Amante Vingado

6.040 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • I've read this book and is just perfect. Revh always hoped for, now I know that he met his match in Ehlena. and still managed to get rid of the princess ... became king, and are happy with their shellan now need to find the Xhex ... let this work in the capable hands of John Matthew ... that alias, there also read that book.
    kisses and hugs to all addicts in the IAN and reading eu.continuem always, is good for the soul, for the mind and heart pro ... not to mention the one that gives renewed in moments of intimacy. kisses and full of huge fangs!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.040
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.201
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Amante Vingado

  1. 1. AMANTE VINGADO CAPÍTULO UM– O Rei tem que morrer.Quatro palavras, algumas sílabas. Separadas não significam nada especial. Juntas?Remontam a todo o tipo de coisas horríveis: Assassinato. Deslealdade. Traição.Morte.Nos momentos de tensão que se seguiram após falarem com ele, Rehvenge se manteve emsilêncio, deixando o quarteto de palavras pairando no ar denso do escritório, quatro pontasde uma bússola maligna e obscura da qual ele estava intimamente familiarizado.— Tem alguma resposta? – perguntou Montrag, filho de Rehm.— Não.Montrag piscou e mexeu de maneira displicente na gravata de seda em seu pescoço. Comoa maioria dos membros da glymera, tinha os dois pés calçados com sapatos de veludofirmemente plantados na areia seca e rarefeita de sua classe. O que simplesmentesignificava que era muito refinado, em todos os aspectos. Com sua jaqueta de smoking, esuas calças impecáveis... Droga, na verdade, aquelas coisas eram polainas?... Parecia teracabado de sair das páginas de uma Vanity Fair. De uns cem anos atrás. E no que se referiaà política, com sua infinidade de atitudes condescendentes e suas brilhantes e malditasideias era como Kissinger sem um presidente: muita análise, nenhuma autoridade.O que explicava aquela reunião, não é mesmo?— Não pare. – disse Rehv — Já saltou do edifício. O impacto não ficará mais suave comisso.Montrag franziu o cenho.— Não consigo ver isso com tanta frivolidade.
  2. 2. — Quem está rindo?Um golpe na porta do escritório fez com que Montrag girasse a cabeça, tinha o perfil de umcavalheiro irlandês: todo nariz.— Entre.A doggen que respondeu à ordem entrou lutando com o peso da prataria que carregava.Com uma bandeja de ébano do tamanho de um alpendre nas mãos, atravessou a salaencurvada devido à carga.Até que levantou a cabeça e viu Rehv.Congelou como uma fotografia instantânea.— Tomaremos o chá aqui. — Montrag apontou a mesa que havia no meio dos dois sofás deseda onde estavam sentados — Aqui.A doggen não se moveu, apenas encarava fixamente o rosto de Rehv.— Qual é o problema? — perguntou Montrag quando as xícaras começaram a tremer, e umsom tilintante começou a surgir da bandeja — Ponha nosso chá aqui, agora.A doggen inclinou a cabeça, murmurou algo, e avançou devagar, pondo um pé diante dooutro como se estivesse se aproximando de uma serpente pronta para dar o bote. Ficou tãoafastada de Rehv quanto possível e, depois de deixar a prataria, suas mãos trêmulas malconseguiam colocar as xícaras sobre os pires.Quando chegou a vez do bule, era evidente que ia derramar o líquido por todos os lados.— Deixe-me fazer isso. — disse Rehv, esticando a mão.Quando a doggen fez um movimento brusco para afastar-se dele, o bule escorregou de suasmãos e o chá começou a cair em queda livre.Rehv aparou a prata quente entre a palma de suas mãos.— O que você fez! — exclamou Montrag, levantando-se de um salto do sofá.A doggen encolheu-se, levando as mãos ao rosto.— Sinto muito, amo. Verdadeiramente, eu…
  3. 3. — Oh, cale-se, e nos traga um pouco de gelo…— Não é culpa dela. — Rehv segurou calmamente o bule e começou a servir — E eu estoumuito bem.Os dois olharam para ele como se estivessem esperando que Rehv começasse a pular e asacudir o traseiro como se estivesse ao ritmo de uma música cheia de ow-ow-ow.Apoiou o bule de prata e encarou os olhos pálidos de Montrag.— Um torrão. Ou dois?— Posso… Posso te oferecer algo para essa queimadura?Sorriu, mostrando as presas a seu anfitrião.— Estou muito bem.Montrag pareceu ofendido por não poder fazer nada e transferiu sua insatisfação para acriada.— Você é uma desgraça absoluta. Saia daqui.Rehv lançou um olhar a doggen. Para ele, as emoções da moça eram como uma gradetridimensional de medo, vergonha e pânico, uma trama que enchia o espaço que a rodeavada mesma maneira como fazia com seus ossos, seus músculos e sua pele.Fique tranquila. — disse a ela em pensamento — E saiba que vou fazer tudo direito.A surpresa queimou seu rosto, mas a tensão deixou seus ombros e ela deu a voltaaparentando estar muito mais calma.Quando se foi, Montrag pigarreou e voltou a se sentar.— Não acredito que ela vá continuar a trabalhar. É absolutamente incompetente.— Por que não começamos com um torrão? — Rehv deixou cair um cubo de açúcar dentrodo chá — E depois veremos se vai querer outro.Estendeu a mão com a xícara, mas não a aproximou muito, para que Montrag se visseforçado a levantar mais uma vez do sofá e a inclinar-se sobre a mesa.— Obrigado.
  4. 4. Rehv não soltou o pires enquanto mudava os pensamentos na mente de seu anfitrião.— Deixo as fêmeas nervosas. Não foi culpa dela.Abriu a mão de repente e Montrag se esforçou para pegar a porcelana.— Oops. Não derrame. — Rehv voltou a se reclinar no sofá — Seria uma pena manchareste tapete tão fino. Aubusson, não é?— Ah… Sim. — Montrag voltou a sentar-se e franziu o cenho, como se não tivesse ideiade porque se sentia diferente com relação à sua criada — Er… Sim, é. Meu pai comproufaz muitos anos. Tinha um gosto requintado, não? Construímos esta sala para este tapete,pois é muito grande e a cor das paredes foi escolhida especificamente para ressaltar seusmatizes cor de pêssego.Montrag observou o escritório e sorriu para si mesmo enquanto bebia, com o dedomindinho estendido no ar como se fosse uma bandeira.— Como está seu chá?— Perfeito, mas você não tomará um pouco?— Não sou muito de chá. — Rehv esperou até que a xícara estivesse nos lábios do cara —Então estava falando de assassinar Wrath?Montrag cuspiu, o chá aromatizado com óleo essencial de bergamota salpicou a frente dajaqueta de seu smoking vermelho sangue e sujou o estupendo tapete do papai.Quando o homem começou golpear as manchas com a mão vacilante, Rehv lhe estendeuum guardanapo.— Aqui, use isto.Montrag pegou o quadrado de damasco e deu um tapinha sem jeito no peito, em seguida,deslizou a mão até o tapete com a mesma falta de resultados. Era evidente que era o tipo dehomem que promovia a bagunça, mas não a limpava.— O que estava dizendo? — murmurou Rehv.
  5. 5. Montrag atirou o guardanapo na bandeja e ficou em pé, deixando o chá para trás ao passearpelo cômodo. Deteve-se frente a uma grande paisagem montanhosa e pareceu estaradmirando a dramática cena, onde havia um soldado colonial iluminado rezando.Começou a falar voltado à pintura.— Está ciente de que muitos irmãos de sangue foram abatidos nas incursões dos redutores.— E eu aqui pensando que tinham me escolhido líhder do conselho por causa da minhaanimada personalidade.Montrag o olhou agressivamente por cima do ombro, seu queixo erguido de uma maneiraclassicamente aristocrática.— Perdi meu pai, minha mãe e todos os meus primos e irmãos. Enterrei cada um deles.Pensa que isso é motivo de regozijo?— Minhas desculpas. — Rehv colocou a palma da mão direita sobre o coração e inclinou acabeça, apesar de não dar a mínima para isso. Não seria manipulado pela menção de suasperdas. Especialmente quando todas as emoções do cara falavam de cobiça e não de dor.Montrag deixou a pintura atrás de si e sua cabeça ocupou o lugar da montanha sobre a qualestava o soldado colonial... o que dava a impressão de que o pequeno homem de uniformevermelho estava tentando subir pela sua orelha.— A glymera tem sofrido perdas sem precedentes devido às incursões. Não apenas vidas,mas também propriedades. Casas invadidas, antiguidades e obras de arte roubadas, contasde banco desaparecem. E o que Wrath fez? Nada. Não deu qualquer resposta às frequentesperguntas a respeito de como foram encontradas as residências dessas famílias… Por que aIrmandade não deteve os ataques… Onde foram parar todos esses bens? Não há um planopara assegurar que isso nunca mais volte a acontecer. Não nos oferecem nenhuma garantiade que se os poucos membros restantes da aristocracia retornassem a Caldwell, estariamprotegidos. — Montrag realmente se entusiasmou, sua voz se elevava e ricocheteava contraa sanca e o teto dourado. — Nossa raça está morrendo e precisamos de uma verdadeiraliderança. No entanto, por lei, enquanto o coração de Wrath continuar pulsando em seupeito, continuará sendo o rei. A vida de um é mais valiosa que a vida de muitos? Examineseu coração.
  6. 6. Oh, Rehv o examinava, observava todo aquele músculo rígido, mal e obscuro.— E então?— Assumimos o controle e fazemos o correto. Durante seu reinado, Wrath reestruturoucoisas... Olhe o que fez pelas Escolhidas. Agora estão autorizadas a acasalar deste lado…inédito! E a escravidão está abolida, junto com o ehnclausuramento para as fêmeas.Caríssima Virgem Escriba, a próxima coisa que ficará sabendo é que há um integrante daIrmandade usando saia. Se nós estivermos na liderança, podemos reverter o que ele temfeito e reformar as leis adequadamente para preservar as tradições. Podemos organizar umanova ofensiva contra a Sociedade Redutora. Podemos triunfar.— Você está usando muitos “nós” e, de alguma maneira, não acredito que isso representeexatamente o que tem em mente.— Bem, é obvio que precisa haver um indivíduo que seja o primeiro entre seus iguais. –Montrag alisou as lapelas da jaqueta de seu smoking e inclinou a cabeça e o corpo como setivesse posando para uma estátua de bronze ou talvez para que fosse reproduzido em umanota de dinheiro — Um macho escolhido que esteja à altura do cargo e que tenha valor.— E de que maneira seria escolhido este modelo de virtudes?— Vamos nos tornar uma democracia. Uma democracia há muito esperada e que substituiráa convenção injusta e desleal da monarquia.Enquanto o blá-blá-blá continuava, Rehv se reclinou para trás, cruzou as pernas no joelho euniu os dedos. Sentado no macio sofá de Montrag, suas duas metades entraram em conflito,vampiro e symphato começaram a confrontar.O único benefício disso era que os gritos internos sufocavam o som nasal de todo aquele“Eu-sei-tudo”.A intenção era óbvia: livrar-se do Rei e tomar o controle da raça.O ato era impensável: matar um bom macho, um bom líder e… Uma espécie de amigo.—… e escolheríamos quem nos lideraria. Faríamos com que ele fosse responsável peloConselho. Asseguraríamos que nossas preocupações fossem atendidas. — Montragretornou a seu sofá, sentou-se e se acomodou como se pudesse prosseguir inflando aquela
  7. 7. história vazia sobre o futuro durante horas — A monarquia não está funcionando e ademocracia é a única maneira…Rehv interrompeu:— Em geral, a democracia implica que todos possam votar. Apenas no caso de não estarfamiliarizado com a definição.— Mas nós o faríamos. Todos os que servimos no Conselho estaríamos na junta eleitoral.Todos seriam contados.— Preste atenção, o termo abrange todas as pessoas além de “todos os que são como nós.”Montrag lhe dirigiu um olhar carregado de “Oh-por-favor-está-falando-sério.”— Você realmente confiaria a raça às classes baixas?— Não depende de mim.— Poderia. — Montrag levou a xícara aos lábios e o olhou por cima da borda com olhospenetrantes — Seria perfeitamente possível. Você é nosso lídher.Olhando fixamente o homem, Rehv viu o caminho tão claramente como se estivessepavimentado e iluminado com fachos de luzes halogênias: se Wrath fosse assassinado, sualinhagem real terminaria, porque ainda não tinha gerado um filho. As sociedades,particularmente aquelas que estavam em guerra como as dos vampiros, abominavam osvazios da liderança, por isso uma mudança radical da monarquia à “democracia” não seriatão impensável quanto em outra época mais racional e segura.A glymera poderia estar fora de Caldwell e escondida nos refúgios dispersados por toda aNova Inglaterra, mas essa turma de filhos da mãe decadentes tinha dinheiro e influência esempre desejaram tomar o poder. Com este plano em particular, podiam disfarçar suasambições com as vestimentas da democracia e fingir que estavam protegendo a gentinha.A natureza obscura de Rehv fervilhava, um criminoso impaciente para obter a liberdadecondicional. As más ações e os jogos de poder eram uma compulsão inerente àqueles quelevavam o sangue de seu pai, e parte dele desejava criar o caos… E entrar nele.Interrompeu as tolices presunçosas de Montrag.
  8. 8. — Economize-me da propaganda. O que está sugerindo exatamente?O macho fez uma elaborada demonstração de como apoiar uma xícara de chá, como sequisesse aparentar que estava reunindo as palavras. Enfim. Rehv podia a apostar que ohomem sabia exatamente o que ia dizer. Uma coisa dessa natureza, não era algo quesimplesmente se pensa na hora e havia outros envolvidos. Tinha que haver.— Como bem sabe, o Conselho irá se reunir em Caldwell dentro de alguns diasespecificamente para ter uma audiência com o Rei. Wrath chegará e… Haverá umacontecimento mortal.— Ele viaja com a Irmandade. O que não é exatamente o tipo de força física que possa serevitada facilmente.— A morte pode usar muitas máscaras. E tem muitos e variados cenários onde atuar.— E meu papel seria...? — embora já soubesse.Os pálidos olhos de Montrag pareciam de gelo, resplandecentes e frios.— Sei que tipo de homem é. Assim, sei exatamente do que é capaz.Aquilo não era surpresa. Durante os últimos vinte e cinco anos Rehv tinham sido umsenhor das drogas e, embora não houvesse anunciado sua vocação para a aristocracia, osvampiros iam a seus clubes regularmente, e parte deles estava nas filas de clientes paraobter seus produtos químicos.Ninguém além dos Irmãos sabia de seu lado sympatho… E ele teria mantido as coisasassim se pudesse escolher. Ele pagava muito bem seu chantagista nas últimas duas décadaspara garantir que aquilo continuaria sendo um segredo.— É por isso que o chamei. — disse Montrag — Você saberá como se encarregar disso.— É verdade.— Como lídher do conselho, estará em uma posição de enorme poder. Mesmo que não sejaeleito como presidente, o conselho não irá a lugar algum. E fique tranquilo com respeito àIrmandade da Adaga Negra. Sei que sua irmã está casada com um deles. Os Irmãos nãoserão afetados por isso.
  9. 9. — Não acha que vai enfurecê-los? Wrath não é só o rei deles. É seu sangue.— Proteger a nossa raça é obrigação primária deles. Eles devem nos seguir aonde quer queformos. E deve saber que há muitos que pensam que andam fazendo um mau trabalhoultimamente. Penso que talvez requeiram uma liderança melhor.— Vinda de você. Sim. Claro.Isso seria como um decorador de interiores comandando uma frota de tanques: um malditobarulho de vanglória até que um dos soldados estrangulasse o boneco de pano e o agitassealgumas vezes no ar.Esse era o plano perfeito. Sim.E ainda assim... Quem disse que Montrag tinha que ser o eleito? Os acidentes aconteciamtanto aos reis quanto aos aristocratas.— Devo dizer, — continuou Montrag — o mesmo que meu pai estava acostumado a medizer, saber a hora de agir é tudo. Devemos nos apressar. Podemos confiar em você, meuamigo?Rehv levantou-se e elevou-se sobre o outro homem. Com um puxão rápido das abas de suajaqueta, ajeitou seu Tom Ford , logo em seguida, esticou a mão e pegou sua bengala. Nãosentia nada em seu corpo, nem sua roupa nem o peso de seu corpo da cintura para baixo,nem a ponta da bengala contra a palma da mão que tinha queimado com o chá. Adormência era um efeito secundário da droga que utilizava para evitar que aflorasse seulado mau quando estava em companhia mista, era a prisão onde encerrava suas tendênciassociopatas.Contudo, tudo o que necessitava para voltar às suas origens era pular uma dose. E uma horadepois? A maldade nele estava vivinha, abanando o rabo e pronta para brincar.— O que me diz? — incitou Montrag.Não era essa a questão.Em alguns momentos da vida, entre a miríade de decisões corriqueiras como, o que comer,onde dormir e o que vestir, se revelava uma verdadeira encruzilhada. Nesses momentos,quando a névoa da relativa irrelevância se levantava e o destino requeria o livre-arbítrio, só
  10. 10. havia esquerda ou direita... Não se lançava uma terceira opção entre os dois caminhos, nãohavia forma de negociar com a escolha que lhe era imposta.Deve responder a chamada e escolher seu caminho. E não há volta.Claro, o problema era que navegar por uma paisagem moralista era algo que tinha tido queaprender para se encaixar em meio aos vampiros. As lições que tinha aprendido tinhampermanecido, embora só até certo ponto.E suas drogas funcionavam apenas de algumas maneiras.De repente, o rosto pálido de Montrag tornou-se uma variedade de tons de rosa pastel, ocabelo escuro do homem ficou magenta e a jaqueta de seu smoking se tingiu de umvermelho ketchup. Quando uma onda avermelhada coloriu tudo, o campo visual de Rehv seachatou como uma tela de cinema do mundo.E talvez isto explicasse o motivo pelo qual os sympathos achavam tão fácil manipular aspessoas. Com seu lado obscuro assumindo o controle, o universo tinha a profundidade deum tabuleiro de xadrez e as pessoas nele eram como peões em sua mão onisciente. Todoseles. Inimigos… e amigos.— Vou cuidar disso. — anunciou Rehv — Como você disse, sei o que tenho que fazer.— Sua palavra. — Montrag estendeu a suave palma de sua mão — Dê-me sua palavra deque isto será conduzido em segredo e silenciosamente.Rehv deixou que a mão ficasse estendida no ar, mas sorriu, revelando uma vez mais suaspresas.— Confie em mim.

×