Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica

2.404 visualizações

Publicada em

Dr. Guilherme Lima, Recife –PE
Fellow em Laparoscopia
Hospital Johns Hopkins

Publicada em: Saúde e medicina, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.404
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica

  1. 1. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica Guilherme Lima, Recife –PE Fellow em Laparoscopia Hospital Johns Hopkins IX CURSO INTERNACIONAL DE CIRURGIAS UROLOGICAS POR VIDEO 14 à 19 de Julho de 2008 – Goiânia - GO
  2. 2. Tumores de Testiculos Não-Seminoimatosos <ul><li>Estagio Clinico I (ausência de linfonodos + em imagem). </li></ul><ul><ul><ul><li>Observação Rigorosa. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Quimioterapia primaria. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Linfadenectomia Retroperitoneal Aberta. </li></ul></ul></ul>Desvantagem da Observação: 30% - Metástase Retroperitoneal. Desvantagem da QT / Linfadenectomia: 70% - Tratamento desnecessário. DILEMA
  3. 3. <ul><li>Indicação inicial - DIAGNÓSTICO </li></ul><ul><li>Estadiamento patológico (TCGNS) </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Estagio Clinico I (N0 nos exames de imagem) </li></ul></ul></ul></ul></ul>Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica “ Alternativa a técnica aberta convencional que poderia oferecer os benefícios da cirurgia minimamente invasiva”.
  4. 4. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica CRÍTICAS 1.Porque a maioria dos pacientes que tem linfonodos + na LRPL recebem QT adjuvante e na cirurgia aberta não? Bhayani SB, Ong A, Oh WK et al: Laparoscopic Retroperitoneal lymph node dissection for clinical stage I nonseminomatous germ cell testicular cancer. Urology 62,2003. 2.Se não pode ser curativa nos casos de linfonodo + (PSII) porque não fazer a técnica aberta que por sua vez pode ser curativa nestes casos ? 3.Porque a maioria das publicações iniciais sobre LRPL omite a dissecção retroaortica e ou retrocaval? Técnica incompleta? Janetschek G, Peschel R, Hobisch A, et al:Laparoscopic retroperitoneal lymph node dissection. J Endourology 15,2001.
  5. 5. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica PROPOSTA Realizar a linfadenectomia duplicando completamente a técnica aberta nos aspectos oncológicos, preservando os benefícios da cirurgia laparoscópica sobre a técnica convencional. AMPLIANDO AS INDICAÇÕES 1.Alem de estadiamento (CSI), a LRPL passou a ter papel como tratamento nos portadores de linfonodos + (PSII), sem a necessidade de QT adjuvante. Allaf ME, Lima G, Kavoussi LR: Laparoscopic retroperitoneal lymph node dissection: Duplication of open technique. Urology 65, 2005. 2.Terapia de resgate nos casos de massas retroperitoneais residuais pos quimioterapia. Palese MA, Su LM and Kavoussi LR: Laparoscopic retroperitoneal lymph node dissection after chemotherapy. Urology 60, 2002.
  6. 6. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscopica <ul><li>143 Estagio Clinico I </li></ul><ul><li>98 Estagio Patologico I </li></ul><ul><li>45 Estagio Patologico II </li></ul><ul><ul><li>10 Sem QT adjuvante </li></ul></ul><ul><ul><li>0 recorrencia </li></ul></ul>
  7. 8. Guidelines on Laparoscopy Proposal for a &quot;European Scoring System for Laparoscopic Operations in Urology&quot;. Eur Urol. 2001 Jul;40(1):2-6. Guilloneau B, Abbou CC, Doublet JD, et al.
  8. 9. Lado Direito Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica <ul><li>LIMITES </li></ul><ul><li>Lateral – Ureter. </li></ul><ul><li>Medial – Linha media da aorta. </li></ul><ul><li>Inferior – Bifurcação dos vasos ilíacos. </li></ul><ul><li>Superior – Hilo renal. </li></ul>
  9. 10. Lado Esquerdo Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica <ul><li>LIMITES </li></ul><ul><li>Lateral – Ureter. </li></ul><ul><li>Medial – Linha media da cava.* </li></ul><ul><li>Inferior – Bifurcação dos vasos ilíacos. </li></ul><ul><li>Superior – Hilo renal. </li></ul><ul><li>* Não dissecar alem da a.m.inferior para evitar lesão do plexo hipogástrio e conseqüente ejaculação retrograda. </li></ul>
  10. 11. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica COMPLICAÇÕES Intra-operatórias – Sangramento. Pós-operatórios imediatas – Linfocele. Pós-operatórios tardias – Ejaculação retrograda.
  11. 12. Etapas da Cirurgia: 1. Posicionamento do paciente. 2. Confecção do pneumoperitoneo e colocação dos trocartes. 3. Mobilização do colon. 4. Dissecção do cordão espermático e da veia testicular. 5. Dissecção lateral: remocao dos linfonodos entre ureter e cava/aorta. 6. Exposição da aorta e dissecção interaortocaval. 7. Dissecção retrocaval. 8. Dissecção rertroaortica. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica
  12. 13. 1. Posicionamento do paciente Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica
  13. 14. 2. Colocação dos trocartes. Quatro trocartes de 10/12 mm equidistantes na linha media. Primeiro trocarte 2 a 4 cm abaixo do apêndice xifóide. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica
  14. 15. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscopica
  15. 16. A linfadenectomia retroperitoneal laparoscópica, em mãos experientes, pode alcançar resultados oncológicos similares aos da cirurgia aberta, oferecendo aos pacientes os benefícios da cirurgia laparoscópica. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica

×