04 Gestão em Design - Estratégias

10.319 visualizações

Publicada em

Material de apoio didático para Gestão em Design / Design Management (4/10)

Publicada em: Negócios, Design
0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.319
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
106
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
742
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • 04 Gestão em Design - Estratégias

    1. 1. Design Management Prof. Valdir Soares / Designer / Dr.Eng Gestão em Design . 04 Estratégia Corporativa
    2. 2. <ul><li>Apresentação: Introdução & Conceitos </li></ul><ul><li>Design e o Ambiente Organizacional </li></ul><ul><li>Design: Diferenciação e Valor </li></ul><ul><li>Design & Estratégia Coorporativa </li></ul><ul><li>Seminário de Gestão em Design </li></ul><ul><li>Design: o Profissional e a Organização </li></ul><ul><li>Design e Identidade Corporativa </li></ul><ul><li>Design: Demanda e Consultoria </li></ul><ul><li>Design como Processo </li></ul><ul><li>Design Management - Futuro </li></ul>Design Management Gestão em Design Prof. Valdir Soares / Designer – Dsc.Eng.Produção 04
    3. 3. A ORGANIZACÃO, O AMBIENTE, & A ESTRATÉGIA EM DESIGN
    4. 4. ESTRATÉGIA “… é a determinação de metas e dos objetivos de longo prazo de uma organização, e a adoção de linhas de ação e da alocação de recursos necessária para a efetiva realização destas metas .” (Alfred D. Chandler) “… planejamento estratégico – é a aplicação de todo um conjunto de meios e ações, de maneira cientifica e articulada, visando o alcance de objetivos definidos no contexto da competitividade e do dinamismo do ambiente sobre o qual se pretende promover impacto e surpresa.” “… gerenciamento estratégico – é o estilo e metodologia de tratamento dos negócios que se define para a organização, dependendo de onde ela se estabelece, como conseqüência de seu correto planejamento estratégico.”
    5. 5. Componentes da ESTRATÉGIA VISÃO (Para onde vamos andar?) OBJETIVO ESTRATÉGICO (Como faremos para andar...como controlaremos a forma que estaremos andando?) MISSÃO (O que somos?)
    6. 6. 5 P ´s DA ESTRATÉGIA <ul><li>A estratégia é um PLANO , ou seja, um curso de ação deliberada e concebido para atingir determinados objetivos. </li></ul><ul><li>A estratégia é um PRETEXTO , quando assume contornos de um blefe, uma manobra concebida para enganar um concorrente ou competidor. </li></ul><ul><li>A estratégia é um PADRÃO quando ações ou abordagens distintas se fundem, emergindo daí um padrão de comportamento o qual resulta na estratégia de uma empresa. </li></ul><ul><li>A estratégia é uma POSIÇÃO na medida em que é uma maneira de colocar ou posicionar a organização dentro do seu ambiente. </li></ul><ul><li>A estratégia é uma PERSPECTIVA , pois seu conteúdo exprime a forma da organização ver o mundo, enfatizando determinados aspectos do negócio, da cultura e da ideologia da organização. </li></ul>
    7. 7. Nas organizações de pequeno porte a estratégia é de imediato implícita, informal, intuitiva. Está fixada na mente da pessoa ou do grupo de pessoas que detém a propriedade ou a gestão e, freqüentemente, não é comunicada ao resto da organização. O Gestor em Design ...passa, igualmente, pela responsabilidade de defender questões implícitas, informais e intuitivas ...mas com o compromisso fundamental de comunicar e integrar toda a organização... “ Design é o coração e alma de um sonho/solução.” (Tom Peters / www.tompeters.com )
    8. 8. MARTINS, 2004. A GESTÃO DE DESIGN COMO UMA ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL...ufsc, Florianópolis, 2004
    9. 9. Estratégia pretendida ESTRATÉGIA REALIZADA Estratégia abandonada Adaptado de Mintzberg PARA MINTZBERG A ESTRATÉGIA É UM “esquema em um fluxo de decisões”. A estratégia realizada é o fruto da combinação de uma estratégia deliberada (intencionalmente) e de uma estratégia emergente (esquema realizado na ascensão de intenção). Estratégia deliberada Estratégia emergente
    10. 10. AMBIENTE EXTERNO AMEAÇAS OPORTUNIDADES DISPONIBILIDADE DE RECURSOS INCERTEZAS COMPETÊNCIA DISTINTIVA CAPACIDADE PONTOS FORTES PONTOS FRACOS AMBIENTE INTERNO ESTRATÉGIA IMPLEMENTAÇÃO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ATORES INTERNOS & EXTERNOS PLANO DE AÇÃO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Do Empreendimento Da(s) Gerência(s) Operacionais Gestão em Design Nível Estratégico Gerência de Projeto em Design Nível Tático Metodologia de Projeto em Design Nível Operacional Análises para as Ações Estratégicas Valdir Soares / 2006
    11. 11. MODELO BÁSICO DA ESCOLA DO DESIGN IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA Avaliação e Escolha da Estratégica CRIAÇÃO DA ESTRATÉGIA Competências Distintivas Responsabilidade Social Valores Gerencias Avaliação Externa Fatores-chave de Sucesso Ameaças e Oportunidades do Ambiente Fraquezas e Ameaças da Organização Avaliação Interna
    12. 12. Gestão em Design : propostas... <ul><li>5 PONTOS BÁSICOS: </li></ul><ul><li>Priorizar os objetivos e delimitar os fatores passíveis de ação da Gestão em Design </li></ul><ul><li>Identificar os recursos informacionais internos e relativos ao contexto em que a organização atua </li></ul><ul><li>Definir o plano de Gestão em Design alinhado com o Planejamento Estratégico da organização. </li></ul><ul><li>Capacitação de recursos humanos para (e na) atuação em Design na organização </li></ul><ul><li>Difundir e garantir a negociação da Gestão em Design no contexto interno e externo da organização </li></ul>
    13. 13. a vantagem competitiva: A ESTRATÉGIA DE PORTER
    14. 14. Forças que Dirigem a Concorrência na Indústria Modelo de Porter FORNECEDORES Poder de negociação dos fornecedores COMPRADORES Poder de negociação dos compradores SUBSTITUTOS Ameaças de produtos ou serviços substitutos ENTRANTES Ameaças de novos entrantes CONCORRENTES NA INDÚSTRIA Rivalidade entre as Empresas Existentes
    15. 15. Âmbito Competitivo BAIXO CUSTO Leadership do Custo Diferenciação Diferenciação Focalizada Vantagem Competitiva UNICIDADE SETOR SEGMENTO Leadership do Custo Focalizado a vantagem competitiva: A ESTRATÉGIA DE PORTER
    16. 16. Âmbito Competitivo BAIXO CUSTO Leadership do Custo Vantagem Competitiva UNICIDADE SETOR SEGMENTO a vantagem competitiva: A ESTRATÉGIA DE PORTER SER O PRODUTO COM O PRECO MAIS BAIXO PORQUE É MAIS EFICIENTE NOS CUSTOS
    17. 17. DIFERENCIA-ÇÃO a vantagem competitiva: A ESTRATÉGIA DE PORTER Âmbito Competitivo BAIXO CUSTO Vantagem Competitiva UNICIDADE SETOR SEGMENTO DESIGN O PRODUTO / SERVIÇO É PERCEBIDO COMO ÚNICO DO CLIENTE
    18. 18. Estratégia de DIFERENCIAÇÃO CARACTERÍSTICA TÉCNICO- FÍSICA DO PRODUTO (DIMENSÃO, FORMA, COR, PESO, DESIGN, MATERIAL, TECNOLOGIA UTILIZADA, ETC.) PRESTAÇÃO DA OFERTA DO PRODUTO (CONFIABILIDADE , QUALIDADE, DURABILIDADE, SEGURANÇA, ETC.) OS SERVIÇOS ACESSÓRIOS ANEXADOS AO PRODUTO (ASSISTÊNCIA PRÉ- POS VENDA, GARANTIA, MODALIDADE DE PAGAMENTO, ETC) FATOR DE DIFERENCIAÇÃO TANGÍVEL
    19. 19. PSICOLÓGICO (SENSO DE IDENTIDADE, DE APARÊNCIA, EMOCIONAL, AFIRMAÇÃO SOCIAL, ...) INTANGÍVEL SOCIAL (RESPONSABILIDADE SOCIAL, ...) ESTÉTICA (ESTILO, IMAGEM, TENDÊNCIA) Estratégia de DIFERENCIAÇÃO FATOR DE DIFERENCIAÇÃO
    20. 20. Âmbito Competitivo BAIXO CUSTO Diferenciação Focalizada Vantagem Competitiva UNICIDADE SETOR SEGMENTO Leadership do Custo Focalizado a vantagem competitiva: A ESTRATÉGIA DE PORTER
    21. 21. DESIGN IMAGEM
    22. 22. Leadership de custo Diferenciação ELEMENTO CHAVE REQUISITO ORGANIZACIONAL <ul><li>Economia de escala </li></ul><ul><li>Controle do processo de produção </li></ul><ul><li>Controle de custos fixos e de R&D </li></ul>Atenção ao mercado, ao design, a comunicacão, à identidade corporativa, aos servicos, à qualidade <ul><li>Competência de engenharia de processo </li></ul><ul><li>Capacidade de controle de custos </li></ul><ul><li>Especialização de tarefas e das funções </li></ul><ul><li>Capacidade de marketing </li></ul><ul><li>Competência de engenharia de produto </li></ul><ul><li>Competência de Pesquisa e Criatividade </li></ul><ul><li>Coordenação interfuncional forte </li></ul>a vantagem competitiva: A ESTRATÉGIA DE PORTER ESTRATÉGIA
    23. 23. EM RESPOSTA À DINÂMICA AMBIENTAL CADA ORGANIZAÇÃO DEVE RESOLVER, POR ADAPTAR-SE E SOBREVIVER, ...TRÊS PROBLEMAS O CICLO DE ADAPTAÇÃO ORGANIZACIONAL
    24. 24. CONGRUÊNCIA ESTRATÉGICA Problema DE ENGENHARIA Escolha da tecnologia de produção e distribuição Problema de EMPREENDEDORISMO Escolha do âmbito da operação Problema GERENCIAL Racionalização de estrutura e processo Seleção de área de inovacão futura
    25. 25. QUATRO TIPOS DE ORGANIZACÃO / Exemplo... DEFENSIVA EXPLORATÓRIA ANALÍTICA REATIVA Operando em um âmbito circunscrito e próximo de melhorar continuamente a eficiência Há grandes interesses na inovação e tentam continuamente novas oportunidades no desenvolvimento. Promovem a mudança nos campos de pertinências Operando em âmbito diferente mas estamos atentos a responder às novas idéias Observando e registrando as mudanças mas nem sempre respondendo eficazmente
    26. 26. DEFENSIVA EXPLORATÓRIA ANALÍTICA REATIVA EFICIÊNCIA FLEXIBILIDADE E INOVAÇÃO SINERGISMO TECNOLÓGICO COMPLEMENTO EM PROJETO OBJETIVO TECNOLÓGICO FOCALIZAÇÃO, ESTANDARDIZAÇÃO TECNOLOGIA MÚLTIPLA, “ NA PESSOA” TECNOLOGIA CORRELATA EXPERIMENTAÇÃO SOLUÇÃO FOCO quatro tipos de organizacão, exemplo: O PROBLEMA DE ENGENHARIA
    27. 27. quatro tipos de organizacão, exemplo: O PROBLEMA EM GESTÃO DEFENSIVA EXPLORATÓRIA ANALÍTICA MARKETING e R&D MARKETING e PESQUISA APLICADA GRUPO DOMINANTE CENTRALIZADO DESCENTRALIZADO MISTO CONTROLE FINANÇAS e PRODUÇÃO FUNCIONAL MERCADO MATRIZ ESTRUTURA REATIVA QUEM RESOLVE O PROBLEMA ORIENTADO A EVITAR PROBLEMAS AUTORIDADE FORMAL
    28. 28. ... ADAPTAÇÃO ORGANIZACIONAL Estratégia, Design e Qualidade <ul><li>É importante... que todos na organização estejam envolvidos em uma estratégia, num processo contínuo de qualidade sob o controle dela, ou não (enquanto setor), e que todos contribuam com o processo de Design . </li></ul><ul><li>...incluam-se os fornecedores e clientes internos e externos à organização. </li></ul>
    29. 29. ... ADAPTAÇÃO ORGANIZACIONAL Estratégias, Design e as Ferramentas <ul><li>Várias ferramentas... </li></ul><ul><li>- da administração, </li></ul><ul><li>- da engenharia e </li></ul><ul><li>- da qualidade </li></ul><ul><li>...podem ser usadas para o desenvolvimento de uma política de novos produtos de uma empresa, </li></ul><ul><li>...algumas das quais, com influência ...ou influenciadas através do Design . </li></ul>
    30. 30. ... ADAPTAÇÃO ORGANIZACIONAL Estratégias, Design e as Ferramentas <ul><li>Exemplos particulares incluem: </li></ul><ul><ul><li>o desenvolvimento das questões da qualidade – QFD ( quality function deployment ); </li></ul></ul><ul><ul><li>análise de laboratórios e de prescrição à normas; </li></ul></ul><ul><ul><li>análise de fracassos e sucessos; </li></ul></ul><ul><ul><li>análise de grupos de usuários e/ou consumidores; </li></ul></ul><ul><ul><li>simulações físicas, visuais e táteis de uso, ergonomia – “ usability ”; </li></ul></ul><ul><ul><li>simulações mecânicas e estruturais – “ mock-ups ”; </li></ul></ul><ul><ul><li>simulações em rede e virtuais – VR ( virtual reality ); </li></ul></ul>
    31. 31. MARTINS, 2004. A GESTÃO DE DESIGN COMO UMA ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL...ufsc, Florianópolis, 2004
    32. 32. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS <ul><li>CAVALCANTI, M. (Org.) Gestão Estratégica de Negócios . São Paulo. Pioneira-Thomson, 2001. </li></ul><ul><li>NEVES, Marcos F. Planejamento e Gestão Estratégica de Marketing . São Paulo, Atlas, 2005. </li></ul><ul><li>MINTZBERG, Henry; e outros. Safári de Estratégia . Porto Alegre: Bookman, 2000. </li></ul><ul><li>GIMENO, J.M.I. La Gestión del Diseño em la Empresa . Madrid. McGrawHill. 2000. </li></ul><ul><li>MINTZBERG, Henry; QUINN, James Brian. O Processo da Estratégia . Porto Alegre: Bookman, 2001. </li></ul><ul><li>CHURCHILL, Jr. & PETER, J. Paul. Marketing: criando valor para os clientes . São Paulo; Saraiva, 2000. </li></ul><ul><li>GHEMAWAT, Pankaj. A Estratégia . Porto Alegre: Bookman, 2000. </li></ul><ul><li>PORTER, Michael E. Estratégia Competitiva . Rio de Janeiro:Campus, 1986. </li></ul>
    33. 33. Referências... BAXTER M. ; Projeto de Produto , São Paulo. 1998, HANKS, K. e outros; Design Yourself , Los Altos-EUA, 1992. GRUENWALD. G. New Product Development , Illinois, NTC, 1992. URBAN, G.L. & HAUSER, J.R. Design and Marketing of New Products , N.York, Prentice Hall, 1980. ASIMOW, M. ; Introdução ao Projeto de Engenharia , São Paulo, M.Jou, 1968 BONSIEPE, G. Teoria y Práctica del Diseño Industrial, Barcelona, G.Gilli, 1978. HALKES, B. e ABINETT, R. The Engineering Design Process . London, Pitman, 1984. TJALVE, E. A Schort Course in Industrial Design . London, Newnes,1979. POWELL, D. ; Presentation Techniques , Londres, Mcdonald&Co, 1990. UNGAR, J. ; Rendering in mixed Media , Singapure, Phaidon Press, 1985. SHIMIZU, Y. e outros; Models & Prototypes , Tokyo, Graphic-sha, 1991. LUCCI, R. e ORLANDINI, P.; Product Design Models , N.Yoork, Van Nostarnd Reinhold, 1990. PORTER, T. e GREENSTREET, B.; Handbuch der Graphischen Techniken , Koln, R.Muller, 1983. KRISZTIAN, G.; Handbuch Layout-Schule , Koln, DuMont, 1986. VERZUH, E.; MBA compacto - Gestão de Projetos , Rio de Janeiro, Campus, 2000. KELLEY, T.; A Arte da Inovação , São Paulo, Futura, 2001. MUKAROVSKY, J. ; Kapitel aus der Ästhetik , Frankfurt a.m.,Suhrkamp, 1982 LŐBACH, Bernd. Design Industrial - Bases para a configuração dos produtos industriais . São Paulo, E.Blucher, 2001. CLEALAND, D.I. e IRELAND, L.R.; Gerência de Projetos , Rio de Janeiro, Reichmann & Affonso Ed., 2002. SCHMITTEL, W. Design, Concept, Realisation . Zurich, ABC, 1975. www.ideo.com www.affinnova.com http://www.jnd.org/dn.pubs.html

    ×