Cadeira de Património Cultural e Paisagístico Português da Universidade Sénior Contemporânea: Aldeias de Montanha

463 visualizações

Publicada em

Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia – Serra da Estrela. Matéria leccionada no âmbito da Cadeira de Património Cultural e Paisagístico Português da Universidade Sénior Contemporânea:

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
463
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cadeira de Património Cultural e Paisagístico Português da Universidade Sénior Contemporânea: Aldeias de Montanha

  1. 1. Universidade Sénior Contemporânea  PATRIMÓNIO CULTURAL E PAISAGÍSTICO PORTUGUÊS  Professor Doutor Artur Filipe dos Santos
  2. 2. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia – Serra da Estrela
  3. 3. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Loriga é considerada uma vila e freguesia portuguesa do concelho de Seia que pertence ao distrito da Guarda. De acordo com os censos de 2005 esta vila situada em plena montanha tem uma área de 36,52 km², com 1 367 habitantes e uma densidade populacional de 37,51 hab/km². Loriga, a Suiça Portuguesa
  4. 4. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga A Vila de Loriga fica situada na Serra da Estrela a cerca de 770 metros de altitude como que protegida por duas sentinelas vigilantes e altivas que parecem tocar no céu e, que são a Penha do Gato com cerca de 1800 metros e a Penha dos Abutres com mais de 1800 metros.
  5. 5. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Loriga encontra-se a 20 km de Seia, 80km da Guarda e 300km de Lisboa. A vila é acessível pela EN 231, e tem acesso directo ao ponto mais alto da Serra da Estrela pela EN338, estrada concluída em 2006, seguindo um traçado pré-existente, com um percurso de 9,2 km de paisagens deslumbrantes, entre as cotas 960m (Portela do Arão ou Portela de Loriga) e 1650m, junto à Lagoa Comprida, onde se liga com a EN339.
  6. 6. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia É conhecida como a "Suíça Portuguesa" devido à sua extraordinária paisagem e localização geográfica. Está situada a cerca de 770m de altitude, na sua parte urbana mais baixa, rodeada por montanhas, das quais se destacam a Penha dos Abutres (1828m de altitude) e a Penha do Gato (1771m), e é abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de Loriga ou "Courelas ou "Nave", e a Ribeira de S.Bento, que desagua naquela depois da E.T.A.R.. .
  7. 7. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga A Ribeira de Loriga, é um dos maiores afluentes do Rio Alva..
  8. 8. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga No livro «A MAGIA DAS ALDEIAS DE MONTANHA», Loriga é a «Rainha da Serra», povoação milenar com caminhos romanos por onde também passavam os Lusitanos, uma paisagem esplendorosa, a enigmática «Cama da Moura», e uma praia fluvial que é uma verdadeira Maravilha Natural. Os mais aventureiros não deverão perder a caminhada pela Garganta de Loriga.
  9. 9. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro histórico da vila. O local foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos devido à facilidade de defesa, uma colina entre ribeiras, à abundância de água e de pastos, bem como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma caça e condições mínimas para a prática da agricultura.
  10. 10. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de sobrevivência para uma população e povoação com alguma importância.
  11. 11. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga O nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos Hermínios (actual Serra da Estrela) na resistência lusitana, o que levou os romanos a porem-lhe o nome de “Lorica” (antiga couraça guerreira). Os Hermínios eram o coração e a maior fortaleza da Lusitânia.
  12. 12. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga É um facto que os romanos lhe deram o nome de “Lorica”, e deste nome derivou Loriga, designação iniciada pelos Visigodos e que tem o mesmo significado. É um caso raro, em Portugal, de um nome bi-milenar, sendo de grande importância histórica, e justifica que a Lorica seja a peça central e principal do brasão da vila.
  13. 13. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Situada na parte Sudoeste da Serra da Estrela, a sua beleza paisagística é o principal atractivo de referência.
  14. 14. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos grandes ex-libris de Loriga, uma obra gigantesca construída pelos loriguenses ao longo de muitas centenas de anos e que transformou um vale belo mas rochoso num vale fértil.
  15. 15. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga É uma obra que ainda hoje marca a paisagem do belíssimo Vale de Loriga, fazendo parte do património histórico da vila e é demonstrativa do génio dos seus habitantes.
  16. 16. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Crê-se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na resistência lusitana, o que levou os romanos a porem-lhe o nome de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, designação iniciada pelos Visigodos, que tem o mesmo significado.
  17. 17. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Destacam-se também a ponte e a estrada romanas, século I a.C., uma sepultura antropomórfica, século VI a.C., a Igreja Matriz século XIII, reconstruída, o Pelourinho, século XIII, reconstruído, o Bairro de São Ginês (São Gens) com origem anterior à chegada dos romanos e a Rua de Viriato, herói lusitano que a tradição local e alguns documentos apontam como sendo natural desta antiquíssima povoação.
  18. 18. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga A Rua da Oliveira, pela sua peculiaridade, situada na área mais antiga do centro histórico da vila, recorda algumas das características urbanas da época medieval.
  19. 19. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga O Bairro de São Ginês (S.Gens) é um ex-libris de Loriga e nele destaca-se a capela de Nossa Senhora do Carmo, construída no local de uma antiga ermida visigótica precisamente dedicada àquele santo.
  20. 20. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O maior, mais antigo e principal, situava-se na área onde hoje existem a Igreja Matriz e parte da Rua de Viriato e estava fortificado com muralhas e paliçada. No local do actual Bairro de S.Ginês (S.Gens) existiam já algumas habitações encostadas ao promontório rochoso, em cima do qual os Visigodos construíram mais tarde uma ermida dedicada àquele santo..
  21. 21. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Loriga era uma paróquia pertencente à Vigararia do Padroado Real e a Igreja Matriz foi mandada construir em 1233 pelo rei D. Sancho II. Há alguns escritos que dão conta que até 1713 a igreja era orago de Nossa Senhora da Conceição, no entanto, parece manter-se a ideia de que foi sempre orago de Santa Maria Maior e que se mantém.
  22. 22. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também a residência paroquial e aberto algumas fendas nas robustas e espessas paredes do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII.
  23. 23. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Um emissário do Marquês de Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã, outra localidade serrana muito afectada pelo terramoto, não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.
  24. 24. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde a primeira metade do século XIX, em termos de indústria moderna, sendo também influenciada pela chamada revolução industrial. No entanto, já no século XV os loriguenses se dedicavam aos lanifícios, embora de forma artesanal.
  25. 25. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a actual sede de concelho só conseguiu suplantá-la quase em meados do século XX. Num passado recente, só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas.
  26. 26. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Loriga é um exemplo das consequências que uma guerra civil pode ter numa localidade e numa região. Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136, João Rhânia, senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D. Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). ~
  27. 27. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Apoiou os Absolutistas contra os Liberais na guerra civil portuguesa e isso custou-lhe deixar de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de ordenação territorial levada a cabo durante o século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos Distritos.
  28. 28. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Património Histórico e Cultural A vila de Loriga possui inúmeros monumentos religiosos como as capelas de Nossa Senhora da Auxiliadora, na Rua da Redondinha; Nossa Senhora da Guia, no Recinto do Santuário da Nossa Senhora da Guia; Nossa Senhora do Carmo, no Bairro de S.Ginês e São Sebastião no princípio da Rua de São Sebastião.
  29. 29. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Em Loriga encontramos um número considerável de Fontaneiros que a tornam diferente de outras vilas beirãs. O Adro, situado no Adro da Igreja; Almas na Rua Sacadura Cabral no local conhecido por "Almas", Porto, na Rua do Porto e finalmente Vinho, situado no local conhecido por "Vinhô".
  30. 30. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga A Pedra Visigótica da Igreja de Loriga Na parte superior de uma das portas laterais da Igreja de Loriga, está colocada uma pedra com a data de 1233, que estudos elaborados, deram a conhecer que se trata de uma pedra dos tempos do Visigodos que reinaram na Península Ibéria de 418 até 711, logo após a queda do Império Romano.
  31. 31. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga A Pedra Visigótica da Igreja de Loriga Essa pedra pertenceria algum templo Visigótico, sendo depois aproveitada para a Igreja onde ainda hoje se encontra. Igreja de Loriga que foi mandada construir pelo rei D. Sancho II em cima das ruínas de um pequeno templo visigótico, tudo levando a crer portanto, que foi então nessa altura da construção da igreja que foi gravada a data do ano de 1233.
  32. 32. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga A Pedra Visigótica da Igreja de Loriga Assim, essa pedra colocada por cima de uma das portas laterais da igreja actual confirma a sua longa existência, correspondendo à data da construção. Construção por decisão real nesse sentido pelo facto de Loriga pertencer à Vigariaria do Padroado Real.
  33. 33. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga A Pedra Visigótica da Igreja de Loriga Pedra Visigótica que se encontra numa das portas da Igreja de Loriga, cuja leitura foi feita por um considerado arqueólogo Alemão. Só é conhecida outra igual em Braga e por ele considerada uma enorme preciosidade de grande valor.
  34. 34. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga A Pedra Visigótica da Igreja de Loriga A data 1233 que tem gravada não corresponde à antiguidade da pedra, pelo que se admite que lhe tenha sido aposta aquando da construção naquele local da Igreja em substituição do pequeno templo visigótico ali existente, ou mesmo avançando-se ter sido aposta quando da mudança da primitiva Loriga (no chão do Souto) para o Lugar actual.
  35. 35. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Festas e Romarias Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, a Páscoa com a Amenta das Almas cantos nocturnos masculinos, que evocam as almas de entes falecidos por altura da Quaresma, festas em honra de Sto. António, durante o mês Junho e S. Sebastião no último Domingo de Julho, com as respectivas mordomias e procissões.
  36. 36. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Loriga Porém, o ponto mais alto das festividades religiosas é a festa dedicada à padroeira de Loriga, Nª. Sr.ª. da Guia, que se realiza todos os anos, no primeiro Domingo de Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Sr.ª. da Ajuda, no Fontão de Loriga (consultar anexo II- Homenagens a nossa Senhora da Guia).
  37. 37. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Memórias e Lendas Loriga é uma vila onde as memorias e as lendas se destacam e fazem parte da vida da população. Nesta pequena vila podemos recordar a lenda do “Monte de São Bento”; A lenda da "Pedra do Ribeiro das Tapadas" e por fim a Lenda do "Fragão da Pêssega".
  38. 38. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro O Sabugueiro é uma freguesia portuguesa do concelho de Seia, com 46,47 km² de área e 478 habitantes (2011). Densidade: 10,3 hab/km².
  39. 39. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro O Sabugueiro é por vezes denominada a aldeia mais alta de Portugal, contudo esta designação não é correcta, uma vez que o Sabugueiro está a 1053 m de altitude e existem mais 3 aldeias sede de freguesia que se situam a altitudes superiores, sendo duas na Serra de Montemuro (Gralheira, alt 1103 m) e Panchorra, alt 1088 m) e uma na Serra do Gerês (Pitões das Júnias, alt 1100 m). .
  40. 40. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Para além das referidas, existem também algumas povoações que não são sede de freguesia e que se encontram a altitudes ainda maiores. A mais alta de todas é Curral do Gonçalo, situada na freguesia de Castro Laboreiro, concelho de Melgaço, em plena Serra do Soajo. Fica situada a uma altitude de 1166 metros. .
  41. 41. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Oferece aos turistas paisagens magníficas, bem como um variado conjunto de produtos regionais, onde se destaca o famoso queijo da serra, o presunto, os enchidos, o mel, a aguardente zimbrada, o pão de centeio, as mantas, os tapetes de lã de ovelha, os famosos cães da serra que é um dos simples da Serra da Estrela.
  42. 42. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Actualmente a principal referência não é a pastorícia, mas sim o turismo. O Sabugueiro é identificado como centro de turismo serrano, local de passagem e paragem de muitos que visitam e que percorrem a Serra da Estrela, nomeadamente, em direcção à Torre.
  43. 43. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro A aldeia do Sabugueiro foi habitada em tempos idos por pastores transumantes e camponeses que, enquanto permaneciam na aldeia, semeavam, lavravam, ceifavam e malhavam o centeio, ocupando o resto do tempo com a pastorícia.
  44. 44. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Com as limitações do clima agreste, neve e frio durante alguns meses e o acidentado do terreno, os pastores foram obrigados a procurar melhores pastos, praticando a transumância de Inverno para zonas mais baixas, regressando no Verão para os altos da serra. Esta prática de nomadismo pré-histórico ainda é utilizado nesta aldeia.
  45. 45. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Atendendo às condições naturais, a pastorícia e a agricultura eram as actividades principais.
  46. 46. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Presentemente, o turismo e o comércio são o motor económico da aldeia. Contudo, as rotinas diárias são marcadas pelas práticas antigas.
  47. 47. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Os laços comunitários que ainda se fazem sentir aparecem patentes nas tarefas referentes ao forno, ceifa e malha do centeio e no apascentar do gado em rebanhos únicos no alto da serra.
  48. 48. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Patrimonio Histórico Cultural Embora o turismo e o comércio constituam as principais actividades económicas das suas gentes, os usos e costumes de outrora marcam, ainda, o ritmo diário da aldeia.
  49. 49. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Patrimonio Histórico Cultural Sabugueiro é a terra do centeio e da pastorícia. Hoje em dia as gentes da aldeia reúnem-se no forno comunitário para fazer o centeio do Sabugueiro que é vendido e dado a provar nas lojas de artesanato.
  50. 50. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Patrimonio Histórico Cultural É importante destacar a existência do Cão da Serra que é um elemento precioso na guarda dos rebanhos, contra os eventuais predadores e o símbolo da Serra da Estrela.
  51. 51. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Patrimonio Histórico Cultural Esta aldeia oferece ao visitante paisagens deslumbrantes e locais pitorescos de curiosidades múltiplas. Os moinhos de água e o forno comunitário são exemplos de memórias de um passado que não quer ser esquecido.
  52. 52. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Patrimonio Histórico Cultural A cascata da Fervença e o covão do Urso, ampla depressão de origem glaciária, constituem exemplos de valores paisagísticos.
  53. 53. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Patrimonio Histórico Cultural Constitui um dos melhores pontos de partida para conhecer algumas das estruturas do aproveitamento hidroeléctrico da serra da Estrela, de que são exemplo as barragens do Lagoacho, do Vale do Rossim e da Lagoa Comprida, o maior reservatório de água em toda a serra. No aglomerado urbano há aspectos pitorescos que marcam a história.
  54. 54. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Festa e Romarias No sabugueiro há duas festas que se destacam, a festa da Nossa Senhora da Graça e a Festa do Santíssimo Sacramento.
  55. 55. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Festa e Romarias A Nossa Senhora da Graça é a padroeira do Sabugueiro. Esta festa celebra-se no 3º fim-de-semana de Setembro e constitui o ponto alto das festas locais que se realizam ao longo do ano. “A festa” contempla procissões de andores, comunhões solenes das crianças, concertos e leilões de quermesse.
  56. 56. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Memórias e Lendas Tento em conta que o Sabugueiro tem poucas lendas escolhi a lenda da Serra da Estrela porque o Sabugueiro fica localizado num dos pontos mais alto da Serra da Estrela. Também há uma lenda que surgiu em volta de Santa Clara que é a Padroeira da Aldeia do Sabugueiro.
  57. 57. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Memórias e Lendas Conta-se que Santa Clara apareceu num local que ainda hoje se chama Monte do Outeiro. Os aldeões ergueram uma capela, a capela de Sabugueiro para lá colocarem a imagem, mas, ela não gostava de lá estar e continuava a aparecer no monte do Outeiro. .
  58. 58. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Memórias e Lendas Os aldeões fizeram uma capela nova perto de uma fonte perto do monte e colocaram lá a imagem de santa Clara. Um dia, passou lá um malvado e picou os olhos da Santa e logo a fonte secou.
  59. 59. Roteiro das Aldeias de Montanha do Concelho de Seia Aldeia de Sabugueiro Locais de Interesse No Sabugueiro há locais que não podem deixar de ser valorizados e mostram um pouco da nossa Cultura Serrana. Nomeadamente, a Cascata da Fervença Cascata, a Fonte do Ferreiro, o Cemitério Velho, o Forno Comunitário, o Polidesportivo, as Barragens, a Praia Fluvial, o Museu Etnográfico, o Largo da Igreja; a Central Hidroeléctrica, a Capela de Nª. Senhora de Fátima e a Ponte sobre o Rio Alva.

×