Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                             Igreja Evangélica Assembléia de Deus
...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                             Igreja Evangélica Assembléia de Deus
...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                     Igreja Evangélica Assembléia ...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                    Igreja Evangélica Assembléia d...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                    Igreja Evangélica Assembléia d...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                               Igreja Evangélica Assembléia de Deu...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                     Igreja Evangélica Assembléia ...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                    Igreja Evangélica Assembléia d...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                Igreja Evangélica Assembléia de De...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                Igreja Evangélica Assembléia de De...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                               Igreja Evangélica Assembléia de Deu...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ebd 1º Tri 2010 LiçãO 06 07022010 SubsíDio

1.210 visualizações

Publicada em

Este subsídio traz ricos comentários para o incremento da lição 06 deste trimestre.
Com o titulo "O Ministério da Reconciliação", o Ev. Valter Borges, pastor da AD Thelma, centraliza seu foco em três pontos: "O que é Reconciliação?"; "O Ministério da Reconciliação"; e, "Uma mensagem a anunciar".
Espera-se, com isso, que os professores tenham um incremento valioso para suas aulas.
Que Deus os abençoe!!

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.210
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ebd 1º Tri 2010 LiçãO 06 07022010 SubsíDio

  1. 1. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br Lição 06 – CPAD – Jovens e Adultos Tema: 2º Coríntios Comentarista: Pr. Elienai Cabral LIÇÃO 06 – O MINISTÉRIO DA RECONCILIAÇÃO “E tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo e nos deu o ministério da reconciliação” (2 Co 5.18) Leitura Bíblica em Classe – 2 Coríntios 5.14, 15, 17-21 Objetivos: Conscientizar-se de que o ministério da reconciliação consiste na proclamação da obra expiatória do Senhor Jesus Cristo. Compreender que a grande motivação do ministério de Paulo era o amor de Cristo. Saber que o amor de Cristo nos constrange e transforma. Introdução Qual o fundamento do nosso ministério? No que consiste essa empreitada? Qual o conteúdo de nossas mensagens? Quantas vezes já ouvimos inúmeros pregadores proclamarem o Evangelho (boa nova) de amor com o “martelo do juízo”, declarando apenas a penalidade daqueles infelizes que não aceitam o Evangelho? Quão surpresos não ficamos quando somos (mal) “orientados” a cumprir obrigações religiosas para obter a salvação? Mensagens sem conteúdo bíblico, legalistas, sem sentido, extremamente emocionalistas, sem uma profunda exegese e atualização da mensagem, somada ao orgulho e a altivez daqueles que, erroneamente, pensam que o ofício ministerial tem um fim em si mesmo, onde especulam sem responsabilidade acerca de doutrinas fundamentais da Bíblia, tem contribuído para ofuscar, e, até mesmo, apagar da mente dos cristãos e cegar o pecador de que o verdadeiro conteúdo das Escrituras diz respeito ao ministério da reconciliação, “isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados, e pôs em nós a palavra da reconciliação” (2 Co 5.19). Dessa forma, insistimos na importância de que o conteúdo das mensagens fundamentadas nas Sagradas Escrituras necessita ter, essencialmente, em seu bojo, esse ministério, de tal forma que todos cheguem ao conhecimento do autor e consumador dessa maravilhosa dádiva de Deus: o perdão dos pecados para restaurar a comunhão, isto é, a reconciliação de Deus com o ser humano. www.iead-msbc.com.br 1
  2. 2. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br O que é reconciliação? O tema geral da lição deste trimestre gira em torno dos dizeres de Paulo “Eu, de muito boa vontade, gastarei e me deixarei gastar pelas vossas almas”. Com isso observamos o desprendimento do apóstolo em prol da Igreja do Senhor Jesus. Esse envolvimento com Cristo e sua obra com foco na busca das pessoas para Deus, o vocacionou a ser portador da palavra da reconciliação. Reconciliação, conforme nos informa o dicionário Michaelis, é o “ato ou efeito de reconciliar ou reconciliar-se”, isso significa o restabelecimento de relações, entre duas ou mais pessoas que andavam desavindas. Também tem o sentido de restabelecimento, é também relacionada à confissão de pecados com fim de voltar a ter comunhão novamente. Também é o ato solene pelo qual um convertido é recebido no seio da Igreja. O contrário de reconciliação é desavença ou desunião. Há uma ilustração de um autor desconhecido que diz que dois irmãos que moravam em fazendas vizinhas, separadas apenas por um riacho, entraram em conflito. Foi a primeira grande desavença em toda uma vida de trabalho lado a lado. Mas agora tudo havia mudado. O que começou com um pequeno mal entendido, finalmente explodiu numa troca de palavras ríspidas, seguidas por semanas de total silêncio. Numa manhã, o irmão mais velho ouviu baterem à sua porta. “Estou procurando trabalho. Talvez você tenha algum serviço para mim”. Respondeu o irmão mais velho: “Sim, claro! Vê aquela fazenda ali, além do riacho? É do meu vizinho. Na realidade é do meu irmão mais novo. Nós brigamos e não posso mais suportá-lo. Vê aquela pilha de madeira ali no celeiro? Pois use para construir uma cerca bem alta.”. Ao que o carpinteiro respondeu: “Acho que entendo a situação..., mostre-me onde estão a pá e os pregos”. O irmão mais velho entregou o material e foi para a cidade. O homem ficou ali cortando, medindo, trabalhando o dia inteiro. Quando o fazendeiro retornou, não acreditou no que viu, em vez de uma cerca, o carpinteiro construiu uma pequena ponte ligando as duas margens do riacho. O fazendeiro ficou enfurecido e falou: “Seu velho atrevido... não foi isso que mandei você construir!”. Mas, ao olhar novamente para a ponte viu o seu irmão se aproximando de braços abertos: “Você realmente é mais que um irmão... é um amigo muito especial... construindo esta ponte mesmo depois de todas as tolices que eu lhe disse!”. Num só impulso, o irmão mais velho correu na direção do outro e abraçaram-se, chorando no meio da ponte. Nesta ilustração temos os personagens (dois irmãos), a circunstância (brigados e separados), a necessidade (reconciliação), e, por fim, temos um promotor da reconciliação (carpinteiro). A importância do carpinteiro como intermediador e promotor da paz e da vida, foi essencial para a reconciliação entre esses dois irmãos. Sem ele, muito provavelmente, os www.iead-msbc.com.br 2
  3. 3. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br irmãos continuariam irremediavelmente separados, distantes e brigados por muito e muito tempo. A reconciliação é uma das coisas mais importantes da vida e o carpinteiro não se demorou em promover a paz entre aqueles irmãos. Essa intermediação foi primordial para que eles voltassem a ter a alegria de compartilhar a presença do outro. Assim fez, também, Cristo por nós, seres humanos, Ele promoveu a paz, morrendo por nós, para que tenhamos vida e vivamos para Ele mesmo, sabendo que “tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo...” 2 Co. 5.18. O significado etimológico de reconciliação é “mudança”, mas o uso sempre inclui a união de duas ou mais partes pela renovação de bases ou causas de desarmonia. A reconciliação é necessária para por fim à inimizade existente.1 O âmago do evangelho se encontra aqui, e esta secção toma seu lugar paralelamente a outras importantíssimas passagens paulinas. A salvação procede de Deus, devido à sua graça, na pessoa de Cristo Jesus, em sua missão de expiação e ressurreição. Também é humana no sentido que o livre-arbítrio humano deve aceitá-la; porém, nos é conferida por meio da fé, e mediante a agência ativa de Cristo e seu Espírito2. Mais à frente voltaremos nessa questão! O amor de Cristo fora demonstrado por conta da perca do próprio “eu”. Em 2 Co. 5.15, vemos comprovada essa atitude de Cristo: "E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou”. Isso tem múltiplas implicações: (1) O fato de que Cristo morreu por nós, tendo em vista o nosso bem, significa mais do que a mera liberdade do pecado, abre perante nós uma perspectiva completamente nova; (2) Essa perspectiva nos une à família divina, onde passamos a viver de acordo com a lei do amor (Gal. 2.20); (3) Somos, portanto, unidos em Cristo, trata-se de uma união mística, com um novo endereço, com certa identificação espiritual, que lança vistas para a eternidade e para os lugares celestiais; (4) Ele é a fonte e alvo de toda criação, assim vivemos para Ele; (5) Ele morreu por nós, assim vivemos para Ele. Na verdade somos identificados com Cristo, em sua morte e ressurreição, e isso se concretiza através do ministério do Espírito. Ele modifica nossas mentes sobre tudo ao nosso derredor, nos verdadeiros valores da vida. Portanto não admira que “vivamos para Ele”.3 “Quando um homem chega à presença de Deus, não o faz como uma alma despida, levando os pobres dons de sua própria criação; antes, chega como 1 Dicionário Bíblico Wycliffe.. 1ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, 1654 p. 2 O Novo Testamento Interpretado: versículo por versículo – volume 4. R. N. Champlin, Ph. D. 9ª Reimpressão – São Paulo: CANDEIA, 1995. 344 p. 3 Idem 346 p. www.iead-msbc.com.br 3
  4. 4. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br alguém cujos dons foram transfigurados e arrebatados para algo maior. A pobreza de sua obediência, a debilidade de sua submissão, e, a fragilidade de seu arrependimento passa para a força e o poder, em virtude de sua união com Cristo, mediante a fé e o amor. Surge nele uma gratidão profunda por demais para ser expressa por meio de palavras, bem como um senso de obrigação que não tolera nem negações e nem adiamentos”. (VINCENT TAYLOR. Jesus and His Sacrifice. 317 p.) A base da reconciliação é o amor. O pai estabeleceu essa lei, sendo Ele o exemplo supremo dessa prática. O Filho executou o plano de Deus movido pelo amor. O Espírito Santo cultiva o amor como a base de todas as demais virtudes espirituais e assim aprendemos (através do desenvolvimento espiritual) a servir ao próximo. Assim, tornamos ativos na promoção do plano de redenção, mediante o evangelismo e mediante nosso testemunho de vida. Quando fazemos assim estamos vivendo para Cristo. A vida de acordo com o amor é a comprovação da espiritualidade. Espiritualidade, aliás, diga-se de passagem, é isso, vida completa!! Não se limita a aspectos próprios do culto cristão nos templos, nem somente nas manifestações dos dons, embora seja um complemento. Espiritualidade é amar a Deus e ao próximo, é conduzir sua vida com esses novos valores, pois “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (2 Co. 5.17). A transformação segundo a imagem de Cristo, nos capacita a vermos a nós mesmos e a nossos semelhantes, como também o próprio Cristo, de conformidade com uma correta perspectiva espiritual, derivada dessa ação transformadora operada pelo Espírito de Deus.4 A verdadeira conversão e a verdadeira regeneração são encaradas como uma espécie de nova criação, mediante a instrumentalidade divina, tal como a criação original precisou da intervenção divina. Paulo afirma que “...tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo e nos deu o ministério da reconciliação” (2 Cor. 5.18). O poder transformador tem por sua fonte originária o ser de Deus Pai, e, Cristo é o agente direto dessa vontade. O homem não é a causa desse poder, antes, cumpre-lhe ceder ao mesmo. Aqui a palavra grega para reconciliação é “katallage”, que: “Indica uma ‘transformação completa’. Essa palavra grega é usada nos escritos clássicos para indicar o ‘câmbio’ e moedas. A idéia de ‘modificação’ é inerente a esse termo. Em sentido religioso, aparece com a idéia de modificação das relações entre um homem e Deus. A reconciliação, nas páginas do Novo Testamento, consiste do livramento conferido a um 4 O Novo Testamento Interpretado: versículo por versículo – volume 4. R. N. Champlin, Ph. D. 9ª Reimpressão – São Paulo: CANDEIA, 1995. 347 p. www.iead-msbc.com.br 4
  5. 5. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br homem de suas dificuldades, por ele mesmo criadas, e que ele, por sua arrogância e perversidade, causou sobrevirem contra si mesmo. Tal homem perdeu o favor divino; e as Escrituras Sagradas descrevem Deus como alguém ‘irado’ contra tal indivíduo, intensamente ‘desagradado’, embora não devamos imaginar alguma atitude semelhante à ira humana... Assim sendo, a reconciliação consiste na remoção das causas dessa alienação, pois, reconduz o indivíduo a Deus, para ser recebido pela sua bondade e graça, o que o capacita a receber os benefícios da redenção que há em Cristo Jesus. A reconciliação antecipa o completo perdão do pecado, e, pelo menos, o começo da participação na santidade positiva de Deus, participação essa que finalmente, se fará completa, porquanto o homem está destinado a participar plenamente do amor, da justiça e da bondade de Deus, e não meramente a ficar livre de pecados graves. O vocábulo grego aqui traduzido por ‘reconciliação’ significa, basicamente, uma ‘completa mudança’. O próprio homem é modificado, e a alienação entre o homem e Deus se vê inteiramente eliminada”. (R. N. Champlin. O Novo Testamento Interpretado. 348 p.) Como a reconciliação se torna algo real? Através de Cristo, o agente da reconciliação. Essa é a mensagem central do Novo Testamento. “A reconciliação aqui aludida... vem de Deus para nós, de modo absoluto e objetivo, por meio do seu Filho; e assim Deus pode contemplar e tolerar complacentemente um mundo pecaminoso, recebendo todos os que se aproximam dEle em Cristo”, afirmou Alford. Ministério da Reconciliação - Vocação O texto em 2 Co. 5.14, informa assim “porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo, todos morreram”. Além da motivação de que haveremos de ser julgados perante do tribunal de Cristo inspira respeito, temor e interesse por fazermos aquilo que é direito. Agora há outra grande motivação: “nosso amor a Cristo”, que nos impulsiona, e; “seu amor por nós”, sinceramente sentido em nossas almas. O termo “constrange”, no grego “sunecho” inicialmente significa “fechar, cerrar por comprimir juntamente”, “pressionar fortemente”, mas que também pode significar “impelir”, “impulsionar”. Assim, nossas ações são controladas, e somos bitolados dentro de certa maneira de agir, somos compelidos ou forçados a ter certo padrão de vida – e tudo por meio de Cristo.5 Paulo era impulsionado a “resguardar-se da auto-exaltação, da 5 O Novo Testamento Interpretado: versículo por versículo – volume 4. R. N. Champlin, Ph. D. 9ª Reimpressão – São Paulo: CANDEIA, 1995. 349 p. www.iead-msbc.com.br 5
  6. 6. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br centralização em si mesmo, da jactância, do viver para si próprio, e a entregar-se ao ministério da reconciliação”.6 Paulo queria dizer que todas as suas ações como ministro da Palavra, em favor dos crentes, no tocante aos incrédulos e no que dizia respeito à sua própria conduta e vida interior, eram governadas pelo amor de Cristo. O termo “ministério” vem do grego “diakonia”, palavra comum que significa “serviço”, oficial ou não-oficial, qualquer modalidade de ajuda ou assistência prestada. O seu serviço evangelístico tinha por intuito a reconciliação oferecida aos homens, embora em sentido algum Paulo tenha reivindicado ser a fonte originária do poder que efetua tal reconciliação. Paulo afirma que “...Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados, e pôs em nós a palavra da reconciliação” (2 Co. 5.19). A outorga do ministério de reconciliação poderia ter sido feito aos anjos. Porém, foi entregue ao humilde homem, de tal maneira que, em amor, um ser humano pode ajudar a outro. Isso agradou a Deus, porquanto isso deu aos homens a oportunidade de viverem segundo a lei do amor, que é a prova mesma da espiritualidade.7 Aos apóstolos de Cristo foi outorgado um ministério que visava à reconciliação. Já que Deus confiou a Paulo a mensagem da reconciliação ele pode dizer: “de sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse...” (2 Co. 5.20a) O verbo grego “presbeuo”, que Paulo emprega na expressão “somos embaixadores”, significa essencialmente “ser mais velho, ou o mais velho”, vindo a ser empregado em conexão com funções para as quais a sabedoria da idade era um pré-requisito necessário. Nas esferas políticas era palavra usada para designar um embaixador representante de sua nação, enquanto nas esferas religiosas era usada de modo figurado. O fato extraordinário a respeito da embaixada desenvolvida por Paulo é seu relacionamento com a atividade de Deus como quem promove a reconciliação. O Deus que reconciliou o mundo consigo, pela morte de seu Filho, agora apela ao mundo através de seus embaixadores, para que se reconcilie com o Senhor.8 O embaixador é um construtor de pontes. Em sua missão ele deve representar um poder elevado, e então leva aqueles a quem é enviado a agirem favoravelmente para com aquele que o enviou. Em sentido espiritual, deve o embaixador levar os homens a compreenderem a sua necessidade da benevolência daquele que o enviou, e, portanto, se 6 O Novo Testamento Interpretado: versículo por versículo – volume 4. R. N. Champlin, Ph. D. 9ª Reimpressão – São Paulo: CANDEIA, 1995. 345 p. 7 Idem 349 p. 8 KRUSE, Colin G. The Second Epistle of Paul to the Corinthians – An Introducion and Comentary. Tradução de Oswaldo Ramos. Revisão Liege Marucci, João Guimarães, Theófilo Vieira. Coordenação editorial e de produção: Vera Villar. SOCIEDADE RELIGIOSA EDIÇÕES VIDA NOVA, 1994. 114 p. (Série Cultura Bíblica). www.iead-msbc.com.br 6
  7. 7. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br reconciliarem com ele, porquanto serão contados como inimigos enquanto essa reconciliação não for efetuada9. Um embaixador é comissionado como representante daquele que o envia, pelo que também deve ser um reflexo do mesmo, conhecendo e transmitindo os seus desejos, e tendo cuidado com a sua conduta, para que não lance uma luz adversa sobre o caráter de seu enviador. Um embaixador tem uma grande responsabilidade, que está na obrigação de cumprir. Um embaixador também está investido de uma elevada honra, que ele está na obrigação de respeitar em toda a sua conduta e maneira de falar. Um embaixador não pode envolver-se nos atos errados e desviados daqueles para quem é enviado; antes, compete-lhe manter os elevados padrões de conduta daquele que o tem enviado. Por conseguinte, o embaixador cristão deve ser uma pessoa distinta, respeitosa, e deve permanecer como tal. Um embaixador deve ser habilidoso para conciliar, possuidor de um espírito diplomático, porquanto é realmente um diplomata. Deve saber como conquistar os homens para o ponto de vista de seu enviador. Não pode ser uma pessoa crua, embotada e ofensiva, atitudes essas que certamente mais alienam do que conciliam. Um embaixador tem uma mensagem a anunciar. Em sentido espiritual, um embaixador cristão deve caracterizar-se pelo amor, pelo altruísmo e pela paciência. Deve ser capaz de sofrer afrontas, persuadindo os homens a passarem para o seu lado, embora sejam seus inimigos naturais. Também deve mostrar-se paciente para com a cegueira humana, para com a pequenez dos homens, sem jamais rebaixar-se à posição deles. Em tudo isso, pois, o embaixador cristão deve ser semelhante ao grande Rei que o enviou, suportando as contradições dos pecadores. Não sofrerá dano por ser homem de erudição, até o ponto em que suas circunstâncias lhe permitam; mas, acima de tudo, deve conhecer com grande intimidade ao seu Rei.10 “O embaixador antes de agir, recebe comissão da autoridade que representa. Um embaixador, enquanto age, atua não somente como um agente, mas igualmente como representante do seu soberano. Finalmente, o dever de um embaixador consiste não meramente de transmitir uma mensagem definida ou de agir segundo certa norma de conduta; mas está na obrigação de esperar por oportunidades de estudar os caracteres, de aguardar expedientes, a fim de que possa apresentar a sua mensagem aos ouvintes em sua forma mais atrativa. Ele é m diplomata”. (LIGHTFOOT em seu livro Ordination Addresses, 48 p.). 9 O Novo Testamento Interpretado: versículo por versículo – volume 4. R. N. Champlin, Ph. D. 9ª Reimpressão – São Paulo: CANDEIA, 1995. 349 p. 10 O Novo Testamento Interpretado: versículo por versículo – volume 4. R. N. Champlin, Ph. D. 9ª Reimpressão – São Paulo: CANDEIA, 1995. 350 p. www.iead-msbc.com.br 7
  8. 8. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br Uma mensagem a anunciar Um embaixador tem uma mensagem a anunciar, bem como certa norma de conduta a por em efeito, além de uma causa que ele representa. É mister que o embaixador cristão desenvolva certas habilidades para realizar o seu trabalho. Deve aprender como “expor” a sua mensagem, e deve, antes de tudo, estar pessoalmente convicto de sua veracidade e vitalidade.11 “...Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo que vos reconcilieis com Deus” (2 Cor. 5.20b. Não são muitos os embaixadores que se humilham até esse ponto; mas os ministros de Cristo, devido ao seu amor às almas, e desejando dar-lhes o conhecimento da vida eterna, devem fazer os apelos mais pungentes, as exortações mais vigorosas. A reconciliação é o alvo, e da reconciliação se origina a vida eterna, a promessa de algo mais significante, mais elevado e mais duradouro do que qualquer soberano deste mundo poderia apresentar àqueles a quem envie um embaixador. Crisóstomo disse: “Não imagineis que somos nós quem vos estamos rogando; é o próprio Cristo quem vos roga, é o próprio Pai que pleiteia a vós, por nosso intermédio. O que pode ser comparado com tal amor? Os inúmeros benefícios de Deus têm sido tratados com insolência; mas não somente ele não baixou penalidade, mas até mesmo deu o seu Filho, a fim de que com princípio não se deixaram reconciliar a ele, mas antes, mataram-no, ele uma vez mais enviou outros mensageiros; e ao enviá-los é que ele agora roga convosco”. Lamento que os auto-intitulados embaixadores de nossos dias estejam distorcendo as mensagens do Seu enviador. As mensagens precisam ser pronunciadas com grande poder, pois são Palavras do Deus Altíssimo e não nossas mesmas. Elas devem provocar arrependimento, desejo de receber perdão, mudança de atitudes e de vida. Devem fazer o homem achegar-se à Deus e adorá-Lo. Infelizmente as mensagens que tanto ouvimos em nossos púlpitos não estão provocando mudanças. Ao contrário, há muita alienação e excesso de emocionalismo, que se confunde com poder de Deus. E falando em emocionalismo, esse é um problema atual e grave na realidade das igrejas, e tem feito estrago em muitos crentes. “O ideal para a vida cristã é chegar à maturidade. A vida cristã passa naturalmente por várias etapas: O novo nascimento, a infância, a juventude e a maturidade espiritual. Não há nada de errado ‘passar’ pela ‘infância espiritual’, e prosseguir crescendo! Mas, seria alarmante para uma mãe verificar que, depois de quatro anos o seu lindo bebê, ainda continua bebê. Isto seria uma anomalia. No âmbito espiritual é a mesma coisa. Nós nascemos de novo para crescer! Esta é a Lei da Vida – todo ser vivo nasce para o crescimento, até à maturidade. Conforme escreveu Paulo em Ef 4.14, a principal 11 O Novo Testamento Interpretado: versículo por versículo – volume 4. R. N. Champlin, Ph. D. 9ª Reimpressão – São Paulo: CANDEIA, 1995. 349 p. www.iead-msbc.com.br 8
  9. 9. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br característica do ‘menino’ é a inconstância! Uma criança sempre ‘oscila de um extremo ao outro’, e, jamais se firma em um ‘ponto de equilíbrio’. O processo para se chegar à maturidade espiritual, consiste em diminuirmos cada vez mais essa ‘oscilação’, avançando gradativamente para uma vida de propósitos firmes e constantes”.12 Existem quatro pontos extremos, em que a vida cristã comumente tende oscilar. São eles: emocionalismo- racionalismo; tradicionalismo-modernismo; legalismo-liberalismo; fanatismo-formalismo. Vamos analisar a questão da emocionalismo-racionalismo e depois emoção- emocionalismo. O Racionalismo é a tentativa de se compreender tudo que diz respeito à vida cristã e a sua espiritualidade de forma intelectual. É a ênfase exagerada sobre o potencial da mente, como o único meio para empreender a busca da verdade. É o desprezo pela revelação de Deus, que tem por base as faculdades do espírito. O cristão que tende para o racionalismo terá muita dificuldade para aceitar os milagres. E, com certeza nunca conseguirá estabelecer um relacionamento profundo com o Espírito Santo. Paulo trata dos perigos do racionalismo nos capítulos 1 e 2 de I aos Coríntios. Vejamos alguns pontos importantes: (a) I Co 1.19 – O sentido aqui não é que Deus condene o uso da mente, absolutamente, pois foi Ele mesmo quem deu esta capacidade ao homem. O que deve ser aniquilado é o racionalismo; (b) I Co 1.26 – "Sábios segundo a carne", refere-se ao racionalismo; (c) I Co 2.4-6 – A pregação de Paulo não era baseada no intelectualismo; (d) I Co 2.9,10 – A revelação de Deus comunica conhecimentos mais profundos do que aqueles que a mente pode entender, conf. Mt 11.25; (e) I Co 2.14,15 – O racionalista é chamado de "homem natural". O Emocionalismo tem por base as emoções e os sentimentos puramente humanos. A vida cristã é cheia de emoções, entretanto, não está fundamentada nessas emoções. Muitos que não entendem isto, e que procuram estabelecer um relacionamento com Deus à base das emoções, começam logo cedo a ter os seus conflitos espirituais. Os nossos sentimentos mudam facilmente, e por isso não servem para arbitrar o nosso relacionamento com Deus. O emocionalismo está presente na vida e experiência de praticamente todos os crentes recém convertidos. Eles querem encontrar Deus em seus "arrepios" e em suas "lágrimas". E quando isto não acontece, chegam até a duvidar da existência de Deus. Estão sempre procurando provas palpáveis para comprovarem suas experiências espirituais. Às vezes têm a animação para mudar o mundo todo, e pouco depois duvidam de sua própria salvação. Em I Co 1.22, Paulo fala dos dois extremos: O Judeu emocionalista que exigia sinais para crer, e dos gregos racionalistas que exigiam explicações intelectuais. A vida cristã pela fé não exclui as emoções legítimas, nem a razão! Usamos a mente em nossa consagração efetiva a Deus, Rm 12.1,2, e a emoções são bem vindas quando acontecem como consequencia dos atos da fé. O cristão que aprende as lições do viver pela fé, alcança 12 PASTOR ELSO RORIGUES. Maturidade Cristã. Disponível em http://evangelhopleno.multiply.com/jour nal/item/ 14, acessado em 03/20/2010, às 14h42 www.iead-msbc.com.br 9
  10. 10. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br maturidade nas seguintes áreas: (a) torna-se participante de Cristo; (b) fica firme; (c) vence, tirando "forças da fraqueza". Conf. II Co 12.9,10; (d) resiste às tentações do diabo.13 Veja esta reflexão acerca da diferença entre emoção e emocionalismo: “Nunca fui contrário à emoção que perpassa o corpo quando do contato com Deus na esfera da vida. Nunca deixei de chorar ante as dificuldades de alguém que chorava. Nunca deixei de rir ao perceber o lado cômico de muitas situações do cotidiano. Nunca deixei de analisar no testemunho alvissareiro de uma ou outra pessoa o toque singular e gracioso de Deus. Nunca deixei de expressar que a emoção é parte da nossa vida espiritual. Mas, ao mesmo tempo, nunca deixei de manifestar-me contra o emocionalismo. E aqui cabe dizer que todo e qualquer emocionalismo é chantagem da alma contra a alma. É, em suma, manipulação diante do sagrado ou diante da vida. Por isso, digo sim à emoção e não ao emocionalismo. E por razões muito óbvias. Declaro-as: A emoção faz parte da vida humana. O emocionalismo é produzido por códigos e sistemas. A emoção está aliada à razão. O emocionalismo ao inconsciente. A emoção enquadra o ser humano, dando-lhe maturidade. O emocionalismo infantiliza espiritualmente. A emoção dá dignidade à vida. O emocionalismo esvazia todo o sentido de viver. A emoção me faz reagir diante das inquietações. O emocionalismo me condiciona a aceitá-las, muitas vezes, calado. A emoção me dinamiza. O emocionalismo estatifica-me. A emoção é própria de gente que vive a imanência. O emocionalismo pertence às pessoas dadas à transcendência. A emoção me lança à esfera da adoração. O emocionalismo joga-me na idolatria. A emoção lê a Bíblia e busca edificação. O emocionalismo dá a este livro o status de magnitude. A emoção me faz melhor crente. O emocionalismo me faz "o crente". A emoção me conquista para a unidade na diversidade. O emocionalismo me faz viver somente na desunião. A emoção gera novos relacionamentos. O emocionalismo gera somente cumplicidades.A emoção é capaz de me dar avivamento. O emocionalismo me lança a uma esfera puramente ativista. A emoção crê nos milagres de Deus. O emocionalismo acredita nos passes de mágica. A emoção gera frutos. O emocionalismo espinhos. A emoção desloca-me à ação. O emocionalismo desloca-me da ação. A emoção me faz enxergar o outro pobre. O emocionalismo vê o pobre como pecador. A emoção é altruísta - pensa nos outros. O emocionalismo é egoísta - pensa somente em si. A emoção louva e canta com os olhos abertos. O emocionalismo canta com os olhos fechados. A emoção ora e se 13 PASTOR ELSO RORIGUES. Maturidade Cristã. Disponível em http://evangelhopleno.multiply.com/jour nal/item/ 14, acessado em 03/20/2010, às 14h42 www.iead-msbc.com.br 10
  11. 11. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br coloca ao lado de Deus para a ação missionária. O emocionalismo clama e espera Deus mover os céus. A emoção centraliza a fé em Cristo. O emocionalismo centraliza o crer no homem ou na mulher de Deus. A emoção vê coração. O emocionalismo vê aparência. Deus nos livre da religião do emocionalismo e nos conserve na fé marcada pela emoção.” (MOISÉS COPPE. Sim à Emoção! Não ao Emocionalismo! Disponível em http://moisescoppe.blogspot.com/2009/12/sim-emocao-nao-ao-emocionalismo.html, aces- sado em 03/02/2010, às 14h15) Conclusão Após Deus, em sua misericórdia, reconciliar-nos consigo mesmo, através de Cristo Jesus, nos outorgou o ministério da reconciliação. “E tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo e nos deu o ministério da reconciliação” (2 Co. 5.18). Feitos embaixadores de Deus, “de sorte que somos embaixadores da parte de Cristo,...” (2 Co. 5.20a). Então é mister que o embaixador anuncie a mensagem de seu Senhor com responsabilidade e temor a Deus, com diplomacia, com toda dedicação, pois é como “...se Deus por nós rogasse” (2 Co 5.20b). Portanto, temos, agora, a grande responsabilidade de, anunciar a sua Reconciliação com o mundo. Porque “... o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram.” (2 Co 5.14). Então que o conteúdo de nossas mensagens não sejam emocionalistas, nem racionalistas, muito menos tradicionalistas e formalistas; mas cheias do poder de Deus, anunciando com graça e força e simplicidade: “rogamo-vos, pois, da parte de Cristo que vos reconcilieis com Deus” (2 Co 5.20c). Pois foi Deus quem “pôs em nós a palavra da reconciliação” (2 Co 5.19). Soli Deo gloria Por Ev. Valter Borges Pastor AD Thelma www.iead-msbc.com.br 11

×