Património cultural - O Caminho de Santiago aula 3 - Artur Filipe dos Santos - universidade sénior contemporânea

424 visualizações

Publicada em

Símbolos do Caminho
A concha de vieira, facilmente encontrada nas costas da Galiza, é desde há muito o símbolo do Caminho de Santiago e dos seus peregrinos. Ao longo dos séculos, a vieira ganhou significados míticos, metafóricos e práticos, se bem que possivelmente a sua relevância se deva ao desejo dos peregrinos e visitantes de Compostela levarem para casa uma recordação.

O bordão, a Via Láctea e a Cruz de Santiago são outros importantes símbolos que compõem a identidade do Caminho de Santiago.

CODEX CALIXITINO
O Liber Sancti Jacobi, também referido como Codex Calixtinus ou Códice Calixtino (Santiago de Compostela, Arquivo da Catedral), é um manuscrito iluminado de meados do século XII.

A Universidade Sénior Contemporânea
Web: www.usc.no.sapo.pt
Email: usc@sapo.pt
Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com

A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras lecionadas(23), acessivéis a séniores, estudantes e profissionais através de livraria online.

Artur Filipe dos Santos
artursantosdocente@gmail.com
artursantos.no.sapo.pt
politicsandflags.wordpress.com
 
Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista, Sociólogo.
Director Académico e Professor Titular na Universidade Sénior Contemporânea, membro da Direção do OIDECOM-Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação, membro da APEP-Associacao Portuguesa de Estudos de Protocolo. Membro do ICOMOS (International Counsil on Monuments and Sites), consultor da UNESCO para o Património Mundial, membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster. Professor convidado da Escola Superior de Saúde do Instituto Piaget. Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
424
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Património cultural - O Caminho de Santiago aula 3 - Artur Filipe dos Santos - universidade sénior contemporânea

  1. 1. Cadeira de PATRIMÓNIO CULTURAL PORTUGUÊS Artur Filipe dos Santos
  2. 2. O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ 2 Aula 3 Cadeira de PATRIMÓNIO CULTURAL PORTUGUÊS
  3. 3. Artur Filipe dos Santos artursantosdocente@gmail.com artursantos.no.sapo.pt politicsandflags.wordpress.com • Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista, Sociólogo. • Director Académico e Professor Titular na Universidade Sénior Contemporânea, membro da Direção do OIDECOM-Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação, membro da APEP-Associacao Portuguesa de Estudos de Protocolo. Membro do ICOMOS (International Counsil on Monuments and Sites), consultor da UNESCO para o Património Mundial, membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster. Professor convidado da Escola Superior de Saúde do Instituto Piaget. Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior. Artur Filipe dos Santos - artursantos.no.sapo.pt 3
  4. 4. A Universidade Sénior Contemporânea Web: www.usc.no.sapo.pt Email: usc@sapo.pt Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com • A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras lecionadas(23), acessivéis a séniores, estudantes e profissionais através de livraria online. 4
  5. 5. Vieira de Santiago • Símbolos do Caminho • A concha de vieira, facilmente encontrada nas costas da Galiza, é desde há muito o símbolo do Caminho de Santiago e dos seus peregrinos. Ao longo dos séculos, a vieira ganhou significados míticos, metafóricos e práticos, se bem que possivelmente a sua relevância se deva ao desejo dos peregrinos e visitantes de Compostela levarem para casa uma recordação. 5 Património Cultural – O Caminho de Santiago • Fonte: Wikipedia
  6. 6. • As duas versões lendárias mais comuns sobre a origem do símbolo relacionam-se com a morte de Santiago, que foi decapitado em Jafa ou Jerusalém em 44 d.C.. Segundo a tradição, ele teria passado algum tempo pregando o Evangelho na Hispânia, mas voltou para a Judeia depois de ter tido uma visão da Virgem Maria na margem do rio Ebro. 6 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  7. 7. • Primeira versão: Depois da morte de Santiago os seus discípulos levaram o corpo de barco para a península Ibérica, para ser enterrado no que é hoje Santiago de Compostela. Ao largo da costa ibérica, uma violenta tempestade atingiu o navio e o corpo caiu ao mar tendo-se perdido. Contudo, depois de algum tempo, deu à costa sem estragos, coberto por vieiras. 7 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  8. 8. • Segunda versão: Depois da morte de Santiago o seu corpo foi misteriosamente transportado por um navio sem tripulação para a península Ibérica, para ser enterrado no que é hoje Santiago de Compostela. Quando o navio se aproximou de terra, estava a decorrer um casamento na costa. 8 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  9. 9. • O jovem noivo estava montado num cavalo e ao ver o navio aproximar-se o cavalo assustou-se e cavaleiro e montada mergularam no mar. Através de uma intervenção miraculosa, o cavaleiro e o seu cavalo emergiram da água vivos, cobertos de conchas 9 Património Cultural – O Caminho de Santiago www.caminhodesantiago.com.br
  10. 10. • A concha de vieira também é uma metáfora. Os sulcos radiantes na concha, que se juntam num só ponto, representam as várias rotas usadas pelos peregrinos, que acabavam por chegar todos ao mesmo destino — o sepulcro de Santiago em Compostela. 10 Património Cultural – O Caminho de Santiago santiago2009.no.sapo.pt
  11. 11. • A concha além disso uma metáfora do peregrino: como as ondas do oceano arrastam conchas de vieira para as costas da Galiza, a mão de Deus guia os peregrinos para Santiago. 11 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  12. 12. • A concha tinha também utilidade prática para os peregrinos, pois tem o tamanho adequado para tirar e beber água das fontes e para servir como tigela de comida. Tradicionalmente, a vieira é pendurada no chapéu, outro artefato típico do peregrino, ou então na roupa. 12 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  13. 13. • No passado, os peregrinos apresentavam- se em igrejas, castelos, mosteiros, etc. ao longo do Caminho e podiam contar com oferta da comida que conseguissem recolher com uma colherada da concha. Provavelmente davam- lhes aveia, cevada e talvez cerveja ou vinho. 13 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  14. 14. • Dessa forma, até as casas mais humildes podiam ser caridosas com os peregrinos sem risco de serem sobrecarregadas. A vieira como animal está associada a Santiago nos léxicos de várias línguas; coquille Saint Jacques ("concha de Santiago") designa o molusco e o molho com o qual é geralmente preparado em francês; em alemão as vieiras são chamada Jakobsmuscheln (literalmente "mexilhões de Santiago"). 14 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  15. 15. Bordão de Santiago • Outros símbolos: o bastão e a Via Láctea • Outro acessório típico do peregrino é um bordão de caminhada ou cajado,que tradicionalmente tem uma travessant ou um gancho para poder ser levado no ombro com coisas penduradas nele penduradas. 15 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  16. 16. • O nome popular da nossa galáxia, a Via Láctea, em Portugal e Espanha é "Caminho de Santiago, porque supostamente indica o caminho para Santiago de Compostela à noite. De acordo com uma lenda medieval, a Via Láctea (do latim "estrada de leite", devida ao seu aspecto de mancha esbranquiçada no céu), foi formada pela poeira levantada pelos peregrinos quando caminhavam. 16 Património Cultural – O Caminho de Santiago pt.wikipedia.org
  17. 17. Via láctea • Compostela (em latim: Campus Stellae) também tem reminiscências cósmicas, pois significa "campo de estrelas", em alusão à lenda da descoberta do túmulo pelo eremita Pelágio. Outra origem para a associação entre a galáxia e o Caminho é o volume IV do Liber Sancti Jacobi ("Livro de Santiago", ou Codex Calixtinus), do século XII que relata que o santo apareceu em sonhos a Carlos Magno, pedindo-lhe que libertasse o seu túmulo dos Mouros e dizendo-lhe que para o encontrar devia seguir o caminho indicado pela Via Láctea. 17 Património Cultural – O Caminho de Santiago pt.wikipedia.org
  18. 18. A Cruz de Santiago • A Cruz de Santiago • A Cruz de Santiago é segundo a heráldica uma cruz pátea, em que na base da cruz figura uma pátea, quer dizer com as extremidades maiores que o corpo dos braços, em linguagem popular dir-se-ia "braços da cruz com pernas" ou "com patas". 18 Património Cultural – O Caminho de Santiago http://pt.wikipedia.org/
  19. 19. A Cruz de Santiago • Os quatro braços tem "patas" diferentes", pois a origem parece ter sido imitar uma espada, dai ser chamada também "cruz espada". 19 Património Cultural – O Caminho de Santiago www.oportoencanta.com
  20. 20. A Cruz de Santiago • A parte inferior representaria a lamina, a superior a empunhadura, as laterais a cruz, necessária nesse instrumento para seu uso fácil. Ela surgiu na Espanha, provavelmente após a batalha de Clavijo (844). 20 Património Cultural – O Caminho de Santiago albertosolana.wordpress.com
  21. 21. A Cruz de Santiago • Mais tarde, em data desconhecida, passou a ser o distintivo de uma Ordem Religiosa de Cavaleiros dedicados a defender os peregrinos que se dirigiam a venerar os restos mortais do Apóstolo Santiago, na cidade de Compostela, na Galiza. 21 Património Cultural – O Caminho de Santiago es.slideshare.net
  22. 22. A Cruz de Santiago • Esta ordem tomou o nome de Ordem de Santiago, e em Portugal o de Ordem de Santiago da Espada. 22 Património Cultural – O Caminho de Santiago A tarde de Santaigo é das manifestações Gastronómicas mais conhecidas do Imaginário “santiagueño”
  23. 23. A Cruz de Santiago • Atualmente é utilizada por uma associação católica, de âmbito mundial, reconhecida pelo Romano Pontífice, chamada Arautos do Evangelho. 23 Património Cultural – O Caminho de Santiago vitoria.blog.arautos.org
  24. 24. A Cruz de Santiago • As três flores de Lis representan a honra irrepreensível, sem mácula, referindo-se a traços do carácter moral do Apóstolo. 24 Património Cultural – O Caminho de Santiago salvecheiadegraca.com.br
  25. 25. A Cruz de Santiago • A espada representa o caráter cavalheiresco de S. Tiago e a sua forma de martírio, uma vez que eles cortaram a cabeça (ele foi decapitado) com uma espada. 25 Património Cultural – O Caminho de Santiago www.photaki.es
  26. 26. A Cruz de Santiago • Também pode simbolizar, em certo sentido, o apóstolo tomar a espada em nome de Cristo. 26 Património Cultural – O Caminho de Santiago en.wikipedia.org
  27. 27. Codex Calixtino • CODEX CALIXITINO • O Liber Sancti Jacobi, também referido como Codex Calixtinus ou Códice Calixtino (Santiago de Compostela, Arquivo da Catedral), é um manuscrito iluminado de meados do século XII. 27 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  28. 28. Codex Calixtino • Encontra-se conservado no Arquivo da Catedral de Santiago de Compostela.É conhecido do grande público pelo seu livro V, que se constitui no mais antigo guia para osperegrinos que faziam o Caminho rumo a Santiago de Compostela, incluindo conselhos,descrições do percurso e das obras no arte nele existentes, assim como usos e costumes daspopulações que viviam ao longo da rota. 28 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  29. 29. Codex Calixtino • Os demais livros do códice contém sermões, narrativasde milagres e textos litúrgicos diversos relacionados com o apóstolo S. Tiago. 29 Património Cultural – O Caminho de Santiago www.forumclasico.es
  30. 30. Codex Calixtino • O códice constitui-se numa coletânea de textos em latim reunidos em Compostela nos anosfinais do arcebispado de Diego Gelmírez, que visava servir como promoção daquela Sé. 30 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  31. 31. • Embora apresentado em sua origem como sendo da autoria do Papa Calisto II, na realidade foi redigidopor vários autores no período entre 1130 e 1160 e caracteriza-se pela correição do latimempregado e por seu elevado valor literário. 31 Património Cultural – O Caminho de Santiago www.artehistoria.com
  32. 32. Codex Calixtino • O exemplar mais antigo - conservado na Catedral de Compostela -, é datado entre 1150 e 1160,e constitui-se na cópia de um exemplar modelo. 32 Património Cultural – O Caminho de Santiago www.peregrinoteca.com
  33. 33. Codex Calixtino • A cópia realizada pelo monge Arnaldo de Monte em 1173 é conhecida como "manuscrito de Ripoll" e conserva-se atualmente em Barcelona. 33 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  34. 34. Codex Calixtino • Parte do manuscrito foi traduzido para o galego no primeiro terço do século XV, onde ficou conhecido como "Milagres de Santiago"", e recolhe partes da "Historia Caroli Magi" e do Guia do Peregrino. 34 Património Cultural – O Caminho de Santiago lesmevesfonts.blogspot.com
  35. 35. Codex Calixtinus • Foi impresso pela primeira vez em 1882, numa edição feita por Fidel Fita. 35 Património Cultural – O Caminho de Santiago www.amazon.com
  36. 36. Codex Calixtinus • O códice sofreu intervenção de restauro em 1966, ocasião em que lhe foi reincorporado o Livro IV, que dele havia sido destacado em 1609. 36 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  37. 37. • No século XII, o papa Calixto II, encarregou o sacerdote francês Aymeric Picaud de escrever o primeiro guia do Caminho de Santiago. 37 Património Cultural – O Caminho de Santiago www.liberediciones.com
  38. 38. Codex Calixtinus • Este livro, surgido em 1131, tornou-se conhecido como Codex Calixtinus. 38 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  39. 39. Codex Calixtinus • Picaud descreve, pela primeira vez, os detalhes da viagem, passo a passo. 39 Património Cultural – O Caminho de Santiago caminoways.com
  40. 40. Codex Calixtinus • Tece comentários sobre as diferentes regiões, as cidades e o povo ao longo do Caminho orientando como superar as dificuldades da peregrinação. 40 Património Cultural – O Caminho de Santiago Fornecendo um rico relato que após mais de oito séculos, continua sendo citado nos vários guias e roteiros do Caminho.
  41. 41. Codex Calixtinus • O livro intitulado Liber Sancti Jacobi, é uma enorme , erudita e variada compilação realizada em honra ao apóstolo Tiago. Para sua composição o autor reuniu todos os textos que encontrou que falassem sobre Tiago, sua vida, seu martírio, seu culto e seu templo em Compostela. A estes textos acrescentou muitos trechos de sua própria criação. 41 Património Cultural – O Caminho de Santiago appsmediatama.net
  42. 42. Codex Calixtinus • O livro foi publicado sob a égide do papa Calixto II, e dedicado ao Arcebispo Diego Gilmérez , de Compostela, e ao patriarca Guilhermo de Jerusalém. 42 Património Cultural – O Caminho de Santiago www.medievalum.com
  43. 43. Codex Calixtinus • A construção da Catedral, nesta época (1127), encontra-se quase terminada, a obra de Aymeric Picaud buscava ir além da construção de um monumento arquitetônico, seu objetivo foi estabelecer um corpo de doutrina que se constituísse em um monumento litúrgico e literário ao apóstolo, buscando assim fixar, enaltecer e imortalizar a devoção ao Santo. 43 Património Cultural – O Caminho de Santiago gl.wikipedia.org
  44. 44. Codex Calixtinus • A obra foi preparada e composta entre os anos 1125 e 1130. Durante sua elaboração a idéia inicial ampliou-se, e o texto cresceu muito mais que o previsto. 44 Património Cultural – O Caminho de Santiago elcaminodelevanteporvalladolid.blogspot.com
  45. 45. Codex Calixtinus • A sua publicação final e completa foi em 1160. Dela participaram os melhores escritores, teólogos, fabulistas, poetas, músicos e copistas da época, representando o mais seleto ambiente cultural da Espanha e da França. 45 Património Cultural – O Caminho de Santiago es.slideshare.ne
  46. 46. Codex Calixtinus • Ao seu final, a obra ficou dividida em cinco livros. O primeiro, mais extenso é de caráter litúrgico e trata de todos os textos religiosos, ritos, orações, hinos e cantos relacionados às festas e ao culto de Santiago. O segundo, é chamado de "Livro dos Milagres", no qual são relacionados 22 milagres ocorridos em várias regiões do mundo, atribuídos ao santo. 46 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  47. 47. Codex Calixtinus • O terceiro, fala sobre a chegada do corpo de Tiago a Península. O quarto, fala sobre a aparição de Tiago a Carlos Magno. E finalmente o quinto, que é o Guia sobre o Caminho. 47 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  48. 48. Codex Calixtinus • O livro V, que se constitui no mais antigo guia para os peregrinos que faziam o Caminho rumo a Santiago de Compostela, incluindo conselhos, descrições do percurso e das obras no arte nele existentes, assim como usos e costumes das populações que viviam ao longo da rota. 48 Património Cultural – O Caminho de Santiago www.telegraph.co.uk
  49. 49. Codex Calixtinus • Os demais livros do códice contém sermões, narrativas de milagres e textos litúrgicos diversos relacionados com o apóstolo São Tiago. 49 Património Cultural – O Caminho de Santiago www.landesarchiv-bw.de
  50. 50. Codex Calixtinus • Livro V • Ao quinto livro, "Iter pro peregrinis ad Compostellam", conhecido como Guia do Peregrino de Santiago de Compostela compreende os fólios 192 ao 213. 50 Património Cultural – O Caminho de Santiago www.praedica.de
  51. 51. • Atribuído a Aimerico Picaud, autor de Parthenay-le-Vieux (Poitou), foi escrito entre os anos 1135 e 1140. O texto é um conjunto de conselhos práticos para os peregrinos, baseado no próprio percurso do autor, com os lugares onde descansar, qualidade das águas, as relíquias a venerar, as gentes e cidades do caminho ou os santuários a visitar antes de chegar à catedral de Santiago de Compostela. 51 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  52. 52. Bibliografia – http://www.caminhoportosantiago.com/PT/santiago.html – http://www.caminhoportuguesdesantiago.com/PT/caminho.php – http://pt.wikipedia.org/wiki/Caminhos_de_Santiago – http://www.spain.info/pt/que-quieres/rutas/grandes-rutas/camino- santiago/ – http://atc.pt/files/72/7201.pdf – http://www.santiago.org.br/caminho-de-santiago-historia.asp – http://www.santiago.org.br/caminho-de-santiago-o-que-e.asp – http://www.confrariaapostolosantiago.com.br/depoimentos/historia- do-caminho.pdf – http://www.caminhoportosantiago.com/PT/santiago-historia.html – http://ocaminhodecompostela.blogspot.pt/2006/12/historia-de- santiago-de-compostela.html – http://pt.wikipedia.org/wiki/Caminho_Portugu%C3%AAs_de_Santiago 52 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  53. 53. Bibliografia – http://whc.unesco.org/en/list/669 – http://pt.wikipedia.org/wiki/Codex_Calixtinus – http://www.galeon.com/projetochronos/chronosmedieval /santiago/codex.htm – http://pt.scribd.com/doc/54472683/O-Codex- Calixtinus#scribd 53 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  54. 54. Bibliografia – http://whc.unesco.org/en/list/669 – http://pt.wikipedia.org/wiki/Cruz_de_Santiago – http://es.wikipedia.org/wiki/Cruz_de_Santiago 54 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  55. 55. Bibliografia fotográfica – http://2.bp.blogspot.com/- 6sjIwT7QqoQ/VNld6pmPkKI/AAAAAAAAsrY/0N-OhbkM- GU/s1600/Teodomiro%2Bdescobre%2Bo%2Bt%C3%BAmul o%2Bde%2BSantiago.jpg – http://images.world66.com/sa/nt/ia/santiago_peregrino_g alleryfull 55 Património Cultural – O Caminho de Santiago

×