Cadeira de 
HISTÓRIA DO PORTO 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea 
Professor Doutor 
Artur Filipe do...
Zimbório do Senhor do Padrão e a 
História do Concelho de Matosinhos
Zimbório do Senhor do Padrão 
• O "Senhor do Padrão" 
assinala o local onde, 
segundo a lenda local, 
terá dado à costa, n...
• Local certamente assinalado 
desde épocas remontas foi, 
no entanto, em data 
posterior a 1758 que se 
edificou o atual ...
• O surgimento de uma 
fonte de água doce no 
local em 1733, então 
reputado como 
"miraculoso", deu 
origem à construção ...
• Encontra-se classificado 
como Monumento 
Nacional desde 1971.
História de Matosinhos 
• A povoação é anterior à 
fundação da nacionalidade 
portuguesa, pois já existia 
no ano de 900, ...
• Em 1833 foi criado o 
concelho de Bouças, 
ficando nele incluídas as 
freguesias de 
Matosinhos e Leça da 
Palmeira, ent...
• Os mais antigos vestígios da ação humana neste 
território (vários instrumentos lítios talhados, 
atribuíveis ao Paleolí...
• A fixação das gentes a 
estas terras ter-se-á 
iniciado há cerca de 
5000 anos, durante o 
Neolítico, tendo 
chegado até...
• Em Antela (Lavra), 
Perafita, Guifões e S. 
Gens localizar-se-iam 
importantes núcleos 
destes monumentos. 
Artur Filipe...
• Nos finais da Idade do 
Bronze, à semelhança do 
resto do Nordeste 
Peninsular vai expandir-se 
um novo tipo de habitat ...
• Ainda hoje são 
significativos os 
vestígios de castros 
existentes no concelho, 
destacando-se pela sua 
área e espólio...
• A chegada dos romanos, há 
cerca de 2000 anos, vai 
provocar profundas 
alterações estruturais. A 
abertura de vias (com...
• O estuário do Leça e a 
zona de Lavra terão 
sido, neste contexto, os 
locais mais 
romanizados, bem 
atestados nesta úl...
• Na Alta Idade Média este 
território foi marcado 
pelo Mosteiro de Bouças, 
cuja fundação é anterior à 
nacionalidade. F...
• Outro importante 
monumento medieval é 
o Mosteiro de Leça do 
Balio que resultou da 
ampliação de uma 
antiga edificaçã...
• No século XVI, com carta de 
foral atribuída em 1514 por 
D. Manuel I, assumindo-se 
como um importante centro 
produtor...
• É neste século que se 
constrói a atual Igreja de 
Matosinhos e para onde se 
transfere a antiga imagem 
do Bom Jesus at...
• A este arquiteto são 
também atribuídas 
importantes obras nas 
quintas do Chantre 
(Leça do Balio) e do 
Bispo (Santa C...
• Mas o concelho é fruto 
também da sua abertura ao 
mar. Por ele partiram 
muitos mareantes na época 
dos descobrimentos....
• Em 1867 foi criado o 
concelho de Matosinhos, 
voltando à organização 
anterior vinte dias depois. 
Em 1909 dirigiu-se u...
• Desta forma, o concelho 
de Matosinhos foi criado 
definitivamente em 6 de 
maio de 1909. 
O concelho de 
Matosinhos é u...
Zimbório do Senhor do Padrão 
• Datado do século XVIII e 
conhecido também por 
“Senhor do Espinheiro” 
ou “Senhor da Arei...
• Monumento de fortíssimo 
impacto visual até inícios 
do século XX, este 
zimbório encontrava-se 
isolado no meio do area...
• Não obstante o “Senhor 
do Padrão” ter perdido, 
na sequência do 
desenvolvimento dos 
últimos 100 anos, muito 
do seu i...
• Com efeito muita da 
devoção religiosa dos 
pescadores de 
Matosinhos e suas 
famílias materializa-se 
junto a este monu...
• O Monumento Nacional 
a que, segundo a placa 
informativa, existente 
ao lado do edifício, 
passou a denominar-se 
Zimbó...
Zimbório do Senhor do Padrão 
• Este Zimbório ou 
Monumento é também 
conhecido por Senhor 
da Areia ou Senhor do 
Padrão....
Zimbório do Senhor do Padrão 
• Em 1733 foi descoberta a 
milagrosa fonte de água 
doce existente no seu 
interior, como n...
• Na elevada abóbada, 
guarnecida de oito 
pirâmides, que termina 
no seu vértice por uma 
Cruz, centro eleva-se a 
Imagem...
• Descendo dois degraus, 
encontra-se a fonte, 
lavrada em cantaria, 
com quatro faces e em 
cada uma delas uma 
inscrição...
• Esta capela foi edificada 
em honra de um braço 
humano que se achou na 
areia naquele lugar, que 
dizem ter sido muito ...
• Outra explicação para a 
lenda e do monumento 
edificado no século XVIII, é 
de que este imponente 
monumento assinala o...
• A partir de então, a 
imagem desmembrada, à 
qual a lenda conferiu 
atribuladas peripécias até 
que o braço que lhe 
fal...
• Para o seu crescimento e 
desenvolvimento 
contribuíram, sem qualquer 
dúvida, a "(...) importância 
das actividades lig...
• De monumentais dimensões, 
o Padrão do Bom Jesus de 
Matosinhos é constituído por 
um grande alpendre que 
alberga ao ce...
• A estrutura é fechada 
por zimbório com 
lanternim, coberto 
internamente por 
reboco pintado, e cujas 
faces exteriores...
• Ao centro, sobre um 
soco de três degraus, 
assenta o cruzeiro de 
braços quadrados, 
revestido a azulejos 
policromos n...
• Defronte foi edificada uma 
mesa de altar, também 
forrada com painéis de 
azulejo, simulando tecido. 
Junto à estrutura...
• Embora o crescimento 
urbanístico de Matosinhos 
tenha desvirtuado a área 
que envolve o padrão, este 
memorial estava 
...
Bibliografia 
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Padr%C3%A3o_do_Bom_J 
esus_de_Matosinhos 
• http://www.cm-matosinhos.pt/pages...
História do Porto   Zimbório do Senhor do Padrão - Artur Filipe dos Santos - Universidade Sénior Contemporânea
História do Porto   Zimbório do Senhor do Padrão - Artur Filipe dos Santos - Universidade Sénior Contemporânea
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

História do Porto Zimbório do Senhor do Padrão - Artur Filipe dos Santos - Universidade Sénior Contemporânea

402 visualizações

Publicada em

O "Senhor do Padrão" assinala o local onde, segundo a lenda local, terá dado à costa, no dia 3 de maio do ano 124, a imagem do Bom Jesus de Matosinhos.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
402
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História do Porto Zimbório do Senhor do Padrão - Artur Filipe dos Santos - Universidade Sénior Contemporânea

  1. 1. Cadeira de HISTÓRIA DO PORTO Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Professor Doutor Artur Filipe dos Santos
  2. 2. Zimbório do Senhor do Padrão e a História do Concelho de Matosinhos
  3. 3. Zimbório do Senhor do Padrão • O "Senhor do Padrão" assinala o local onde, segundo a lenda local, terá dado à costa, no dia 3 de maio do ano 124, a imagem do Bom Jesus de Matosinhos. Artur Filipe dos Santos
  4. 4. • Local certamente assinalado desde épocas remontas foi, no entanto, em data posterior a 1758 que se edificou o atual zimbório, conhecido também por "Senhor da Areia", uma vez que até ao início do século XX este monumento se encontrar totalmente isolado no meio de um vasto areal, possuíndo, por isso, um forte impacto visual. Artur Filipe dos Santos
  5. 5. • O surgimento de uma fonte de água doce no local em 1733, então reputado como "miraculoso", deu origem à construção mais pequena que pode ser observada junto ao zimbório. Artur Filipe dos Santos
  6. 6. • Encontra-se classificado como Monumento Nacional desde 1971.
  7. 7. História de Matosinhos • A povoação é anterior à fundação da nacionalidade portuguesa, pois já existia no ano de 900, chamando-se Matesinus.Em 1258, figurou com o nome de Matusiny nas inquirições de D. Afonso III. Pertencia, na altura, à freguesia de Sandim. D. Manuel I concedeu-lhe foral em 30.9.1514. Artur Filipe dos Santos
  8. 8. • Em 1833 foi criado o concelho de Bouças, ficando nele incluídas as freguesias de Matosinhos e Leça da Palmeira, entre outras. A vila de Matosinhos, constituída pelas freguesias de Matosinhos e de Leça, foi criada em 1853. Artur Filipe dos Santos
  9. 9. • Os mais antigos vestígios da ação humana neste território (vários instrumentos lítios talhados, atribuíveis ao Paleolítico) possuirão alguns milhares de anos e foram recolhidos em praias antigas e atuais, nomeadamente na Boa Nova. Artur Filipe dos Santos
  10. 10. • A fixação das gentes a estas terras ter-se-á iniciado há cerca de 5000 anos, durante o Neolítico, tendo chegado até aos nossos dias ténues vestígios dos monumentos funerários dessa época: as antas. Artur Filipe dos Santos
  11. 11. • Em Antela (Lavra), Perafita, Guifões e S. Gens localizar-se-iam importantes núcleos destes monumentos. Artur Filipe dos Santos
  12. 12. • Nos finais da Idade do Bronze, à semelhança do resto do Nordeste Peninsular vai expandir-se um novo tipo de habitat proto-urbano de altitude (os castros), associado a uma cultura de características próprias e que perdurará durante toda a Idade do Ferro. Castro de Guifões Artur Filipe dos Santos
  13. 13. • Ainda hoje são significativos os vestígios de castros existentes no concelho, destacando-se pela sua área e espólio já recolhido o de Guifões. Artur Filipe dos Santos
  14. 14. • A chegada dos romanos, há cerca de 2000 anos, vai provocar profundas alterações estruturais. A abertura de vias (como a estrada Cale-Bracara) e a construção de pontes (como a Ponte da Pedra) fazem parte duma política generalizada de desenvolvimento das comunicações e do comércio, associada à Pax Romana.
  15. 15. • O estuário do Leça e a zona de Lavra terão sido, neste contexto, os locais mais romanizados, bem atestados nesta última por vestígios de uma villae e de estruturas de produção de garum e de sal. O GARUM género de condimento muito utilizado na Antiguidade, especialmente na Roma Antiga. É feito de sangue, vísceras e de outras partes seleccionadas do atum ou da cavala misturadas com peixes pequenos, crustáceos e moluscos esmagados; tudo isto era deixado em salmoura e ao sol durante cerca de dois meses ou então aquecido artificialmente. Este produto era exportado para várias partes do Mediterrâneo. Artur Filipe dos Santos
  16. 16. • Na Alta Idade Média este território foi marcado pelo Mosteiro de Bouças, cuja fundação é anterior à nacionalidade. Foi ele que fez desenvolver todo o aglomerado populacional que encabeçaria a divisão administrativa do Julgado de Bouças que está na base do atual concelho de Matosinhos. Artur Filipe dos Santos
  17. 17. • Outro importante monumento medieval é o Mosteiro de Leça do Balio que resultou da ampliação de uma antiga edificação e que viria a ser a primitiva sede em Portugal da ordem dos Cavaleiros Hospitalários. Artur Filipe dos Santos
  18. 18. • No século XVI, com carta de foral atribuída em 1514 por D. Manuel I, assumindo-se como um importante centro produtor agropecuário e sede de ricas propriedades, Matosinhos torna-se um dos principais polos abastecedores do Porto numa altura em que freguesias como Ramalde, Foz e Aldoar ainda faziam parte do seu território. Artur Filipe dos Santos
  19. 19. • É neste século que se constrói a atual Igreja de Matosinhos e para onde se transfere a antiga imagem do Bom Jesus até então depositada no Mosteiro de Bouças. A crescente importância deste culto levará, dois séculos mais tarde, a uma profunda remodelação do templo efetuada pelo arquiteto italiano Nicolau Nasoni. Artur Filipe dos Santos
  20. 20. • A este arquiteto são também atribuídas importantes obras nas quintas do Chantre (Leça do Balio) e do Bispo (Santa Cruz do Bispo). Artur Filipe dos Santos
  21. 21. • Mas o concelho é fruto também da sua abertura ao mar. Por ele partiram muitos mareantes na época dos descobrimentos. Por ele veio o exército comandado por D. Pedro e que desembarcando em Arnosa- Pampelido implantou definitivamente o liberalismo em Portugal. Por ele chegou, mais recentemente, uma importante comunidade piscatória. Artur Filipe dos Santos
  22. 22. • Em 1867 foi criado o concelho de Matosinhos, voltando à organização anterior vinte dias depois. Em 1909 dirigiu-se um pedido ao governo para ser criado em definitivo o concelho de Matosinhos, por este lugar ser mais importante que o de Bouças. Artur Filipe dos Santos – http://artursantos.no.sapo.pt
  23. 23. • Desta forma, o concelho de Matosinhos foi criado definitivamente em 6 de maio de 1909. O concelho de Matosinhos é um dos mais importantes do país e a cidade das maiores e mais progressivas. Foi elevada a cidade em 28 de junho de 1984.
  24. 24. Zimbório do Senhor do Padrão • Datado do século XVIII e conhecido também por “Senhor do Espinheiro” ou “Senhor da Areia”, assinala o local onde, segundo a lenda, apareceu a imagem do Bom Jesus de Bouças, mais tarde conhecida por Senhor de Matosinhos. Artur Filipe dos Santos
  25. 25. • Monumento de fortíssimo impacto visual até inícios do século XX, este zimbório encontrava-se isolado no meio do areal da “Praia do Espinheiro” sendo visível a muitos quilómetros de distância quer do lado da terra quer do lado do mar.
  26. 26. • Não obstante o “Senhor do Padrão” ter perdido, na sequência do desenvolvimento dos últimos 100 anos, muito do seu impacto visual, continua a ser uma importante referência para a cidade e para a comunidade piscatória. http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/
  27. 27. • Com efeito muita da devoção religiosa dos pescadores de Matosinhos e suas famílias materializa-se junto a este monumento, sendo disso exemplo o dia 1 de novembro quando o monumento se vê rodeado por milhares de velas que ardem em memória dos pescadores mortos no mar.
  28. 28. • O Monumento Nacional a que, segundo a placa informativa, existente ao lado do edifício, passou a denominar-se Zimbório, assinalando o local, a lenda diz que no dia 3 de Maio do ano 124, deu à costa a Imagem do Bom Jesus de Matosinhos.
  29. 29. Zimbório do Senhor do Padrão • Este Zimbório ou Monumento é também conhecido por Senhor da Areia ou Senhor do Padrão. O local esteve totalmente isolado até ao início do Século XX, no meio de vasto areal.
  30. 30. Zimbório do Senhor do Padrão • Em 1733 foi descoberta a milagrosa fonte de água doce existente no seu interior, como no seu interior se podem admirar nos seus quatro pilares as esculturas dos quatro Evangelistas. Esses quatro pilares ou arcos suportam a meio, superiormente o escudo dos primeiros reis de Portugal.
  31. 31. • Na elevada abóbada, guarnecida de oito pirâmides, que termina no seu vértice por uma Cruz, centro eleva-se a Imagem do Senhor Crucificado, sobre um altar revestido de azulejos.
  32. 32. • Descendo dois degraus, encontra-se a fonte, lavrada em cantaria, com quatro faces e em cada uma delas uma inscrição latina, tirada dos Santos.
  33. 33. • Esta capela foi edificada em honra de um braço humano que se achou na areia naquele lugar, que dizem ter sido muito milagroso. O edifício tem no alto do seu arco virado a nascente uma pedra de armas com as cinco quinas em arranjo crucial.
  34. 34. • Outra explicação para a lenda e do monumento edificado no século XVIII, é de que este imponente monumento assinala o local onde, segundo outra versão da lenda do Senhor de Matosinhos, terá aparecido no século I uma imagem de Cristo modelada por José de Aritmeia à qual faltava um braço e que ali, no lugar do Espinheiro, terá dado à costa.
  35. 35. • A partir de então, a imagem desmembrada, à qual a lenda conferiu atribuladas peripécias até que o braço que lhe faltava fosse encontrado e justamente retribuído, tornou-se objecto de grande devoção e piedade, dando origem a um culto popular que perdura até aos dias de hoje.
  36. 36. • Para o seu crescimento e desenvolvimento contribuíram, sem qualquer dúvida, a "(...) importância das actividades ligadas ao mar no quotidiano de Matosinhos e o incremento das viagens de longo curso (...)" que desde a Idade Média se tornaram "(...) um elemento difusor do culto à imagem, a quem todos pediam socorro para os risco que corria." (BARBOSA, 1999, p. 10)
  37. 37. • De monumentais dimensões, o Padrão do Bom Jesus de Matosinhos é constituído por um grande alpendre que alberga ao centro o cruzeiro. O alpendre, que recria o gosto das entradas régias seiscentistas, é composto por quatro arcos de volta perfeita colossais, emoldurados por pilares e rematados no fecho por cartela com coroa. Um frontão semi-circular com fogaréu coroa cada uma destas faces.
  38. 38. • A estrutura é fechada por zimbório com lanternim, coberto internamente por reboco pintado, e cujas faces exteriores são revestidas por azulejos.
  39. 39. • Ao centro, sobre um soco de três degraus, assenta o cruzeiro de braços quadrados, revestido a azulejos policromos numa das faces, em que se representa a imagem de Cristo.
  40. 40. • Defronte foi edificada uma mesa de altar, também forrada com painéis de azulejo, simulando tecido. Junto à estrutura do alpendre, num nível mais baixo do terreno, foi erigido um fontanário de espaldar em granito, protegido por guarda de ferro, que recria o modelo estrutural e decorativo do padrão, decorado com azulejos.
  41. 41. • Embora o crescimento urbanístico de Matosinhos tenha desvirtuado a área que envolve o padrão, este memorial estava originalmente isolado no meio do areal da Praia do Espinheiro, sendo visível num perímetro de vários quilómetros, tanto da terra como do mar. Mantém-se, ainda hoje, como um dos mais emblemáticos monumentos da cidade.
  42. 42. Bibliografia • http://pt.wikipedia.org/wiki/Padr%C3%A3o_do_Bom_J esus_de_Matosinhos • http://www.cm-matosinhos.pt/pages/336 • http://www.imprensaregional.com.pt/jornal_de_mato sinhos/index.php?info=YTozOntzOjU6Im9wY2FvIjtzOjE xOiJub3RpY2lhX2xlciI7czoxMDoiaWRfbm90aWNpYSI7c zo0OiI1NTUxIjtzOjk6ImlkX3NlY2NhbyI7czoyOiIxMCI7fQ == • http://prezi.com/dhpzrsyxuaty/tema-41-identidade-regional/ • http://scmbjm.pt/edcontver.aspx?p=1007&ars=2012& am=0

×