Trabalho de contabilidade hoteleira

449 visualizações

Publicada em

Surgimento da Hotelaria, Classificação de Hotéis.

Publicada em: Marketing
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de contabilidade hoteleira

  1. 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS COLEGIADO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE HOTELEIRA Antônio José dos Santos Eliomar Junior Márcia Valéria Tassiane Almeida Vamares Souza Atividade de Campo(extraclasse) – 2º Crédito TEMA: LEVANTAMENTO DAS EMPRESAS HOTELEIRAS NA MICRO REGIÃO DE ILHÉUS- ITABUNA Aplicado ao Ecoporan Hotel Charme Spa & Eventos ILHÉUS – BAHIA 2015
  2. 2. 1 – INTRODUÇÃO A hotelaria é uma indústria de serviços que possui suas próprias características organizacionais. Sua principal finalidade é o fornecimento de hospedagem, segurança, alimentação e demais serviços inerentes à atividade de receber. Nesse sentido, existe no mercado empresas com estruturas e serviços diferenciados para atender aos turistas dos mais variados segmentos, ou seja, meios de hospedagem com tipos e categorias de distintos. No Brasil a cada ano aumenta a tradição no setor hoteleiro. Aqui, a hotelaria teve origem com as hospedarias pertencentes aos portugueses, na maioria das vezes localizadas na própria moradia do proprietário. O primeiro hotel, de classe internacional, foi instalado no Rio de Janeiro em 1816, sendo de propriedade do francês Louis Pharoux. A partir de então, surgiram pequenos hotéis, que incorporavam características de hotéis europeus em seus serviços e instalações. Somente após a Segunda Guerra Mundial, com as grandes transformações tecnológicas e o desenvolvimento industrial crescente, a hotelaria brasileira passou a se aperfeiçoar e criar conceitos próprios, diferenciando as diversas categorias de estabelecimentos e criando regras e normas que direcionassem suas atividades. 2 – CONTEXTO HISTORICO. O hotel teve sua origem em paralelo ao desenvolvimento do comércio entre as cidades. As rotas comerciais na Ásia, Europa e África, na Antigüidade, originaram núcleos urbanos e o conseqüente surgimento de hospedarias para servir os viajantes que por ali passavam. Na Idade Média, mosteiros também serviram como hospedagem para os viajantes. Posteriormente, com a instituição da Monarquia na maioria dos países da Europa, os próprios palácios desempenharam o papel de hospedagens, sempre no contexto de cortesia. A hospedagem, como atividade financeira, surge somente no final do século XVIII com a Revolução Industrial e o desenvolvimento do capitalismo. Após a Segunda Guerra Mundial, nos países desenvolvidos, houve um grande crescimento econômico e, por consequência, a ampliação da renda da população, o que acarretou um grande aumento no número de viajantes. No Brasil, a atividade hoteleira começou logo no período colonial, os viajantes hospedando-se nos casarões das cidades, nos conventos, nas grandes fazendas e,
  3. 3. principalmente, nos ranchos à beira da estrada. A chegada da corte real portuguesa ao Rio de Janeiro em 1808 e, posteriormente, a abertura dos portos levaram a um aumento do fluxo de pessoas, fazendo com que casas de pensão, hospedarias e tavernas abrissem suas portas aos viajantes. No início do século XX, a escassez de hotéis levou o Governador do Rio de Janeiro a criar o Decreto-Lei nº 1.100, de 23 de dezembro de 1907, que isentava de impostos municipais, por sete anos, os cinco primeiros hotéis que se instalassem na cidade. Em 1908, foi inaugurado o primeiro grande hotel na cidade: chamava-se O Avenida e possuía 220 apartamentos. Somente a partir da década de 30 do século XX começaram a ser instalados os hotéis de grande porte. Sua ocupação era promovida pelos cassinos que funcionavam nas mesmas instalações. Porém, com a proibição dos jogos de azar, em 1946, muitos hotéis fecharam suas portas. Com a criação da Embratur (Empresa Brasileira de Turismo) e do Fungetur (Fundo Geral de Turismo), retornaram os incentivos fiscais, promovendo nova ascensão do ramo. Nos anos 60 e 70, inicia-se a chegada de redes hoteleiras internacionais, marcando uma nova fase da hotelaria brasileira. Quadro-resumo: Hotelaria no mundo  Antigüidade · Estâncias hidrominerais instaladas pelos romanos na Inglaterra, na Suíça e no Oriente Médio. · Pontos de paradas de caravanas.  Idade Média · Mosteiros que acolhiam os hóspedes. · Acomodações junto aos postos de articulação dos correios. · Abrigos para cruzados e peregrinos.  1790 · Surgimento de hotéis na Inglaterra, na Europa e nos Estados Unidos, no final do século XVIII, estimulado pela Revolução Industrial.  1850 · Áreas próximas às estações ferroviárias passam a concentrar os hotéis no final do século XIX e nos primeiros anos do século XX.  1870 · Introdução do quarto com banheiro privativo (apartamento).  1920 · Grande número de hotéis construídos, na década de 20, nos Estados Unidos da América e na Europa, graças à prosperidade econômica.  1950 · Novo surto de construção de hotéis nos anos 50, coincidindo com a era dos jatos e o grande incremento do movimento turístico mundial.  1970 · Entrada em operação dos Boeing 747, em 1969/1970. Fonte: Hotel – Planejamento e Projeto – SENAC. Quadro-resumo: Hotelaria no Brasil  1808 · Mudança da corte portuguesa para o Brasil, o que incentiva a implantação de hospedarias no Rio de Janeiro.  1907 · Primeira lei de incentivos para a implantação de hotéis no Rio de Janeiro.
  4. 4.  1946 · Proibição de jogos de azar e fechamento dos cassinos, o que inviabiliza os hotéis construídos para esse fim.  1966 · Criação da Embratur que viabiliza a implantação de grandes hotéis, incluindo as áreas da Sudam e da Sudene.  1990 · Entrada definitiva das cadeias hoteleiras internacionais no país. Fonte: Hotel – Planejamento e Projeto – SENAC. 3 – SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO. O Sistema de Classificação dos Meios de Hospedagem servem para orientar o mercado no que se refere a esses tipos e categorias de hotéis que compõem a oferta turística do país através de critérios que são analisados no processo de classificação desses estabelecimentos hoteleiros. No fim da década de 70 criava-se a classificação hoteleira como forma de ordenar o setor. O problema se deu na forma em que foram estabelecidos os requisitos, destinando 70% deles os aspectos construtivos, equipamentos e instalações e somente 30% aos serviços, um erro gravíssimo que, segundo Castelli (2003), comprometeu a qualidade dos serviços prestados nos meios de hospedagem da época, refletindo-se até no comportamento das gestões atuais. Para Duarte (2005) a classificação de categorias de hotéis de acordo com o número de estrelas surgiu nos países europeus. Segundo Castelli (2003), essa classificação é necessária para que o cliente possa ter oportunidade de escolha antecipada, grau de conforto adequado a suas necessidades e maior segurança em relação à qualidade dos serviços prestados no estabelecimento. Além de orientarem a sociedade em geral sobre os principais aspectos que distinguem as diferentes categorias e tipos de hotéis, orientam os consumidores, os empreendedores hoteleiros e a fiscalização. Duarte (2005), ainda apresenta duas maneiras de classificação de hospedagens, a americana que é definida pelo próprio hoteleiro e é baseada no preço das diárias, e a do Brasil que está fortemente ligada a uma pontuação predefinida ao empreendimento pela sua estrutura e prestação de serviço. Cândido & Vieira (2003) enfatiza que os critérios adotados para a classificação de hospedagem variam de país para país. Existem diferentes tipos de sistemas de classificação de hospedagens: a autoclassificação, classificação privada, e a classificação oficial (CASTELLI, 2003). Duarte (2005) disserta brevemente sobre o histórico das classificações hoteleiras e afirma que a primeira foi implantada no Brasil sobre a administração do Instituto
  5. 5. Brasileiro de Turismo (EMBRATUR). A partir de então foi elaborada uma planilha de avaliação, e a classificação era cedida de acordo com o cumprimento de cada estabelecimento aos requisitos propostos. Estes quesitos abrangiam a três áreas: os aspectos construtivos, instalações e equipamentos e serviços. No ano de 2002, a EMBRATUR, em convênio com a Associação Brasileira das Indústrias de Hotéis (ABIH), passou a elaborar uma nova classificação voltada aos meios de hospedagem com adesão voluntária. Petrocchi (2007), afirma que a Deliberação Normativa da EMBRATUR nº429, de 23 de Abril de 2002 formalizou e aprovou o Regulamento Geral dos Meios de Hospedagem e o Regulamento do Sistema Oficial de Classificação dos Meios de Hospedagem. Para ele, um dos objetivos desta classificação é promover o desenvolvimento da indústria hoteleira, classificando, categorizando e qualificando os meios de hospedagem no país, de acordo com as condições de conforto, comodidade, serviços e atendimento oferecidos. O NOVO SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM 2011. O Brasil, no entanto, não poderia ficar sem nenhum meio para definir os tipos e categorias dos estabelecimentos de hospedagem, sendo assim, o Ministério do Turismo iniciou os estudos para a implantação do novo Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) no ano de 2008, consciente de que preciso modernizar a estrutura, e inserir na hotelaria brasileira referências de padrão internacional. O novo Sistema brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) foi elaborado de forma participativa, por meio de uma ampla parceria entre o Ministério do Turismo, o Inmetro, a Sociedade Brasileira de Metrologia – SBM e a sociedade civil, e adotado como estratégia para o país, aumentando a competitividade do setor. Para solicitar a classificação é obrigatório que o meio de hospedagem esteja com o cadastro válido no sistema Cadastur. A classificação é, reconhecidamente, um instrumento de divulgação de informações claras e objetivas sobre meios de hospedagem, sendo um importante mecanismo de comunicação com o mercado. Possibilita a concorrência justa entre os meios de hospedagem do país e auxilia turistas, brasileiros e estrangeiros, em suas escolhas. O Sistema Brasileiro de Classificação estabeleceu sete tipos de Meios de Hospedagem, para atender a diversidade da oferta hoteleira nacional (Hotel, Resort,
  6. 6. Hotel Fazenda, Cama & Café, Hotel Histórico, Pousada e Flat/Apart-Hotel) e utiliza a consagrada simbologia de estrelas para diferenciar as categorias. Considerando que cada tipo de meio de hospedagem reflete diferentes práticas de mercado e expectativas distintas dos turistas (um Hotel 5 estrelas é diferente de uma Pousada 5 estrelas, por exemplo). O SBClass estabeleceu categorias específicas para cada tipo: 4 – CONCEITO DE HOTEL. Segundo CASTELLI (1992), “o hotel é um estabelecimento comercial de hospedagem, que oferece aposentos mobiliados, com banheiro privativo, para ocupação iminente ou temporária, oferecendo serviço completo de alimentação, além dos demais serviços inerentes à atividade hoteleira”. 5 – TIPOS DE HOTEL. Hotéis centrais: Localizam-se em áreas de intensa atividade comercial ou de lazer. Considerados hotéis urbanos. Próximos a restaurantes, teatros e sedes de empresas, entre outros. Hotéis não-centrais: Encontram-se em locais de fácil acesso ao centro e principais pontos da cidade. Visam atender a uma demanda específica, como a de áreas de atrativos turísticos. Hotéis econômicos: Devido a sua demanda ser de viajantes e executivos interessados somente em um bom apartamento para descansar, as instalações são mais simples, não necessitando de áreas de lazer, sauna, piscina e serviço de quarto 24 horas. Oferecem tarifas reduzidas, na proporção dos serviços prestados. Exemplos: hotéis de aeroportos, rodoviárias, entre outros.
  7. 7. Hotéis fazenda: São hotéis no meio rural, variando de uma simples pousada até um hotel de luxo, com infraestrutura de lazer. São instalações em ambiente rural com alguns elementos que lembram atividades agrícolas e pastoris. Fazenda-hotéis: Tem na produção agropecuária seu principal atrativo, razão pela qual permite aos clientes participar do dia-a-dia da atividade rural. Hotéis de selva: Localizam-se no meio de florestas. Possuem uma estrutura voltada ao lazer, tendo como público-alvo a classe alta e os estrangeiros. Conhecidos também como lodges. São exemplos o Hotel Ariaú Amazon Towers e o Amazon Village, ambos no Amazonas. Hotéis-cassino: São hotéis em que a renda principal resulta dos jogos de azar. No Brasil, com a proibição desses jogos em 1946, este tipo de hotel deixou de existir. Exemplos mais conhecidos de hotéis de cassino são os da cidade de Las Vegas, nos EUA. Hotéis históricos: Antigas instalações reconhecidas pelo poder público por sua importância histórica. PRÉ REQUISITO DE CLASSIFICAÇÃO. 1 – ESTRELA
  8. 8. 2 – ESTRELAS 3 – ESTRELAS  Serviço de recepção aberto por 18 horas e acessível por telefone durante 24 horas  Serviço de mensageiro no período de 16 horas  Área útil da UH, exceto banheiro, com 13 m² (mínimo 80%)  Banheiro nas UH com 3 m² (mínimo 80% das UH)  Troca de roupas de cama em dias alternados  Troca de roupas de banho diariamente  Serviço de lavanderia  Sala de estar com televisão  Televisão em 100% das UH  Canais de TV por assinatura em 100% das UH  Acesso à internet nas áreas sociais e nas UH  Serviço de facilidades de escritório virtual  Mini refrigerador em 100% das UH  Climatização (refrigeração/ventilação forçada/calefação) adequada em 100% das UH  Restaurante  Serviço de café da manhã  Área de estacionamento  Programa de treinamento para empregados  Medidas permanentes para redução do consumo de energia elétrica e de água  Medidas permanentes para o gerenciamento de resíduos sólidos, com foco na redução, reuso e reciclagem  Monitoramento das expectativas e impressões do hóspede em relação aos serviços ofertados, incluindo meios para pesquisar opiniões, reclamações e solucioná-las  Pagamento com cartão de crédito ou de débito
  9. 9. 4 – ESTRELAS  Serviço de recepção aberto por 24 horas.  Serviços de mensageiro no período de 24 horas.  Serviço de cofre em 100% das UH para guarda dos valores dos hóspedes.  Área útil da UH, exceto banheiro, com 15 m² (mínimo 90%).  Banheiros nas UH com 3 m² (mínimo 90%).  Berço para bebês, a pedido.  Facilidades para bebês (cadeiras altas no restaurante, facilidades para aquecimento de mamadeiras e comidas, etc).  Café da manhã na UH.  Serviço de refeições leves e bebidas nas UH (room service) no período de 24 horas.  Troca de roupas de cama e banho diariamente.  Secador de cabelo à disposição sob pedido.  Serviço de lavanderia.  Televisão em 100% das UH.  Canais de TV por assinatura em 100% das UH.  Acesso à internet nas áreas sociais e nas UH.  Mesa de trabalho, com cadeira, iluminação própria, e ponto de energia e telefone, nas UH, possibilitando o uso de aparelhos eletrônicos pessoais, Sala de ginástica/musculação com equipamentos.  Serviço de facilidades de escritório virtual.  Mini refrigerador em 100% das UH.  Climatização (refrigeração/calefação) adequada em 100% das UH.  Restaurante.  Serviço de alimentação disponível para café da manhã, almoço e jantar, Serviço à la carte no restaurante.  Bar  Área de estacionamento com serviço de manobrista  Mínimo de três serviços acessórios oferecidos em instalações no próprio hotel (por exemplo: salão de beleza, baby-sitter, venda de jornais e revistas, farmácia, loja de conveniência, locação de automóveis, reserva em espetáculos, agência de turismo, transporte especial, etc)  Medidas permanentes para redução do consumo de energia elétrica e de água  Medidas permanentes para o gerenciamento de resíduos sólidos, com foco na redução, reuso e reciclagem.  Monitoramento das expectativas e impressões do hóspede em relação aos serviços ofertados, incluindo meios para pesquisar opiniões, reclamações e solucioná- lasPrograma de treinamento para empregados  Medidas permanentes de seleção de fornecedores (critérios ambientais, socioculturais e econômicos) para promover a sustentabilidade.
  10. 10.  Medidas permanentes de sensibilização para os hóspedes em relação à sustentabilidade.  Pagamento com cartão de crédito ou de débito. 5 – ESTRELAS  Serviço de recepção aberto por 24 horas.  Serviço de mensageiro no período de 24 horas.  Serviço de cofre em 100% das UH para guarda dos valores dos hóspedesÁrea útil da UH, exceto banheiro, com 17 m².  Colchões das camas com dimensões superiores ao padrão nacional.  Banheiro nas UH com 4 m².  Disponibilidade de UH com banheira.  Roupão e chinelo em 100% das UH.  Berço para bebês, a pedido.  Facilidades para bebês (cadeiras altas no restaurante, facilidades para aquecimento de mamadeiras e comidas, etc)Café da manhã nas UH.  Serviço de refeições leves e bebidas nas UH (room service) no período de 24 horas.  Troca de roupas de cama e banho diariamente.  Secador de cabelo a disposição sob pedido.  Serviço de lavanderia.  Televisão em 100% das UH.  Canais de TV por assinatura em 100% das UH.  Acesso à internet nas áreas sociais e nas UH.  Mesa de trabalho com cadeira, iluminação própria, e ponto de energia e telefone, nas UH, possibilitando o uso de aparelhos eletrônicos pessoais.  Sala de ginástica/musculação com equipamentos.  Serviço de facilidades de escritório virtual.  Salão de eventos.  Serviço de guest relation/concierge.  Minirrefrigerador em 100% das UH.  Climatização (refrigeração/calefação) adequada em 100% das UH.  Restaurante.  Serviço de alimentação disponível para café da manhã, almoço e jantar.  Serviço à la carte no restaurante.  Preparação de dietas especiais (vegetariana, hipocalórica, etc).  Bar  Área de estacionamento com serviço de manobrista  Mínimo de seis serviços acessórios oferecidos em instalações no próprio hotel (por exemplo: salão de beleza, baby-sitter, venda de jornais e revistas, farmácia,loja de conveniência, locação de automóveis, reserva em espetáculos, agência de turismo, transporte especial, etc).
  11. 11.  Medidas permanentes para redução do consumo de energia elétrica e de água.  Medidas permanentes para o gerenciamento de resíduos sólidos, com foco na redução, reuso e reciclagem.  Monitoramento das expectativas e impressões do hóspede em relação aos serviços ofertados, incluindo meios para pesquisar opiniões, reclamações e solucioná-las.  Programa de treinamento para empregados.  Medidas permanentes de seleção de fornecedores (critérios ambientais)  Medidas permanentes de sensibilização para os hóspedes em relação à sustentabilidade.  Pagamento com cartão de crédito ou de débito. PASSO A PASSO PARA MONTAR UM HOTEL Para abertura de um Hotel ou de qualquer outro tipo de empresa é necessário o registro e legalização da sociedade empresária limitada, é necessário registro na Junta Comercial e, em função da natureza das atividades constantes do objeto social, inscrições em outros órgãos, como Receita Federal (CNPJ), Secretaria de Fazenda do Estado (inscrição estadual - ICMS), e Prefeitura Municipal (concessão do alvará de funcionamento – conforme a atividade pode requerer autorizações de órgãos responsáveis pela saúde, segurança pública, meio ambiente e outros). HOTEL EM ITACARÉ Itacaré está localizada na Costa do Cacau, no Litoral Sul do Estado da Bahia, a 234km ao sul de Salvador e 64km de Ilhéus. Situada às margens do Rio de Contas, entre o mar e um cinturão de Mata Atlântica preservada, Itacaré possui um povo alegre e uma diversidade única de belezas naturais que encantam e proporcionam interação direta com a natureza. Suas belíssimas praias com coqueirais, mar verde claro e areias brancas, são separadas por Costões e rodeadas por Mata Atlântica, rios, cachoeiras, restingas e manguezais. Essa diversidade de belas paisagens forma um cenário único e perfeito, para implantação de estabelecimento comercial de hospedagem. Itacaré tem uma excelente infraestrutura de hospedagem que oferece aos visitantes diferentes opções de instalações e serviços com qualidade, tanto para aqueles que exigem sofisticação e exclusividade, como para os que querem comodidade e conforto, ou ainda, para os que procuram opções simples e acolhedoras. São várias as
  12. 12. opções entre resorts, Hotéis, pousadas, chalés, bangalôs, flats, albergues, campings e casas de veraneio localizadas em diferentes pontos da cidade. O Hotel Villa Ecoporan pesquisado pelo nosso grupo, tem regime de turbação Simples, é enquadrado na classificação de 4 estrelas, com atividades de hospedagem, Alimentos e Bebidas e Eventos. Possui uma excelente infra- estrutura e ótima qualidade no serviço prestado, o melhor avaliado da cidade. O Hotel Villa Ecoporan, como qualquer outra organização é dividido em vários setores: Operação, Hoteleira, RH, Marketing, e Área Financeira. Em cada setor á varias funcionalidades. OPERAÇÃO HOTELEIRA É composto por: Governança, A&B, Recepção, Reservas. O departamento de governança do hotel tem como função primordial manter os apartamentos, lobby, áreas sociais e de serviço que lhe forem designadas em perfeitas condições de higiene, limpeza e conservação. O setor é comandado pela Chefe de Governança, que se reporta ao Gerente Geral. E tem como principais atribuições coordenar as atividades de arrumação diária dos apartamentos e planejar as atividades de faxina, com objetivo de manter as dependências sempre em bom estado de higiene, conservação e limpeza. A Governança também é responsável pela rouparia e lavanderia. Dentro do departamento de hospedagem a governança é o setor que requer o maior número de funcionários e também é o que lida com mais materiais e suprimentos. Devido a estes aspectos, a eficiência do setor está diretamente ligada à utilização de técnicas de controle dos recursos disponíveis. O departamento de Alimentos e Bebidas no hotel tem suas peculiaridades em relação à sua estrutura funcional. Afinal, nesse caso, dificilmente se trata apenas de um só restaurante ou bar, mas sim de um conjunto de serviços. Em tamanho, o departamento de A&B é, sem dúvida, o maior de um hotel. Em média, um terço dos funcionários pertence à área de A&B, deixando apenas dois terços distribuídos entre todos os outros setores. Outra peculiaridade interessante deste departamento é a possibilidade de atender clientes que não estejam hospedados. O que não acontece com outros setores, como lavanderia, telefonia etc. Isso significa que A&B pode arrecadar alta receita, mesmo com baixa ocupação do hotel.
  13. 13. O departamento de A&B requer um cuidado especial no que diz respeito aos seus controles, pois, da mesma forma que tem a possibilidade de arrecadar receita independente da ocupação do hotel, também tem gastos completamente fora dos padrões dos outros departamentos. Muitos insumos com os quais trabalha têm que ser comprados diariamente, como: hortaliças, frutas, pães, etc. Por isso, os funcionários dessa área têm que estar atentos às operações de Alimentos e Bebidas. O departamento de recepção, é responsável de atender aos clientes na recepção, atende ligações externas para fazer reservas, ajuda os hóspedes com a bagagem, acompanha o hóspede até o apartamento, entre outras. O Recepcionista é subordinado diretamente ao chefe da recepção. Faz o registro da entrada de hóspedes, o check-in, controla e realiza os lançamentos de contas referentes a cada hospedagem, presta constante atendimento aos hóspedes durante sua permanência, bloqueia apartamentos reservados, executa os procedimentos de saída do hóspede, o check-out e faz os acertos de contas. O Chefe da recepção: responde ao gerente de hospedagem. Supervisiona o trabalho dos recepcionistas, mensageiros, manobristas e do capitão-porteiro. Coordena os serviços prestados aos clientes VIP. O departamento de reservas, supervisiona a atividade diária desse setor, controla e atualiza o quadro de reservas e envia à recepção as reservas do dia seguinte, especificando os detalhes e serviços especiais que devem ser preparados para os hóspedes. RH - O Departamento de Recursos Humanos tem papel fundamental no constante aperfeiçoamento de todas as operações do hotel e na promoção do crescimento dos colaboradores. Cuida dos funcionários de todos os departamentos do hotel. É um departamento que dá apoio aos outros departamentos. As principais funções desse departamento são: recrutamento, seleção, orientação, treinamento e avaliação dos funcionários. Da mesma forma, trata da remuneração, das relações trabalhistas, segurança, saúde, questões jurídicas, entre outros aspectos da relação com os funcionários do hotel. MARKETING – responsável pela identificação do público alvo, do diferencial competitivo, e de toda parte de mídia social, site, emails, midias digitais, e propaganda. AREA FINANCEIRA – A área financeira do hotel Villa Ecoporan é dividido em 6 setores.
  14. 14. • Contabilidade (Terceirizada): responsável pela gestão financeira, pois registra todas as transações ou movimentações de recursos que envolvam valores monetários; é vista como a "central de informação" da gestão financeira. • Tesouraria: área que cuida de todos os pagamentos e recebimentos e administra o dinheiro que é mantido em caixa ou em contas bancárias para esse fim. • Faturamento: área que cuida da preparação e envio das contas. • Custos: área responsável pela apuração e controle dos custos dos serviços prestados. • Auditoria: área responsável pela verificação dos registros contábeis ou de quaisquer procedimentos que envolvam recursos financeiros. • Administração do capital de giro: consiste em gerenciar os recursos financeiros de que a organização necessita no seu dia a dia: quanto manter em caixa, em conta bancária, em investimentos de curto prazo e alta liquidez, administração dos estoques de materiais e outros insumos.
  15. 15. Referencia Bibliográfica http://www.turismo.gov.br/legislacao/?p=175 1. PORTARIA Nº 100, DE 16 DE JUNHO DE 2011 | MINISTÉRIO DO TURISMO 2. - ABIH MS - Associação Brasileira da Indústria de Hotéis 3. http://www.tripadvisor.com.br/static/popunder/close.html 4. http://www.villaecoporan.com.br/hospedagem/suite

×