UNIVERSIDADE SÉNIOR
CONTEMPORÂNEA
1
UNIVERSIDADE SÉNIOR
CONTEMPORÂNEA
• PATRIMÓNIO CULTURAL E
PAISAGÍSTICO PORTUGUÊS
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos
2
UNIVERSIDADE SÉNIOR
CONTEMPORÂNEA
Património Cultural e Paisagístico Português
• Museu Nacional de Arte Antiga
Professor D...
O Museu Nacional dde
Artesituado em Lisboa e dele
fazem parte o antigo Palácio dos
Condes de Alvor (séc. XVII) e um
edifíc...
Este museu é depositário de
diversas coleções: ourivesaria,
pintura e escultura, cerâmica,
entre outras, que vão do século...
O Museu Nacional de Arte Antiga é o mais
importante museu de arte dos séculos XII a XIX em
Portugal.
6Património Cultural ...
Inclui colecções de pintura,
escultura, desenho e artes
decorativas, maioritariamente
europeias, e também orientais
repres...
O museu encontra-se localizado
num palácio dos finais do século
XVII, mandado construir por D.
Francisco de Távora, primei...
Este foi o primeiro mosteiro de
freiras carmelitas descalças em
Lisboa, cujo patrono era Santo
Alberto, razão pela qual er...
A Ordem dos Carmelitas Descalços (ou,
simplesmente, Carmelitas Descalços, O.C.D.) é um
ramo da Ordem do Carmo, formado em ...
Este ramo divide-se em três diferentes tipos de
família carmelita: os padres ou frades, as freiras
contemplativas de claus...
A Ordem do Carmo (ou Ordem dos Carmelitas),
originalmente chamada Ordem dos Irmãos da Bem-
Aventurada Virgem Maria do Mont...
A palavra "Carmelo" significa jardim. Conta a
tradição que o Profeta Elias se estabeleceu numa
gruta, em pleno Monte Carme...
Mais tarde, uma Regra para a Ordem do Carmo foi
sistematizada e proposta por Santo Alberto,
Patriarca de Jerusalém, e apro...
O Palácio passou a ser conhecido
como Palácio de Alvor-Pombal
pois, em 1759, após o Processo
dos Távoras, o edifício foi
a...
O Processo dos Távoras refere-se a um escândalo
político português do século XVIII. Os
acontecimentos foram desencadeados ...
Foram espancados e depois queimados Dom
Francisco de Távora e seus dois filhos, José Maria e
Luís Bernardo. Brás Romeiro, ...
Na noite de 3 de Setembro de 1758, D. José I seguia
incógnito numa carruagem que percorria uma rua
secundária nos arredore...
Sebastião de Melo tomou o controle imediato da
situação. Mantendo em segredo o ataque e os
ferimentos do rei, este efectuo...
Ambos foram enforcados no dia seguinte, mesmo
antes da tentativa de regicídio ter sido tornada
pública. Nas semanas que se...
Foram todos acusados de alta traição e de regicídio.
As provas apresentadas em tribunal eram simples:
a) As confissões dos...
A sentença ordenou a execução de todos, incluindo
mulheres e crianças. Apenas as intervenções da
Rainha Mariana e de Maria...
O palácio do Duque de Aveiro, em Belém, Lisboa foi
demolido e o terreno salgado, simbolicamente, para
que nunca mais nada ...
Gabriel Malagrida foi enforcado e queimado a 21 de
Setembro de 1761 e a Companhia de Jesus
declarada ilegal. Todos as suas...
Sebastião de Melo foi feito Conde de Oeiras pelo
seu tratamento competente do caso, e
posteriormente, em 1770, obteve o tí...
O museu encontra-se instalado,
desde o seu início, num palácio
mandado construir no século XVII
por D. Francisco de Távora...
Não se conhece o arquitecto que
o projectou. Admite-se, porém,
que a construção se possa situar
em torno de 1690, isto é, ...
Consistia o palácio, inicialmente, num grande
corpo rectangular, confinando a poente com a
igreja e dependências do contíg...
As esculturas e objectos de artes
decorativas, incluindo as peças
de mobiliário e têxteis, não foram
inicialmente alvo do ...
Os herdeiros do conde de Alvor
vão ter dificuldades em manter a
casa que alienarão mais tarde.
Foi Matias Aires Ramos da S...
Apesar de o edifício ter saído
incólume do devastador
terramoto de 1755, Matias da
Silva Eça não o habitou e passou
a arre...
Posteriormente, a residência vem
a ser arrendada ao cônsul
holandês Daniel Gildemeester
famoso e opulento contratador
de d...
A morte de Matias Aires de Eça
provocou um pleito jurídico entre
os seus herdeiros, que só
terminou em 1769. A casa é,
ent...
Cerca de 1775, Gildemeester vem
a patrocinar um sumptuoso
programa de requalificação dos
interiores da residência, para
“b...
É admissível que a autoria das obras de
estuque dos tectos possa ser creditada a
Giovanni Rossi (1719-1781), pois está pró...
A ala mais recente do museu,
acrescentada na extremidade
confinante com o Jardim 9 de
Abril, foi edificada no final dos
an...
Sob a invocação de Santo
Alberto de Vercelli, a fundação
do convento ocorrera entre 1583
e 1598, durante a regência do
car...
No início do século XX, o que restava do seu edifício,
construção simples e desornamentada, encontrava-se
em estado de ava...
Dele somente resta,
actualmente, a antiga capela,
preservada como exemplo típico
do barroco português na sua
harmoniosa co...
As origens do museu remontam a
1834 quando, após a
desamortização das corporações
religiosas, se procedeu à recolha
das pi...
As esculturas e objectos de artes
decorativas, incluindo as peças
de mobiliário e têxteis, não foram
inicialmente alvo do ...
Os bens assim escolhidos, cuja
posse passou para o Estado,
foram entregues ao cuidado da
Academia Nacional de Belas-
Artes...
Estas instituições tinham entre
as suas competências a criação
de Museus e Galerias de Belas-
Artes com um intuito académi...
No entanto apenas em 1868, por
iniciativa de D. Francisco de Borja
Pedro Maria António de Sousa
Holstein, 1º Marquês De So...
Deste museu sabe-se relativamente pouco, nomeadamente que
se encontrava exposto em 5 salas - uma das quais era
denominada ...
Foi preciso esperar 10 anos para que a
situação se alterasse, sendo que para
esta mudança foi fundamental a
realização, em...
Esta exposição foi
posteriormente replicada em
Lisboa em 1882, no Palácio Alvor-
Pombal que em 1879 fora
arrendado pelo es...
O sucesso desta exposição
temporária, inaugurada em 12 de
Janeiro de 1882 e que teve 100
mil visitantes, impulsionou a
ina...
Note-se que uma inscrição
situada na escadaria nobre do
Palácio Alvor, onde se lê "Museu
nacional de Bellas Artes e
Archeo...
... sendo Ministro do Reino o
Concelheiro de Estado Augusto
César Barjona de Freitas e
Inspector da Academia Real de
Bella...
A data correcta é, efectivamente, 11
de Maio de 1884, tal como se pode
ver nos artigos publicados na
impressa da época. As...
O Diário Ilustrado, Lisboa, de 12
de Maio de 1884 também refere
a inauguração do museu no dia
anterior (ou seja, 11 de Mai...
Em 14 de Novembro de 1901 , através de
um decreto assinado por Hintze Ribeiro
confirmado em 18 de Dezembro de 1902,
proced...
De acordo com o decreto, o
Museu ficaria dividido em duas
secções, uma de Belas-Artes e
outra de artes decorativas, e no
m...
Aquando da implantação da
República, em 1910, era director
do museu o pintor Carlos Reis. É
justamente à intervenção do
no...
Há muito que o Palácio Alvor-
Pombal deixara de ter o espaço
necessário para o museu
nacional de belas artes e se pedia
um...
No entanto, e face à falta de verbas e
às prioridades do momento, a solução
encontrada pelos republicanos foi uma
divisão ...
O mesmo decreto instituía o
Museu Nacional de Arte Antiga
que, permanecendo no Palácio
Alvor- Pombal, tinha à sua
guarda o...
Actualmente o museu é também
conhecido por Museu das Janelas
Verdes, por se situar na rua com
este nome, designação que Jo...
Em 1940,após um longo processo, foi
inaugurado o novo edifício do museu,
ligado ao palácio Alvor- Pombal por um
passadiço....
O Museu integrou, em 1983, a XVII
Exposição Europeia de Arte Ciência e
Cultura sofrendo obras que incluíram a
construção d...
O Museu contém a maior colecção de
pintura portuguesa, e de outras
escolas europeias, com grande
destaque para as obras ve...
Possui também muitas peças de
escultura, ourivesaria, incluindo entre
outras peças a Custódia de Belém e a
Custódia da Bem...
A colecção completa-se também com
um núcleo de peças orientais e
africanas de influência europeia, na
sua maioria em respo...
Nestas peças o tema dos
descobrimentos está sempre
presente, ilustrando as ligações e
relações estabelecidas de Portugal
a...
O acervo é composto de cerca 2200
pinturas de origem nacional e
europeia; 3200 peças de ourivesaria e
joalharia portuguesa...
No que toca ao mobiliário,
composto por 1700 peças, é
possível encontrar peças
portuguesas, europeias e
orientais.
67Patri...
A colecção de cerâmica inclui
7500 peças em faiança e
porcelana de fabricos portugues,
europeu e oriental.
68Património Cu...
Também são numerosos os
têxteis, com 4500 peças que pelas
suas características materiais são
expostos em rotatividade.
69P...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Museu Nacional de Arte Antiga - Património Cultural e Paisagístico Português - Universidade Sénior Contemporânea do Porto

2.359 visualizações

Publicada em

Museu Nacional de Arte Antiga: matéria leccionada pelo Professor Doutor Artur Filipe dos Santos no âmbito da cadeira de Património Cultural e Paisagístico Português, da Universidade Sénior Contemporânea do Porto

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.359
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Museu Nacional de Arte Antiga - Património Cultural e Paisagístico Português - Universidade Sénior Contemporânea do Porto

  1. 1. UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA 1
  2. 2. UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA • PATRIMÓNIO CULTURAL E PAISAGÍSTICO PORTUGUÊS Professor Doutor Artur Filipe dos Santos 2
  3. 3. UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA Património Cultural e Paisagístico Português • Museu Nacional de Arte Antiga Professor Doutor Artur Filipe dos Santos 3Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  4. 4. O Museu Nacional dde Artesituado em Lisboa e dele fazem parte o antigo Palácio dos Condes de Alvor (séc. XVII) e um edifício de 1940 construído no local do antigo Convento das Albertas. 4Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  5. 5. Este museu é depositário de diversas coleções: ourivesaria, pintura e escultura, cerâmica, entre outras, que vão do século XII ao século XIX. 5Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  6. 6. O Museu Nacional de Arte Antiga é o mais importante museu de arte dos séculos XII a XIX em Portugal. 6Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos Painéis de São Vicente de Fora Uma obra-prima da pintura portuguesa do século XV na qual, com um estilo bastante seco mas poderosamente realista, se retratam figuras proeminentes da corte portuguesa de então, incluindo o que se presume ser um auto-retrato, e se atravessa toda a sociedade, da nobreza e clero até ao povo.
  7. 7. Inclui colecções de pintura, escultura, desenho e artes decorativas, maioritariamente europeias, e também orientais representativas das relações que se estabeleceram entre a Europa e o Oriente na sequência das viagens dos descobrimentos iniciadas no século XV, de que Portugal foi nação pioneira. 7Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  8. 8. O museu encontra-se localizado num palácio dos finais do século XVII, mandado construir por D. Francisco de Távora, primeiro conde de Alvor, e confinando a poente com o Convento de Santo Alberto. 8Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  9. 9. Este foi o primeiro mosteiro de freiras carmelitas descalças em Lisboa, cujo patrono era Santo Alberto, razão pela qual era também conhecido por Convento das Albertas. 9Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos Martírio das Onze Mil Virgens. Museu Nacional de Arte Antiga
  10. 10. A Ordem dos Carmelitas Descalços (ou, simplesmente, Carmelitas Descalços, O.C.D.) é um ramo da Ordem do Carmo, formado em 1593, que resulta de uma reforma feita ao carisma carmelita elaborada por Santa Teresa de Ávila e São João da Cruz. 10Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  11. 11. Este ramo divide-se em três diferentes tipos de família carmelita: os padres ou frades, as freiras contemplativas de clausura monástica e os leigos consagrados. 11Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  12. 12. A Ordem do Carmo (ou Ordem dos Carmelitas), originalmente chamada Ordem dos Irmãos da Bem- Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo, é uma ordem religiosa católica que surgiu no final do século XI, na região do Monte Carmelo (uma cadeia de colinas, próxima à actual cidade de Haifa, antiga Porfíria, no actual Estado de Israel). 12Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  13. 13. A palavra "Carmelo" significa jardim. Conta a tradição que o Profeta Elias se estabeleceu numa gruta, em pleno Monte Carmelo, seguindo uma vida eremítica de oração e silêncio. Nele, e no seu modo de vida, se inspiraram os primeiros religiosos da Ordem. 13Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  14. 14. Mais tarde, uma Regra para a Ordem do Carmo foi sistematizada e proposta por Santo Alberto, Patriarca de Jerusalém, e aprovada pelo Papa Honório III em 1226. No século XIII os religiosos acabaram por migrar para os países do Ocidente, fugindo das invasões sarracenas. 14Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  15. 15. O Palácio passou a ser conhecido como Palácio de Alvor-Pombal pois, em 1759, após o Processo dos Távoras, o edifício foi adquirido num leilão por Paulo de Carvalho e Mendonça, irmão de Marquês de Pombal que, por morte do primeiro, passou a ser proprietário do palácio tendo este ficado na posse da sua família por mais um século. . 15Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  16. 16. O Processo dos Távoras refere-se a um escândalo político português do século XVIII. Os acontecimentos foram desencadeados pela tentativa, pensa-se sem se ter certeza, de assassinato do Rei D. José I em 1758, e culminaram numa execução pública em Belém. 16Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  17. 17. Foram espancados e depois queimados Dom Francisco de Távora e seus dois filhos, José Maria e Luís Bernardo. Brás Romeiro, grande amigo de Luís Bernardo também não escapou. Também foram logo presos o Duque de Aveiro, um dos seus criados e um irmão desse criado, e a Marquesa de Távora, D. Leonor, que foi decapitada. 17Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  18. 18. Na noite de 3 de Setembro de 1758, D. José I seguia incógnito numa carruagem que percorria uma rua secundária nos arredores de Lisboa. O rei regressava para as tendas da Ajuda de uma noite com a amante. Pelo caminho, a carruagem foi interceptada por três homens, que dispararam sobre os ocupantes. D. José I foi ferido num braço, o seu condutor também ficou ferido gravemente, mas ambos sobreviveram e regressaram à Ajuda. 18Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  19. 19. Sebastião de Melo tomou o controle imediato da situação. Mantendo em segredo o ataque e os ferimentos do rei, este efectuou um julgamento rápido. Poucos dias depois, dois homens foram presos e torturados. Os homens confessaram a culpa e que tinham tido ordens da família dos Távoras, que estavam a conspirar pôr o duque de Aveiro, José Mascarenhas, no trono. 19Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  20. 20. Ambos foram enforcados no dia seguinte, mesmo antes da tentativa de regicídio ter sido tornada pública. Nas semanas que se seguem, a marquesa Leonor de Távora, o seu marido, o conde de Alvor, todos os seus filhos, filhas e netos foram encarcerados. Os conspiradores, o duque de Aveiro e os genros dos Távoras, o marquês de Alorna e o conde de Atouguia foram presos com as suas famílias. Gabriel Malagrida, o jesuíta confessor de Leonor de Távora foi igualmente preso.. 20Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  21. 21. Foram todos acusados de alta traição e de regicídio. As provas apresentadas em tribunal eram simples: a) As confissões dos assassinos executados, b) A arma do crime pertencia ao duque de Aveiro e c) O facto de apenas os Távoras poderem ter sabido dos afazeres do rei nessa noite, uma vez que ele regressava de uma ligação com Teresa de Távora, presa com os outros. 21Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  22. 22. A sentença ordenou a execução de todos, incluindo mulheres e crianças. Apenas as intervenções da Rainha Mariana e de Maria Francisca, a herdeira do trono, salvaram a maioria deles. A marquesa, porém, não seria poupada. Ela e outros acusados que tinham sido sentenciados à morte foram torturados e executados publicamente em 13 de Janeiro de 1759 num descampado, perto de Lisboa, próximo à Torre de Belém. 22Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  23. 23. O palácio do Duque de Aveiro, em Belém, Lisboa foi demolido e o terreno salgado, simbolicamente, para que nunca mais nada ali crescesse. No local, hoje chamado Beco do Chão Salgado, existe um marco alusivo ao acontecimento mandado erigir por D. José com uma lápide que pode ser lida . As armas da família Távora foram picadas e o nome Távora foi mesmo proibido de ser citado. 23Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  24. 24. Gabriel Malagrida foi enforcado e queimado a 21 de Setembro de 1761 e a Companhia de Jesus declarada ilegal. Todos as suas propriedades foram confiscadas e os jesuítas expulsos do território português, na Europa e no Ultramar . 24Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  25. 25. Sebastião de Melo foi feito Conde de Oeiras pelo seu tratamento competente do caso, e posteriormente, em 1770, obteve o título de Marquês de Pombal, o nome pelo qual é conhecido hoje. 25Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  26. 26. O museu encontra-se instalado, desde o seu início, num palácio mandado construir no século XVII por D. Francisco de Távora (1646- 1710), 1º conde de Alvor (título concedido por D. Pedro II, em 1683). 26Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos . Palácio Alvor-Pombal
  27. 27. Não se conhece o arquitecto que o projectou. Admite-se, porém, que a construção se possa situar em torno de 1690, isto é, em data posterior ao seu regresso da Índia, em 1686, onde fora vice- rei. 27Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  28. 28. Consistia o palácio, inicialmente, num grande corpo rectangular, confinando a poente com a igreja e dependências do contíguo convento de Santo Alberto cuja cerca abria, na retaguarda, para um pequeno jardim sobranceiro ao rio. 28Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  29. 29. As esculturas e objectos de artes decorativas, incluindo as peças de mobiliário e têxteis, não foram inicialmente alvo do interesse do Estado, pelo que não foram recolhidas pelas comissões entretanto estabelecidas para proceder ao inventário e recolha das obras de arte dos conventos extintos. 29Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  30. 30. Os herdeiros do conde de Alvor vão ter dificuldades em manter a casa que alienarão mais tarde. Foi Matias Aires Ramos da Silva Eça (1705-1763), provedor da Casa da Moeda, que adquiriu o palácio por volta de 1747. 30Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  31. 31. Apesar de o edifício ter saído incólume do devastador terramoto de 1755, Matias da Silva Eça não o habitou e passou a arrendá-lo. Sabemos que o embaixador da Alemanha, conde de Metch, que pagava anualmente a renda de 3 mil cruzados, aqui residiu de 1759 a 1762. . 31Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  32. 32. Posteriormente, a residência vem a ser arrendada ao cônsul holandês Daniel Gildemeester famoso e opulento contratador de diamantes e protegido do marquês de Pombal, que construiu o palácio de Seteais, em Sintra. 32Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  33. 33. A morte de Matias Aires de Eça provocou um pleito jurídico entre os seus herdeiros, que só terminou em 1769. A casa é, então, arrematada por um irmão do marquês de Pombal, Paulo de Carvalho, que terá tirado partido desta ligação político familiar para tal vantajosa aquisição. 33Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  34. 34. Cerca de 1775, Gildemeester vem a patrocinar um sumptuoso programa de requalificação dos interiores da residência, para “boa acomodação da sua pessoa e família e de seu filho primogénito a quem queria dar estado”. 34Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  35. 35. É admissível que a autoria das obras de estuque dos tectos possa ser creditada a Giovanni Rossi (1719-1781), pois está próxima de outras intervenções que realizou nesta época: no palácio Pombal, em Oeiras, por exemplo 35Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  36. 36. A ala mais recente do museu, acrescentada na extremidade confinante com o Jardim 9 de Abril, foi edificada no final dos anos 1930, no local onde antes se erguia o convento de Santo Alberto, contíguo ao palácio Alvor, primeira fundação das religiosas carmelitas descalças em Portugal. 36Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos . Convento das Albertas
  37. 37. Sob a invocação de Santo Alberto de Vercelli, a fundação do convento ocorrera entre 1583 e 1598, durante a regência do cardeal - arquiduque Alberto de Áustria, vice-rei de Portugal. 37Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  38. 38. No início do século XX, o que restava do seu edifício, construção simples e desornamentada, encontrava-se em estado de avançada ruína devido a um longo período de abandono e degradação que se seguiu à extinção das ordens religiosas, em 1834, e a um período de longa agonia que terminaria com a morte da última freira, já na década de 1890, tendo o edifício sido demolido em 1918. 38Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  39. 39. Dele somente resta, actualmente, a antiga capela, preservada como exemplo típico do barroco português na sua harmoniosa conjugação entre a talha dourada e o azulejo. Vista do exterior, a capela apresenta um alçado despojado e austero, marcado por um portal nobre proto-barroco, guardando para o seu interior todo o esplendor ornamental. 39Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos
  40. 40. As origens do museu remontam a 1834 quando, após a desamortização das corporações religiosas, se procedeu à recolha das pinturas e objectos de ourivesaria pertencentes a estas instituições extintas. 40Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  41. 41. As esculturas e objectos de artes decorativas, incluindo as peças de mobiliário e têxteis, não foram inicialmente alvo do interesse do Estado, pelo que não foram recolhidas pelas comissões entretanto estabelecidas para proceder ao inventário e recolha das obras de arte dos conventos extintos. 41Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  42. 42. Os bens assim escolhidos, cuja posse passou para o Estado, foram entregues ao cuidado da Academia Nacional de Belas- Artes de Lisboa, instalada no Convento de São Francisco, e da sua congénere situada na cidade do Porto, ambas fundadas em 1836. 42Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  43. 43. Estas instituições tinham entre as suas competências a criação de Museus e Galerias de Belas- Artes com um intuito académico na medida em que deveriam servir para o estudo e aprendizagem dos alunos das instituições, prevendo-se também a sua abertura ao público em geral. 43Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  44. 44. No entanto apenas em 1868, por iniciativa de D. Francisco de Borja Pedro Maria António de Sousa Holstein, 1º Marquês De Sousa Holstein, a vice-inspector da academia, foi inaugurada a Galeria Nacional de Pintura da Academia Real de Belas-Artes, nas instalações desta mesma Academia,3 com 366 pinturas. 44Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  45. 45. Deste museu sabe-se relativamente pouco, nomeadamente que se encontrava exposto em 5 salas - uma das quais era denominada Sala Dom Fernando-, que não teriam as melhores condições para os propósitos a que tinham sido destinadas, muito embora existisse a preocupação de registar as temperaturas das 5 salas ao longo dos anos de 1869 a 1872, bem como dos níveis de humidade na já referida sala de Dom Fernando. 45Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  46. 46. Foi preciso esperar 10 anos para que a situação se alterasse, sendo que para esta mudança foi fundamental a realização, em 1881, em Londres, no Museu South Kensington (o actual Museu Vitoria & Albert), de uma exposição internacional designada "Exposição retrospectiva de arte ornamental Portuguesa e Espanhola" 46Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  47. 47. Esta exposição foi posteriormente replicada em Lisboa em 1882, no Palácio Alvor- Pombal que em 1879 fora arrendado pelo estado com o intuito de nele instalar a galeria que se encontrava montada em precárias condições no Convento de São Francisco 47Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  48. 48. O sucesso desta exposição temporária, inaugurada em 12 de Janeiro de 1882 e que teve 100 mil visitantes, impulsionou a inauguração, em 11 de Maio 1884, do Museu Nacional de Belas-Artes e Arqueologia. 48Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  49. 49. Note-se que uma inscrição situada na escadaria nobre do Palácio Alvor, onde se lê "Museu nacional de Bellas Artes e Archeologia, inaugurado por S. M. El-Rei D. Luís, em 12 de Junho de 1884, ... 49Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  50. 50. ... sendo Ministro do Reino o Concelheiro de Estado Augusto César Barjona de Freitas e Inspector da Academia Real de Bellas Artes o Conde de Almedida“levou a assumir-se erradamente que o museu fora inaugurado em 12 de Junho de 1884. 50Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  51. 51. A data correcta é, efectivamente, 11 de Maio de 1884, tal como se pode ver nos artigos publicados na impressa da época. Assim, e entre outros, o Diário de Notícias, de Lisboa, em artigo publicado a 11 de Maio de 1884 informa que a inauguração do museu terá lugar nesse dia e a edição do dia seguinte confirma o acontecimento. 51Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  52. 52. O Diário Ilustrado, Lisboa, de 12 de Maio de 1884 também refere a inauguração do museu no dia anterior (ou seja, 11 de Maio). 52Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  53. 53. Em 14 de Novembro de 1901 , através de um decreto assinado por Hintze Ribeiro confirmado em 18 de Dezembro de 1902, procedia-se à reorganizada a Academia Real de Belas Artes, que dava lugar a três instituições interdependentes: a Academia Real de Belas Artes de Lisboa propriamente dita, a Escola de Belas Artes de Lisboa, e o Museu de Belas Artes. 53Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  54. 54. De acordo com o decreto, o Museu ficaria dividido em duas secções, uma de Belas-Artes e outra de artes decorativas, e no mesmo seriam expostas as obras de arte antigas e as obras de arte "modernas, nacionaes ou estrangeiras, de reconhecido valor". 54Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  55. 55. Aquando da implantação da República, em 1910, era director do museu o pintor Carlos Reis. É justamente à intervenção do novo poder republicano que o museu é reformado. 55Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  56. 56. Há muito que o Palácio Alvor- Pombal deixara de ter o espaço necessário para o museu nacional de belas artes e se pedia um edifício construindo de raiz, com as condições necessárias para expor e conservar os acervos do museu. 56Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  57. 57. No entanto, e face à falta de verbas e às prioridades do momento, a solução encontrada pelos republicanos foi uma divisão do acervo da instituição, passando as obras de arte posteriores a 1850 a constituir o acervo do Museu Nacional de Arte Contemporânea, que era assim criado por decreto de lei de 26 de Maio de 1911. 57Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  58. 58. O mesmo decreto instituía o Museu Nacional de Arte Antiga que, permanecendo no Palácio Alvor- Pombal, tinha à sua guarda o restante acervo, abrangendo uma cronologia desde o século XII à primeira metade do século XIX. 58Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  59. 59. Actualmente o museu é também conhecido por Museu das Janelas Verdes, por se situar na rua com este nome, designação que José de Figueiredo tentou divulgar, em detrimento da designação oficial. 59Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  60. 60. Em 1940,após um longo processo, foi inaugurado o novo edifício do museu, ligado ao palácio Alvor- Pombal por um passadiço. O novo edifício, construído no lugar onde anteriormente se encontrava o Convento das Albertas - desamortizado em 1892 e do qual resta, integrado no percurso expositivo do museu, a capela seiscentista revestida a talha dourada, pintura e azulejos. 60Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  61. 61. O Museu integrou, em 1983, a XVII Exposição Europeia de Arte Ciência e Cultura sofrendo obras que incluíram a construção de um piso intermédio no referido edifício anexo. Para o evento Lisboa 1994, Capital da Cultura, foram efectuadas novas obras que incluíram o rearranjo das salas de exposição permanente e temporária do Palácio Alvor. 61Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos O Museu
  62. 62. O Museu contém a maior colecção de pintura portuguesa, e de outras escolas europeias, com grande destaque para as obras versando assuntos religiosos, o que se deve ao facto de a classe religiosa ser o principal consumidor de arte em Portugal até século XIX, de cujos mosteiros e conventos provieram os fundos iniciais do museu, aquando da desamortização (supressão das ordens religiosas) de 1834. 62Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos A Coleção
  63. 63. Possui também muitas peças de escultura, ourivesaria, incluindo entre outras peças a Custódia de Belém e a Custódia da Bemposta, cerâmica e outras artes aplicadas, permitindo obter uma visão global sobre o que foram as manifestações da arte portuguesa, e de outras escolas europeias, desde a Idade Média até à primeira metade do século XIX. 63Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos A Coleção
  64. 64. A colecção completa-se também com um núcleo de peças orientais e africanas de influência europeia, na sua maioria em resposta a encomendas ocidentais e destinadas a estes mercados externos. 64Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos A Coleção
  65. 65. Nestas peças o tema dos descobrimentos está sempre presente, ilustrando as ligações e relações estabelecidas de Portugal ao Brasil, África, Índia, China e Japão. 65Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos A Coleção
  66. 66. O acervo é composto de cerca 2200 pinturas de origem nacional e europeia; 3200 peças de ourivesaria e joalharia portuguesa, francesa e de outros fabricos europeus, do século XII ao XIX. 66Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos A Coleção
  67. 67. No que toca ao mobiliário, composto por 1700 peças, é possível encontrar peças portuguesas, europeias e orientais. 67Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos A Coleção
  68. 68. A colecção de cerâmica inclui 7500 peças em faiança e porcelana de fabricos portugues, europeu e oriental. 68Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos A Coleção
  69. 69. Também são numerosos os têxteis, com 4500 peças que pelas suas características materiais são expostos em rotatividade. 69Património Cultural e Paisagístico Português - Artur Filipe dos Santos A Coleção

×