Complicações e prevenções em Videolaparoscopia: Energia

3.535 visualizações

Publicada em

Dr Mauricio Rubinstein
Serviço de Urologia da Universidade Federal
do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO
Fellow Laparoscopia Cleveland Clinic

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.535
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
66
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Complicações e prevenções em Videolaparoscopia: Energia

  1. 1. Complicações e prevenções em Videolaparoscopia: Energia Dr Mauricio Rubinstein Serviço de Urologia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO Fellow Laparoscopia Cleveland Clinic
  2. 2. 23115
  3. 3. Energia na Videolaparoscopia <ul><li>Eletrocautérios – calor através de corrente elétrica: divisão /hemostasia de tecidos </li></ul>Calor – Resistência tecido Força = Joules Risco de dissipação de calor!
  4. 4. Energia na Videolaparoscopia <ul><li>Divisão de tecidos : </li></ul><ul><li> rápido 100 o c </li></ul><ul><li>Água evapora – célula explode </li></ul><ul><li>Corrente: </li></ul><ul><li> intensidade +  Voltagem </li></ul>
  5. 5. Energia na Videolaparoscopia <ul><li>Hemostasia : </li></ul><ul><li> 100 o c </li></ul><ul><li>Coágulo ptn + </li></ul><ul><li>cel desidratada = hemostasia </li></ul>
  6. 7. Corrente Elétrica <ul><li>Corrente Elétrica em cirurgia - 2 formas </li></ul><ul><li>Monopolar </li></ul><ul><li>Bipolar </li></ul>
  7. 8. Bisturí Monopolar: Princípios Gerais
  8. 9. Bisturí Bipolar: Princípios Gerais <ul><li>Bipolar </li></ul><ul><li>Corrente – 2 eletrodos </li></ul><ul><li>A corrente passa para o tecido alvo e não dispersa (não retorna ao paciente!) </li></ul><ul><li> risco de lesão </li></ul>
  9. 10. Monopolar x Bipolar <ul><li>Monopolar </li></ul><ul><ul><li>Corrente através do paciente </li></ul></ul><ul><ul><li>Rápida e efetiva hemostasia </li></ul></ul><ul><ul><li>Mais agressivo </li></ul></ul><ul><ul><li>Necessita – terra </li></ul></ul><ul><ul><li>Dispersa + energia </li></ul></ul><ul><li>Bipolar </li></ul><ul><ul><li>Corrente entre mandíbulas </li></ul></ul><ul><ul><li>Mais lento </li></ul></ul><ul><ul><li>Maior precisão de coagulação - permite uso próximo as estruturas delicadas </li></ul></ul><ul><ul><li>Área coagulada é menor </li></ul></ul>
  10. 11. Bisturí de Argônio <ul><li>Bisturí de Argônio (Argom plasma coagulation APC) </li></ul><ul><li>Conduz corrente monopolar </li></ul><ul><li>via gás ionizado </li></ul><ul><li>Coagulação + homogênea e </li></ul><ul><li>pouco profunda </li></ul><ul><li>- Age também lateral e radial! </li></ul>
  11. 12. LigaSure <ul><li>Corrente alta freq. + pressão mecânica </li></ul><ul><li>sela vasos até 7-8mm </li></ul><ul><li>Difusão calor < 2mm (< energia) </li></ul>Veia mesentérica inferior selada com LigaSure  durante uma Colectomia laparoscópica
  12. 13. Bisturí Ultrassônico <ul><li>A ativação ultra-sônica do instrumento é gerada por um conjunto de cerâmicas &quot;piezo-elétricas&quot;, que vibram numa freqüência de 55.500 vezes por segundo (Hz), contidas na peça de mão. </li></ul><ul><li>Coagulação a baixas temperaturas (50-100 o c ) </li></ul>
  13. 14. Bisturí Ultrassônico Vantagens <ul><li>Lesão mínima aos tecidos </li></ul><ul><li>Menos fumaça na cirurgia por vídeo </li></ul><ul><li>Sela vasos de até 5mm </li></ul><ul><li>S/ corrente elétrica p/ ou através do paciente </li></ul>
  14. 16. Lasers <ul><li>Calor sem energia elétrica </li></ul><ul><li>Comprimento onda (nm) </li></ul><ul><li>Energia (J) </li></ul><ul><li>Tempo (s) </li></ul>corte coagulação
  15. 17. Lasers
  16. 18. Lasers <ul><li>KTP laser </li></ul><ul><li>- GreenLight PV, Laserscope, California </li></ul>
  17. 19. Laparoscopic Energy Device Injuries <ul><li>Poorly characterized and understudied </li></ul><ul><li>Most commonly bowel complications which are potentially devastating </li></ul><ul><li>ACS survey: </li></ul><ul><ul><li>18% surgeons report an electrosurgical injury during laparoscopy </li></ul></ul><ul><ul><li>36% surgeons use high-voltage coagulation (>40W) </li></ul></ul>Tucker RD, Surg Laparosc Endosc 1995 5(4):311 Jaime Landman, M.D.
  18. 20. Complicações <ul><li>Complicações  cirurgia : 2/1000 (American college of surgeons) </li></ul><ul><li>Divididas: </li></ul><ul><li>Problemas equipamento </li></ul><ul><li>Regras de segurança </li></ul>
  19. 21. Complicações <ul><li>Principais: </li></ul><ul><li>Eletrodos </li></ul><ul><li>Pinças </li></ul><ul><li>SEM PROTEÇÃO ADEQUADA! </li></ul>Corrente!
  20. 22. Complicações
  21. 23. Complicações <ul><li>Contato Direto! </li></ul><ul><li>Lesão térmica - intestinal – fístula secundária </li></ul>ZONA 1
  22. 24. ZONA 3 ZONA 2 Insulation Capacitive coupling
  23. 25. Complicações
  24. 26. Complicações <ul><li>Retorno da corrente- gerador – eletrodo </li></ul>
  25. 27. Complicações
  26. 28. Prevenção <ul><li>Prevenção: </li></ul><ul><li>Bom conhecimento da Anatomia/Tecnologia </li></ul><ul><li>Superfície x profundidade (caixa preta) </li></ul><ul><li>Criar planos de dissecção </li></ul><ul><li>Aplicação prolongada da corrente </li></ul><ul><li>No Hurry! </li></ul><ul><li>No Blind Cauterization! (I.Gill) </li></ul>
  27. 29. Prevenção <ul><li>Rever todos os instrumentos </li></ul><ul><li>Remover instrumentos com defeito (Manutenção!) </li></ul><ul><li>Bom equipamento (videocâmera, insuflador) </li></ul>
  28. 30. Complicações e prevenções em Videolaparoscopia: Energia <ul><li>Conclusão </li></ul><ul><li>- O cirurgião deve estar ciente dos princípios da Eletrocirurgia e dos danos causados por ela afim de que as complicações possam ser minimizadas. </li></ul><ul><li>“ Não há substituto para treinamento adequado e experiência.” </li></ul><ul><li>( SMITH’S Textbook of ENDOUROLOGY) </li></ul>
  29. 31. LAP ABERTA OBRIGADO

×