Bárbara IgnatoukBianca PelosiniLarissa CastroLuna MacielVinícius Sarti12.108.339-812.111.544-812.212.321-912.113.221-112.2...
LIVROS BASECriação de conhecimento na empresa-NONAKA, Ikujiro & TAKEUCHI, HiroAs Tecnologias da Inteligência- Lévy, Pierre...
AGENDACaracterísticas do ConhecimentoO Valor do ConhecimentoMercado do ConhecimentoConhecimento OrganizacionalHipertexto e...
POR QUE FALAR EM GESTÃO DO CONHECIMENTO?• Ainda pouco aplicado nas empresas• Maior interação interna e externa• Maior tran...
Elemento na forma brutaConjunto de dados analisadosInformação com uma utilidadeCARACTERÍSTICAS DO CONHECIMENTO
Enquanto o dado é somente uma mistura de códigos, a informação é a manipulaçãodos dados e o conhecimento é a abstração des...
INFORMAÇÃO X CONHECIMENTO• Passageira• Está em todo lugar• Envelhece• Vem até você• É de graça• Duradouro• Difícil de acha...
As novas mídias e internet geram uma informação gratuita.As informações que absorvermos acrescentam, defato, conhecimento ...
DAVENPORT E PRUSAK (1999): Considera que as organizaçõespossuem à sua disposição um “Mercado do Conhecimento”,presente tan...
MERCADO DO CONHECIMENTOBusca de maior valoragregado com maisConhecimento e TecnologiaConhecimento é visto como fonte deriq...
“Conhecimento Organizacional é a informação processada e embutida emrotinas e processos que possibilitam ações. É também o...
Enraizado nas ações nas ações e nas experiências corporais, ideais ou emoções dos indivíduosDificuldade e comunicação e co...
Expresso em palavrasCompartilhado na forma de dados, recursos visuaisTransmitido através de linguagem formal e sistemática...
ORIENTAIS X OCIDENTAIS Conhecimento Explícito Documentos, manuais e basesde dados computacionais Máquinas pra processar...
“A criação do conhecimento organizacional é uma interação contínua e dinamicaentre o conhecimento tácito e o conhecimento ...
Compartilhar e criar conhecimento tácito através da experiência direta.Tácito TácitoIndivíduo IndivíduoMatsushita: Um prob...
Tácito ExplícitoIndivíduo GrupoArticular conhecimento tácito através do dialogo e da reflexão coletiva.Expresso na forma d...
Troca e combinação de conhecimento através de meios como documentos, reuniões, conversastelefônicas ou redes de comunicaçã...
Aprender e adquirir novo conhecimento tácito na prática, aprender fazendo.Explícito TácitoOrganização IndivíduoGE: Program...
CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL - BA“O Ba é um lugar existencial, onde os participantes partilham seucontexto e criam novos si...
CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL - BA“Uma empresa pode ser vista como umaconficuração orgânica de vários ba onde aspessoas inte...
CRIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTONA EMPRESACONHECIMENTO ORGANIZACIONAL• DIFERENCIALComo a gestão doconhecimento é vis...
CRIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTONA EMPRESA• Reconhecer que a empresa não é uma armazenadora eprocessadora de informa...
Reconhecer o ser humano como potencial gerador de valor e riquezapara a empresa.CRIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTONA E...
I. Conjunto de nós ligados por conexões de maneira não linear.II. Sistema utilizado para a visualização de informação cujo...
MEMEXXANADUHIPERTEXTOVannevar Bush – Década de 40Theodore Nelson- Década de 70Década de 90HIPERTEXTO - HISTÓRIA
I. Princípio de metamorfoseA rede hipertextual está em constante construção e renegociação.Ex: Páginas de notícias como UO...
IV. Princípio de exterioridadeOs caminhos escolhidos em um hipertexto são de origem externa ao texto (vemde seu usuário).E...
Organização hipertexto: Trabalha em cima de uma base de conhecimentos,estruturada juntamente com equipes de projetos e neg...
A organização hipertexto édividida em 3 níveisinterconectados:I. Sistema de negóciosII. Equipe de projetosIII. Base de con...
Mecanismos de conhecimento/pensamentoMECANISMOSDOCONHECIMENTOESCRITALEITURAVISÃOAUDIÇÃOCRIAÇÃOAPRENDIZAGEM
EspaçoTempoPerfeiçãoUniãoConhecimentoSMALL PIECES LOOSELY JOINEDDAVID WEINBERGER
A limitação física não existe nas redes digitais. A inteligênciaartificial é aplicada para trazer a realizada cada vez mai...
A Web não ocupa espaço. A sua distância é determinada porLinks. O Mundo Real é determinado por distâncias mensuráveis,que ...
O tempo da Internet é seis vezes mais rápido do que otempo do mundo real.No Mundo Real o tempo é implacável e determinado,...
Mesmo que a Internet conecte as pessoas, ela acaba deixando aspessoas cada vez mais sozinhas.PERFEIÇÃOhttp://www.neurasene...
Harlem Shake: 1 bilhão de views em 40 dias.Mundo Real – Forma grupos através de pedido de aceitação.WEB – Forma grupos pel...
Adquirir conhecimento na Web é algo extremamente simples,proporcionada pela diversidade de usuários que colaboram coma int...
A CROWD OF ONE – THE FUTURE OF INDIVIDUAL IDENTITYJohn Henry ClippingerEVOLUÇÃOIDENTIDADEAMBIENTELINGUAGEMSOLUÇÕES
A CROWD OF ONE – THE FUTURE OF INDIVIDUAL IDENTITYJohn Henry ClippingerPós-IluminismoEvolução BiológicaAmbiente ComumInteg...
A CROWD OF ONE – THE FUTURE OF INDIVIDUAL IDENTITYJohn Henry Clippinger• Informações Mentirosas• Crimes Virtuais• Calúnia•...
LINGUAGEM• A capacidade de criação de sistemas de linguagem é o que diferencia ohomem das demais espécies• A linguagem não...
SCRUMFerramenta interativa, framework, utilizada para o planejamento egerenciamento de projetos de Softwares da maneira ma...
SCRUM - FUNCIONAMENTOReunião de Planejamento:Seleção e segregação das HistóriasLista de Necessidades do Cliente:Requisitos...
“Mas eu não tenho nenhuma dúvida de que os processos ágeis são os que mais se adaptam àscaracterísticas de projetos de des...
CASO LG NAS REDES SOCIAISVersão 1 Versão 2 Versão 3Evolução do Lay OutFigura 2 – Fan pageFonte: LG Eletronics, 2011I. Usuá...
CASO LG NAS REDES SOCIAISEquipe de Marketingsepara asinformaçõesemcategoriaseconceitosPlataformaLG LABCRIAÇÃO ECAPTURAGere...
CASO LG NAS REDES SOCIAISRESULTADOSI. Não há a aplicação de forma sistemática de Gestãodo ConhecimentoII. Identificado alg...
VIDEOhttps://www.youtube.com/watch?v=GErpyAsZa-w
BIBLIOGRAFIAWEINBERGER, David. Small pieces loosely joined: a unified theory of the web. New York: Basic,c2002. 223 p.NONA...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gestão do Conhecimento - Sistemas de Informação (FEI - 1º sem/2013)

766 visualizações

Publicada em

Trabalho de Gestão do Conhecimento apresentado na disciplina Sistemas de Informação do Professor Mateus Cozer no Centro Universitário da FEI.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
766
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
64
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestão do Conhecimento - Sistemas de Informação (FEI - 1º sem/2013)

  1. 1. Bárbara IgnatoukBianca PelosiniLarissa CastroLuna MacielVinícius Sarti12.108.339-812.111.544-812.212.321-912.113.221-112.206.170-8Centro Universitário da FEI – Professor Mateus CozerGestão do Conhecimento
  2. 2. LIVROS BASECriação de conhecimento na empresa-NONAKA, Ikujiro & TAKEUCHI, HiroAs Tecnologias da Inteligência- Lévy, PierreCriação de conhecimento na empresa-NONAKA, Ikujiro & TAKEUCHI, HiroAs Tecnologias da Inteligência-Lévy, PierrePierre Lévy é um filósofo da informaçãoque se ocupa em estudar as interaçõesentre a internet e a sociedade.Desenvolveu o termo "InteligênciaColetiva", um princípio onde asinteligências individuais são somadas ecompartilhadas por toda asociendade, potencializadas com o adventode novas tecnologias da informação ecomunicação, como a internet.
  3. 3. AGENDACaracterísticas do ConhecimentoO Valor do ConhecimentoMercado do ConhecimentoConhecimento OrganizacionalHipertexto e Organização HipertextoMecanismos do ConhecimentoWeb vs Mundo RealRelacionamento SocialSCRUMCaso LG nas Redes Sociais
  4. 4. POR QUE FALAR EM GESTÃO DO CONHECIMENTO?• Ainda pouco aplicado nas empresas• Maior interação interna e externa• Maior transparência de informações• Minimização de riscos• Agilidade nos processosESTRATÉGIA COMPETITIVADIFERENCIAL
  5. 5. Elemento na forma brutaConjunto de dados analisadosInformação com uma utilidadeCARACTERÍSTICAS DO CONHECIMENTO
  6. 6. Enquanto o dado é somente uma mistura de códigos, a informação é a manipulaçãodos dados e o conhecimento é a abstração dessas informações, ou seja, é a utilidadeatribuída informação.• Bem Intangível• Ferramenta Intelectual• Maior valor na empresa• Utilidade da Informação• Verdade• Inteligência• CertezaExemploDado: Alexander Fleming, umpesquisador científicoInformação: Alexander Fleming éum pesquisador científico que , emuma de suas pesquisas, descobriu aPenicilina.Conhecimento: Alexander Flemingé um pesquisador científico que, emuma de suas pesquisas, descobriu aPenicilina. A Penicilina é umantibiótico natural usado notratamento de doenças como ameningitebacteriana, pneumonia, faringite, sífilis, gonorreia dentre outrasdoenças.CARACTERÍSTICAS DO CONHECIMENTO
  7. 7. INFORMAÇÃO X CONHECIMENTO• Passageira• Está em todo lugar• Envelhece• Vem até você• É de graça• Duradouro• Difícil de achar• Perpétuo• Te leva mais longe• Qual o seu valor?VALOR DO CONHECIMENTO
  8. 8. As novas mídias e internet geram uma informação gratuita.As informações que absorvermos acrescentam, defato, conhecimento à nossa vida?Se a informação é de graça, a solução é venderconhecimento.I. Um ativo com alto potencial de reuso ealavancagem, mas também com potencialdepreciação rápida.II. Intangível cuja posse é compartilhada entre empresae funcionários.III. Conhecimento visto como estoque perde valorconstantemente.IV. Conhecimento visto como fluxo, por sua vez, podeevoluir e trazer benefícios de forma muito rápida.VALOR DO CONHECIMENTO
  9. 9. DAVENPORT E PRUSAK (1999): Considera que as organizaçõespossuem à sua disposição um “Mercado do Conhecimento”,presente tanto dentro das organizações como do lado externo.MERCADO DO CONHECIMENTODivididos em:I. Compradores: Indivíduos ou organizações que necessitam doconhecimentoII. Vendedores: detentores do conhecimentoIII. Corretores: intermedeiam e facilitam a troca entre os compradores e osvendedores
  10. 10. MERCADO DO CONHECIMENTOBusca de maior valoragregado com maisConhecimento e TecnologiaConhecimento é visto como fonte deriqueza, que aumenta quandocompartilhadoSociedadePós-IndustrialEra doConhecimentoI. ReciprocidadeII. AltruísmoIII. ReputaçãoSistemas de Preços: não costuma ter fluxo financeiro e nãopossui contratos formais .
  11. 11. “Conhecimento Organizacional é a informação processada e embutida emrotinas e processos que possibilitam ações. É também o conhecimentocapturado pelos sistemas, processos, produtos, regras e cultura daorganização”.“Uma empresa criadora de conhecimento são as empresas que criamconsistentemente novos conhecimentos, disseminam-no amplamente pelaorganização e o incorporam rapidamente em novas tecnologias e produtos, cujonegócio principal é a inovação constante”.MyerTakeuchi & NonakaCONHECIMENTO ORGANIZACIONAL
  12. 12. Enraizado nas ações nas ações e nas experiências corporais, ideais ou emoções dos indivíduosDificuldade e comunicação e compartilhamentoPodemos saber mais do que podemos expressarCONHECIMENTO TÁCITOCONHECIMENTO ORGANIZACIONAL
  13. 13. Expresso em palavrasCompartilhado na forma de dados, recursos visuaisTransmitido através de linguagem formal e sistemáticaCONHECIMENTO EXPLÍCITOCONHECIMENTO ORGANIZACIONALhttp://pt.wikipedia.org/wiki/Steve_Jobs
  14. 14. ORIENTAIS X OCIDENTAIS Conhecimento Explícito Documentos, manuais e basesde dados computacionais Máquinas pra processarinformações Conhecimento tácito Enraizado na ação e naexperiência do indivíduo Organismo vivoXModelo Universal de Criação do ConhecimentoCONHECIMENTO ORGANIZACIONAL
  15. 15. “A criação do conhecimento organizacional é uma interação contínua e dinamicaentre o conhecimento tácito e o conhecimento explícito. Essay interface é formedpeals transferencias entre os diverentes modos de conversão do conhecimento”CONHECIMENTO ORGANIZACIONALESPIRAL DO CONHECIMENTO
  16. 16. Compartilhar e criar conhecimento tácito através da experiência direta.Tácito TácitoIndivíduo IndivíduoMatsushita: Um problema durante um desenvolvimento de uma máquina domésticade fazer pão concentrou-se em como mecanizar o processo de sovar a massa, que éessencialmente um conhecimento tácito possuído pelos mestres padeiros.CONHECIMENTO ORGANIZACIONALSOCIALIZAÇÃO
  17. 17. Tácito ExplícitoIndivíduo GrupoArticular conhecimento tácito através do dialogo e da reflexão coletiva.Expresso na forma de metáforas, analogias, conceitos, hipóteses ou modelosCONHECIMENTO ORGANIZACIONALEXTERNALIZAÇÃOHonda: “Evolução do automóvel” (metáfora) / Esfera (analogia)
  18. 18. Troca e combinação de conhecimento através de meios como documentos, reuniões, conversastelefônicas ou redes de comunicação computadorizadas.Explícito ExplícitoGrupo OrganizaçãoKraft General Foods: Os dados do sistema de pontos de vendas dos varejistas sãoutilizados não apenas para descobrir o que vende bem mas também para criar “novasmaneiras de vender”CONHECIMENTO ORGANIZACIONALCOMBINAÇÃO
  19. 19. Aprender e adquirir novo conhecimento tácito na prática, aprender fazendo.Explícito TácitoOrganização IndivíduoGE: Programou 1,5 milhões de problemas potenciais e suas soluções em seu sistema de base dedados computadorizados. Elas podem ser usadas pelos membros de desenvolvimento de umnovo produto para “revivenciarem” o que os operadores telefônicos vivenciaram.CONHECIMENTO ORGANIZACIONALINTERNALIZAÇÃO
  20. 20. CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL - BA“O Ba é um lugar existencial, onde os participantes partilham seucontexto e criam novos significados através de interações.”Takeuchi & NonakaPode emergir emgrupos detrabalho, equipesde projetos,espaços virtuais...NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hiro. Gestão do conhecimento. Bookman, 2004. Pg 100.
  21. 21. CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL - BA“Uma empresa pode ser vista como umaconficuração orgânica de vários ba onde aspessoas interagem umas com as outras ecom o ambiente com base no conhecimentoque possuem e no significado que criam.” -Takeuchi & NonakaA Seven Eleven do Japão usa os locaisdas sete mil lojas no país como ba paracriar novo conhecimetoNONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hiro. Gestão do conhecimento.Bookman, 2004. Pg 101
  22. 22. CRIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTONA EMPRESACONHECIMENTO ORGANIZACIONAL• DIFERENCIALComo a gestão doconhecimento é vistanas empresas?• DINAMISMO• INCERTEZAS• ALTA COMPETITIVIDADEPorque aderir a essediferencial dentro domercado?Nonaka e Taukechi apontam a importância do conhecimento tácito (pessoal/humano)como grande potencial para a obtenção de vantagem competitiva.
  23. 23. CRIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTONA EMPRESA• Reconhecer que a empresa não é uma armazenadora eprocessadora de informações.Como criar oconhecimentodentro da empresa?• Desenvolvendo criatividade, inovação, interação humanae aprendizagem• Não buscar somente treinamentos e aulas• Enxergar o aprendiz como foco/investimento• Aprendiz deve participar efetivamente dacriação, comunicação e desenvolvimento da informaçãoComo desenvolver oconhecimentodentro da empresa?CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL
  24. 24. Reconhecer o ser humano como potencial gerador de valor e riquezapara a empresa.CRIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTONA EMPRESA• Conversas Internas• Bom Relacionamento Pessoal• Transparência de InformaçõesComo disseminar oconhecimentodentro da empresa?InteraçãoSocialCONHECIMENTO ORGANIZACIONAL
  25. 25. I. Conjunto de nós ligados por conexões de maneira não linear.II. Sistema utilizado para a visualização de informação cujos documentoscontêm referências internas para outros documentos (hiperlink).III. De fácil publicação, atualização e pesquisa de informação.IV. Sistema de hipertexto mais conhecido atualmente é a World WideWeb.Acessível a qualquer site de notícias, porexemplo. Sempre que clicamos em umlink, e somos remetidos para uma outrapágina que contém outros links, estamosdiante de um hipertexto.HIPERTEXTO
  26. 26. MEMEXXANADUHIPERTEXTOVannevar Bush – Década de 40Theodore Nelson- Década de 70Década de 90HIPERTEXTO - HISTÓRIA
  27. 27. I. Princípio de metamorfoseA rede hipertextual está em constante construção e renegociação.Ex: Páginas de notícias como UOL, TERRA.II. Princípio de heterogeneidadeOs nós e criações de uma rede hipertextual são heterogêneos (assumemdiversas formas ,como imagens, sons, palavras,etc).Ex: Facebook.III. Princípio de multiplicidade e de encaixe das escalasUma construção textual será ligada a uma rede de outros textos de modofractal (forma de representar elementos caóticos, micro representações dasestruturas de grandes elementos). Repercute na vida das pessoas.Ex: Mercado LivreHIPERTEXTO - CARACTERÍSTICAS
  28. 28. IV. Princípio de exterioridadeOs caminhos escolhidos em um hipertexto são de origem externa ao texto (vemde seu usuário).Ex: Instagram.V. Princípio de topologiaNos hipertextos tudo funciona por proximidade (precisam ser compatíveis).Tudo que se desloca deve utilizar-se da rede hipertextual tal como seencontra, ou então será obrigado a modificá-la.VI. Princípio de mobilidade dos centrosA rede possui permanentemente diversos centros, onde cada texto, som eimagem estão interligados (cada um possui um centro de significância próprio).Ex: Orkut.HIPERTEXTO - CARACTERÍSTICAS
  29. 29. Organização hipertexto: Trabalha em cima de uma base de conhecimentos,estruturada juntamente com equipes de projetos e negócios.Organização força-tarefa: Particularmente eficaz na realização de uma tarefa bemdefinida, com um prazo de conclusão.Organização hierárquica: Tradicionalmente utilizada em empresas.ORGANIZAÇÃO HIERÁRQUICA – FORÇA TAREFAHIPERTEXTO
  30. 30. A organização hipertexto édividida em 3 níveisinterconectados:I. Sistema de negóciosII. Equipe de projetosIII. Base de conhecimentoORGANIZAÇÃO HIPERTEXTONONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hiro. Gestão do conhecimento. Bookman, 2004. Pg 28
  31. 31. Mecanismos de conhecimento/pensamentoMECANISMOSDOCONHECIMENTOESCRITALEITURAVISÃOAUDIÇÃOCRIAÇÃOAPRENDIZAGEM
  32. 32. EspaçoTempoPerfeiçãoUniãoConhecimentoSMALL PIECES LOOSELY JOINEDDAVID WEINBERGER
  33. 33. A limitação física não existe nas redes digitais. A inteligênciaartificial é aplicada para trazer a realizada cada vez maispróxima do usuário (deixa de ser apenas virtual).Espaço WebMUNDO REAL X MUNDO WEBFonte: http://www.vidaecarreira.com.br/o-mundo-virtual-x-mundo-real/Fonte: http://www.elisaqueiros.wordpress.com
  34. 34. A Web não ocupa espaço. A sua distância é determinada porLinks. O Mundo Real é determinado por distâncias mensuráveis,que não consideram as necessidades do Homem.Espaço WebEspaço WebEspaço Mundo RealESPAÇOMUNDO WEB MUNDO REALhttp://biblioteca18de18.blogspot.com/2012/10/semana-del-libro-digital.htmlhttp://www.fiqueisabendo.com/curiosidades/9-de-abril-dia-da-biblioteca
  35. 35. O tempo da Internet é seis vezes mais rápido do que otempo do mundo real.No Mundo Real o tempo é implacável e determinado, na Web édeterminado pelo usuário.TEMPOhttp://www.neuraseneuronios.zip.net/ http://gfsolucoes.net/voce-sabe-onde-reclamar/
  36. 36. Mesmo que a Internet conecte as pessoas, ela acaba deixando aspessoas cada vez mais sozinhas.PERFEIÇÃOhttp://www.neuraseneuronios.zip.net/
  37. 37. Harlem Shake: 1 bilhão de views em 40 dias.Mundo Real – Forma grupos através de pedido de aceitação.WEB – Forma grupos pelos mesmos interesses.UNIÃOhttp://socialnewsdaily.com/9960/youtubes-harlem-shake-easter-egg-heres-how-to-find-it/
  38. 38. Adquirir conhecimento na Web é algo extremamente simples,proporcionada pela diversidade de usuários que colaboram coma internet.CONHECIMENTO NA WEBhttp://www.lucrandoweb.com/2012/09/o-segredo-para-o-sucesso-e-o-conhecimento/http://www.bloglecom.com.br/wp-content/uploads/2012/10/foto-1024x768.jpg
  39. 39. A CROWD OF ONE – THE FUTURE OF INDIVIDUAL IDENTITYJohn Henry ClippingerEVOLUÇÃOIDENTIDADEAMBIENTELINGUAGEMSOLUÇÕES
  40. 40. A CROWD OF ONE – THE FUTURE OF INDIVIDUAL IDENTITYJohn Henry ClippingerPós-IluminismoEvolução BiológicaAmbiente ComumIntegraçãoVerdadeInterdependênciaConfiançaReputação SocialSuperar LimitaçõesSistema Social
  41. 41. A CROWD OF ONE – THE FUTURE OF INDIVIDUAL IDENTITYJohn Henry Clippinger• Informações Mentirosas• Crimes Virtuais• Calúnia• Interesses Pessoais• Comunidades/Debates• Movimentos/Mobilizaçõeshttp://www.senado.gov.br/noticias/Jornal/emdiscussao/defesa-nacional/razoes-para-a-implementaao-da-estrategia-nacional-de-defesa/http://www.orkut.com
  42. 42. LINGUAGEM• A capacidade de criação de sistemas de linguagem é o que diferencia ohomem das demais espécies• A linguagem não pode ser vista simplesmente como um mecanismo deanalogia• Evolução biológica e científica: linguagem interpretada não somente comouma forma de expressão, mas sim como um mecanismo de integração / inclusãosocial (Reputação Social)CONCEITO CARTESIANO DA LINGUAGEMPALAVRA CONCEITO/SIGNIFICADOPALAVRA IDÉIAS IDÉIAS PALAVRA• Linguagem vista em um plano INTELECTUAL e não ACADÊMICODeve-se buscar o significado da palavraem seu conceito, e, não nas coisas nasquais ela serefere.
  43. 43. SCRUMFerramenta interativa, framework, utilizada para o planejamento egerenciamento de projetos de Softwares da maneira mais ágil possível.• Porque foi criado?• Qual é o objetivo da utilização do SCRUM?• Qual a vantagem em relação a prática atual?• Quais as vantagens com o uso do SCRUM?• Quando é recomendado utilizar o SCRUM?
  44. 44. SCRUM - FUNCIONAMENTOReunião de Planejamento:Seleção e segregação das HistóriasLista de Necessidades do Cliente:Requisitos do ProjetoInteração executada para odesenvolvimento do produto.Quanto maior o risco doprojeto, menor deve ser oSprint
  45. 45. “Mas eu não tenho nenhuma dúvida de que os processos ágeis são os que mais se adaptam àscaracterísticas de projetos de desenvolvimento de software, mais do que qualquer outra coisaque eu já tenha usado. Tivemos muito mais sucesso do que em qualquer outra iniciativa nahistória da empresa e as coisas acontecem muito mais e muito melhor do que aconteciamantes, mas mesmo assim ainda temos um caminho muito longo pela frente.”Guilherme Chapiewski – Programador especialista em desenvolvimento de Software do grupoGlobo.com – Depoimento dado após 2 anos do início da utilização do SCRUM na globo.comSCRUM
  46. 46. CASO LG NAS REDES SOCIAISVersão 1 Versão 2 Versão 3Evolução do Lay OutFigura 2 – Fan pageFonte: LG Eletronics, 2011I. Usuário como produtor das informações (novos hábitos ecomportamentos)II. Mídias sociais tornaram-se fontes inesgotáveis de ideias e possíveisinovaçõesIII. Necessidade da própria empresa em fomentar a interação entre osusuáriosIV. Aproximação dos consumidor, entendendo melhor suas necessidades eantecipando suas vontades
  47. 47. CASO LG NAS REDES SOCIAISEquipe de Marketingsepara asinformaçõesemcategoriaseconceitosPlataformaLG LABCRIAÇÃO ECAPTURAGerente de Produtoidentifica astendênciase oportunidadesdasideiasREFINAMENTOPesquisa eDiálogoAcompanhamento daspesquisasedesenvolvimento dastecnologiasGERENCIAMENTOAnálise deviabilidadeImplantação de umnovoproduto, nova campanha,alteração dacomunicaçãoDISSEMINAÇÃONovaspráticasna LGEEquipe de Marketingsepara asinformaçõesemcategoriaseconceitosPlataformaLG LABCRIAÇÃO ECAPTURAGerente de Produtoidentifica astendênciase oportunidadesdasideiasREFINAMENTOPesquisa eDiálogoAcompanhamento daspesquisasedesenvolvimento dastecnologiasGERENCIAMENTOAnálise deviabilidadeImplantação de umnovoproduto, nova campanha,alteração dacomunicaçãoDISSEMINAÇÃONovaspráticasna LGEPROCESSO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO DA LGE USANDO AS MÍDIAS SOCIASFonte: Autor “adaptado de” Meira, 2010.
  48. 48. CASO LG NAS REDES SOCIAISRESULTADOSI. Não há a aplicação de forma sistemática de Gestãodo ConhecimentoII. Identificado algumas práticas:a. Ba: fan page do Facebookb. Conversão do conhecimento tácito e explícitoIII. LGE não apresenta a estrutura HipertextoIV. A LGE não apresentou dados que comprovassevantagem competitivaProdutos / Marketing P&D37 MilUsuários110 MilFãs e 14Mil idéias2 MM deAcessos
  49. 49. VIDEOhttps://www.youtube.com/watch?v=GErpyAsZa-w
  50. 50. BIBLIOGRAFIAWEINBERGER, David. Small pieces loosely joined: a unified theory of the web. New York: Basic,c2002. 223 p.NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hiro. Gestão do Conhecimento. Bookman, 2004..CLIPPINGER, John Henry. A Crowd of One (Public Affairs, 2007).LÉVY, Pierre. As Tecnologias da inteligência : o futuro do pensamento na Era da informática, traduçãode Carlos Irineu da Costa.ARBULU, Thiago. Geração e difusão do conhecimento nas organizações utilizando as mídias sociais(TCC, 2011).<http://www.senado.gov.br/noticias/Jornal/emdiscussao/defesa-nacional/razoes-para-a-implementaao-da-estrategia-nacional-de-defesa>. Acesso em: 10 de abr. de 2013<https://www.youtube.com/watch?v=GErpyAsZa-w > Acesso em: 14 de abr. de 2013

×