Principais temas: ENEM 2013

709 visualizações

Publicada em

Uma descrição dos principais temas da prova ENEM: 2013...

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
709
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Principais temas: ENEM 2013

  1. 1. Temas mais recorrentes no ENEM 1. Brasil República 2. Era Vargas 3. Brasil Colônia 4. Idade Média 5. Revolução Industrial
  2. 2. Brasil República • República Velha (1889 – 1930) – Espada (1889 – 1894) – Café com Leite (1894 – 1930) • Era Vargas (1930 – 1945) – Provisório (1930 – 1934) – Constitucional (1934 – 1937) – Estado Novo (1937 – 1945) • Populismo (1945 – 1964) • Ditadura Civil-Militar (1964 – 1985) • Nova República (1985 - ...)
  3. 3. Voto Velha Era Vargas Populismo Ditadura Nova Homens Homens e Mulheres Homens e Mulheres Homens e Mulheres Homens e Mulheres Maiores de 21 anos Maiores de 21 anos Maiores de 21 anos Maiores de 18 anos Maiores de 16 anos Aberto Secreto Secreto Secreto Secreto A Justiça Eleitoral passou a efetivamente funcionar e deu maior credibilidade ao processo eleitoral. Eleições indiretas, o regime militar interrompeu o processo da escolha dos dirigentes do país e inventaram eleições presidenciais através do Colégio Eleitoral. Abertura política e fase mais democrática. Voto universal, porém a cidadania fora dada a cerca de 3% da sociedade brasileira; baseada no voto de cabresto e no coronelismo. Marcado pela centralização do poder e portanto pela ausência de eleições presidenciais.
  4. 4. Era Vargas (1930 – 1954)
  5. 5. Revolução de 30 •Ocorreu no contexto da crise cafeeira /período entreguerras. •Rompimento do acordo político conhecido como “política do café-com-leite”. A crise favoreceu a formação de alianças: Aliança Liberal (RS, MG e PB). Eleição presidencial vencida por Júlio Prestes (PRP) que concorreu com Getúlio Vargas e o vice João Pessoa.
  6. 6. •O assassinato de João Pessoa e as denúncias de fraudes desencadearam a revolução no RS, liderada por Vargas. •O então presidente Washington Luís é tirado do poder e assume Getúlio Vargas. “Façamos a revolução antes que o povo a faça” do governador mineiro Antônio Carlos.
  7. 7. Constitucional 1930 - 1934 •Após a tomada de poder, Vargas procurou equilíbrio no poder, atendendo as várias tendências: oligarquias tradicionais e os tenentes reformistas. • O novo presidente governaria por meio dos decreto-leis, já que todos os órgãos legislativos foram dissolvidos. • Foram nomeados interventores para os Estados e a União passou a dispor de dois novos ministérios: o do Trabalho, Indústria e Comércio, e o de Educação e Saúde.
  8. 8. Revolução Constitucionalista 1932 As oligarquias paulistas tentam retomar o poder no Movimento Constitucionalista de 1932 mas são derrotados porque os outros estados não aderiram ao movimento. A Revolução Constitucionalista lança a campanha pela imediata convocação de uma Assembleia Constituinte e o fim das intervenções nos Estados.
  9. 9. Constituição 1934 •Voto direto e secreto •Confirmado o direito de voto e candidatura feminina •Continuavam excluídos analfabetos, mendigos, militares de baixa patente •Reconhecimento de direitos trabalhistas: salário mínimo, jornada de trabalho de 8horas, proibição do trabalho de menores até 14 anos, férias anuais remuneradas, indenização na demissão sem justa causa •Nacionalismo econômico: proteção das riquezas naturais do país •Estabeleceu a próxima eleição para presidente como indireta: Getúlio foi eleito
  10. 10. Plano COHEN •A Constituição de 1934 previa eleições presidenciais em 1938. Antecipando-se à eleição, Vargas cerca o Congresso Nacional e impõe o fechamento do Legislativo. Em 10 de novembro de 1937 desfechou o golpe. • Com apoio incondicional dos Generais Góis Monteiro, Chefe do Estado-Maior do Exército, e Eurico Gaspar Dutra, Ministro da Guerra, Getúlio Vargas, sob alegação de que o País estava na iminência de ser controlado pelos comunistas, conseguiu a decretação, mais uma vez, no Congresso, do "estado de guerra“.
  11. 11. Estado Novo (1937 – 1945) • Uma nova Constituição é imposta em 1937 : a “POLACA” • Foi decretado o estado de emergência permitindo ao governo invadir casas, prender pessoas, exilar opositores. • A Carta de 1937 teve como principal autor Francisco Campos e caracterizou-se pelo predomínio do poder Executivo, considerado o "órgão supremo do Estado", usurpando até as prerrogativas do Legislativo. • Vargas criou o DIP – Departamento de Imprensa e Propaganda • As eleições democráticas foram suspensas, os partidos políticos foram extintos, inclusive a AIB.
  12. 12. • Em 1943 reuniu as leis trabalhistas na CLT – Consolidação das Leis do Trabalho que beneficiava apenas trabalhadores urbanos, excluindo os rurais. • Fundou empresas para garantir a indústria de base: Companhia Vale do Rio Doce, Companhia Siderúrgica Nacional, a Companhia Hidrelétrica de Paulo Afonso e a Fábrica Nacional de Motores (FNM) • Reorganizou a produção cafeeira e diversificou a produção agrícola • Vargas alia-se aos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial,
  13. 13. Investiu na imagem de Pai dos pobres Foi marcante seu estilo populista: concede aos trabalhadores urbanos alguns benefícios para obter apoio da população e passa a ser chamado carinhosamente de “pai dos pobres”. A outra face do governo de Getúlio mostrava seu caráter autoritário, que limitava seriamente a participação dos brasileiros no processo político, impunha a censura, restringia a liberdade controlando severamente os sindicatos (pelegos), reprimia com dureza os opositores..
  14. 14. Estado Novo (1937 – 1945) Livros didáticos
  15. 15. Estado Novo em crise As primeiras contestações populares ao poder de Vargas surgiram quando o ditador se viu constrangido a participar diretamente da Segunda Guerra Mundial ao lado dos Aliados, contra o Eixo nazi-fascista. A partir de 1944, mais de 25 mil soldados integrantes da Força Expedicionária Brasileira (FEB) foram combater na Europa. Vargas utilizou o estado de guerra contra o Eixo para permanecer no cargo mas as pressões contra o presidente cresciam.
  16. 16. Fim do Estado Novo Percebendo que a derrota dos ditadores fascistas na Segunda Guerra Mundial criou uma onda democrática e elevou o prestígio dos militares das Forças Armadas, Vargas tomou algumas medidas como: marcar eleição presidencial, anistiar presos e exilados políticos, liberar a formação de partidos políticos. Getúlio participou diretamente da criação do Partido Social Democrata (PSD), lançando o general Eurico Gaspar Dutra como candidato. Criou ainda o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) com o objetivo de lançar sua própria candidatura. No total, doze partidos foram organizados, inclusive o Partido Comunista Brasileiro (PCB) que voltou à legalidade. Os principais adversários políticos de Vargas reuniram-se e formaram a União Democrática Nacional (UDN), um partido que aproximou políticos e intelectuais que defendiam o fim da ditadura.
  17. 17. Fim do Estado Novo Nos meses que antecederam as eleições, marcadas para 2 de dezembro de 1945, Getúlio Vargas demonstrou a intenção de permanecer no poder estimulando o Queremismo, um movimento popular que reivindicava sua candidatura nas eleições. Na tarde de 29 de outubro, líderes do Exército cercaram o palácio do Catete, sede do governo, exigindo a renúncia do presidente.
  18. 18. Dutra (1945 – 1950) O ministro do Supremo Tribunal Federal, José Linhares ocupou a presidência até a realização das eleições. O brigadeiro Eduardo Gomes era o candidato da UDN e o favorito para vencer o pleito. No entanto, prevaleceu a influência de Vargas sobre as massas e seu apoio ao candidato do PSD, Eurico Gaspar Dutra que saiu vitorioso. Primeiro presidente eleito pelo voto direto desde 1926, Dutra desfrutou de estabilidade política sobretudo porque os partidos que o elegeram, eram maioria na Câmara Federal. Vargas foi eleito senador pelo Rio Grande do Sul mas ainda enfrentava muitas críticas e denúncias.
  19. 19. Plano SALTE Contando com empréstimos norte-americanos, o governo Dutra buscou elaborar um plano econômico que beneficiasse as classes trabalhadoras e também modernizasse a infra-estrutura necessária para o aumento da produção industrial. O Plano Salte, elaborado com a orientação dos Estados Unidos, priorizava investimentos em quatro áreas: saúde, alimentação, transporte e energia. No entanto, as medidas oficiais não tiveram continuidade e as verbas públicas destinadas aos setores sociais não foram suficientes. O projeto governamental teve poucos resultados práticos e foi abandonado em 1950. A inflação não foi controlada e o salário mínimo permanecia congelado desde 1942 o que dificultava a vida da população trabalhadora. Várias categorias entraram em greve: os bancários, os metalúrgicos, os ferroviários.
  20. 20. Constituição de 1946 Promulgada em 18 de setembro, restaurava a ordem democrática e liberal, contando com a independência dos três poderes e amplas liberdades individuais. O governo ainda realizou intervenção nos sindicatos e Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT). Preservou o centralismo estatal do Estado Novo e decretou a cassação do Partido Comunista Brasileiro (PCB) Ressurgiu uma onda anticomunista no país e o Brasil rompeu relações diplomaticas com a URSS. Em 1949 foi criada a Escola Superior de Guerra (ESG), organizada segundo um modelo proposto pelos Estados Unidos. fechou a
  21. 21. A volta de Vargas Vargas voltou ao poder de 1951 a 1954, com 48, 7% dos votos. Demonstrou posição contrária em relação aos Estados Unidos denunciando que empresas norte-americanas com filiais no Brasil estavam roubando a riqueza do país ao remeter para suas matrizes boa parte dos lucros que conseguiam aqui. Vargas limitou as remessas de lucro para 8% (anual) do valor do investimento realizado no país. Em 1953, o presidente Getúlio Vargas criou a Petrobrás e instituiu o monopólio estatal no setor com a campanha “O petróleo é nosso. Enfrentando um conturbado momento político, Vargas nomeia João Goulart como Ministro do Trabalho.
  22. 22. Morte de Vargas No dia 5 de agosto de 1954, Carlos Lacerda, jornalista que fazia forte oposição a Vargas, sofreu um atentado no qual morreu seu guardacostas Rubens Florentino Vaz. Gregório Fortunato, chefe da guarda pessoal de Vargas, contratou dois pistoleiros para assassinar Lacerda. Acusado de mandante do crime, Vargas foi pressionado pela oposição, principalmente das forças Armadas. Sob a ameaça de um golpe, Getúlio suicidou-se com um tiro no coração na madrugada de 24 de agosto de 1954.
  23. 23. Brasil Colônia Imagem produzida pelo pintor francês Jean Batiste Debret, que esteve em viagem pelo Brasil durante o século XIX
  24. 24. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL • Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). • Monocultura. • Agro-exportação. • Latifúndio. • Escravismo. • Pacto Colonial (monopólio de comércio da metrópole sobre a colônia). Jean Baptista Debret.
  25. 25. O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 – 1530): • Brasil em 2º plano: comércio com as Índias + ausência de metais preciosos. • Pau-Brasil • • • • Fabricação de tintura para tecidos. Exploração nômade e predatória. Escambo com índios. Incursões estrangeiras (Espanha e França). • Expedições (fracasso). • Colonização: • • guarda-costas Medo de perder as terras para invasores. Decadência do comércio com as Índias. • Esperança de encontrar metais preciosos.
  26. 26. ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO BRASIL COLÔNIA As Capitanias Hereditárias: – 15 lotes horizontais de terra entregues pelo rei a membros da corte de sua confiança. – Carta de Doação: documento que transferia a posse da terra. – Capitão Donatário – aquele que recebe um dos lotes de terra. – Carta Foral: direitos e deveres dos donatários. Direitos – aplicar a justiça, escravizar índios e doar sesmarias. Deveres – fundar povoados, cobrar impostos e defender o território. Privilégios metropolitanos: 100% sobre o Pau Brasil. 100% sobre as drogas do sertão. 20% sobre metais preciosos. 10% sobre a produção agrícola.
  27. 27. • Os Governos Gerais: • Correção de erros das Capitanias . • Centralização Administrativa. • Cargos auxiliares: Ouvidor-mor (justiça),Provedor-mor (tesouro – cobrança de impostos), Capitão-mor (defesa). • Tomé de Souza (1549 – 1553): Salvador (capital), doação de sesmarias, criação de engenhos, criação do primeiro bispado do Brasil, vinda de jesuítas; • As Câmaras Municipais: • Instâncias de poder local. • Homens bons (homens brancos e ricos proprietários de terra). Governador Geral Ouvidor Mor Provedor Mor Capitão Mor Justiça Finanças Defesa
  28. 28. • • • • • • • • O “CICLO” DO AÇÚCAR Séc. XVI e XVII (auge). : Nordeste (BA e PE). Litoral. Solo e clima favoráveis. Experiência de cultivo (Açores, Cabo Verde e Madeira). Mercado consumidor. Alto valor na Europa. Participação de capital holandês: financiamento da produção, transporte, refino e distribuição na Europa. • Engenhos (unidade produtiva básica): – Casa Grande (residência do senhor de engenho e família). – Senzala (ambiente insalubre destinado aos escravos). Sociedade açucareira: – – – – Senhores. Escravos. Patriarcalismo. Ruralismo.
  29. 29. Outros produtos: • Suporte para a lavoura canavieira. • GADO (exploração do interior, couro, tração, carne, leite, pecuária extensiva, trabalho livre). • FUMO (troca por escravos na África). • DROGAS DO SERTÃO: produtos extraídos da floresta amazônica com relativo valor na Europa, tais como anil, guaraná, salsa, corantes, e sobretudo o cacau.
  30. 30. 1- casa-grande 2- capela 3- senzala 4- roda d'água 5- moenda 6- fornalha 7- cozimento do caldo 8- casa de purgar 9- roça 10- moradia trabalhadores livres 11- canavial 12- roça dos escravos 13- transporte de cana 14- transporte de lenha para a fornalha
  31. 31. Trabalho escravo: – ÍNDIOS: mais utilizados até aproximadamente 1560, utilizados em lavouras menos desenvolvidas ou mais pobres. – NEGROS: preferencialmente utilizados a partir de 1560, mãode-obra básica do Brasil durante todo o período colonial e imperial. Utilizados acima de tudo pelo fato de representarem uma fonte de lucro extra através do tráfico de escravos.
  32. 32. União Ibérica (1580 – 1640): • Período em que Portugal e Espanha foram governados pelos mesmos reis. Portugal foi dominada pela Espanha. • D. Sebastião (Portugal) morre em 1578 sem deixar sucessores. • D. Henrique, seu tio já idoso assume o trono e falece em 1580, também sem sucessores. Felipe II, rei da Espanha invade o país e impõe governo conjunto. • Possessões portuguesas passam a ser da Espanholas. • Acordo com nobreza portuguesa determina manutenção de órgãos administrativos portugueses nas colônias, portanto, internamente não houve alterações no Brasil. • Tratado de Tordesilhas começa a ser ultrapassado. • Inimigos da Espanha na Europa invadem o Brasil em represália ao governo espanhol. • Holanda, um dos inimigos da Espanha é impedida de fazer comércio em qualquer possessão espanhola. • Comércio do açúcar no Brasil que tinha participação holandesa é atingido. • Holandeses invadem o Brasil tentando romper o bloqueio espanhol ao comércio de açúcar.
  33. 33. As invasões holandesas (1624 – 1654): • Tentativa de romper o bloqueio econômico imposto pelo governo espanhol ao comércio do açúcar. • 1624 – Invasão da Bahia (fracasso). • Criação da Companhia das Índias Ocidentais – empresa holandesa responsável por viabilizar recursos para invadir novamente o Brasil. • 1630–54 – Invasão de Pernambuco (maior centro mundial de produção açucareira). • Maurício de Nassau – governante holandês responsável pelo controle de Pernambuco e estabelecer um clima amistoso com os brasileiros. – – – – – Modernização e urbanização. Embelezamento de cidades (com a vinda de artistas holandeses). Financiamento para donos de engenho. Liberdade de culto. Demitido em 1644 pela CIA. Das Índias Ocidentais. • Insurreição Pernambucana (1645–54): movimento luso-brasileiro que expulsou os holandeses do Brasil. – Início da crise do ciclo do açúcar, pois os holandeses ao saírem do Brasil instalam-se nas Antilhas (América Central), produzindo lá um açúcar mais barato
  34. 34. Baixa Idade Média (séc XI – XV) I. CARACTERÍSTICAS GERAIS  Decadência do Sistema Feudal  Estruturação do modo de produção capitalista.  Inovações técnicas: • moinho hidráulico, permitindo aos homens Medivais o acesso mais ágil à água. • Arado com rodas que agilizavam o cultivo da terra.
  35. 35.  Diminuição das guerras e das doenças provocando assim um aumento demográfico significativo na Europa.  Transformações básicas: - autossuficiência para a economia de mercado; - novo grupo social: burguesia; - formação das monarquias. II. A IDADE MÉDIA DOS SÉCULOS XI AO XV  Pressão demográfica que não era absorvida pela precária estrutura do sistema feudal.  Rearticulação do comércio a partir dos interesses da população excedente que migrou para os burgos (cidades comerciais)  Incidência de saques e ataques aos castelos e aldeias.  Necessidades de conquistas territoriais como forma de resolver a profunda crise social.  Organização das expedições militares-religiosas no oriente e no ocidente denominadas de CRUZADAS.
  36. 36. AS CRUZADAS “ uma peregrinação de cunho militar decidida pelo papa (Urbano II) que concede a seus participantes privilégios temporais e espirituais e lhes determina o objetivo de libertar o Sepulcro de Cristo, em Jerusalém”. H. E. Mayer e J. Richard
  37. 37. III. AS CRUZADAS  Movimento religioso e militar dos cristãos para retomar a Terra Santa (Jerusalém), que estava em poder dos mulçumanos.  Acomodação de excedentes populacionais  Busca de terras (nobreza)  Busca de aventura ou enriquecimento (pilhagens)  Absolvição dos pecados ou cura de enferminadades (peregrinação)  Interesse comercial (mercados italianos)
  38. 38. SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA DAS CRUZADAS:  CAMPO ECONÔMICO: se apresentavam como um contra-ataque da Europa Cristã para romper o cerco mulçumano que estivera submetida desde o século VIII.  CAMPO SOCIAL: foram, também, uma forma de aliviar a pressão demográfica no continente que ameaçava destruir o feudalismo.  CAMPO RELIGIOSO: para a Igreja Católica o movimento significou a possibilidade para a expansão da sua fé. Obs.: Neste momento tem-se a ideia de GUERRA SANTA.
  39. 39. CONSEQUÊNCIAS DAS CRUZADAS Apesar do fracasso no plano militar, as Cruzadas mudaram a face da Europa:  Possibilitando a reabertura do Mediterrâneo à navegação e ao comércio da Europa;  Proporcionando o reatamento das relações entre Ocidente e Oriente.  Contribuindo para a decadência do feudalismo e consequentemente reduziu o poder dos senhores feudais.  Influenciando no surgimento das burguesias
  40. 40. RETORNO DAS ATIVIDADES COMERCIAIS  Influência das Cruzadas no comércio: - os mercadores: burgueses - feiras e rotas de comércio  O aumento do comércio promoveu o desenvolvimento das cidades medievais. Grande parte destas antigas cidades tinha um núcleo fortificado com muralhas chamados burgo
  41. 41. RENASCIMENTO DAS CIDADES (SÉC. XV):  Formação dos burgos deram origem as cidades;  Crescimento das cidades em função do comércio  Cambistas e bancos estimulavam a circulação de moedas. CONSEQUÊNCIAS:       Isolamento dos feudos; Revoltas camponesas; Rotas Comerciais; Novas oportunidades; Monetarização; Pestes e Epidemias.
  42. 42. A Revolução Industrial • • • • • • • • Inglaterra, a partir do século XVIII Série de inovações tecnológicas Carvão Transformações econômicas Transformações políticas Transformações sociais Transformações culturais Transformações físicas
  43. 43. Por que na Inglaterra? • Condições políticas favoráveis (Revoluções Inglesas do século XVII) • Acúmulo de capitais (Ato de Navegação e exploração de colônias) • Mão-de-obra em abundância (cercamento dos campos) • Grande quantidade de matérias-primas • Mercados consumidores • Grandes reservas de ferro (máquinas) e carvão (combustível)
  44. 44. ... e as transformações geradas (ou agravadas) pela industrialização • Transformações econômicas: – aumento da produção – “barateamento” dos produtos (“lei da oferta e da procura”) – ruína dos artesãos – exploração dos trabalhadores (grande oferta de mão-de-obra) – aumento do poder econômico da burguesia
  45. 45. • Transformações políticas: – a burguesia passa a ser a classe mais importante da sociedade (mais poderosa) – A economia e a política passam a ser reguladas pelo mercado
  46. 46. • Transformações sociais: – surgimento de uma nova classe social: o proletariado (operários), classe explorada pela burguesia, dona dos meios de produção – surgimento de movimentos e teorias em defesa dos trabalhadores (ludismo, cartismo, socialismo,...)
  47. 47. • Transformações culturais: – individualismo – burguesia: busca do lucro – proletariado: luta pela sobrevivência – exploração dos trabalhadores (homens, mulheres e crianças) – o trabalhador é descartável
  48. 48. • Transformações físicas: – – – – poluição sem precedentes Desmatamento Danos irreparáveis à flora e à fauna cinza em lugar do verde – surgimento e crescimento de inúmeras cidades em torno das fábricas – Exploração subterrânea (carvão) – Abertura de estradas, caminhos, ferrovias

×