Autor: António Mota Ilustrador: Bruno Castro Quando vem a noite
Quando vem a noite a  chuva  cai.
Se cai de mansinho  não oiço nada.  Mas se cai apressada ouço-a bater  nas telhas do telhado que fica zangado  por ter de ...
- Para onde vais, chuva? Pergunto eu, estremunhado.  E ela responde sempre a correr, sempre apressada:
- Vou lavar as ruas  praças e calçadas
vou regar as flores  os prados e montes  vou matar a sede  aos bichos da terra
e dar um abraço  a todas as fontes.
Estendo a mão e fica molhada. Lá se foi a chuva  sempre apressada.
...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Quando vem a noite

2.885 visualizações

Publicada em

O Bruno, aluno da E.B.2,3 de Jovim, ilustrou o poema de António Mota.

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.885
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
920
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Quando vem a noite

  1. 1. Autor: António Mota Ilustrador: Bruno Castro Quando vem a noite
  2. 2. Quando vem a noite a chuva cai.
  3. 3. Se cai de mansinho não oiço nada. Mas se cai apressada ouço-a bater nas telhas do telhado que fica zangado por ter de acordar de madrugada.
  4. 4. - Para onde vais, chuva? Pergunto eu, estremunhado. E ela responde sempre a correr, sempre apressada:
  5. 5. - Vou lavar as ruas praças e calçadas
  6. 6. vou regar as flores os prados e montes vou matar a sede aos bichos da terra
  7. 7. e dar um abraço a todas as fontes.
  8. 8. Estendo a mão e fica molhada. Lá se foi a chuva sempre apressada.
  9. 9. ...

×