Dic filatro 2010 versão 2

508 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
508
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dic filatro 2010 versão 2

  1. 1. DESIGN INSTRUCIONAL CONTEXTUALIZADO Filatro, Andrea. 2010 Valkíria B. Luiz Março 2014
  2. 2. MODELO DE DESENVOLVIMENTO DIC • DIC – Design Instrucional Contextualizado Uma nova forma de planejar e implementar situações de ensino-aprendizagem.  O seu modelo considera o contexto de uso, além do modelo convencial: ADDIE (Análise, Design, Desenvolvimento, Implementação e Avaliação)  Design em espiral.
  3. 3. MODELO DE DESENVOLVIMENTO DIC  Foge dos padrões lineares – ADDIE – essas operações ocorrem recursivamente ao longo do processo.  Representado por um Fractal
  4. 4. MODELO DE DESENVOLVIMENTO DIC  DIC – Estrutura fractal – os processos “não são peças sequenciais independentes mas são uma rede dinamicamente mutante de partes que se conectam uma às outras” YOU (...) Ambientes tecnológicos dinâmicos de desenvolvimento Recursos de autoria, flexibilidade e acessibilidade Possibilitam caráter recursivo e dinâmico
  5. 5. COMPARAÇÃO DOS MODELOS ADDIE DIC
  6. 6. . •Protótipo simples do ambiente de aprendizagem Cenário gráfico-visual •experimentação, exploração e a participação da comunidade de aprendizagem Equipe de representantes •desde fases iniciais do processo ou •Participação pontualmente em diferentes momentos do desenvolvimento. Atuação
  7. 7. ANÁLISE E OBJETIVOS NO DIC MANTÉM: Identificação de necessidades de aprendizagem Definição de objetivos instrucionais Caracterização de alunos Levantamento de restrições Não são realizadas a priori ou de modo definitivo, mas estabelecem um foco inicial para posterior aprimoramento.
  8. 8. ANÁLISE E OBJETIVOS NO DIC INÍCIO do projeto – pior momento para definir objetivos específicos e caracterizar os alunos e conteúdo. O conteúdo não é aprisionado em objetivos previamente especificados ao contexto de aprendizagem. Considera os vieses político-ideológicos envolvidos.
  9. 9. ANÁLISE E OBJETIVOS NO DIC OBJETIVOS APRENDIZAGEM • Variam de acordo com as perspectivas e com os estágios nos quais os alunos se encontram em seu continuum de desenvolvimento • São condicionados por esses fatores OBJETIVOS INSTRUCIONAIS • Refletem as necessidades mais amplas de cunho social, organizacional e grupal • Considera as soluções mais próximas ao contexto em que o DI será aplicado.
  10. 10. ANÁLISE E OBJETIVOS NO DIC Os objetivos devem ser priorizados (relacionados a solução de problemas e à construção de significados)
  11. 11. CARACTERIZAÇÃO DOS ALUNOS • Avançar além do “mero conhecer o público-alvo” • Aceitar o aluno como um agente ativo dentro do processo de tomada de decisões. LEVANTAMENTO DE RESTRIÇÕES E POTENCIALIDADES • Análise contextual • Localizar com precisão, entre os fatores contextuais de orientação, instrução e transferência, os inibidores, ausentes e facilitadores
  12. 12. DESENVOLVIMENTO EM DIC DESENVOLVIMENTO EM DIC Mapeamento e sequenciamento dos conteúdos a serem trabalhados Escolha dos métodos e das técnicas para alcançar os objetivos traçados Seleção dos materiais que devem ser produzidos para adoção pelos alunos e professores. Seleção das mídias mais apropriadas
  13. 13. DESENVOLVIMENTO EM DIC • Nesta fase: design e desenvolvimento de materiais (tutoriais, demonstrações, exercícios e práticas) – instrução direta. • Outras instruções: exploração direcionada de conteúdos, combinações apropriadas de desafio e orientação, diálogo e personalização, autonomia e estrutura. • Foco: projeção de ambientes favoráveis à aprendizagem (flexibilidade e multiplicidade inerente ao contexto educacional).
  14. 14. AMBIENTES DE APRENDIZAGEM ABERTA –OLE Apoiam-se em estratégias metacognitivistas ► possibilitam aos alunos (continuamente) ► interpretar, avaliar e reposicionar seu desempenho ► percepção de seu próprio estágio de compreensão. Permitem que os alunos pense sobre uma base maior de conhecimentos para resolver um problema, formulando hipóteses e experimentando produzir soluções.
  15. 15. DESENVOLVIMENTO EM DIC • (p.125) 1. Fase inicial: fornecimento de materiais e atividades mais estruturadas ► informação mais planejada e sequenciada. • 2. Nos níveis mais elevados de conhecimento: os materiais são menos estruturados hierarquicamente, as atividades de pesquisa e solução de problemas ► os alunos podem explorar conteúdos com mais autonomia e liberdade.
  16. 16. IMPLEMENTAÇÃO EM DIC • Design – flexibilização • O designer instrucional “acomoda-se” ao contexto e JAMAIS o controla. • O contexto é dinâmico, vivo - combinação de características e interações pessoais. • Professores, DI e alunos não têm papéis claramente definidos • Professores e alunos não são “executores” • DI não é encarado como especialista.
  17. 17. IMPLEMENTAÇÃO EM DIC TarefascríticasenvolvidasnoDI paraumaaprendizagemsituada 1ª consiste em selecionar uma ou mais situações que suportem a aquisição d conhecimento desejado. 2ª é providenciar a andaimaria (percurso?) para que os novatos operem dentro de um contexto complexo realista e permitir que os experts atuem na mesma direção. Professor papel mentor ou coach Capacitar os professores a monitorar o progresso e a interação percepção-ação de cada aluno, avaliar os produtos e acessar fontes distribuídas de conhecimento, interagir de forma consciente e colaborativa e desenvolver suas próprias habilidades de utilizar situações específicas e gerais 4ª Definir o papel e a natureza da avaliação
  18. 18. AVALIAÇÃO EM DIC • A proposta difere do DI • Não existe um contexto perfeito de aplicação • Não existe uma única formula instrucional verdadeira • Não é um suplemento ou estágio separado • Integra-se dinamicamente ao contexto de ensino-aprendizagem de forma progressiva e contínua. • É parte e não produto do design instrucional.
  19. 19. AVALIAÇÃO EM DIC • O resultados de aprendizagem, “traduzidos” em notas e conceitos atribuídos no final de determinado período tornam-se parte do processo • Espelho vivo que subsidia reorientações e adaptações ao plano original.
  20. 20. Os alunos diferentes aprendem coisas diferentes de maneiras diferentes. Métodos alternativos de avaliação e perspectivas de longo prazo (projetos, portfólios, análise de desempenho, estatísticas, auto avaliação) Avaliações informais Abordagem etnográfica – potencial de prover um contexto real no qual se pode criar uma compreensão mútua entre usuários e designers A Abordagem etnográfica requer reorientação e os designers precisam desenvolver habilidades de entrevista, observação, análise e interpretação e as equipes de desenvolvimento precisam estar dispostas a mudar sua ênfase.
  21. 21. AVALIAÇÃO EM DIC • Os alunos diferentes aprendem coisas diferentes de maneiras diferentes. • Métodos alternativos de avaliação e perspectivas de longo prazo (projetos, portfólios, análise de desempenho, estatísticas, auto avaliação) • Avaliações informais • Abordagem etnográfica – potencial de prover um contexto real no qual se pode criar uma compreensão mútua entre usuários e designers • A Abordagem etnográfica requer reorientação e os designers precisam desenvolver habilidades de entrevista, observação, análise e interpretação e as equipes de desenvolvimento precisam estar dispostas a mudar sua ênfase.
  22. 22. REFERÊNCIAS • FILATRO, A. Design instrucional contextualizado: educação e tecnologia. 3ªEd. São Pauo: Senac.2010 • YOU,Y. “What can we learn from chaos theory? Na alternative Approach to instructional design”em Educational Techonology Research And Development, 41(3), Washington, p.24 In: FILATRO, A. Design instrucional contextualizado: educação e tecnologia. 3ªEd. São Pauo: Senac.2010

×