A MEDICINA
    DESPORTIVA E O JUIZ
       DE FUTEBOL


21/2/2010   Deive Pacheco / Arilson Bispo   1
 O perfeito conhecimento das
        regras não é mais importante
        do que as possibilidades
        físicas, psíqu...
CONDIÇÕES PARA OS CANDIDATOS A
              ÁRBITRO


A) FATORES TÉCNICOS

1) Conhecimento profundo das
   regulamentaçõe...
CONDIÇÕES PARA OS
            CANDIDATOS A ÁRBITRO

B) Fatores Psíquicos, Intelectuais e Morais

1) Um mínimo de preparaçã...
CONDIÇÕES PARA OS
            CANDIDATOS A ÁRBITRO

 2) Imparcialidade absoluta.

 3) Acentuada atitude esportiva.

 4)...
CONDIÇÕES PARA OS
            CANDIDATOS A ÁRBITRO

5) Verdadeiro espírito de sacrifício e
  fortaleza de caráter. Um árbi...
CONDIÇÕES PARA OS
            CANDIDATOS A ÁRBITRO

 As qualidades de um árbitro(natas ou
     inatas) são suscetíveis de...
CONDIÇÕES PARA OS
            CANDIDATOS A ÁRBITRO


 O árbitro de futebol deve
     exercer sua atividade como
     um l...
CONDIÇÕES PARA OS
            CANDIDATOS A ÁRBITRO


 As regras exigem que o
    árbitro seja senhor do
    tempo, do esp...
CONDIÇÕES PARA OS
            CANDIDATOS A ÁRBITRO


 Quem apita precisa ter a
   consciência de que a sua
   infalibilid...
A VIDA SENSORIAL DO ÁRBITRO


 Arbitrar uma partida de futebol
     exige atenção total, ao mesmo
     tempo dirigida ao ...
A VIDA SENSORIAL DO ÁRBITRO


 Uma partida exige do árbitro
     uma parcela de atenção para
     resolver os problemas
 ...
A VIDA SENSORIAL DO ÁRBITRO

 A vida sensorial do árbitro é de
     grande valia e , quanto mais a bola
     corre, quant...
A VIDA SENSORIAL DO ÁRBITRO


  O intelecto colocado em segundo
      plano pela rapidez do jogo, acaba por
      quase n...
A VIDA SENSORIAL DO ÁRBITRO

 A revolta do intelecto tende a manifestar-
     se sob a forma de irritação. Irritação que
...
A VIDA SENSORIAL DO ÁRBITRO


 Apanhado em falta, o juiz em geral
    regride a uma atitude infantil: agride.
    È a hor...
Forte Personalidade



  Todo árbitro precisa ter
      destacada personalidade



21/2/2010         Deive Pacheco / Aril...
FIRMEZA
Se o árbitro não tiver firmeza de caráter,
  deixa influenciar-se:
1) Pela propaganda do técnico, ou mesmo
  pelo ...
FIRMEZA


4) Por pressões ambientais(dirigentes
  de clubes, familiares, etc.

5) Pelo comportamento dos atletas em
  camp...
INFLUÊNCIA

  Todos estes fatores, influenciando no
      comportamento do árbitro interferem
      no rendimento da part...
FATORES FISIOLÓGICOS OU
              MÉDICOS
1) Condições físicas:

Uma partida de futebol, por durar um
  bom tempo, tor...
FATORES FISIOLÓGICOS OU
              MÉDICOS

 A fadiga não deve afetar, em nenhum
     momento o trabalho do árbitro, p...
FATORES FISIOLÓGICOS OU
              MÉDICOS


  Deve exigir-se um grau de treinamento
   apropriado que lhe permita atua...
FATORES FISIOLÓGICOS OU
              MÉDICOS

 Não se pode compreender que não
     se apresente um árbitro em ótima
   ...
FATORES FISIOLÓGICOS OU
              MÉDICOS

 Se o árbitro não tiver condições
     físicas apreciáveis, naturalmente q...
FATORES FISIOLÓGICOS OU
              MÉDICOS

  Quem analisar o coeficiente das más
      atuações, concluirá que a maio...
CAPACIDADE VISUAL
 A todo árbitro deve-se exigir um rigoroso
     exame oftalmológico: acuidade visual,
     mobilidade d...
CAPACIDADE VISUAL


 O juiz de futebol precisa ter
     campo visual amplo, rapidez de
     deslocamento do foco atentivo...
ACUIDADE AUDITIVA
 A surdez parcial prejudica o juiz da
     competição e os competidores.

 Em quase todos os esportes,...
VELOCIDADE DE REAÇÃO

 Para julgar rapidamente uma
     infração, o árbitro deve ter uma boa
     velocidade re reação ps...
CAPACIDADE DE ATENÇÃO
                 PROLONGADA

 Não se pode permitir atuar a quem
   não possua capacidade de manter
...
CAPACIDADE DE ATENÇÃO
                 PROLONGADA
  A causa mais comum de desatenção
      é a falta de treinamento.

  ...
CAPACIDADE DE ATENÇÃO
                 PROLONGADA



   Um árbitro fadigado é um
        árbitro involuntariamente
      ...
FATORES IMPORTANTES
No trabalho de um árbitro exemplar, função
 difícil por circunstâncias técnicas, de
 ambiente, etc., p...
FATORES IMPORTANTES
 Ações rápidas, porém suáveis

 Decisões instantâneas, mantidas com
     firmeza

 Rapidez de avali...
FATORES IMPORTANTES
 Julgamento imparcial de situações
     especiais

 Grande controle emocional

 Singular resistênci...
FATORES IMPORTANTES

 Imparcialidade absoluta

 Segurança e confiança em si mesmo

 Nunca achar que sabe tudo

21/2/201...
APTIDÃO

O árbitro necessita ter aptidão e capacidade
 para executar sua tarefa, pois na
 arbitragem desportiva, como em q...
APTIDÂO
Precisa ainda, o árbitro, ter além do mais:

 conhecimento completo da técnica e
     regulamentação do esporte.
...
APTIDÂO
 Indiferença pela atuação em público

 Forte personalidade positiva

 Interesse pela profissão

 Coragem para ...
RESPONSABILIDADE



 O ÁRBITRO TEM A PRINCIPAL
     MISSÃO DE DIRIGIR, COORDENAR
     E DISCIPLINAR A COMPETIÇÃO.


21/2/...
RESPONSABILIDADE

 O árbitro representa a autoridade
     encarregada de solucionar questões
     surgidas entre as equip...
RESPONSABILIDADE


  A competição desportiva exige do
      árbitro lealdade de ação. Igualdade
      de direitos, devere...
FIM


21/2/2010   Deive Pacheco / Arilson Bispo   44
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Medicina Desportiva E O Juiz De Futebol

649 visualizações

Publicada em

Publicada em: Esportes
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
649
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Medicina Desportiva E O Juiz De Futebol

  1. 1. A MEDICINA DESPORTIVA E O JUIZ DE FUTEBOL 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 1
  2. 2.  O perfeito conhecimento das regras não é mais importante do que as possibilidades físicas, psíquicas e morais para ser um bom juiz de futebol. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 2
  3. 3. CONDIÇÕES PARA OS CANDIDATOS A ÁRBITRO A) FATORES TÉCNICOS 1) Conhecimento profundo das regulamentações e uma indispensável experiência, que só se consegue através da prática prolongada 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 3
  4. 4. CONDIÇÕES PARA OS CANDIDATOS A ÁRBITRO B) Fatores Psíquicos, Intelectuais e Morais 1) Um mínimo de preparação cultural. Um árbitro deve ter bom nível de discernimento, de julgamento e rapidez de decisão 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 4
  5. 5. CONDIÇÕES PARA OS CANDIDATOS A ÁRBITRO  2) Imparcialidade absoluta.  3) Acentuada atitude esportiva.  4) Disciplina e conduta exemplar, não só dentro do campo, como principalmente na sua vida cotidiana. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 5
  6. 6. CONDIÇÕES PARA OS CANDIDATOS A ÁRBITRO 5) Verdadeiro espírito de sacrifício e fortaleza de caráter. Um árbitro deve ser um exemplo para o desportista. Sua “autoridade moral” está em relação direta com esse conjunto de virtudes que o fará credor de respeito de todos: público, competidores e dirigentes. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 6
  7. 7. CONDIÇÕES PARA OS CANDIDATOS A ÁRBITRO  As qualidades de um árbitro(natas ou inatas) são suscetíveis de educação e desenvolvimento e algumas podem ser adquiridas 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 7
  8. 8. CONDIÇÕES PARA OS CANDIDATOS A ÁRBITRO  O árbitro de futebol deve exercer sua atividade como um líder. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 8
  9. 9. CONDIÇÕES PARA OS CANDIDATOS A ÁRBITRO  As regras exigem que o árbitro seja senhor do tempo, do espaço e do jogo. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 9
  10. 10. CONDIÇÕES PARA OS CANDIDATOS A ÁRBITRO  Quem apita precisa ter a consciência de que a sua infalibilidade é falível e de que a sua autoridade indiscutível é discutível. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 10
  11. 11. A VIDA SENSORIAL DO ÁRBITRO  Arbitrar uma partida de futebol exige atenção total, ao mesmo tempo dirigida ao lance, e difusa, distribuída sobre vários horizontes visuais, audíveis e táteis. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 11
  12. 12. A VIDA SENSORIAL DO ÁRBITRO  Uma partida exige do árbitro uma parcela de atenção para resolver os problemas simples, mas constantes, do próprio movimento 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 12
  13. 13. A VIDA SENSORIAL DO ÁRBITRO  A vida sensorial do árbitro é de grande valia e , quanto mais a bola corre, quanto melhor é o jogo, mais rapidez se exige dos reflexos, mais a vida sensorial torna-se preponderante na responsabilidade da arbitragem. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 13
  14. 14. A VIDA SENSORIAL DO ÁRBITRO  O intelecto colocado em segundo plano pela rapidez do jogo, acaba por quase não exercer qualquer controle sobre as decisões do árbitro, que tendem a automatizar-se 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 14
  15. 15. A VIDA SENSORIAL DO ÁRBITRO  A revolta do intelecto tende a manifestar- se sob a forma de irritação. Irritação que pode levar o árbitro a apitar demais, para interromper a crise, quando sente que o jogo começa a fugir de seu controle – uma atitude egoísta e anti-social. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 15
  16. 16. A VIDA SENSORIAL DO ÁRBITRO  Apanhado em falta, o juiz em geral regride a uma atitude infantil: agride. È a hora mais perigosa para o árbitro, porque ele sente que os reclamantes têm razão 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 16
  17. 17. Forte Personalidade  Todo árbitro precisa ter destacada personalidade 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 17
  18. 18. FIRMEZA Se o árbitro não tiver firmeza de caráter, deixa influenciar-se: 1) Pela propaganda do técnico, ou mesmo pelo capitão da equipe 2) Pela propaganda da imprensa ou da rádio 3) pela torcida ou opinião pública 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 18
  19. 19. FIRMEZA 4) Por pressões ambientais(dirigentes de clubes, familiares, etc. 5) Pelo comportamento dos atletas em campo 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 19
  20. 20. INFLUÊNCIA  Todos estes fatores, influenciando no comportamento do árbitro interferem no rendimento da partida. Portanto fatores internos e externos, agindo em convergência, vão influir no seu comportamento 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 20
  21. 21. FATORES FISIOLÓGICOS OU MÉDICOS 1) Condições físicas: Uma partida de futebol, por durar um bom tempo, torna-se estafante para o árbitro desde o ponto de vista físico e mental 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 21
  22. 22. FATORES FISIOLÓGICOS OU MÉDICOS  A fadiga não deve afetar, em nenhum momento o trabalho do árbitro, pois ela o torna deficiente  Deve exigir-se do árbitro um estado de saúde compatível com o esforço imposto pela natureza de seu trabalho 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 22
  23. 23. FATORES FISIOLÓGICOS OU MÉDICOS Deve exigir-se um grau de treinamento apropriado que lhe permita atuar sem esforço e com equilíbrio durante todos os momentos da competição 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 23
  24. 24. FATORES FISIOLÓGICOS OU MÉDICOS  Não se pode compreender que não se apresente um árbitro em ótima forma física, com um preparo corporal apreciável e com credenciais excelentes para o desempenho de sua funçao. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 24
  25. 25. FATORES FISIOLÓGICOS OU MÉDICOS  Se o árbitro não tiver condições físicas apreciáveis, naturalmente que suas falhas subirão de número, ultrapassando a média normal das possibilidades de insucesso 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 25
  26. 26. FATORES FISIOLÓGICOS OU MÉDICOS  Quem analisar o coeficiente das más atuações, concluirá que a maior percentagem de imprecisões técinas corre por conta das más condições físicas dos árbitros 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 26
  27. 27. CAPACIDADE VISUAL  A todo árbitro deve-se exigir um rigoroso exame oftalmológico: acuidade visual, mobilidade do globo ocular, visão noturna e perfeita distinção de cores  A capacidade visual é responsável por toda a garantia das arbitragens. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 27
  28. 28. CAPACIDADE VISUAL  O juiz de futebol precisa ter campo visual amplo, rapidez de deslocamento do foco atentivo e excelente visão marginal 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 28
  29. 29. ACUIDADE AUDITIVA  A surdez parcial prejudica o juiz da competição e os competidores.  Em quase todos os esportes, o ouvido é um sentido auxiliar poderoso  Insultos que os antidesportistas trocam nos jogos, sem que o árbitro perceba, pode alterar o resultado de uma partida 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 29
  30. 30. VELOCIDADE DE REAÇÃO  Para julgar rapidamente uma infração, o árbitro deve ter uma boa velocidade re reação psico-sensório- motriz  Deve ver, agir e decidir com excelente velocidade e eficiência. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 30
  31. 31. CAPACIDADE DE ATENÇÃO PROLONGADA  Não se pode permitir atuar a quem não possua capacidade de manter atenção durante período de tempo prolongado ou que seja suscetível de freqüentes momentos de distração 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 31
  32. 32. CAPACIDADE DE ATENÇÃO PROLONGADA  A causa mais comum de desatenção é a falta de treinamento.  A fadiga anula o poder de concentração mental e retarda a reação psicomotora, além de tirar precisão aos movimentos. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 32
  33. 33. CAPACIDADE DE ATENÇÃO PROLONGADA  Um árbitro fadigado é um árbitro involuntariamente deficiente. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 33
  34. 34. FATORES IMPORTANTES No trabalho de um árbitro exemplar, função difícil por circunstâncias técnicas, de ambiente, etc., podemos distinguir um conjunto de virtudes:  Absoluto domínio de si mesmo e do ambiente(competidores e público)  Inalterável paciência e boas maneiras. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 34
  35. 35. FATORES IMPORTANTES  Ações rápidas, porém suáveis  Decisões instantâneas, mantidas com firmeza  Rapidez de avaliação de tempo e distância 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 35
  36. 36. FATORES IMPORTANTES  Julgamento imparcial de situações especiais  Grande controle emocional  Singular resistência ás têndencias afetivas 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 36
  37. 37. FATORES IMPORTANTES  Imparcialidade absoluta  Segurança e confiança em si mesmo  Nunca achar que sabe tudo 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 37
  38. 38. APTIDÃO O árbitro necessita ter aptidão e capacidade para executar sua tarefa, pois na arbitragem desportiva, como em qualquer ramo da atividade humana, a falta de aptidões e de capacidade pode comprometer a idoneidade e deformar a impressão sobre a probidade profissional 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 38
  39. 39. APTIDÂO Precisa ainda, o árbitro, ter além do mais:  conhecimento completo da técnica e regulamentação do esporte.  Experiência sedimentada através da prática contínua  Indiferença pelas condições de tempo 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 39
  40. 40. APTIDÂO  Indiferença pela atuação em público  Forte personalidade positiva  Interesse pela profissão  Coragem para assumir responsabilidades e tomar decisões 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 40
  41. 41. RESPONSABILIDADE  O ÁRBITRO TEM A PRINCIPAL MISSÃO DE DIRIGIR, COORDENAR E DISCIPLINAR A COMPETIÇÃO. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 41
  42. 42. RESPONSABILIDADE  O árbitro representa a autoridade encarregada de solucionar questões surgidas entre as equipes e reparar prejuízos causados pela inobservância das regras ou dos princípios éticos que regem as regras da FIFA 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 42
  43. 43. RESPONSABILIDADE  A competição desportiva exige do árbitro lealdade de ação. Igualdade de direitos, deveres e oportunidade para todos, devendo o árbitro assumir atitude honesta, proba e leal no exercício das suas funções. 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 43
  44. 44. FIM 21/2/2010 Deive Pacheco / Arilson Bispo 44

×