Cadeira de
HISTÓRIA DO PORTO
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
Professor Doutor
Artur Filipe dos San...
2
Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio, Recolhimento
Do Ferro, Capela de Nossa Senhora do Ferro
Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio
e Recolhimento do Ferro
Igreja de traça barroca,
construída na segunda
metade do séc...
• Segundo um autor do
século XVIII, o nome
advém-lhe de um ferro
que atravessava a porta
da primitiva igreja. Esta
ficava ...
Recolhimento de Nossa Senhora do
Patrocínio da Mãe de Deus
e Santa Maria
• O Recolhimento foi
fundado em 1681, junto
à Cap...
6
• Em 1746, recebeu
largas doações dos
Morgados do Carregal,
Luís António Girão
Teixeira Lobo Ferreira
Carneiro de
Vasconce...
• Anos mais tarde, em
1757, transferiu-se para
as Escadas do Codeçal,
começando-se a
construção da Igreja em
1777, com a a...
• Os estatutos do novo
Recolhimento foram
aprovados em 1790,
tomando o nome de
Recolhimento de Nossa
Senhora do Patrocínio...
• O Recolhimento do
Ferro é um antigo
edifício religioso de
assistência
(recolhimento),
localizado na freguesia
da Sé, Por...
• História
Foi fundado no século
XV na zona da Sé, à
entrada da Rua Escura.
Funcionava como um
albergue de prostitutas
e m...
• Tinha uma capela
pegada, que ostentava
na frontaria o ano de
1681 que corresponde a
uma remodelação, dado
que a capela e...
• Era ocupada pelos
meninos do coro da
Catedral, mas quando
eles abandonaram o
pequeno prédio, este
foi ocupado por
mulher...
• Em 1681, o anexo onde
se recolhiam as
mulheres é alvo de
obras e é criado o
Recolhimento do Ferro.
14
• A capela chamava-se Capela
de Nossa Senhora do Ferro
porque tinha um ferro
atravessado de lado a lado
da porta, supostam...
• É sabido que os
condenados tinham que
passar diante da capela
em direção a Mijavelhas
onde ficava a forca. Não
consta qu...
• .Posteriormente, foi
também conhecida por
Capela de São Sebastião,
por causa de uma
imagem do santo
protector contra a p...
• Em 1854, com a
epidemia de cólera-
mórbus, sabe-se que os
moradores da Sé
invocaram a protecção
de São Sebastião e
escap...
• Nos começos do século
XVIII pensou-se em
remodelar e melhorar
as instalações. Mas a
ideia não foi por diante.
19
• Em frente, na rua de S.
Sebastião, do Aljube, era
possível ver o que se
passava no interior do
recolhimento, pelo que o
...
• A doadora impôs por
condição que o
recolhimento tomasse
por padroeira Santa
Maria Madalena, por
recolher prostitutas que...
• Hoje chega a dizer-se,
erradamente, que aqui
eram enclausuradas as
adulteras pelos seus
maridos. Aqui as
internadas vivi...
• As regentes da
instituição eram eleitas
por todas as internas
mas os estatutos não
permitiam a realização
de festas para...
• No século XIX o edificio foi
abandonado por causa das
Invasões Francesas e das
Lutas Liberais. Extinto, ficou
abandonado...
• Quem não ouviu já falar
do Recolhimento do Ferro
e da antiquíssima Capela
de Nossa Senhora do
Ferro, que existiram
numa ...
• Nos começos do século
XVIII pensou em
remodelar-se e melhorar-
se as instalações da Rua
Escura. Mas a ideia não
foi por ...
• Decidiu-se, então, pela
construção de novas
instalações em sítio
adequado. O edifício pa-ra a
instalação do novo
recolhi...
• Algumas condições foram impostas
pela doadora. Uma delas era a de
que o Recolhimento tomasse por
padroeira "a grande exe...
• A instituição, depois da
transferência da Rua escura para
o Codeçal, passou a ser
conhecida pela designação de
Recolhime...
• A construção da igreja e do
recolhimento naquele lugar airoso e
alegre, debruçado sobre o rio, não
foi de todo pacífica....
• Esta medida acarretou
outros inconvenientes,
dos quais o mais
complicado foi levantado
por um alferes da
Guarnição do Po...
• Em 21 de Agosto de 1764,
os mestres pedreiros José
da Costa e António da Silva
assumiram a obrigação de
fazerem as obras...
• Henrique Duarte de Sousa Reis,
que escreveu em meados do
século XIX, deixou escrito que o
Recolhimento se destinava, no
...
IGREJA E RECOLHIMENTO DE NOSSA SENHORA DO
PATROCÍNIO / IGREJA E RECOLHIMENTO DO FERRO /
RECOLHIMENTO DE NOSSA SENHORA DO P...
• O portal principal com
pórtico de colunas coríntias
duplas, uma delas
encastrada, suporta frontão
curvo interrompido com...
• Os janelões que
ladeiam o portal
principal e os três
janelões da capela-mor,
com tímpanos elevados
decorados com
conchas...
• Predominância de
capitéis coríntios até no
interior da igreja.
Profusão de conchas,
concheados e folhas de
acanto em tod...
38
nterior: portal da portaria do recolhimento
(ladeado pelas rodas)
Capela de Nossa Senhora do Ferro
• Quem não ouviu já falar do
Recolhimento do Ferro e da
antiquíssima Capela de
Nossa Senh...
Capela de Nossa Senhora do Ferro
• A esta capela andava ligada
uma lenda, segundo a qual
os condenados a morrer na
forca, ...
• A capela atrás referida, chamava-
se, inicialmente, Capela da
Senhora do Ferro mas,
posteriormente, foi também
conhecida...
• Os devotos chegaram,
inclusivamente, a
substituir a antiga
imagem de S.
Sebastião por uma mais
moderna que, após a
demol...
• O cortejo com os presos
condenados à morte tinha
obrigatoriamente que passar
pela Rua Escura por que as
prisões ficavam ...
44
Bibliografia
http://pt.wikipedia.org/wiki/Recolhimento_do_Ferro
http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=9...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Igreja Nossa Senhora do Patrocínio, Capela e Recolhimento do Ferro, História do Porto

765 visualizações

Publicada em

Universidade Sénior Contemporânea do Porto: Cadeira de História do Porto, lecionada pelo Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - igreja Nossa Senhora do Patrocínio, Capela e Eecolhimento do Ferro

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
765
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Igreja Nossa Senhora do Patrocínio, Capela e Recolhimento do Ferro, História do Porto

  1. 1. Cadeira de HISTÓRIA DO PORTO Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Professor Doutor Artur Filipe dos Santos 1
  2. 2. 2 Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio, Recolhimento Do Ferro, Capela de Nossa Senhora do Ferro
  3. 3. Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio e Recolhimento do Ferro Igreja de traça barroca, construída na segunda metade do século XVIII. Para aqui se transferiu o Recolhimento do Ferro, inicialmente situado na Rua Escura. 3
  4. 4. • Segundo um autor do século XVIII, o nome advém-lhe de um ferro que atravessava a porta da primitiva igreja. Esta ficava próxima das antigas cadeias e, segundo a tradição, o ferro livrava da morte os condenados que o alcançassem. 4 Interior: sala anexa à escadaria do recolhimento
  5. 5. Recolhimento de Nossa Senhora do Patrocínio da Mãe de Deus e Santa Maria • O Recolhimento foi fundado em 1681, junto à Capela de Nossa Senhora do Ferro, num edifício da Rua Escura, 63. 5
  6. 6. 6
  7. 7. • Em 1746, recebeu largas doações dos Morgados do Carregal, Luís António Girão Teixeira Lobo Ferreira Carneiro de Vasconcellos e mulher Dona Teodora Inácia de Azevedo e Lacerda 7
  8. 8. • Anos mais tarde, em 1757, transferiu-se para as Escadas do Codeçal, começando-se a construção da Igreja em 1777, com a ajuda do Bispo do Porto, Dom João Rafael de Mendonça 8
  9. 9. • Os estatutos do novo Recolhimento foram aprovados em 1790, tomando o nome de Recolhimento de Nossa Senhora do Patrocínio da Mãe de Deus e Santa Maria Madalena, mas mantendo sempre a designação popular de Recolhimento de Nossa Senhora do Ferro. 9
  10. 10. • O Recolhimento do Ferro é um antigo edifício religioso de assistência (recolhimento), localizado na freguesia da Sé, Porto, tendo em anexo a Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio. 10
  11. 11. • História Foi fundado no século XV na zona da Sé, à entrada da Rua Escura. Funcionava como um albergue de prostitutas e mulheres abandonadas. 11
  12. 12. • Tinha uma capela pegada, que ostentava na frontaria o ano de 1681 que corresponde a uma remodelação, dado que a capela era provavelmente mais antiga. 12
  13. 13. • Era ocupada pelos meninos do coro da Catedral, mas quando eles abandonaram o pequeno prédio, este foi ocupado por mulheres sem recursos e viúvas pobres. 13
  14. 14. • Em 1681, o anexo onde se recolhiam as mulheres é alvo de obras e é criado o Recolhimento do Ferro. 14
  15. 15. • A capela chamava-se Capela de Nossa Senhora do Ferro porque tinha um ferro atravessado de lado a lado da porta, supostamente mandado colocar devido a um privilégio concedido por um dos nossos primeiros reis: o condenado que saísse da Cadeia do Aljube e por ali passasse para ser enforcado e conseguisse chegar a tocar no ferro já não seria executado. 15
  16. 16. • É sabido que os condenados tinham que passar diante da capela em direção a Mijavelhas onde ficava a forca. Não consta que algum condenado tenha evitado a morte por beneficiar do privilégio. 16
  17. 17. • .Posteriormente, foi também conhecida por Capela de São Sebastião, por causa de uma imagem do santo protector contra a peste que foi ali guardada pela Diocese no fim do século XVIII, após a demolição da Porta de S. Sebastião, uma das quatro portas da Muralha Primitiva do Porto. 17 2. Porta de São Sebastião: próxima da Antiga Casa da Câmara; foi demolida em 1819
  18. 18. • Em 1854, com a epidemia de cólera- mórbus, sabe-se que os moradores da Sé invocaram a protecção de São Sebastião e escaparam "milagrosamente", passando a comemorar ao santo todos os anos, a 20 de Janeiro. 18
  19. 19. • Nos começos do século XVIII pensou-se em remodelar e melhorar as instalações. Mas a ideia não foi por diante. 19
  20. 20. • Em frente, na rua de S. Sebastião, do Aljube, era possível ver o que se passava no interior do recolhimento, pelo que o novo recolhimento seria construído nas Escadas do Codeçal em terrenos que uma senhora D. Josefa Maria doara por escritura de 17 de Março de 1729. 20
  21. 21. • A doadora impôs por condição que o recolhimento tomasse por padroeira Santa Maria Madalena, por recolher prostitutas que desejassem abandonar a "velha profissão", bem como mulheres casadas e de família com o avalo dos maridos. 21
  22. 22. • Hoje chega a dizer-se, erradamente, que aqui eram enclausuradas as adulteras pelos seus maridos. Aqui as internadas viviam modestamente, sustentando-se "com o produto do seu trabalho" Observavam regras muito rígidas. 22
  23. 23. • As regentes da instituição eram eleitas por todas as internas mas os estatutos não permitiam a realização de festas para festejar a eleição da dita regente. 23
  24. 24. • No século XIX o edificio foi abandonado por causa das Invasões Francesas e das Lutas Liberais. Extinto, ficou abandonado. Nos anos 30 do século XX, os rebentamentos de explosivos para a abertura do Túnel da Ribeira abalaram-no, tendo sido restaurado e sendo hoje propriedade da Junta de Freguesia da Sé, que lá instalou o seu centro social e cultural. 24
  25. 25. • Quem não ouviu já falar do Recolhimento do Ferro e da antiquíssima Capela de Nossa Senhora do Ferro, que existiram numa reentrância da Rua Escura, à entrada da antiga Viela dos Gatos e que hoje, muito modificada, se chama Travessa de São Sebastião ? Já lá vai tudo, capela e recolhimento. 25
  26. 26. • Nos começos do século XVIII pensou em remodelar-se e melhorar- se as instalações da Rua Escura. Mas a ideia não foi por diante. Em frente, na rua de S. Sebastião, ficava o aljube e das janelas deste presídio era possível devassar tudo o que se passava no interior do antigo recolhimento. 26
  27. 27. • Decidiu-se, então, pela construção de novas instalações em sítio adequado. O edifício pa-ra a instalação do novo recolhimento seria construído no Codessal (era esta a grafia antiga) em terrenos que uma tal Josefa Maria doara gratuitamente, por escritura de 17 de Março de 1729, " às recolhidas e convertidas do Recolhimento de Nossa Senhora do Ferro". 27
  28. 28. • Algumas condições foram impostas pela doadora. Uma delas era a de que o Recolhimento tomasse por padroeira "a grande exemplar da castidade" Santa Maria Madalena. E porquê? Porque na instituição deviam ser recebidas "todas aquelas mulheres que arrependidas da má vida e costumes dissolutos do mundo, se quisessem naquele Recolhimento" que era destinado, sobretudo, "às mulheres de idade de 15 até 30 anos e bem parecidas e que por tais (serem) servissem de maior ruína das almas..." 28
  29. 29. • A instituição, depois da transferência da Rua escura para o Codeçal, passou a ser conhecida pela designação de Recolhimento de Nossa Senhora do Patrocínio e Santa Maria Madalena. Mas em alguns documentos e livros também é designada por Recolhimento do Patrocínio da Mãe de Deus. Mas por regra era conhecida simplesmente por Recolhimento do Ferro, como o era quando estava na Rua Escura. 29 Interior da igreja: retábulo-mor
  30. 30. • A construção da igreja e do recolhimento naquele lugar airoso e alegre, debruçado sobre o rio, não foi de todo pacífica. • As obras começaram antes de 1752. Inicialmente, a ideia era a de construir a igreja e o edifício do recolhimento no sentido de um paredão que se ergueu voltado para o rio. Mas os autores do projecto e as próprias recolhidas entenderam, algum tempo depois, que seria melhor construir o templo e as novas instalações à face da rua, que é como quem diz, das escadas. 30
  31. 31. • Esta medida acarretou outros inconvenientes, dos quais o mais complicado foi levantado por um alferes da Guarnição do Porto que morava do outro lado da rua e se queixou de que a obra lhe tirava as vistas sobre o rio. Este óbice, porém, acabaria por ser resolvido e a obra prosseguiu. 31
  32. 32. • Em 21 de Agosto de 1764, os mestres pedreiros José da Costa e António da Silva assumiram a obrigação de fazerem as obras da portaria onde deviam ficar a roda e a grade através da qual as recolhidas podiam falar com as pessoas que as procurassem. Esta empreitada foi ajustada àqueles mestres pela quantia de 130 mil reis. A obra que foi construída é a que ainda subsiste. 32
  33. 33. • Henrique Duarte de Sousa Reis, que escreveu em meados do século XIX, deixou escrito que o Recolhimento se destinava, no seu tempo, "à clausura de senhoras e meninas que seus superiores, por conveniências públicas ou particulares, entendessem dever retirar do século e que nele (recolhimento) também se fazem depósitos judiciais de desposadas, quando é preciso..." 33
  34. 34. IGREJA E RECOLHIMENTO DE NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO / IGREJA E RECOLHIMENTO DO FERRO / RECOLHIMENTO DE NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO DA MÃE DE DEUS E DE SANTA MARIA MADALENA / RECOLHIMENTO DAS CONVERTIDAS DO FERRO • Arquitectura religiosa barroca e rococó. Edifício de planta composta, que resulta da associação do corpo da igreja, de nave e capela-mor rectangulares, como corpo do anterior recolhimento de planta alongada 34
  35. 35. • O portal principal com pórtico de colunas coríntias duplas, uma delas encastrada, suporta frontão curvo interrompido com concheados no tímpano. Um janelão engradado abre-se sobre a padieira decorada com volutas e concheados. A sobrepujar o janelão, frontão contracurvado interrompido. 35
  36. 36. • Os janelões que ladeiam o portal principal e os três janelões da capela-mor, com tímpanos elevados decorados com conchas, frisos e acantos, apresentam-se encimados por frontões ondulados e com volutas. 36
  37. 37. • Predominância de capitéis coríntios até no interior da igreja. Profusão de conchas, concheados e folhas de acanto em todos os vãos das paredes laterais da igreja. Portal barroco no interior da portaria, encimado por exuberantes volutas intercaladas por flores. 37
  38. 38. 38 nterior: portal da portaria do recolhimento (ladeado pelas rodas)
  39. 39. Capela de Nossa Senhora do Ferro • Quem não ouviu já falar do Recolhimento do Ferro e da antiquíssima Capela de Nossa Senhora do Ferro, que existiram numa reentrância da Rua Escura, à entrada da antiga Viela dos Gatos (chamava-se anteriornente Viela do Forno) e que hoje, muito modificada, se chama Travessa de São Sebastião? Já lá vai tudo, capela e recolhimento. 39
  40. 40. Capela de Nossa Senhora do Ferro • A esta capela andava ligada uma lenda, segundo a qual os condenados a morrer na forca, que ficava em Mijavelhas (Campo de 24 de Agosto), livravam-se da morte se conseguissem deitar a mão a um ferro que atravessava a porta do templo à altura da padieira. Daí a designação de Capela do Ferro. 40
  41. 41. • A capela atrás referida, chamava- se, inicialmente, Capela da Senhora do Ferro mas, posteriormente, foi também conhecida por Capela de S. Sebastião - por causa de uma imagem que nela havia do santo protector contra a peste. Essa imagem, segundo uma velha tradição, estivera numa edícula situada na parte cimeira da porta da cerca velha que, por isso mesmo, tinha o nome de Porta de S. Sebastião. 41
  42. 42. • Os devotos chegaram, inclusivamente, a substituir a antiga imagem de S. Sebastião por uma mais moderna que, após a demolição da capela, em 1928, foi levada para a Capela de Nossa Senhora dos Anjos ou de Santa Catarina, em Lordelo do Ouro. 42
  43. 43. • O cortejo com os presos condenados à morte tinha obrigatoriamente que passar pela Rua Escura por que as prisões ficavam ali perto, na Rua de S. Sebastião. Segundo uma crónica de Frei Agostinho de Santa Maria, os homens da Justiça "iam todos encostados à parte oposta da capela, para que o padecente que por ali passasse não pudesse deitar a mão ao ferro da capela…" 43
  44. 44. 44
  45. 45. Bibliografia http://pt.wikipedia.org/wiki/Recolhimento_do_Ferro http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=9027 http://www.jn.pt/PaginaInicial/Interior.aspx?content_id=444028&page=-1 http://www.cm- porto.pt/gen.pl?sid=cmp.sections/570&fokey=cmp.toponimia/841 http://jep.cm- porto.pt/sites/default/files/downloads/folheto_sao_nicolau_2007.pdf http://www.jn.pt/PaginaInicial/Interior.aspx?content_id=515349 http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=9027 http://www.cm- porto.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=cmp.stories/461 http://www.cm- porto.pt/gen.pl?sid=cmp.sections/570&fokey=cmp.toponimia/841 http://viasromanas.zxq.net/doc/SePorto_Sebastiao.html http://portoarc.blogspot.pt/2012/07/bairros-da-cidade-vii.html 45

×