Informática Aplicada ao Planejamento Territorial - Apresentação

46 visualizações

Publicada em

Aula de Apresentação da Disciplina de Informática Aplicada ao Planejamento Territorial - IPT, UFABC, 23 de setembro de 2016. Video disponível em: https://youtu.be/kLAezjnEag4

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
46
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Informática Aplicada ao Planejamento Territorial - Apresentação

  1. 1. Apresentação da disciplina INFORMÁTICA APLICADA AO PLANEJAMENTO TERRITORIAL Vitor Vieira Vasconcelos vitor.vasconcelos@ufabc.edu.br CS3406 - Informática Aplicada ao Planejamento Territorial setembro de 2016
  2. 2. Quem sou eu?  Professsor: Vitor Vieira Vasconcelos  Email: vitor.vasconcelos@ufabc.edu.br, vitor.v.v@gmail.com  Telefones:  31-99331-1593 (Tim – Whatsapp)  11-96603-6153 (Claro)  Skype: amfeadan / Vitor Vieira Vasconcelos (amfeadan@outlook.com)  Facebook: https://www.facebook.com/vitor.vieiravasconcelos?fref=ts  Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/vitor-vieira-vasconcelos/29/338/574  Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/8151243279050980  Academia: https://ufabc-br.academia.edu/VitorVasconcelos  Research Gate: https://www.researchgate.net/profile/Vitor_Vasconcelos2  Scribd: http://pt.scribd.com/amfeadan  Google scholar: http://scholar.google.com.br/citations?user=k8Y-3xYAAAAJ&hl=pt-BR
  3. 3. Qual minha formação? Pós-doutorado em Meio Ambiente Doutorado em Ciências Naturais ◦ Concentração em Geologia Ambiental e Conservação de Recursos Naturais ◦ Doutorado-sanduíche em Engenharia de Recursos Hídricos Mestrado em Geografia / Tratamento da Informação Espacial Especialização em Solos e Meio Ambiente Bacharelado em Filosofia Técnicoem Meio Ambiente Técnicoem Informática Industrial
  4. 4. Quem são vocês?  Nome;  Bacharelado que está cursando;  Expectativa com a disciplina;  Trabalho de conclusão do curso  Bacharelado
  5. 5. Site da Disciplina  Tidia: https://tidia4.ufabc.edu.br/  Procurar por IPT_2016 Conteúdos:  Conteúdo Programático  Plano de Ensino  Regras de Avaliação  Repositório  Material de Leitura  Aulas  Slides  Atividades (com dados)  Gravações de aula  WIKI  Grupos para o trabalho final  Atividades  Envio das atividades (até o início da aula seguinte)
  6. 6. Planejamento Territorial “O curso de Bacharelado em Planejamento Territorial da UFABC visa à formação em nível de graduação de profissionais capazes para atuarem em análises, prospectivas, proposições e gerenciamento de ações com repercussão nos territórios em diferentes escalas, níveis e dimensões. Objetiva-se assim, contribuir para uma melhor condução de processos e ações de caráter territorial considerando a intensificação da urbanização e da globalização e a complexidade no enfrentamento dos desafios sociais, econômicos, culturais e ambientais.” *  Território Um espaço definido e delimitado por e a partir de relações de poder (Souza, 1995).  Pressupõe, ‘’posse”, “gestão”, conhecimento. *Fonte: Projeto Pedagógico do Curso: Bacharelado em Planejamento Territorial. Documento atualizado em janeiro de 2013
  7. 7. Objetivo do curso O curso tem como objetivo apresentar modelos de representação espacial que facilitem a comunicação entre o planejador e o gestor do território. PLANEJADOR Modela o território (particularidades do projeto) Qual modelo de representação, revela padrões espaciais, reponde às minhas questões? Qual modelo atinge o nível de compreensão do meu gestor/cliente?
  8. 8. Objetivo do curso O objetivo principal do curso é demonstrar como utilizar diferentes modelos de representação espacial para revelar padrões e regularidades em dados territoriais. Parte-se do pressuposto que a escolha de uma representação espacial adequada se constitui em um importante instrumento de mediação na comunicação entre o planejador e o gestor no desenvolvimento de planos e projetos territoriais. Ao final do curso, o aluno deverá ser capaz de escolher modelos de representação espacial que considerem as particularidades do projeto, a escala geográfica de trabalho e o tipo de interlocutor que irá analisar o resultado final do seu projeto.
  9. 9. Objetivos específicos 1. Elaborar diferentes tipos de mapas temáticos e escolher o tipo de mapa adequado a cada variável mapeada; 2. Elaborar mapas e representações espaciais em ferramentas web gratuitas; 3. Integrar dados de bases legadas CAD para SIG; 4. Trabalhar com ferramentas de Geovisualização, integrando, mapas temáticos, cartogramas e outras formas de apresentação de dados espaciais, como gráficos e tabelas para revelar padrões espaciais; 5. Introduzir a Integração de GIS e BIM a problemas de planejamento territorial;
  10. 10. Reflexão sobre o conteúdo 1. Conhecimento Técnico X Acadêmico a) Demanda Profissional b) Projetos de Pesquisa 2. CAD X SIG a) Escalas de Análise b) História de Uso 3. Diversificação X Especialização a) Sintaxe de programação e banco de dados b) Conexão entre os conteúdos 4. Licenciamento de Programas X Programas Livres
  11. 11. Conteúdo e Metodologia • Manipulação de Planilhas • Cartografia temática: • Mapas Coropléticos • Mapas de Pontos Proporcionais • Mapas de Densidades de Pontos • Mapas de Fluxos • Cartogramas •Análise de Pontos • Mapas de calor e de proximidade • Interpolação •Geovisualização •Integração CAD e GIS • Integração GIS e BIM • Visita ao INPE Metodologia (para cada conteúdo): • Aula expositiva + Prática em sala • Exercícios individuais • Trabalho Final (grupos até 3) o Utilizar no mínimo 3 dos conteúdos de forma integrada a um tema de pesquisa o Escrever grupos no texto colaborativo (WIKI) do TIDIA
  12. 12. Manipulação de Planilhas
  13. 13. Mapas Coropléticos Densidade de povoamento
  14. 14. Mapas de Pontos Proporcionais População
  15. 15. Mapa de Densidade de Pontos Mapa de População Rural Mapa Racial - 2010
  16. 16. Mapa de Fluxos
  17. 17. Cartogramas Mazzitello, K.I. and Candia, J., 2012. Diffusion-Based Density-Equalizing Maps: an Interdisciplinary Approach to Visualizing Homicide Rates and Other Georeferenced Statistical Data. Brazilian Journal of Physics, 42(5-6), pp.365-372. e https://www.flickr.com/photos/49969806@N05/5010731887 População Tamanho: taxa de homicídios Escala cinza: população
  18. 18. Geovisualização
  19. 19. Mapas de Calor e de Proximidade Morais, J.D., da Silva, R.R. and Rocha, E.C.O., Análise multitemporal da ocorrência de queimadas no bioma cerrado no periodo de 2010 a 2013 utilizando tecnologias da geoinformação. V Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 12- 14 de Nov de 2014 Distância de Cursos d’água https://grass.osgeo.org/grass72/manuals/r_grow_distance.png
  20. 20. Interpolação Temperatura no Município de São José – Santa Catarina, em 18/11/2004 Interpolação Linear Krigagem OLIVEIRA, L. G. L. de; PEREIRA, G.; CAMARGO, F. F.; GUERRA, J. B. Comparação entre o método de interpolação linear e o método estatístico de krigeagem para a geração de mapas de ilhas de calor através de sistemas de informação geográfica. Anais – III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006
  21. 21. Integração CAD e GIS
  22. 22. Integração BIM e GIS
  23. 23. Softwares • Fusion Tables • Calc (LibreOffice) • QGIS • ArcGis • Geoda • Scape Toad • MapViewer • GeoVista • Autocad Map • Infraworks
  24. 24. CONTEÚDO/ Calendário Preliminar Conteúdo programático Aula Conteúdo Estratégias didáticas Avaliação Aula 1 23/09 Parte I: Apresentação da Disciplina; Parte II: Revelando padrões: modelos de representações espaciais; Parte III: Revelando padrões com fusion tables; Apresentação da Disciplina Aula prática, com a utilização do app fusion tables do Google 1) Atividade: pré- proposta escrita do trabalho final Entrega: 30/09 Aula 2 30/09 Cartografia Temática: Parte I: Mapas coropléticos Parte II: Mapas de Pontos proporcionais Exercícios práticos no ArcGIS e QGIS 1) Atividade Individual no Tidia Entrega: 07/10 Aula 3 07/10 Cartografia Temática: Parte I: Mapas de densidade de pontos Parte II: Mapas de Fluxos Exercícios práticos no ArcGIS e QGIS 1) Atividade Individual no Tidia Entrega: 14/10
  25. 25. CONTEÚDO/ Calendário Preliminar Conteúdo programático Aula Conteúdo Estratégias didáticas Avaliação Aula 4 14/10 Cartogramas Exercícios práticos no MAPviewer, ArcGIS, GEODA e Scape Toad 1) Atividade Individual no Tidia Entrega: 21/10 Aula 5 21/10 Apresentação de propostas de projetos finais para a disciplina Atividade em duplas no Tidia Postar ppt 1) Atividade programada de Planilhas Eletrônicas Entrega: 28/10 1) Fichamento dos 2 textos sobre análise de pontos Entrega: 04/11 Aula 6 04/11 Análise de Pontos Aula prática no Qgis e ArcGis 1) Atividade Individual no Tidia Entrega: 11/11
  26. 26. CONTEÚDO/ Calendário Preliminar Conteúdo programático Aula Conteúdo Estratégias didáticas Avaliação Aula 7 11/11 Geovisualização Aula prática no GeoDA e GeoVISTA 1) Atividade Individual no Tidia Entrega: 18/11 Aula 8 18/11 Integração CAD e GIS Aula prática no Autocad Map 1) Atividade Individual no Tidia Entrega: 25/11 Aula 9 25/11 Integração GIS e BIM Aula prática no Infraworks 1) Atividade individual no Tidia Entrega: 02/12 Aula 10 02/12 Visita ao INPE 1) Relatório de visita Entrega: 09/12
  27. 27. CONTEÚDO/ Calendário Preliminar Conteúdo programático Aula Conteúdo Estratégias didáticas Avaliação Aula 11 09/12 Assessoramento de Trabalhos finais Postagem do trabalho escrito no Tidia até 11/12 Aula 12 13/12 Apresentação dos Trabalhos Finais e Fechamento do curso Apresentação oral pelos alunos do trabalho final Postagem das apresentações no TIDIA até 13/12 Aula 13 16/12 Prova de Recuperação
  28. 28. Avaliação Participação em sala: 10% Atividades: 50% Proposta de trabalho: 10% Trabalho Final  Escrito: 15%  Apresentação e prova oral: 15% Presença:  Mínimo de 75%  Contribui para conceito de participação
  29. 29. Modelo de Trabalho e Atividades Introdução ◦ Apresentação do problema de pesquisa ◦ Artigos ou livros que já trataram sobre o assunto (método e conclusões) ◦ Objetivos ◦ Conceitos teóricos Metodologia ◦ Área de estudo ◦ Variáveis estudadas ◦ Técnicas utilizadas ◦ Produtos gerados Resultados e discussão ◦ Mapas, gráficos e tabelas ◦ Interpretação textual Conclusões Referências
  30. 30. Modelo de Trabalho e Atividades Atividade: • Mínimo de 1 página de texto + mapas, gráficos e tabelas Trabalhofinal: • Sem limite de páginas Formato: PDF Nome do arquivo: “nome do aluno”_“atividade”.pdf Cabeçalho: Nome, Matrícula, Data, Nº da Atividade Formatação: ◦ Fonte: Arial ◦ Tamanho: 11 ◦ Espaçamento: 1,15 ◦ Sem espaço entre parágrafos ◦ Identação de parágrafos: 1cm ◦ Margens: 2cm ◦ Tamanho de Folha: A4
  31. 31. Sugestões de portais de dados •Global • Socioeconomic Data Application Center – SEDAC: http://sedac.ciesin.columbia.edu/ • Geohive: http://www.geohive.com/ • World Bank Data Catalog: http://datacatalog.worldbank.org/ • Global Migration: http://www.global-migration.info/ • Natural Earth: http://www.naturalearthdata.com/downloads/ • Environmental Data Explorer – UNEP: http://geodata.grid.unep.ch/
  32. 32. Sugestões de portais de dados •Brasil – Dados Socioeconômicos • IBGE: • Malha • Municipal: ftp://geoftp.ibge.gov.br/organizacao_do_territorio/malhas_territoriais/malhas_municipais/ • Setores censitários: ftp://geoftp.ibge.gov.br/organizacao_do_territorio/malhas_territoriais/malhas_de_setores_censitarios__divisoes_intramunicipais/ • Áreas de Ponderação (Amostra): ftp://geoftp.ibge.gov.br/recortes_para_fins_estatisticos/malha_de_areas_de_ponderacao/censo_demografico_2010/ • Censo 2010 • Dados do universo: ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Resultados_do_Universo/Agregados_por_Setores_Censitarios/ • Dados da amostra: ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Resultados_Gerais_da_Amostra/Microdados/ • INDE • Metadados: http://www.metadados.inde.gov.br/geonetwork/srv/por/main.home • Visualizador: http://www.visualizador.inde.gov.br/ • Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/ • IPEA • IPEA GEO: http://www.ipea.gov.br/ipeageo/bases.html • IPEA Data: http://www.ipeadata.gov.br/ • DataSUS – Tabnet: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02
  33. 33. •Brasil – Saneamento / Meio Ambiente • SNIS - Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: http://app.cidades.gov.br/serieHistorica/ • Agência Nacional de Águas: http://metadados.ana.gov.br/geonetwork/srv/pt/main.home • INPE – Queimadas: http://www.dpi.inpe.br/proarco/bdqueimadas/ • Ministério da Integração – Desastres Naturais: https://s2id.mi.gov.br/paginas/monitoramento/index.xhtml Sugestões de portais de dados
  34. 34. • Estado de São Paulo • Infraestrutura de Dados Espaciais – IDE: http://www.idesp.sp.gov.br/Visualizador • Fundação Seade: http://www.seade.gov.br/banco-de-dados/ • Datageo – Sistema Ambiental Paulista: http://datageo.ambiente.sp.gov.br/ • Região Metropolitana de São Paulo • Centro de Estudos da Metrópole: http://www.fflch.usp.br/centrodametropole/ • Emplasa: http://www.portal.emplasageo.sp.gov.br/mapviewer • Metrô • Pesquisa Origem Destino – 2007: http://www.metro.sp.gov.br/metro/numeros-pesquisa/pesquisa-origem-destino-2007.aspx • Pesquisa de Mobilidade Urbana – 2012: http://www.metro.sp.gov.br/metro/numeros-pesquisa/pesquisa-mobilidade-urbana-2012.aspx • Cidade de São Paulo ◦ Geosampa: http://geosampa.prefeitura.sp.gov.br/PaginasPublicas/_SBC.aspx Sugestões de portais de dados
  35. 35. Bônus  Comparecimento a eventos extracurriculares (seminários, simpósios, palestras) de ao menos 1 hora e meia de duração, sobre o tema da disciplina  Incluir no relatório o conteúdo apresentado/discutido e reflexões pessoais  Encaminhamento de relatório até 11/12/2016  Mínimo de 1 página por evento  Folha tamanho A4, Margens de 2 cm  Espaçamento entre linhas 1,15, sem espaço extra entre parágrafos  Fonte Arial, de tamanho 11  Cabeçalho com nome do aluno, nome do evento, data e local
  36. 36. Bibliografia para a disciplina Volumes 1 e 2 http://fac.ksu.edu.sa/sites/default/files/gis_cartography.pdfhttp://sedis.ufrn.br/bibliotecadigital/site/pdf/geografia/Le_Ca_I_LIVRO_WEB.pdf http://sedis.ufrn.br/bibliotecadigital/site/pdf/geografia/Le_Ca_II_Z_WEB.pdf
  37. 37. Bibliografia para a disciplina Capítulos 2 e 3 http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/analise/ E os manuais dos programas
  38. 38. Planejamento Territorial Necessidade de coletar, integrar e analisar dados… DE DIVERSAS FONTES E ÁREAS DO CONHECIMENTO Demográficos, socioeconômicos e ambientais. Qual a especificidade destes dados? A localização. São dados espaciais!
  39. 39. Exemplo de dado espacial População total por Unidade da Federação. Brasil. 2010. censo demográfico 2010, IBGE. Quais são os principais padrões observados nestes dados?
  40. 40. Exemplo de dado espacial Representação do dado em um modelo espacial REVELA PADRÕES População total por Unidade da Federação. Brasil. 2010. censo demográfico 2010, IBGE.
  41. 41. Modelos  “Um modelo é uma estruturação simplificada da realidade que apresenta supostamente características ou relações sob forma generalizada.  Os modelos são aproximações altamente subjetivas no sentido de não incluírem todas as observações e mediações associadas, mas como tais, são valiosas em ocultar detalhes secundários e permitir o aparecimento de aspectos fundamentais da realidade.”  Características dos modelos;  Representação;  Descrição e/ou qualificação;  Análise Fonte: Hagget, P., and R. J. Chorley (1967). Models, Paradigms and the New Geography. In Models in Geography, R. J. Chorley, and P. Haggett (Eds), pp. 19-41. London: Methuen.
  42. 42. Modelos de representações de dados espaciais
  43. 43. Modelos espaciais - Globo Fonte: http://brunojornalpontocom.blogspot.com.br/2014/04/as-estacoes-do-ano-geografia-e-ciencias.html O globo terrestre é a representação espacial da terra em sua verdadeira forma, redonda (que nos permite ver só um lado, quando aparece como imagem em livros ou revistas); quando nos é disponilizado de forma concreta é um modelo em escala tridimensional fixada sobre um suporte em ângulo nos permitindo uma visão real da terra, pois representa o ângulo do planeta Terra e possibilita a visualização dos seus movimentos.
  44. 44. Não facilitou apenas a visualização dos movimentos Terrestres, aproximou os usuários (não especialistas) do uso da informação espacial em suas vidas cotidianas! Globo terrestre virtual – Google Earth
  45. 45. Globo terrestre virtual – Google Earth  Visualização Imagens multiescalares perfeitamente mosaicadas oferecem um "pano de fundo", mapa básico para a construção de mapas de visualização. Inúmeros artigos usam Google Earth para ilustrações.  Coleta de dados  Pode substituir a coleta de pontos GPS em campo dependendo dos requisitos do projeto, pois as imagens não possuem precisão cartográfica uniforme.  Validação Validação de classificação de imagens, verdade terrestre.  Comunicação e Disseminação Compartilhamento de informação espacial por não especialistas a partir de uma interface de visualização amigável.  Suporte a decisão Apoiar a tomada de decisões pela visualização de dados direta ou por meio da integração com outros sistemas através de uma interface de software Le Yu & Peng Gong (2012) Google Earth as a virtual globe tool for Earth science applications at the global scale: progress and perspectives, International Journal of Remote Sensing, 33:12, 3966-3986, DOI: 10.1080/01431161.2011.636081
  46. 46. Porcentagem de População abaixo de 14 anos Sandvikj, B. Thematic Mapping Engine. 2008. MSc Dissertation. University of Edinburg. In: http://thematicmapping.org/downloads/Thematic_Mapping_Engine.pdf Globo terrestre virtual – Google Earth
  47. 47. Modelos espaciais - maquetes Maquete da arena Pernambuco. Fonte: http://blogs.ne10.uol.com.br/tvjornalnacopa/2011/12/23/maquete- da-cidade-da-copa-em-exposicao-no-aeroporto-dos-guararapes/ FONTE: http://lavueltaalmundoenunblog.blogspot.com/2008/12/del- mapa-la-maqueta.html Fonte: http://rockntech.com.br/artistas-constroem-maquete-do- mapa-da-europa-inteiramente-com-pecas-de-lego/
  48. 48. … até as maquetes digitais Projetores de Hologramas Impressoras 3D https://www.youtube.com/watch?v=Xp7BP00LuA4
  49. 49. Como representar o território no computador? Superfícies / Grades Regulares Dados de Área- Polígonos Eventos / Amostras Redes e Dados de Fluxo X,Y,Z X,Y,Z X,Y,Z X,Y,Z X,Y,Z
  50. 50. Mundo Real O Que Representar?  Aproximações de entidades realmente existentes (visíveis); Exemplos: edificações, ruas.  Conceitos abstratos (invisíveis): exclusão/ inclusão social, violência, pobreza/riqueza, desigualdade
  51. 51. Representações Computacionais do Espaço Objetos vs. Campos (Worboys, 1995)  Objetos Discretos: espaço geográfico como uma coleção de entidades distintas e identificáveis Campos Contínuos: espaço geográfico como uma superfície contínua
  52. 52. Geocampo
  53. 53. Geobjeto Espaço geográfico como uma coleção de entidades distintas e identificáveis, com limites bem definidos Cadastro Urbano: Lotes Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos Municípios do Estado de São Paulo
  54. 54. Como percebemos as imagens? Gestalt – Estudo da percepção das formas Reificação Fechamento Braungardt, J. Gestalt Psychology. Em: http://braungardt.trialectics.com/sciences/psychology/gestalt-psychology-2/
  55. 55. Onde está o arco do desmatamento? Há outros focos de desmatamento? Há algum outro padrão espacial? Vasconcelos, V.V. Mapa de Desmatamento no Brasil, por Bioma, de 2002 a 2008. In: Caderno de Ciências. Mundo do Trabalho. 8o ano. São Paulo: Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia. 2013. p. 64 Frente de Desmatamento Desmatamento Difuso Pouco Desmatamento
  56. 56. Reificação Prática: http://dwtkns.com/density/
  57. 57. Como percebemos as imagens? Gestalt – Estudo da percepção das formas Multiestabilidade (espaço negativo, pregnância) “A verdadeira origem da descoberta consiste em não procurar novas paisagens, mas em ter novos olhos”. Marcel Proust Ponto Focal Gestalt Psychology. In: http://slideplayer.com/slide/7370703/
  58. 58. Montanha ou Vale? http://www.shadedrelief.com/retro/discussion.html Iluminação da Manhã Iluminação da Tarde
  59. 59. 1º foco: A bola que vai te acertar 2º foco: O “culpado” Fora de foco: Não é estranho ter árvores laranjas e azuis no jardim?
  60. 60. Foco e seletividade espacial E os municípios que passaram a receber menos ICMS, onde estão? ALMG. ICMS Solidário. 2015. Em: http://politicaspublicas.almg.gov.br/export/sites/politicaspublicas/documentos/ICMS/ICMS-Solidario-Flyer.pdf http://www.almg.gov.br/acompanhe/noticias/arquivos/2014/05/27_avaliacao_icms_solidario.html
  61. 61. Você presta atenção no desmatamento ou nos tipos de vegetação?
  62. 62. Você presta atenção no desmatamento ou nos tipos de vegetação?
  63. 63. Você presta atenção no desmatamento ou nos tipos de vegetação?
  64. 64. Proximidade e Similaridade Proximidade Similaridade Enclausuramento Conexão Movimento Comum Gestalt Psychology. In: http://slideplayer.com/slide/7370703/ e blog.fusioncharts.com Cherry, K. Gestalt Laws of Perceptual Organization. In: https://www.verywell.com/gestalt-laws-of-perceptual-organization-2795835 Continuidade
  65. 65. Proximidade e Similaridade Proximidade e Similaridade Proximidade e Heterogeneidade (Vizinhança) Elemento único Introduction to Spatial Data Mining. In: http://slideplayer.com/slide/5025840/
  66. 66. Padrões Espaciais
  67. 67. Padrões Espaciais
  68. 68. Proximidade e Similaridade Agrupamentos? Associações entre elementos? Introduction to Spatial Data Mining. In: http://slideplayer.com/slide/5025840/
  69. 69. Agrupamentos Fonte: Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia – IBGE; Fundação SEADE Cana de Açúcar e Laranja Batata e Feijão Egler, C.A.G. et al. 2013. Dinâmica territorial e seus rebatimentos na organização regional do estado de São Paulo. Em: https://confins.revues.org/8602?lang=pt Similaridade
  70. 70. Enclausuramento Mapa de População Rural Enclausuramento
  71. 71. Redes Mapa: Rede urbana do estado de São Paulo, 2007 Fonte: Pesquisa Região de Influência das Cidades, IBGE, 2007. Conexão Egler, C.A.G. et al. 2013. Dinâmica territorial e seus rebatimentos na organização regional do estado de São Paulo. Em: https://confins.revues.org/8602?lang=pt
  72. 72. Transições graduais no espaço Isotrópico Mesma taxa de graduação em todas as direções Anisotrópico Taxa de graduação muda de acordo com a direção
  73. 73. Transições graduais no espaço e tempo Mapa: Taxa geométrica de crescimento anual da população – 1980/1991, 1991/2000, 2000/2010 e 2010/2020 Fonte: Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia – IBGE; Fundação Seade. Egler, C.A.G. et al. 2013. Dinâmica territorial e seus rebatimentos na organização regional do estado de São Paulo. Em: https://confins.revues.org/8602?lang=pt
  74. 74. Como vocês interpretam esta imagem? Elemento de interesse Matriz (fundo) Mapa binário Floresta Área Urbana Núcleo (interior, descontando a borda) Ilha (pequena demais para ter núcleo) Laço (retorna ao mesmo núcleo) Corredor (conecta dois núcleos) Perfuração (dentro de um núcleo) Borda (adjacente à matriz) Ramificação (conectado apenas em uma das pontas)
  75. 75. Aplicação prática OSTAPOWICZ, K., VOGT, P., RIITTERS, K. H., KOZAK, J., ESTREGUIL, C. Impact of scale on morphological spatial pattern of forest. Landscape ecology, v. 23, n. 9, p. 1107-1117, 2008, Em: http://forest.jrc.ec.europa.eu/download/software/guidos/mspa/
  76. 76. Outras aplicações espaciais OSTAPOWICZ, K., VOGT, P., RIITTERS, K. H., KOZAK, J., ESTREGUIL, C. Impact of scale on morphological spatial pattern of forest. Landscape ecology, v. 23, n. 9, p. 1107-1117, 2008, Em: http://forest.jrc.ec.europa.eu/download/software/guidos/mspa/
  77. 77. OSTAPOWICZ, K., VOGT, P., RIITTERS, K. H., KOZAK, J., ESTREGUIL, C. Impact of scale on morphological spatial pattern of forest. Landscape ecology, v. 23, n. 9, p. 1107-1117, 2008, Em: http://forest.jrc.ec.europa.eu/download/software/guidos/mspa/ Outras aplicações espaciais
  78. 78. Qual dessas retas é mais comprida? Gestalt – Estudo da percepção das formas Ilusão de Ponzo Experiment in Perception: The Ponzo Illusion and the Moon. Em: http://unmuseum.mus.pa.us/exmoon.htm
  79. 79. Perspectivas em 3D
  80. 80. Perspectivas em 3D BURGETT, G. (2014) How to Pick the Best Focal Length When Capturing Landscapes. Em: http://petapixel.com/2014/05/26/learn-how-to-choose-the-best-focal-length-for-when-capturing-landscape-photos/
  81. 81. Perspectivas em 3D
  82. 82. Para próxima aula a) Escrever grupo para trabalho final no texto colaborativo (WIKI) do Tidia b) Escrever um pré-proposta de trabalho final da disciplina, com mínimo de 1 página, contendo: Introdução ◦ Apresentação do problema de pesquisa ◦ Artigos ou livros que já trataram sobre o assunto (método e conclusões) ◦ Objetivos ◦ Conceitos teóricos Metodologia ◦ Área de estudo (escala de análise) ◦ Variáveis a serem estudadas ◦ Técnicas a serem utilizadas ◦ Produtos esperados Referências
  83. 83. Atividade prática!

×