RECENSÃO

                                                            JOSÉ PEDRO TEIXEIRA
A caminho                       ...
este último com «objectivos explícitos ou
sucintamente os seus pressupostos, meto-
                                       ...
Este novo complexo ideológico ocidental
institucional das populações muçulmanas
                                          ...
-
                                               jihad, são desmembradas e enjeitadas com
corpo conceptual próprio da ciên...
ocidentais de acordo com as suas próprias
remissões ao longo do texto, mau grado
                                         ...
quentemente, no entanto, uma extensão        Alcorão de José Pedro Machado, em detri-
desmesurada e o seu conteúdo poderia...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

João Vieira: Recensão "A caminho da Eurábia? Islamismo e multiculturalismo no espaço europeu."

1.047 visualizações

Publicada em

Recensão: A caminho
da Eurábia? Islamismo e multiculturalismo no espaço europeu.

Islamismo e Multiculturalismo. As ideologias após o fim da história, monografia da autoria de José Pedro Teixeira Fernandes,publicada em 2006.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.047
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

João Vieira: Recensão "A caminho da Eurábia? Islamismo e multiculturalismo no espaço europeu."

  1. 1. RECENSÃO JOSÉ PEDRO TEIXEIRA A caminho FERNANDES Islamismo e da Eurábia? Multiculturalismo. As Ideologias após islamismo o Fim da História e multiculturalismo Coimbra, Almedina, 2006, 343 páginas no espaço europeu João Pedro Vieira UMA SIMBIOSE IDEOLÓGICA INESPERADA A presente publicação, peculiar pela sua temática na literatura académica portuguesa, surge na sequência de um prolongado percurso de investigação do autor sobretudo marcado, em época mais recente e no que concerne à presente obra, por estudos relacionados com a história e a política turca. Para o tratamento da temática das sinergias ideológicas entre islamismo e multiculturalismo no seio das sociedades europeias, o autor, doutorado em Ciência Política e Relações Inter- nacionais pela Universidade do Minho e professor-coor- denador do ISCET, beneficia igualmente de um relevante capital intelectual ligado à teoria das Relações Inter- nacionais e da Economia Política, o qual dar outras perspectivas, dada a profunda mobiliza activamente na obra aqui apre- intersecção entre religião e política nele ciada. operada. De qualquer modo, o islamismo O corpo do trabalho, de estrutura sólida, deve ser prioritariamente entendido como clara e fluida, está dividido em cinco capí- ideologia política e não como simples tulos, a que se juntam por mais de oitenta matéria de cultura e religião, conforme páginas, após a conclusão, doze diversos advoga o autor. anexos. O islamismo, um dos eixos temá- ticos da obra, é aqui trazido na perspec- AVALIANDO DESAFIOS E RISCOS tiva particular da ciência política, o que, IDEOLÓGICOS E SOCIOPOLÍTICOS ressaltando – no que ao autor directamente A introdução da obra coloca o leitor em interessava – a dimensão essencialmente contacto imediato com o enquadramento política do fenómeno, não deve fazer olvi- genérico do estudo. Aí se apresentam 167 RELAÇÕES INTERNACIONAIS MARÇO : 2008 17 [ pp. 167-172 ]
  2. 2. este último com «objectivos explícitos ou sucintamente os seus pressupostos, meto- implícitos de conquista do poder» (p. 28): dologia e hipótese geral a demonstrar, objecto obrigatório, portanto, de crítica e assim como a organização do trabalho. discussão nos espaços públicos ociden- O autor considera que a transformação tais. recente de estruturas geopolíticas mun- Passados os pontos iniciais, são enun- diais cria condições para rever a tese da ciadas as três principais variantes do hegemonia global indisputada da demo- islamismo – radical, «capitalista», «multi- cracia capitalista liberal. Essa tese, porém, culturalista» – e avançada a sua contex- assenta numa visão redutora e eurocên- tualização e caracterização. As correntes trica do fenómeno político à escala glo- «capitalista» e «multiculturalista» recebem bal, dificilmente capaz de identificar maior destaque, porquanto aparentam «formas de competição ideológica» (p. 8) concentrar maior potencial expansivo e emergentes, nomeadamente o islamismo destabilizador entre as populações muçul- e o multiculturalismo. manas situadas no seio das sociedades Isso porque o eixo do conflito ideológico ocidentais e acarretar uma ameaça securi- se tem vindo a deslocar do campo da eco- tária latente. Em ambos os casos, ocorrem nomia política para o campo da cultura, fenómenos de apropriação e transforma- no âmbito de um processo de reconfigu- ção de produtos de uma «civilização» oci- ração e reestruturação política e ideoló- dental em vectores privilegiados de gica, quer nas sociedades ocidentais, quer proliferação ideológica do islamismo. no plano internacional; duplo espaço esse Enquanto o islamismo radical preconiza em que o islamismo, na sua complexidade o modelo da teodemocracia e do Estado e heterogeneidade, goza de um «signifi- - islâmico (teocrático) regido pela sharı ‘a, cativo potencial de expansão» (p. 11). praticando necessariamente uma fusão O primeiro capítulo do estudo, intitulado entre o religioso e o político, o modelo «O islamismo como ideologia não oci- dito «capitalista» adopta estratégias sub-rep- dental de ambição universalista», começa tícias de implementação do seu programa por tratar da genealogia do termo «isla- ideológico, afastando-se pontualmente de mismo», delimitando por empréstimo o reivindicações radicais e posições intran- seu conteúdo: o islamismo é um «amplo sigentes, e suscitando, em suma, uma sín- movimento que abrange todos os que pro- tese pragmática entre capitalismo e curam islamizar o ambiente onde se islamismo orientada para a reislamização encontram» (p. 27). A «tradição holística do todo sociopolítico. Já a corrente «mul- do Islão» (p. 26), o seu carácter totalizante, ticulturalista» apresenta-se como produto assim como o seu típico militantismo específico da interacção entre sociedades – com assíduo recurso a práticas de dissi- ocidentais e grupos muçulmanos imigra- mulação –, criam uma considerável ameaça dos; a sua actuação é moderada ou até securitária e sociológica nas sociedades progressista e os seus líderes tendem a ocidentais, razão prática pela qual é fun- monopolizar a representação mediática e damental distinguir o Islão do islamismo, 168 RELAÇÕES INTERNACIONAIS MARÇO : 2008 17
  3. 3. Este novo complexo ideológico ocidental institucional das populações muçulmanas entronca na necessidade ou exigência de imigrantes. Para o autor, o seu objectivo reconhecimento associada à defesa das geral será a islamização do sistema edu- minorias, da sua identidade e autonomia. cativo e dos estilos de vida, num investi- Depois de percorridos os fundamentos mento a longo prazo em países como a ideológicos do multiculturalismo, o autor Grã-Bretanha, a Holanda ou a Alemanha. delimita e trata dois modelos de «espaço O segundo capítulo trata da «conexão cul- multicultural», ambos eminentemente tural» entre os movimentos islamitas, políticos: o liberal/cidadania diferenciada a diáspora muçulmana na Europa e as popu- (modelo liberal multicultural da tipologia lações muçulmanas autóctones dos Balcãs. de Andrea Semprini) e o marxista-cultu- Adoptando a noção de «muçulmano so- ral/pós-moderno (multicultural «maxi- ciológico» – porventura excessivamente malista»). Apesar da sua heterogeneidade abrangente – e expondo as diversas limita- global, da concorrência de substanciais ções à formação de uma percepção fiável variações ou divergências de sensibilida- da expressão demográfica das populações des, ambas as correntes convergem na muçulmanas balcânicas, o autor apresenta ideia da obsolescência do modelo político as respectivas estimativas e leituras ideo- liberal clássico. lógicas antagónicas subjacentes – entre a A denúncia da opressão das minorias, do defesa e a diabolização do Islão –, as quais racismo, do imperialismo político ou cul- explicam a preferência de cifras maxima- tural, constitui factor de aproximação entre listas ou minimalistas. De seguida, é des- os discursos ideológicos islamita e mul- montada a expressão operativa «comuni- ticulturalista marxista-cultural. As simili- dade muçulmana», demonstrado o seu tudes ideológicas permitem, no limite, carácter redutor e desenvolvidos estudos o desenvolvimento de bloqueios intelectuais de caso sobre as realidades britânica, fran- que desembocam num «desarmamento cesa, holandesa, germânica e balcânica. intelectual» (p. 161) face ao islamismo no Torna-se assim patente a heterogeneidade geral, fenómeno assaz flagrante no mul- étnica, linguística e mesmo religiosa das ticulturalismo denominado marxista-cul- populações muçulmanas imigrantes e as tural. Trata-se, com efeito, da existência modalidades e dificuldades de relaciona- de um aparente défice crítico em relação mento entre essas populações e os esta- ao islamismo que é adicionalmente poten- dos europeus. ciado por uma atitude francamente nega- O multiculturalismo é o núcleo temático tiva e historicamente enraizada para com polarizador do terceiro capítulo. À seme- a cultura ocidental. Finalizando o capí- lhança do anteriormente efectuado com o tulo, o autor procede a uma desmontagem conceito de islamismo, o autor desenvolve do sistema de millet como modelo para- agora considerações sobre a genealogia digmático (e utópico) de Estado multi- do conceito de multiculturalismo, «pro- cultural, denunciando, entre outros erros, duto cultural estreitamente associado ao o anacronismo da retroprojecção de um universo cultural anglo-saxónico» (p. 122). 169 A caminho da Eurábia? islamismo e multiculturalismo no espaço europeu João Vieira
  4. 4. - jihad, são desmembradas e enjeitadas com corpo conceptual próprio da ciência polí- recurso a literatura especializada, aler- tica ocidental completamente estranho à tando-se para o risco que representam ao realidade histórica em causa. atribuir uma certa legitimidade às reivin- As similitudes discursivas e até ideológi- dicações de movimentos islamitas que cas entre multiculturalismo e islamismo vêem os territórios ibéricos como terra são aprofundadas no capítulo seguinte. ocupada a recuperar. Os antecedentes dessa aproximação levam A conclusão, encerrando o corpo do tra- o autor até Nietzsche e à colaboração activa balho, cinge-se genericamente ao resumo entre os regimes nacional-socialista ale- das principais e parciais conclusões adu- mão e fascista italiano com governos ára- zidas ao longo do estudo, em busca de bes-muçulmanos coetâneos. O autor finda uma síntese integradora, advertindo espe- por deduzir a ressurgência de um processo cialmente para o risco representado pela de aproximação entre radicalismos, convergência desestruturadora entre radi- nomeadamente entre partidos europeus, calismos políticos islâmicos e ocidentais quer de extrema-esquerda quer da extrema- no interior das sociedades de matriz civi- direita, e movimentos islamitas. Mas as lizacional ocidental. estratégias dos movimentos islamitas Segue-se, rematando a obra, um conjunto estendem-se outrossim ao uso da teolo- muito enriquecedor e pertinente de ane- gia, explorando pontos de contacto entre xos que abordam diferentes matérias, com as tradições religiosas cristãs e islâmicas, recurso alargado a extensas citações de e suavizando ou omitindo discrepâncias documentos ou literatura especializada, de fundo, à deturpação do conceito de - desde a sharı‘a (anexo 1), a sunna e os aha- «islamofobia» e à apropriação táctica dos - dith (anexo 2) ou a jihad (anexo 5), até diver- valores ocidentais para fins de reislami- sos decretos jurídico-religiosos (fatwa; zação. anexos 8-10) e a excertos da carta funda- O quinto e penúltimo capítulo trata da dora do Hamas (anexo 12). Este conjunto representação ideológica multiculturalista de anexos, para além de auxiliar a con- do al-Andalus medieval (711-1492), onde textualização e o suporte de toda a infor- se compendiam em traços largos as pers- mação tratada no corpo do trabalho, pectivas historiográficas de Castro e de permite abrir uma janela suplementar à Olagüe que, conquanto historiografica- forma mentis islâmica. mente ultrapassadas ou insustentáveis, ganharam particular relevância e aceita- ção entre os correligionários do multi- BALANÇO: VIRTUDES, LIMITAÇÕES culturalismo – exemplo da recente obra E PERSPECTIVAS da autoria de Sardar e Davis – e certos gru- Posta esta dilatada resenha dos conteúdos pos de muçulmanos imigrados. Estas e da obra, cabe agora deixar algumas obser- outras visões idealizadas e claramente vações mais demoradas sobre diversos orientadas do ponto de vista ideológico, aspectos de cariz mais metodológico e incidindo também sobre o al-Andalus e a conceptual. A abundância de citações e 170 RELAÇÕES INTERNACIONAIS MARÇO : 2008 17
  5. 5. ocidentais de acordo com as suas próprias remissões ao longo do texto, mau grado coordenadas. lhe confiram amplo suporte, parece por Isto, todavia, sem que o próprio autor deixe vezes colaborar para a construção de um de incorrer na reprodução de algumas des- discurso muito próximo, nas suas linhas sas imprecisões, nomeadamente no que de investigação e visões interpretativas, da respeita ao uso problemático ou impró- bibliografia – em que se estranha a ausên- prio dos termos «rito» (e.g., pp. 82 e 116) cia da referência aos estudos citados de e «clérigo» (p. 49). O primeiro deles, Samir Khalil Samir –, apagando um pouco visando exprimir o árabe madhhab, deve- a individualidade e originalidade do ria ser preterido em favor da expressão estudo. O seu principal mérito talvez resida «escolas teológico-jurídicas», adiante usada na abertura consistente de um campo de pelo autor (pp. 193 e 294). O termo madh- exploração na ciência política nacional hab designa genericamente modos espe- para uma temática até então na penum- cíficos de interpretação das fontes bra. Os principais desenvolvimentos da normativo-religiosas do Islão e o seu pro- obra caracterizam-se, portanto, pelo duto, extravasando a dimensão puramente esforço de síntese, especialmente visível jurídica ou ritual que o vocábulo «rito» lhe na conclusão, que carece em certa medida atribui de forma redutora. de rasgo interpretativo, quase circunscrita No que respeita ao termo «clérigo», a sua à reunião das principais conclusões ou aplicação à realidade iraniana é pertinente, informes expostos ao longo do trabalho. dado o protagonismo político e institu- A discussão das potencialidades e limita- cional da hierarquia religiosa, não dei- ções do multiculturalismo e sua conexão xando, contudo, de revestir essa realidade com o islamismo poderia ter sido desen- de contornos ocidentais. Apesar das simi- volvida, considerando a relevância atri- litudes com a realidade institucional cató- buída ao plano social, com aportações da lica, não existe propriamente ordenação esfera da psicologia social, dado o carác- sacramental nem sacerdócio no Islão: na ter estruturante de fenómenos como o pre- generalidade do mundo islâmico, não conceito e o estereótipo, consequência de existe uma tal instância necessária de processos de construção identitária e dinâ- mediação entre as esferas humana e divina, micas inerentes à sua existência social. o que poderia ter sido assinalado. É perceptível desde a introdução um De notar também, a par da preocupação esforço muito relevante no sentido da pela desmontagem de ideias preconcebi- desarticulação de lugares-comuns, falá- das e simplificações abusivas, a opção trans- cias ou simples paralogismos discursivos versal de contextualização histórica das cuja ocorrência parte, não raro, da lite- problemáticas abordadas, o esforço de ratura especializada ou dela se estende. enquadramento personalizado de cada uma, É reconhecida a necessidade de apreen- amiúde reforçado por notas de rodapé são de um contexto ideológico que se rege prolixas e pelos diversos anexos já men- por estruturas conceptuais e modos de cionados. As notas de rodapé assumem fre- representação da realidade diferentes dos 171 A caminho da Eurábia? islamismo e multiculturalismo no espaço europeu João Vieira
  6. 6. quentemente, no entanto, uma extensão Alcorão de José Pedro Machado, em detri- desmesurada e o seu conteúdo poderia even- mento da edição da SPORPRESS utilizada tualmente ter enriquecido directamente o pelo autor. A liberdade frequentemente corpo do trabalho ou os anexos. tomada nesta tradução leva a distorções De registar ainda a não uniformização das significativas de conteúdo, caso do v. 2:105 citações de textos (nem sempre traduzi- (não utilizado pelo autor), cuja tradução das), a não vernacularização integral de nega o sustentáculo alcorânico de refe- - alguns estrangeirismos (e.g., kizilbaxes), rência para a teoria da ab-rogação (nasikh - wa mansukh). casos de hifenização aparentemente des- necessária (e.g., socialismo-comunista) e Aguardar-se-ão próximos estudos em que a persistência do galicismo «Corão», em o autor possa aprofundar a sua visão sobre detrimento do vocábulo português «Alco- a temática do islamismo e do multicultu- rão», tudo isto apesar de manifestas preo- ralismo e alargar o espaço de reflexão cupações de consentaneidade com a estru- nacional sobre tais temáticas, com even- tura lexical portuguesa (p. 167, n. 2). tuais desenvolvimentos sobre os contex- Deveria ter sido preferida a tradução do tos balcânico e turco. 172 RELAÇÕES INTERNACIONAIS MARÇO : 2008 17

×