janeiro de 1951 a setembro de 1952
  18. 18.  “Em busca da felicidade” ► As novelas eram campeãs de audiência ► Até programas jornalísticos e científicos contavam com dramatizações  Havia um grupo de rádioteatro que cuidava das dramatizações ► Escritores tinham seus textos contratados ► Contavam com os profissionais de efeitos sonoros ► Primeira radionovela: “Em busca da felicidade”  Estréia em 5/junho/1941  Sucesso imediato  Irradiado no horário de 10 hs (considerado ruim), mas teve sucesso  Tinham um custo alto. Assim, eram produzidas em RJ ou SP e enviada para outras emissoras. ► Encenavam a mesma novela em vários lugares.  As radionovelas tinham tanto sucesso que uma delas, a cubana “Direito de nascer”, mobilizou o comércio, que fechava mais cedo, e outras atividades que tinham seus horários alterados, como jogos de futebol e cinema. Além da promoção de debates com vários especialistas.  Ao longo da década de 1950, as radionovelas foram sendo transferidas para TV até desaparecerem do rádio.
  19. 19.  Programas de Auditório ► Os programas de auditório criaram ídolos ► “Mistura de programa radiofônico, show musical, espetáculo de teatro de variedades, circo e festa de adro (o que não faltavam eram sorteios), esses programas chegaram a alcançar uma dinâmica de apresentação que conseguia manter o público dos auditórios em estado de excitação contínua durante três, quatro e até mais horas. Para isso, os animadores contavam não apenas com a presença de cartazes de sucesso garantido junto ao público, mas ainda com a colaboração de grandes orquestras, conjuntos regionais, músicos solistas, conjuntos vocais, humoristas e mágicos, aos quais se juntavam números de exotismo, concursos à base de sorteios e distribuição de amostras de produtos entre o público” ► (José Ramos Tinhorão – Música Popular, do gramofone ao rádio e TV. Apud op.cit, p.121)
  20. 20. ►Programa Calouros do Ary – (1933), depois apresentado por Paulo Gracindo, depois substituído por César de Alencar (em 1945) (Emilinha)►Papel Carbono – Renato Murse (1940)►Barcelos estréia um programa na Nacional em 1948 – (Marlene)►A disputa entre Marlene e Emilinha►Programas de Humor:►Futebol:
  21. 21.  “E agora em edição extraordinária”: o radiojornalismo ►As rádios também faziam parte de conglomerados ►A maior delas era a do “Diários Associados” de Assis Chateaubriand.  Criou a rádio Tupi, do RJ em 1935 e de SP em 1937  Possuia vinte jornais, cinco revistas e várias rádios pelo Brasil ►Outros grupos:  Gazeta, de Cásper Líbero  Excelsior, do grupo Folha  Rádio Jornal do Brasil, de Conde E. Pereira de Carneiro ►Inicialmente repetiam as notícias escritas. Depois, passaram a produzir notícias.
  22. 22. ►A grande estrela foi o “Repórter Esso”  Rádio: de 1941-1968  TV: 1952-1970  Reporter Esso ► A agência McCann-Erickson foi contratada pela Starndard Oil para produzir o programa ► Preparado a partir da UPI (United Press Internacional) ► O locutor exclusivo foi Heron Domingues até a década de 1960 ► Foi produzido em várias cidades brasileiras ► Slogans: ► “o primeiro a dar as ultimas” ► “testemunha ocular da história” ► Era pontual e feito com muito profissionalismo ► Foi líder de audiência até quando saiu do ar.
  23. 23.  Com o lançamento da TV na década de 50, começou uma reestruturação no rádio. As “fórmulas” do rádio foi passando para a TV A Nacional, na década de 1960, foi uma das últimas a manter o modelo antigo, mas logo não suportou. O Golpe de 1968, que cassou muitos artistas da Nacional, e o fechamendo da Mayrink Veiga, foi um marco final dessa “era de ouro” do rádio. O Governo Militar investiu na TV. As emissoras foram adotando um novo modelo de emissão.

×