Universidade das Quebradas
Linguagem e Expressão
Universidade das Quebradas

Para começar

A aula me trouxe a certeza de que fica muito
difícil analisar a nacionalidade br...
Universidade das Quebradas

Linguagem e Expressão
Universidade das Quebradas

Linguagem e Expressão
Universidade das Quebradas

Linguagem e Expressão
Universidade das Quebradas

Como se organizam os textos?

Linguagem e Expressão
Universidade das Quebradas

Narração

Nisto, ecoou na estalagem um bramido de fera enraivecida:
Firmo acabava de receber, ...
Universidade das Quebradas

Características da narração:

 Referência a um ou mais personagens,
situações, tempos e espaç...
Universidade das Quebradas

Descrição
Não me demoro em descrevê-lo. Imagina só que trazia o calo do
ofício, o sorriso apro...
Universidade das Quebradas

Características da descrição:
 Seres ou objetos concretos
 Simultaneidade de propriedades e ...
Universidade das Quebradas

Exposição
Há muito remédio contra a insônia. O mais vulgar é contar de um
até mil, dois mil, t...
Universidade das Quebradas

Características da exposição:

 Abordagem de um tema com termos
abstratos
 Mudança de situaç...
Universidade das Quebradas

Argumentação
Daí o caráter conservador e benéfico da guerra. Supõe tu um campo de batatas e
du...
Universidade das Quebradas

Características da argumentação:

 Defesa (ou ataque) de uma ideia, um
produto, etc.
 Objeti...
Universidade das Quebradas

Injunção

Se você ainda é um aluno, faça uma pequena revolução na
próxima aula. Coloque as cad...
Universidade das Quebradas

Características da injunção:

 Orientação para uma ação/ atitude
 Justificativa do pedido, o...
Universidade das Quebradas

Qual é o modo de organização destes
textos?

Linguagem e Expressão
Universidade das Quebradas

O carnaval é uma festa dinâmica, sempre sujeita a
constante transformação e mudanças. Sempre
i...
Universidade das Quebradas

O teatro representa uma sala. No fundo, porta de entrada;
à esquerda, duas janelas de sacadas,...
Universidade das Quebradas

Já era tarde e, ao passar próximo da casa do irmão, eles
resolveram então passar a noite lá. C...
Universidade das Quebradas

Queres uma prova da superioridade do meu sistema? Contempla a inveja. Não há
moralista grego o...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Quebradas (aula 12 de novembro 2013)

486 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
486
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
233
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Quebradas (aula 12 de novembro 2013)

  1. 1. Universidade das Quebradas Linguagem e Expressão
  2. 2. Universidade das Quebradas Para começar A aula me trouxe a certeza de que fica muito difícil analisar a nacionalidade brasileira sob uma só perspectiva, uma vez que somos essa confusão toda. Rogéria Reis Linguagem e Expressão
  3. 3. Universidade das Quebradas Linguagem e Expressão
  4. 4. Universidade das Quebradas Linguagem e Expressão
  5. 5. Universidade das Quebradas Linguagem e Expressão
  6. 6. Universidade das Quebradas Como se organizam os textos? Linguagem e Expressão
  7. 7. Universidade das Quebradas Narração Nisto, ecoou na estalagem um bramido de fera enraivecida: Firmo acabava de receber, sem esperar, uma formidável cacetada na cabeça. É que Jerônimo havia corrido à casa e armara-se com o seu varapau minhoto. E então o mulato, com o rosto banhado de sangue, refilando as presas e espumando de cólera, erguera o braço direito, onde se viu cintilar a lâmina de uma navalha. Fez-se uma debandada em volta dos dois adversários, estrepitosa, cheia de pavor. Aluísio de Azevedo O cortiço, capítulo X Linguagem e Expressão
  8. 8. Universidade das Quebradas Características da narração:  Referência a um ou mais personagens, situações, tempos e espaços  Mudança de situação do(s) personagem(ns)  Progressão temporal dos eventos  Tempo predominante: pretérito Linguagem e Expressão
  9. 9. Universidade das Quebradas Descrição Não me demoro em descrevê-lo. Imagina só que trazia o calo do ofício, o sorriso aprovador, a fala branda e cautelosa, o ar da ocasião, a expressão adequada, tudo tão bem distribuído que era um gosto ouvi-lo e vê-lo. Talvez a pele da cara rapada estivesse prestes a mostrar os primeiros sinais do tempo. Ainda assim o bigode, que era moço na cor e no apuro com que acabava em ponta fina e rija, daria um ar de frescura ao rosto, quando o meio século chegasse. O mesmo faria o cabelo, vagamente grisalho, apartado ao centro. No alto da cabeça havia um início de calva. Na botoeira uma flor eterna. Machado de Assis Esaú e Jacó, capítulo XII Linguagem e Expressão
  10. 10. Universidade das Quebradas Características da descrição:  Seres ou objetos concretos  Simultaneidade de propriedades e aspectos  Organização espacial dos elementos descritos  Tempos preferidos: presente e pretérito imperfeito Linguagem e Expressão
  11. 11. Universidade das Quebradas Exposição Há muito remédio contra a insônia. O mais vulgar é contar de um até mil, dois mil, três mil ou mais, se a insônia não ceder logo. É remédio que ainda não fez dormir ninguém, ao que parece, mas não importa. Até agora, todas as aplicações eficazes contra a tísica vão de par com a noção de que a tísica é incurável. Convém que os homens afirmem o que não sabem, e, por ofício, o contrário do que sabem; assim se forma esta outra incurável, a Esperança. Machado de Assis Esaú e Jacó, capítulo LXXXIII Linguagem e Expressão
  12. 12. Universidade das Quebradas Características da exposição:  Abordagem de um tema com termos abstratos  Mudança de situação  Organização por relações de analogia, causa, correspondência, etc.  Tempo predominante: presente Linguagem e Expressão
  13. 13. Universidade das Quebradas Argumentação Daí o caráter conservador e benéfico da guerra. Supõe tu um campo de batatas e duas tribos famintas. As batatas apenas chegam para alimentar uma das tribos, que assim adquire forças para transpor a montanha e ir à outra vertente, onde há batatas em abundância; mas, se as duas tribos dividirem em paz as batatas do campo, não chegam a nutrir-se suficientemente e morrem de inanição. A paz nesse caso, é a destruição; a guerra é a conservação. Uma das tribos extermina a outra e recolhe os despojos. Daí a alegria da vitória, os hinos, aclamações, recompensas públicas e todos os demais efeitos das ações bélicas. Se a guerra não fosse isso, tais demonstrações não chegariam a dar-se, pelo motivo real de que o homem só comemora e ama o que lhe é aprazível ou vantajoso, e pelo motivo racional de que nenhuma pessoa canoniza uma ação que virtualmente a destrói. Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas. Machado de Assis Quincas Borba, capítulo VI Linguagem e Expressão
  14. 14. Universidade das Quebradas Características da argumentação:  Defesa (ou ataque) de uma ideia, um produto, etc.  Objetivo: convencimento do leitor/ouvinte  Uso de argumentos e outras estratégias de convencimento Linguagem e Expressão
  15. 15. Universidade das Quebradas Injunção Se você ainda é um aluno, faça uma pequena revolução na próxima aula. Coloque as cadeiras em semicírculo. Identifique um problema de sua comunidade, da favela ao lado, da própria faculdade ou escola, e tente encontrar uma solução. Comece a treinar sua habilidade de criar consenso e liderança. Se o professor quiser colaborar, melhor ainda. Lembre-se de que na vida você terá de ser aprovado pelos seus colegas e futuros companheiros de trabalho, não pelos seus antigos professores. Stephen Kanitz Veja, 18/10/2000 Linguagem e Expressão
  16. 16. Universidade das Quebradas Características da injunção:  Orientação para uma ação/ atitude  Justificativa do pedido, ordem, súplica, etc.  Predomínio de formas verbais do imperativo Linguagem e Expressão
  17. 17. Universidade das Quebradas Qual é o modo de organização destes textos? Linguagem e Expressão
  18. 18. Universidade das Quebradas O carnaval é uma festa dinâmica, sempre sujeita a constante transformação e mudanças. Sempre influenciada pela Europa, pelos terreiros de candomblé, pela elite e pelo povo, ela toma seus atuais contornos na primeira metade do séc. XX, com as primeiras marchinhas e com as fantasias de inspiração europeia. Márcio Rufino Linguagem e Expressão
  19. 19. Universidade das Quebradas O teatro representa uma sala. No fundo, porta de entrada; à esquerda, duas janelas de sacadas, e à direita, duas portas que dão para o interior. Todas as portas e janelas terão cortinas de cassa branca. À direita, entre as duas portas, um sofá, cadeiras, uma mesa redonda com um candeeiro francês aceso, duas jarras com flores naturais, alguns bonecos de porcelana; à esquerda, entre as janelas, mesas pequenas com castiçais de mangas de vidro e jarras com flores. Cadeiras pelos vazios das paredes. Todos estes móveis devem ser ricos. Cenário do Ato Único de Os dois ou o inglês maquinista, de Martins Pena. Linguagem e Expressão
  20. 20. Universidade das Quebradas Já era tarde e, ao passar próximo da casa do irmão, eles resolveram então passar a noite lá. Chegando na casa, todos entraram e foram muito bem recebidos. Obará pediu à esposa que preparasse comida e bebida para todos, e acabaram com toda a comida da casa. Logo os irmãos foram embora sem agradecer, mas antes lhe deixaram as abóboras como presente, até porque de nada esse presente valia para os irmãos. No almoço, a esposa de Obará falou que não havia mais nada o que comer, só as abóboras que não estavam boas, mas Obará pediu-lhe que as fizesse assim mesmo. Quando abriram as abóboras, havia riquezas em ouro e pedras preciosas e Obará prosperou. Fábio Augusto Linguagem e Expressão
  21. 21. Universidade das Quebradas Queres uma prova da superioridade do meu sistema? Contempla a inveja. Não há moralista grego ou turco, cristão ou muçulmano, que troveje contra o sentimento da inveja, O acordo é universal, desde os campos da Idumeia até o Alto da Tijuca. Ora bem; abre mão dos velhos preconceitos, esquece as retóricas rafadas, e estuda a inveja, esse sentimento tão sutil e tão nobre. Sendo cada homem uma redução de Humanitas, é claro que nenhum homem é fundamentalmente oposto a outro homem, quaisquer que sejam as aparências contrárias. Assim, por exemplo, o algoz que executa o condenado pode excitar o vão clamor dos poetas; mas substancialmente é Humanitas que corrige em Humanitas uma infração da lei de Humanitas. O mesmo direi do indivíduo que estripa a outro; é uma manifestação da força de Humanitas. Nada obsta (e há exemplos) que ele seja igualmente estripado. Se entendeste bem, facilmente compreenderás que a inveja não é senão uma admiração que luta, e sendo a luta a grande função do gênero humano, todos os sentimentos belicosos são os mais adequados à sua felicidade. Daí vem que a inveja é uma virtude. Machado de Assis Memórias póstumas de Brás Cubas, capítulo CXVII Linguagem e Expressão

×