Revista Oftalmo em Evidências 1

173 visualizações

Publicada em

ENTREVISTA - Prof. Dr. Paulo Augusto de Arruda Mello
Glaucoma: como evitar uma multidão de cegos

ARTIGO - Dr. Dácio Carvalho Costa
A importância da higiene palpebral na disfunção das glândulas de Meibomius.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
173
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
46
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista Oftalmo em Evidências 1

  1. 1. VOLUME 3 NÚMERO 1 MARÇO DE 2014 ENTREVISTA Prof. Dr. Paulo Augusto de Arruda Mello ARTIGO Dr. Dácio Carvalho Costa Glaucoma: como evitar uma multidão de cegos A importância da higiene palpebral na disfunção das glândulas de Meibomius
  2. 2. Barreira microporosa1 Evita o uso de conservantes memBrana filtrante de 0,2µ1 tuBo flexível e ergonômico1 gotas caliBradas (30µl)1 Doses precisas Até 2 meses de utilização após aberto2 ReferênciasBibliográficas:1)PatentedeLaboratoiresThéa.2)Buladoproduto:Hyabak.RegistroMSnº8042140002. HYABAK® .Soluçãosemconservantesparahidrataçãoelubrificaçãodosolhoselentesdecontacto.FrascoABAK® .COMPOSIÇÃO:Hialuronatodesódio0,15g.Cloretodesódio,trometamol,ácidoclorídrico,águaparapreparaçõesinjetáveisq.b.p.100mL.NOMEEMORADADOFABRICANTE:LaboratoiresThéa,12rueLouis Blériot,63017CLERMONT-FERRANDCEDEX2-França.QUANDOSEDEVEUTILIZARESTEDISPOSITIVO:HYABAK® contémumasoluçãodestinadaaseradministradanosolhosounaslentesdecontato.Foiconcebido:•Parahumedecimentoelubrificaçãodosolhos,emcasodesensaçõesde securaoudefadigaocularinduzidasporfatoresexteriores,taiscomo,ovento,ofumo,apoluição,aspoeiras,ocalorseco,oarcondicionado,umaviagemdeaviãoouotrabalhoprolongadoàfrentedeumecrãdecomputador.•Nosutilizadoresdelentesdecontato,permitealubrificaçãoea hidrataçãodalente,comvistaafacilitaracolocaçãoearetirada,eproporcionandoumconfortoimediatonautilizaçãoaolongodetodoodia.GraçasaodispositivoABAK® ,HYABAK® permitefornecergotasdesoluçãosemconservantes.Pode,assim,serutilizadocomqualquertipodelente decontato.Aausênciadeconservantespermiteigualmenterespeitarostecidosoculares.ADVERTÊNCIASEPRECAUÇÕESESPECIAISDEUTILIZAÇÃO:•Evitartocarnosolhoscomapontadofrasco.•Nãoinjetar,nãoengolir.Nãoutilizeoprodutocasooinvólucrodeinviolabilidade estejadanificado.MANTERFORADOALCANCEDASCRIANÇAS.INTERAÇÕES:Éconvenienteaguardar10minutosentreaadministraçãodedoisprodutosoculares.COMOUTILIZARESTEDISPOSITIVO:POSOLOGIA:1gotaemcadaolhoduranteodia,semprequenecessário. Nosutilizadoresdelentes:umagotaemcadalenteaocolocareretiraraslentesetambémsemprequenecessárioaolongododia.MODOEVIADEADMINISTRAÇÃO:INSTILAÇÃOOCULAR.STERILEA-Paraumautilizaçãocorretadoprodutoénecessárioteremcontadeterminadas precauções:•Lavarcuidadosamenteasmãosantesdeprocederàaplicação.•Evitarocontatodaextremidadedofrascocomosolhosouaspálpebras.Instilar1gotadeprodutonocantodosacolacrimalinferior,puxandoligeiramenteapálpebrainferiorparabaixoedirigindooolharpara cima.Otempodeapariçãodeumagotaémaislongodoquecomumfrascoclássico.Taparofrascoapósautilização.Aocolocaraslentesdecontato:instilarumagotadeHYABAK® naconcavidadedalente.FREQUÊNCIAEMOMENTOEMQUEOPRODUTODEVESERADMINISTRADO: Distribuirasinstilaçõesaolongododia,conformenecessário.EFEITOSNÃOPRETENDIDOSEINCÔMODOS(EFEITOSINDESEJÁVEIS):Rarapossibilidadedeligeirasirritaçõesoculares.CONSERVAÇÃODEDISPOSITIVO:NÃOEXCEDEROPRAZOLIMITEDEUTILIZAÇÃO,INDICADO NAEMBALAGEMEXTERIOR.PRECAUÇÕESESPECIAISDECONSERVAÇÃO:Conservaraumatemperaturainferiora25ºC.Depoisdeaberto,ofrasconãodeveserconservadomaisde8semanas.DATADEREVISÃODESTEFOLHETOINFORMATIVO:04/2009.RegistroMSnº80424140002. Material dirigido exclusivamente a profissionais habilitados a prescrever e/ou dispensar medicamentos. uso compátivel com lentes de contato2 facilita a colocação e a retirada, e proporciona conforto imediato Produzidoem:Fev/2014
  3. 3. Editorial Prezado Leitor N essa edição da revista Oftalmo em evidências, o Prof. Dr. Paulo Augusto de Arruda Mello, na seção Entrevista, fala sobre o Glaucoma, um dos maiores problemas na oftalmologia, além de informações de tratamento e de como impedir a cegueira dos pacientes. Na seção Artigo, o Dr. Dácio Carvalho Costa, ressalta a importância da higiene palpebral, que é a principal terapia da DGM e da blefarite, mesmo não havendo uma padronização da técnica e da incerteza sobre a aderência do paciente, não se pode deixar de recomendá-la a todos que sofrem de desconforto por alterações da superfície ocular. Boa leitura ! VOLUME 3 NÚMERO 1 MARÇO DE 2014 Material de distribuição exclusiva à classe médica. Os anúncios veiculados nesta edição são de inteira responsabilidade do anunciante. O conteúdo desta publicação reflete, exclusivamente, a opinião dos autores e não necessariamente a opinião da Editora Omnifarma Ltda. SUMÁRIO ENTREVISTA 4 Glaucoma: como evitar uma multidão de cegos Prof. Dr. Paulo Augusto de Arruda Mello ARTIGO 8 A importância da higiene palpebral na disfunção das glândulas de Meibomius Dr. Dácio Carvalho Costa EDITORA OMNIFARMA LTDA. Rua Capitão Otávio Machado, 410 São Paulo, SP - CEP 04718-000. PABX: 55.11.5180-6169. E-mail: atendimento@editoraomnifarma.com.br. Diretor Executivo: Marcelo Valente. Diretor: José Eduardo Valente. Contato: Magali de Souza. Coordenador de Produção: Edson Honorio. Diagramação: Fernando F. dos Santos. Revisão: Marcia Nunes. Jornalista: Angela Helena Viel. © 2014 Editora OMNIFARMA Ltda. Todos os direitos reservados e pro- tegidos pela Lei 9.610 de 19/02/98. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida, sem autorização prévia, por escrito da Editora OMNIFARMA Ltda., sejam quais forem os meios empregados: eletrôni- cos, mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros. Cód. da Publicação: 4099.2014.
  4. 4. 4 VOLUME 03 | NO 01 | MARÇO/2014 Glaucoma Como evitar uma multidão de cegos Em geral, uma das maiores preo- cupações das pessoas é manter a visão em boas condições ao longo dos anos. Uma das formas de assegurar a boa visão é realizar consulta periódica ao oftalmologista. Sabe-se que um dos maiores flagelos das doenças oculares é o glaucoma, que pode chegar sem ser percebido e causar destruição irrepará- vel.Para falar como prevenir o glaucoma ou, se for o caso, como tratá-lo, recebe- mos o Prof. Dr. Paulo Augusto de Arru- da Mello, uma das maiores autoridades brasileiras nesse assunto. PODERIA EXPLICAR O QUE SIGNIFICA O GLAUCOMA? Como se fosse uma pequena bola, o olho é um sistema fechado, constituído de estruturas vivas que precisam rece- ber nutrição. Se a pressão interna do olho aumentar o suficiente para dificul- tar a chegada de sangue no olho, essas células começarão a morrer lenta e pro- gressivamente, e a estrutura mais deli- cada e primeira a ser atingida é a parte nervosa do olho, suas fibras nervosas. O glaucoma é uma doença que leva à cegueira e é promovida pelo aumento da pressão intraocular que varia de pes- soa para pessoa. Algumas delas podem viver bem com 21 mmHg de pressão, outras com 12 mmHg já apresentam uma série de condições particulares a serem analisadas. O glaucoma não tem cura, mas tem controle, é como o diabetes e a hipertensão arterial, que devem ser controlados pela vida toda. EXISTEM VÁRIOS TIPOS DE GLAUCOMA? Sim, existem basicamente cinco tipos. O glaucoma congênito acontece quan- do a criança nasce com má-formação ocular, o glaucoma adquirido por uso de medicamentos surge depois de uma infecção intraocular ou por trauma. No adulto, pode ainda ser primário ENTREVISTA Prof. Dr. Paulo Augusto de Arruda Mello CRM-SP 19.216 Professor-associado de Oftalmologia da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp/EPM). Presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, na gestão 2009-2011. Presidente da Sociedade Latino-Americana de Glaucoma.
  5. 5. 5VOLUME 03 | NO 01 | MARÇO/2014 sem nenhuma causa externa ou crônico. O tipo agudo acontece quando a pressão intrao- cular alcança mais de 70 mmHg, em conse- quência há um entupimento na circulação do líquido interno do olho, que fica represado e aumenta muito a pressão, o que provoca dor, olho vermelho, dor de cabeça, dor ocu- lar, náuseas e visão embaçada. Esses sinto- mas fazem com que o paciente vá ao pron- to socorro, pois chega a passar muito mal. O maior desafio é o glaucoma que não tem sintoma algum, que é o caso do glaucoma primário de ângulo aberto crônico – a visão vai diminuindo aos poucos, quando se per- cebe, já está na fase final. O GLAUCOMA COMPROMETE AS DUAS VISTAS? Geralmente começa em um olho só, mas exis- tem vários casos em que acomete os dois olhos, no tipo crônico. O glaucoma crônico de ângulo aberto é geralmemte bilateral. Porém, o paciente pode ter um olho mais acometi- do que o outro. Na forma aguda, raramente acomete os dois olhos. QUAIS SÃO OS FATORES DE RISCO PARA O GLAUCOMA? Os fatores de risco têm um papel muito im- portante na prevenção do glaucoma. A pro- babilidade de uma pessoa adquirir a doen- ça quando há glaucoma na família é muito grande, isto é, a hereditariedade é um fator de risco muito expressivo. Insistimos sempre para que o paciente comunique à família sua condição, e assim a atenção do médico será muito maior no exame. A idade é o primeiro fator de risco. Quanto mais avançada, maior o risco. A incidência de glaucoma é maior entre as pessoas com 60 anos do que com as de 50 anos. O grupo de 60 a 70 anos apresenta a doença mais do que aquelas entre 50 e 60 anos. Em seguida vem a raça. Sabemos que as pessoas da raça negra têm incidência maior de glaucoma e um tipo mais difícil de ser tratado. Há ainda duas situações: indivíduo com mais de seis graus de miopia e pessoas com córnea muito fina. Outro fator de risco está entre os dia- béticos, ainda discutível. Talvez esse grupo tenha maior probabilidade de ter glaucoma também. Resumindo: hereditariedade, idade, raça, alta miopia, córnea fina e diabetes, além, é claro da alta pressão ocular. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO DO GLAUCOMA? O diagnóstico é realizado em uma consulta oftalmológica. Como o glaucoma geralmente não apresenta sintomas, a população acima dos 40 anos, com maior probabilidade de de- senvolver essa doença, está no momento de fazer a consulta para obter os óculos para perto, com grande chance de o paciente ter o diagnóstico descartado ou confirmado, nesse caso, deve tratar a enfermidade e enxergar pelo restante de sua vida. O diagnóstico pode ser confirmado por meio do exame de fundo de olho, pela veri- ficação da pressão intraocular ou ainda pelo exame do campo visual. É o tripé que fecha o diagnóstico de glaucoma: pressão elevada, alteração do fundo do olho, do nervo ótico e da camada de fibras nervosas da retina e mudança no campo visual. COMO É A EPIDEMIOLOGIA NO BRASIL E NO MUNDO? Existem poucos dados sobre o número de pessoas acometidas pelo glaucoma no mun- do, mas trabalhamos com dados internacio- nais que afirmam que, no Brasil, há aproxi- madamente 1.200 mil portadores. O maior problema é que muitos deles desconhecem
  6. 6. 6 VOLUME 03 | NO 01 | MARÇO/2014 que tem a doença e não procuram tratamen- to. Alguns estudos publicados recentemente indicam que, na Califórnia (EUA), que é um estado rico de um país desenvolvido, entre a população menos privilegiada – os latinos –, a metade desconhece ser portadora. O glaucoma é a segunda principal causa da cegueira no Brasil, atrás somente da ca- tarata, que é completamente reversível por meio de uma simples cirurgia. No Brasil e no mundo, a principal causa da cegueira ir- reversível é o glaucoma. EXISTE PREVENÇÃO PARA O GLAUCOMA? Não é possível prevenir a chegada do glauco- ma, nem evitar seu acometimento, mas sim impedir a cegueira por meio dessa doença. COMO É O TRATAMENTO DO GLAUCOMA? O tratamento começa sempre com o uso de colírios para reduzir a pressão intraocular. Se eles não resolverem, é possível fazer um tratamento a laser. Se isso também não for possível, a indicação é a cirurgia. Existem vários tipos de cirurgia para o glaucoma. A intenção é sempre criar um sistema de drenagem para o líquido represado, o que aumenta a pressão intraocular. Em glauco- mas, em estágios avançados, o sucesso de uma cirurgia é menor. Sempre a primeira tentativa é pelo trata- mento clínico, a cirurgia fica reservada para os casos nos quais isso não funciona. O ESTILO DE VIDA DO PORTADOR DEVE SER ALTERADO? Em doença crônica, é muito importante man- ter a qualidade de vida do paciente. A lite- ratura está recheada de estudos sobre qua- lidade de vida de portadores de glaucoma. A luta é esclarecer o paciente sobre a im- portância do tratamento, mas nem sempre é fácil. A probabilidade de ele não fazê-lo é muito grande. EXISTE BOA PERSPECTIVA PARA O TRATAMENTO DO GLAUCOMA? Muita coisa está acontecendo nesse campo. Para o tratamento clínico, novas drogas estão sendo estudadas, que entrarão no mercado daqui a algum tempo. A nanotecnologia pro- mete trazer alguns avanços no tratamento do glaucoma. No tratamento cirúrgico, existem várias propostas para melhorar o resultado. A área da genética está “engatinhando” ainda, mas talvez logo seja possível fazer um diag- nóstico pelo estudo genético das pessoas. Ao analisar a maior probabilidade de desenvol- ver o glaucoma e obter um diagnóstico pre- coce, há mais ferramentas de tratamento. A ADESÃO AO TRATAMENTO É UM FATOR PRIMORDIAL? Não é possível prevenir a chegada do glau- coma, nem existe vacina, mas hoje é possível prevenir a cegueira causada pelo glaucoma. Para isso, é preciso ter o diagnóstico pre- coce e fazer o tratamento adequadamente instituído, alem da fidelidade do paciente. Oitenta por cento das formas de glaucoma são completamente indolores, então é uma dificuldade manter as pessoas motivadas ao tratamento. Essa doença não provoca dor, por isso as pessoas se esquecem da hora de aplicar o colírio, deixando a fidelidade ao tratamento. Se o tratamento é instituído rapidamente e o paciente o faz bem feito, ele torna-se se- guro, mesmo assim a eficácia deve ser dimen- sionada e avaliada constantemente, porque existem vários fenômenos que precisam ser “ajustados”. Por exemplo, os medicamentos podem parar de fazer efeito, a chamada ta- quifilaxia (adaptação do organismo às dro- gas), como também alguns glaucomas ficam mais refratários ao tratamento ao longo do tempo, e a droga que antes tinha um bom efeito agora não serve mais. É importante analisar se o tratamento está dando certo
  7. 7. 7VOLUME 03 | NO 01 | MARÇO/2014 ou não, exatamente como ocorre com os portadores de diabetes e hipertensão arte- rial, ou seja, o paciente deve ir à consulta rotineiramente. E ESSA ROTINA QUAL É? A PARTIR DOS 40 ANOS? Depende sempre dos fatores de risco. Uma pessoa com 45 anos, que tem o pai ou a mãe cegos em decorrência do glaucoma, é dife- rente de uma com 45 anos que não apresente absolutamente nenhum fator de risco. Uma pessoa com mais de 45 anos, da raça negra, com miopia acima dos seis graus, diabetes e córnea fina, que tenha o pai e a mãe por- tadores de glaucoma, terá risco muito alto, necessitando se prevenir mais cedo. Deve- -se analisar a realidade dos fatores de risco para determinar a frequência do retorno do paciente ao consultório. Tenho um caso que examinei uma moça e conclui que, neste momento, ela não tem glaucoma, mas o prazo de validade dessa paciente é seis meses, porque ela tem a mãe portadora de glaucoma e um nervo ótico sus- peito, mesmo com apenas 34 anos. Esse é um caso para acompanhamento frequente. Outras pessoas podem voltar à consulta anualmente. DE UMA FORMA GERAL, COM OU SEM RISCO DE DESENVOLVER GLAUCOMA, A CONSULTA NO OFTAL- MOLOGISTA DEVE SER ANUAL? Depende do problema diagnosticado. No Brasil, não temos um consenso sobre isso. A academia americana preconiza algumas regras de quando o paciente deve retornar. A grande luta é estabilizar o período de consultas quando existe um dano e tentar de todas as formas evitar a progressão da doença. Quando há perda do campo visual, não tem como devolver isso ao paciente. A luta se resumi a prevenir a progressão da doença. Com o aumento da idade média da popula- ção, é fácil passar dos 80 anos. Se a doença começar bem leve aos 90 anos, a preocupa- ção é pequena, mas se ela se desenvolver aos 50, o cuidado toma outra dimensão, porque é preciso garantir a visão desse indivíduo por muito tempo ainda, tanto é que hoje se fala em neuroproteção. Convém dar a esse nervo ótico uma condição melhor para que ele tolere todas as agressões da vida. Quanto antes for o início do tratamento, mais lon- ge do final catastrófico: a cegueira. Esse é o desafio. A Associação Brasileira dos Amigos, Familiares e Portadores de Glaucoma (ABRAG) está lutando para instituir o 26 de maio como o Dia Nacional de Prevenção à Cegueira pelo Glaucoma e, com isso, congregar as instituições de ensino, os laboratórios e a população em geral para conhecer melhor o glaucoma e suas formas e, como consequência, obter o diagnóstico precoce e a fidelidade ao tra- tamento – as únicas formas de manter a saúde dos olhos até a velhice. A ABRAG vem instituindo várias atividades para alertar a população sobre a cegueira pelo glauco- ma e sensibilizar a mídia a esse respeito. Para participar, acesse: <www.abrag.org.br>.
  8. 8. 8 VOLUME 03 | NO 01 | MARÇO/2014 A importância da higiene palpebral na disfunção das glândulas de Meibomius Oque é preciso saber bem de oftal- mologia para ter clientela em um consultório? Eu me fiz essa pergunta quando estava perto de concluir a re- sidência. Eu a fiz, também, para vários médicos mais experientes, que repu- tavam de sucesso e com grande clien- tela. A resposta mais frequente era: dominar refração, glaucoma clínico, realizar bem facectomias e, especial- mente, saber sobre doenças externas e córnea, particularmente blefarite e olho seco. Isto compreenderia 80% do atendimento do consultório e seria o suficiente para o meu sucesso. A blefarite e o olho seco fazem parte do grupo mais amplo de alterações que compõem a chamada Doença da Super- fície Ocular (DSO). A DSO é uma das causas mais comuns de comparecimen- to ao consultório, desconforto ocular e perda de qualidade de vida em todo o mundo. Apesar de possuir várias etiolo- gias, as alterações palpebrais por ble- farites e as alterações da composição do filme lacrimal por disfunções meibo- mianas são as causas mais comuns de DSO. Sua importância é subestimada e, frequentemente, subdiagnosticada nos nossos consultórios. Blefarite é uma inflamação difusa de toda a pálpebra. A etimologia é grega, onde blepharos significa pálpebra e ite inflamação. Isto distingue a blefarite de inflamações como hordéolos e calá- zios, que são localizadas. A blefarite é então dividida em anterior, se acome- te a região à frente da linha cinzenta e posterior, se acomete a região mais próxima ao globo ocular. A Tabela a seguir mostra a classificação das ble- farites crônicas. Dr. Dácio Carvalho Costa CRM-SP 63.072 Doutor em Oftalmologia pela Unicamp. Coordenador da Residência em Oftalmologia do Hospital Geral de Fortaleza. Presidente da Sociedade Cearense de Oftalmologia. ARTIGO
  9. 9. 9VOLUME 03 | NO 01 | MARÇO/2014 Classificação das blefarites1 I. Anterior X Estafilocócica X Seborreica X Mista II. Posterior X Seborreia meibomiana X Meibomite III. Mista anterior e posterior Esta classificação é didá- tica, porém, na percepção de estudiosos da superfície ocular, a blefarite posterior é precedida por alterações da função meibomiana. Estas al- terações podem ser intensas, sem contudo, serem obriga- toriamente acompanhadas de inflamação, não merecendo, portanto, a classificação de blefarite. Esta condição clí- nica foi então nomeada de Disfunção das Glândulas de Meibomius (DGM). Em 2011, um grupo de estudos internacional patrocinado pela Sociedade de Superfí- cie Ocular e Filme Lacrimal (Tear Film & Ocular Surfa- ce Society - TFOS) publicou um relatório de suas ativi- dades em que conceituou a DGM da seguinte maneira2 : A Disfunção das Glândulas de Meibomius é uma anomalia crônica, difusa das glându- las meibomianas, geralmente caracterizada por obstrução do ducto terminal e/ou alte- rações qualitativas/quantita- tivas da secreção glandular. Isto pode provocar alteração do filme lacrimal, sintomas de irritação ocular, inflama- ção clinicamente significa- tiva e doença da superfície ocular. Esta definição contém duas partes. A segunda, so- bre a possibilidade da DGM alterar a superfície ocular e provocar sintomas clínicos é intuitiva e dispensa comen- tários. Porém, a primeira, caracterizando a DGM por alterações quantitativas e qualitativas do meibum, e, referindo-se à obstrução do ducto terminal, merece co- mentários mais detalhados. No início da carreira, ao realizar expressão das Glân- dulas de Meibomius, pensava que o melhor resultado seria a ausência de meibum. Asso- ciava gordura a algo ruim e ao desconforto do paciente. Com o estudo, a observação clínica e a discussão de ca- sos com colegas e professo- res amadureceu a percepção que o melhor padrão ao se ordenhar uma glândula pal- pebral é o meibum fluindo com facilidade e a secreção, um óleo quase transparente. Este padrão é comum em pa- cientes jovens. A ausência to- tal de secreção à expressão é o pior resultado que podemos observar. Quais são, então, os pa- drões comuns à expressão das glândulas de meibomius? [a] Aspecto normal com faci- lidade de expressão e conteú- do oleoso de aspecto trans- lúcido; [b] Leve resistência à expressão, podendo haver uma rolha. Uma vez exercida pressão no sistema ductal, a rolha sai e a secreção obser- vada é transparente como a normal; [c] Alteração da co- loração e densidade. O mei- bum se torna amarelado e mais viscoso, algumas vezes tomando aspecto purulento; [d] O meibum se solidifica e o aspecto é de pasta de den- te; [e] Obstrução completa, com ausência de conteúdo à expressão. A estase dos ductos das Glândulas de Meibomius, leva a hipertensão do sistema e posteriormente destruição da estrutura glandular. Isto parece evoluir sem inflama- ção acentuada e os sinais clí- nicos podem passar desper- cebidos. A Figura 1 ilustra a evolução da dilatação ductal até sua posterior atrofia. O item A é a glândula normal desobstruída, os itens B a D mostram a impactação do meibum espessado, forman- do uma rolha, associada à
  10. 10. 10 VOLUME 03 | NO 01 | MARÇO/2014 Figura 1 Figura 2 queratinização do óstio ter- minal até que o ducto central evolua para dilatação acen- tuada porém atrofia acinar (item E). Essas alterações clínicas estão embasadas em fisiopa- tologia que pode ser resumi- da na Figura 2, que foi elabo- rada pelo Grupo de Estudos Internacional da TFOS. Vale a pena estudar com cuidado como os diversos fatores se interrelacionam. A DGM pode ser dividida em dois grandes grupos, ou talvez estádios, um hiperse- cretor e o segundo hipose- cretor. O relatório do grupo de estudos da TFOS não dei- xa claro em sua classificação que o primeiro possa evoluir para o segundo e prefere es- tadiá-los lado a lado, embo- ra pelo raciocínio fisiopato- lógico isto pareça provável. Outrossim, a situação mais
  11. 11. 11VOLUME 03 | NO 01 | MARÇO/2014 encontrada na clínica é o do surgimento primário da obs- trução. A classificação da DGM da TFOS está repro- duzida na Figura 3. Esta classificação aproxi- ma-se da clínica. Certamente ainda precisa ser aperfeiçoa- da, pois coloca lado a lado, como grupos distintos alte- rações que na verdade são continuidade uma da outra, atribui responsabilidade de alterar o filme lacrimal in- distintamente a todos os es- tádios e formas da DGM. A virtude dela é jogar luz sobre esta área do conhecimento que passou subapreciada por algum tempo. TRATAMENTO O tratamento da DGM é va- riado, compreendendo série de ações desde higiene pal- pebral, alterações ambien- tais, aumento da ingesta de ácidos graxos ricos em ôme- ga-3, uso de lubrificantes oculares, preferencialmen- te, sem conservantes, como o Hyabak. Casos mais graves são tratados com derivados de tetraciclinas, pulsos de esteroides tópicos, antibió- ticos e, quando necessário, cirurgias como as correções de triquíase3 . A higiene palpebral é con- siderada o pilar do tratamen- to clínico da disfunção das glândulas de meibomius (DGM). A palavra higiene é definida pelo Dicionário Houaiss como “Conjunto dos princípios e práticas que con- duzem a boas condições de saúde e ao bem-estar”. A hi- giene palpebral usualmente consiste de três componen- tes: a aplicação de calor, a expressão das glândulas de meibomius e, por último, a limpeza das pálpebras. Aplicação de calor A aplicação de calor, tanto com umidade como sem, tem recebido frequentes estudos. A DGM obstrutiva está asso- ciada à diminuição da excre- Figura 3 Doença das Glândulas de Meibomius NeoplásicaCongênita OutroAguda Disfunção das Glândulas de Meibomius Baixa secreção Alta secreção Hiposecretora (Sicca Meibomiana) Cicatricial Não cicatricial Obstrutiva Hipersecretora (Seborreia Meibomiana) Primária Secundária (exemplo: medicação) Primária Secundária •Tracoma •Penfigoide ocular •Eritema multiforme •Atopia Primária Secundária •Dermatite seborreica •Acne Rosácea •Atopia •Psoríase Primária Secundária •Dermatite seborreica •Acne Rosácea Alteração do filme lacrimal Irritação ocular Inflamação clinicamente significativa Doença da superfície ocular incluindo olho seco
  12. 12. 12 VOLUME 03 | NO 01 | MARÇO/2014 ção de meibum. McCulley e Shine sugeriram que as se- creções meibomianas pos- suem esteres com diferentes composições e consequente- mente, diferentes pontos de fusão. A DGM pode causar a elevação da temperatura de fusão, produzindo filme lacri- mal mais estagnado e menos dinâmico. De fato, as secre- ções meibomianas de indiví- duos normais começam a der- reter (ponto de fusão) a 32O C enquanto em pacientes com DGM obstrutiva esta tempera- tura é de 35O C4 . O calor pode ser aplicado de diferentes for- mas, sem haver superiorida- de na literatura de uma sobre as outras. As formas descri- tas para a aplicação de calor incluem compressas mornas simples (algodão, gaze ou pano limpo umedecidos com soro fisiológico ou água filtra- da aquecidos), ou dispositivos mais sofisticados como fon- tes de infravermelho ou de ar quente. As compressas mornas são comumente recomenda- das porém não há padroniza- ção do método de aplicação e da duração das compres- sas nem se sabe qual método com maior aderência. Nagy- mihalyi et al. relataram que a temperatura das pálpebras influenciou significativamen- te a excreção de meibum em voluntários saudáveis. A apli- cação de lâmpada infraver- melha de 250W a 50 cm au- mentou a temperatura da superfície ocular com sub- sequente aumento do óleo meibomiano5 . Olson et al. relataram que cinco minu- tos de tratamento com com- pressas (panos) aquecidos (40O C) aplicado na pele das pálpebras fechadas aumen- tou a espessura da camada lipídica do filme lacrimal em em mais de 80% em pacien- tes com DGM obstrutiva e o aumento persistiu em mais de 20% mesmo após 15 mi- nutos do tratamento. Não houve aumento quando as compressas úmidas foram aplicadas a temperatura ambiente (24O C). O aumen- to da espessura da camada lipídica do filme lacrimal foi significativamente correla- cionado com a redução dos sintomas6 . Fontes alternativas de ca- lor para a terapia incluem bolsas térmicas oculares, luz infravermelha e másca- ras aquecidas. Goto et al. re- lataram que a estabilidade do filme lacrimal aumentou e os sintomas de olho seco diminuíram após duas sema- nas de tratamento com luz infravermelha aplicada nas pálpebras por cinco minu- tos duas vezes ao dia em pa- cientes com DGM obstrutiva. Outros parâmetros também melhoraram como evapora- ção lacrimal, coloração da su- perfície ocular e obstrução dos orifícios das glândulas de meibomius7 . Mori et al. rela- taram a aplicação de calor com dispositivo descartável (não infravermelho) por cinco minutos uma vez ao dia por duas semanas com melhora dos sintomas de olho seco, estabilidade do filme lacrimal e uniformidade da camada li- pídica do filme lacrimal em pacientes com DGM8 . A aplicação de compres- sas mornas também foi rela- tada como indutora de bor- ramento visual transitório devido à distorção corneana. Este efeito aparentemente se deve à leve pressão das compressas sobre a córnea, como evidenciado pelo estu- do do reflexo corneano9 . Ape- sar deste leve inconveniente, as compressas são o método mais prescrito em consultó- rio devido à simplicidade e baixo custo para o paciente. Limpeza palpebral mecânica A limpeza palpebral com- preende a expressão mecâni- ca, escovação e limpeza com soluções apropriadas, como o Blephagel. É frequemente recomendada em conjunto com a aplicação de calor. Ro- mero et al. relataram em es- tudo não randomizado, sem controles e prospectivo que
  13. 13. 13VOLUME 03 | NO 01 | MARÇO/2014 a limpeza palpebral em com- binação com lágrimas artifi- ciais, preferencialmente sem conservantes. aumentaram significativamente o tempo de rompimento do filme la- crimal (TRFL) e aliviaram os sintomas em pacientes com DGM10 . Key relatou que a lim- peza palpebral com produtos específicos ,melhoraram a blefarite anterior11 . A limpeza da borda palpe- bral é uma atitude simples e suficiente para conter grande número de afecções oculares: olho seco, doença da superfí- cie ocular, úlceras marginais, problemas com lentes de con- tato e infecções intraopera- tórias como endoftalmites. Por que a limpeza mecâni- ca das pálpebras é tão efetiva no tratamento de tantas doen- ças diferentes? Um dos moti- vos é a grande diminuição da população bacteriana das pál- pebras, além da remoção de outros saprófitos como o de- modex e a cândida. Além dis- to, remove o excesso de gor- dura, e desobstrui os óstios terminais que estão envolvi- dos na fisiopatologia da DGM. A microbiota normal da pele e pálpebra alberga inú- meros patógenos e outros microorganismos não pato- gênicos. A tentativa de erra- dicar a microbiota através de antibióticos tem se mostra- do frustra e mal sucedida. Ao máximo consegue-se contro- le da população bacteriana por determinado tempo. Po- demos comparar a limpeza das pálpebras, à lavagem das mãos, porém utilizando pro- dutos apropriados para lim- peza palpebral. A lavagem com produtos detergentes remove o componente de li- pídio e a água os componen- tes hidrossolúveis. Com isto há controle rápido, seguro e eficaz da microbiota da pele, removendo especialmente os microorganismo patogênicos. Estes microorganismos, especialmente os estafiloco- cos e outros Gram positivos, estão associados a inúmeros processos mórbidos das pál- pebras e córnea. As flictênu- las, ceratites e úlceras catar- rais, infiltrados estéreis em usuários de lentes de contato estão intimamente ligados à presença destes microorga- nismos. A prescrição de anti- bióticos para estes processos leva a alívio rápido e contro- le expedito da doença porém sua sustentabilidade a longo prazo não é efetiva. Não é viável a manutenção de te- rapia antibiótica por tempo indeterminado para controle de blefarites posteriores. A limpeza da margem palpe- bral é então um processo efi- caz e esteio da terapia. Além disso a limpeza não é tóxica para as estruturas adjacen- tes, não induz resistência e é de fácil realização. É também importante e facilmente menosprezada, a limpeza e controle da blefari- te posterior em antecedência a cirurgias intraoculares. Os estudos sobre endoftalmite mostram que o DNA bacte- riano resgatado de pacientes com infecções é o mesmo da flora palpebral e conjuntival dos pacientes operados. Pa- cientes que serão submeti- dos a facectomia devem ser orientados a realizar limpe- za cuidadosa dos cílios, espe- cialmente antes da cirurgia. A expressão mecânica das glândulas de meibomius dentro do consultório é um procedimento antigo e bem documentado. Ela pode ser suplementada com a auto- -expressão em casa. As técni- cas relatadas variam de mas- sagem suave das pálpebras contra o globo, a expressão forçada da pálpebra superior contra a inferior ou contra um objeto rígido como con- tra uma haste de algodão, pa- lheta de metal ou cilindro de vidro. O objeto rígido é utili- zado para proteger o globo ocular da pressão exercida bem como para oferecer re- sistência e aumentar a quan- tidade de força que pode ser aplicada. A força necessária para ordenhar as Glândulas de Meibomius pode ser gran-
  14. 14. 14 VOLUME 03 | NO 01 | MARÇO/2014 de e em geral é limitada pela dor. A quantidade de dor re- ferida aumenta rapidamente a partir de 15 g/mm2 com ní- veis acima de 80 g/mm2 pro- duzindo dores excruciantes. Independente do método de expressão, o objetivo é or- denhar o meibum e outros materiais de cada glândula e, desta maneira, facilitar o seu funcionamento normal. Clinicamente é recomendável que o paciente mantenha a autoexpressão até que a dis- função se resolva. A expressão mecânica das Glândulas de Meibomius possui diversas finalidades. Além de aliviar o descon- forto do paciente, permite ao médico avaliar a função meibomiana, sendo, portan- to, diagnóstica e terapêuti- ca. Os padrões comumente observados já foram citados no início do artigo. Quando realizo a expressão das Glân- dulas de Meibomius e rompo uma rolha de meibum epiteli- zada, conseguindo ordenhar secreção de aspecto oleoso, ou dreno glândulas com ma- terial amarelo-purulento ou em pasta de dente, fico feliz porque considero que estou conseguindo salvar várias glândulas daquele paciente. A expressão das Glându- las de Meibomius no con- sultório toma tempo e não é remunerada à parte, porém há ganhos secundários que compensam o período des- pendido: além de altamente resolutiva, o paciente sente que há interesse pela sua doença, frequentemente su- bestimada, porém fonte de desconforto considerável. Isto fideliza ao paciente ao médico. A realização adequada da sequência calor, massagem e limpeza gera, portanto, o máximo de benefícios para o paciente. Cada um desses passos não deve ser despre- zado, particularmente em ca- sos de DGM grave. O calor fluidifica o meibum, a mas- sagem diminui a pressão no sistema ductal e libera os áci- nos para produzir mais mei- bum e a limpeza desobstrui os óstios, retira o excesso de gordura e diminuiu a popu- lação bacteriana produtora de lipase e tão hostil à saú- de da superfície ocular. A se- quência é lógica e poderosa. Sem este tripé, muitas vezes recorremos a terapia medica- mentosa, às vezes com efe- tividade menor e alto custo para o paciente. A aderência do paciente à higiene palpe- bral é indispensável e deve ser averiguada em todos os retornos. Em resumo, a higie- ne palpebral é amplamente considerada como a principal terapia da DGM e da blefari- te, apesar da falta de padro- nização da técnica e da in- certeza sobre a aderência do paciente, não se pode deixar de recomendá-la a todos que sofrem de desconforto por al- terações da superfície ocular. BIBLIOGRAFIA 1. Kanski JJ. Eyelids. In: Kanski JJ, editor. Clinical Ophthalmology: A Systematic Approach. 1. India: Butterworth-Heine- mann; 2003:9-13. 2. Nichols KK, Foulks GN, Bron AJ, et al. The international workshop on mei- bomian gland dysfunction: executive summary. Invest Ophthalmol Vis Sci. 2011;52(4):1922-9. 3. Geerling G, Tauber J, Baudouin C, et al. The international workshop on meibo- mian gland dysfunction: report of the sub- committee on management and treatment of meibomian gland dysfunction. Invest Ophthalmol Vis Sci. 2011;52(4):2050-64. 4. McCulley JP, Shine WE. Meibomian se- cretions in chronic blepharitis. Adv Exp Med Biol. 1998;438:319-26. 5. Nagymihályi A, Dikstein S, Tiffany JM. The influence of eyelid temperature on the delivery of meibomian oil. Exp Eye Res. 2004;78(3):367-70. 6. Olson MC, Korb DR, Greiner JV. Increase in tear film lipid layer thickness follow- ing treatment with warm compresses in patients with meibomian gland dysfunc- tion. Eye Contact Lens. 2003;29(2):96-9. 7. Goto E, Endo K, Suzuki A, Fujikura Y, Tsubota K. Improvement of tear stability following warm compression in patients with meibomian gland dysfunction. Adv Exp Med Biol. 2002;506(Pt B):1149-52. 8. Mori A, Shimazaki J, Shimmura S, Fujishi- ma H, Oguchi Y, Tsubota K. Disposable 9. eyelid-warming device for the treatment of meibomian gland dysfunction. Jpn J Ophthalmol. 2003;47(6):578-86. 10. Solomon JD, Case CL, Greiner JV, Blackie CA, Herman JP, Korb DR. Warm compress induced visual degradation and Fisch- er-Schweitzer polygonal reflex. Optom Vis Sci. 2007;84(7):580-7. 11. Romero JM, Biser SA, Perry HD, Levin- son DH, Doshi SJ, Terraciano A, Donnen- feld ED. Conservative treatment of mei- bomian gland dysfunction. Eye Contact Lens. 2004;30(1):14-9. 12. Key JE. A comparative study of eyelid cleaning regimens in chronic blepharitis. CLAO J. 1996 Jul;22(3):209-12.
  15. 15. DRUSOLOL® –cloridratodedorzolamida,maleatodetimolol.SoluçãoOftálmicaEstéril.IDENTIFICAÇÃODOPRODUTO:FORMAFARMACÊUTICAEAPRESENTAÇÃO:SoluçãoOftálmica2,0%+0,5%:embalagemcontendofrascocom 5mL.VIAOFTÁLMICA.USOADULTO.COMPOSIÇÃO:CadamLcontém:cloridratodedorzolamida...22,26mg(equivalentea20mgdedorzolamida),maleatodetimolol...6,83mg(equivalentea5mgdetimolol).Veículo:hietelose,cloretodebenzalcônio, manitol,citratodesódio,hidróxidodesódio,ácidocloridrícoeáguaparainjetáveis.INDICAÇÕES:Estemedicamentoéindicadoparaotratamentodapressãointraocularelevadadepacientescomhipertensãoocular,glaucomadeânguloaberto,glaucoma pseudoesfoliativoououtrosglaucomassecundáriosdeânguloabertoquandoaterapiaconcomitanteforapropriada.CONTRAINDICAÇÕES:Estemedicamentoécontraindicadoparapacientescom:•asmabrônquicaouhistóricodeasmabrônquicaoudoença pulmonarobstrutivacrônicagrave;•bradicardiasinusal,bloqueioatrioventriculardesegundoouterceirograus,insuficiênciacardíacamanifesta,choquecardiogênico;•hipersensibilidadeaqualquercomponentedoproduto.Essascontraindicaçõestêmcomo baseoscomponentesenãosãoespecíficasdaassociação.MODO DE USAR:Posologia:Adoseédeumagotadestemedicamentono(s)olho(s)afetado(s)duasvezesaodia.Quandoestemedicamentoforsubstituiroutro(s)agente(s)oftálmico(s) antiglaucomatoso(s),descontinueooutroagenteapóssuaadministraçãoapropriadaemumdiaecomeceaadministrarestemedicamentonooutrodia.Seoutroagenteoftálmicotópicoestiversendousado,estemedicamentoeooutroagentedevemseradmi- nistradoscomumintervalode,pelomenos,10minutos.ADVERTÊNCIASEPRECAUÇÕES:Reaçõescardiorrespiratórias:aexemplodoqueocorrecomoutrosagentesoftálmicostópicos,essemedicamentopodeserabsorvidosistemicamente.Otimolol éumβ-bloqueador.Dessemodo,osmesmostiposdereaçõesadversasobservadascomaadministraçãosistêmicadosβ-bloqueadorespodemocorrercomaadministraçãotópica.Porcausadapresençadomaleatodetimolol,insuficiênciacardíacadeveser adequadamentecontroladaantesdeseiniciaraterapiacomestemedicamentoEmpacientescomhistóricodedoençacardíacagrave,deve-sepesquisarsinaisdeinsuficiênciacardíacaeverificarafrequênciacardíaca.Reaçõesrespiratóriasecardíacas,incluindo morteporbroncoespasmoempacientescomasmaeraramentemorteemassociaçãocominsuficiênciacardíacaforamrelatadasapósaadministraçãodasoluçãooftálmicademaleatodetimolol.Disfunçãorenalehepática:Estemedicamentonãofoiestuda- doempacientescomdisfunçãorenalgrave(clearancedecreatinina<30mL/min).Umavezqueocloridratodedorzolamidaeseusmetabólitossãoexcretadospredominantementepelosrins,estemedicamentonãoérecomendadoparaessespacientes.Este medicamentonãofoiestudadoempacientescomdisfunçãohepática,portanto,deveserusadocomcautelanessespacientes.Imunologiaehipersensibilidade:aexemplodoqueocorrecomoutrosagentesoftálmicostópicos,essemedicamentopodeser absorvidosistemicamente.Adorzolamidaéumasulfonamida;portanto,osmesmostiposdereaçõesadversasobservadasduranteaadministraçãosistêmicadesulfonamidaspodemocorrercomaadministraçãotópica.Casoocorramsinaisdereaçõesgravesou hipersensibilidade,ousodapreparaçãodevesersuspenso.Emestudosclínicos,efeitosadversosoculareslocais,principalmenteconjuntiviteereaçõespalpebrais,foramrelatadoscomaadministraçãocrônicadesoluçãooftálmicadecloridratodedorzolamida. Algumasdessasreaçõestiveramaparênciaecursoclínicodereaçõesdotipoalérgicasedesapareceramcomasuspensãodotratamentomedicamentoso.Reaçõessimilaresforamrelatadascomestemedicamento.Setaisreaçõesforemobservadas,deveser consideradaasuspensãodotratamentocomestemedicamento.Enquantoestiveremrecebendoβ-bloqueadores,pacientescomhistóricodeatopiaoureaçõesanafiláticasgravesaumavariedadedealérgenospodemsermaisreativosàestimulaçãorepetidaaci- dental,diagnósticaouterapêuticacomtaisalérgenos.Essespacientespodemnãoapresentarrespostaàsdosesusuaisdeepinefrinausadasparatratarreaçõesanafiláticas.Terapiaconcomitante:existeapossibilidadedeefeitoaditivosobreosefeitossistêmicos conhecidosdainibiçãodaanidrasecarbônicaempacientesquerecebeminibidoresoraisetópicosdaanidrasecarbônicaconcomitantemente.Aadministraçãoconcomitantedestemedicamentoedeinibidoresdaanidrasecarbônicaporviaoralnãofoiestudada enãoérecomendada.Pacientesquejáestãorecebendobloqueadoresβ-adrenérgicossistêmicosecomeçamautilizarestemedicamentodevemserobservadosquantoaopossívelefeitoaditivosobreapressãointraocularousobreosefeitossistêmicosconheci- dosdobloqueioβ-adrenérgico.Ousodedoisbloqueadoresβ-adrenérgicostópicosnãoérecomendado.Outros:ocontroledepacientescomglaucomaagudodeângulofechadorequeroutrasintervençõesterapêuticasalémdeagentesoculareshipotensores. Estemedicamentonãofoiestudadoempacientescomglaucomaagudodeângulofechado.Foirelatadodescolamentodacoroidecomaadministraçãodeterapiasupressoradehumoraquoso(porexemplo,timolol,acetazolamida,dorzolamida)apósprocedi- mentosdefiltração.Usodelentesdecontato:estemedicamentocontémoconservantecloretodebenzalcônio,quepodedepositar-senaslentesdecontatogelatinosas;portanto,estemedicamentonãodeveseradministradoquandoessaslentesestiveremsendo utilizadas.Aslentesdevemserretiradasantesdaaplicaçãodasgotasesódevemserrecolocadas15minutosdepois.Gravidez:CategoriaCdegravidez:Estemedicamentonãodeveserutilizadopormulheresgrávidassemorientaçãomédicaou docirurgião-dentista.Nãoexistemestudosadequadosebemcontroladosemgrávidas.Estemedicamentodeveserusadoduranteagravidezsomenteseosbenefíciospotenciaisjustificaremospossíveisriscosparaofeto.Nutrizes:Nãosesabeseocloridrato dedorzolamidaéexcretadonoleitehumano.Omaleatodetimololaparecenoleitehumano.Umavezquereaçõesadversasgravespodemocorreremlactentes,deve-sedecidirentredescontinuaroaleitamentooudescontinuaramedicação,levando-seemcon- sideraçãosuaimportânciaparaamãe.USOEMIDOSOS,CRIANÇASEOUTROSGRUPOSDERISCO:Pacientesidosos:Donúmerototaldepacientesdosestudosclínicoscomestemedicamento,49%tinham65anosoumais,enquanto13%tinham75 anosoumais.Nogeral,nenhumadiferençanaeficáciaounasegurançafoiobservadaentreestespacientesepacientesmaisnovos,masasensibilidadeindividualaumentadaemalgunsidososnãopodeserdesconsiderada.UsoPediátrico:Asegurançaea eficáciaemcriançasnãoforamestabelecidas.INTERAÇÕESMEDICAMENTOSAS:EstudosdeinteraçõesmedicamentosasespecíficasnãoforamrealizadoscomestemedicamentoEmestudosclínicos,estemedicamentofoiusadoconcomitantementecom asseguintesmedicaçõessistêmicas,semevidênciadeinteraçõesadversas:inibidoresdaECA,bloqueadoresdoscanaisdecálcio,diuréticos,anti-inflamatóriosnãoesteroides,incluindoaspirinaehormônios(porexemplo,estrogênio,insulina,tiroxina).Entretanto, épossívelocorreremefeitosaditivosehipotensãoe/oubradicardiaacentuadaquandoasoluçãooftálmicademaleatodetimololforadministradaconcomitantementecombloqueadoresdoscanaisdecálcio,medicaçõesdepletorasdecatecolaminaoubloqueado- resβ-adrenérgicosporviaoral.Foirelatadapotencializaçãodoβ-bloqueiosistêmico(porexemplo,reduçãodafrequênciacardíaca)durantetratamentocombinadocomquinidinaetimolol,possivelmenteporqueaquinidinainibeometabolismodotimololpormeio dosistemaenzimáticodocitocromoP-450,viaCYP2D6.Ocomponentedorzolamidadestemedicamentoéuminibidordaanidrasecarbônicae,emboraadministradotopicamente,éabsorvidosistemicamente.Emestudosclínicos,asoluçãooftálmicadeclori- dratodedorzolamidanãofoiassociadaadistúrbiosácido-base.Entretanto,essesdistúrbiosforamrelatadoscominibidoresoraisdaanidrasecarbônicae,algumasvezes,resultarameminteraçõesmedicamentosas(porexemplo,toxicidadeassociadaàterapiacom altasdosesdesalicilato).Portanto,apossibilidadedetaisinteraçõesmedicamentosasdeveserconsideradaempacientesqueestejamrecebendoestemedicamento.Agentesbloqueadoresβ-adrenérgicosoraispodemexacerbarahipertensãoderebotequepode ocorrerapósasuspensãodeclonidina.REAÇÕESADVERSAS:Emestudosclínicos,aassociaçãoentredorzolamidaetimololfoigeralmentebemtolerado;nãoforamobservadasreaçõesadversaspeculiaresaessacombinação.Asreaçõesadversasforamlimi- tadasàquelasrelatadasanteriormentecomcloridratodedorzolamidae/oumaleatodetimolol.Emgeral,asreaçõesadversasforamlevesenãorequereramadescontinuaçãodaterapia.Duranteosestudosclínicos,1.035pacientesforamtratadoscomaassociação entredorzolamidaetimolol.Aproximadamente2,4%detodosospacientesdescontinuaramaterapiacomaassociaçãoentredorzolamidaetimololporcausadereaçõesadversasoculareslocais.Aproximadamente1,2%detodosospacientesdescontinuarama terapiaemrazãodereaçõesadversaslocaissugestivasdealergiaouhipersensibilidade.Asreaçõesadversasrelacionadasàmedicaçãorelatadascommaisfrequênciaforam:ardoredoragudaoculares,alteraçãodopaladar,erosãocorneana,hiperemiaconjuntival, visãoembaçada,lacrimejamentoepruridoocular.Urolitíasefoiraramenterelatada.Apósacomercialização,foramrelatadasasseguintesreaçõesadversas:dispneia,insuficiênciarespiratóriaedermatitedecontato,bradicardia,bloqueiocardíacoedescolamentodo coroideseguidodefiltraçãocirúrgica.NºdoLote,DatadeFabricaçãoePrazodeValidade:videcartucho.VENDASOBPRESCRIÇÃOMÉDICA.RegistroMS:1.0497.1281.UNIÃOQUÍMICAFARMACÊUTICANACIONALS/A. CONTRAINDICAÇÕES: Este medicamento é contraindicado para pacientes com asma brônquica ou histórico de asma brônquica ou doença pulmonar obstrutiva crônicagrave.INTERAÇÕESMEDICAMENTOSAS:Distúrbiosácido-base,foramrelatadoscominibidoresoraisdaanidrasecarbônicae,algumasvezes,resultaramem interaçõesmedicamentosasportanto,apossibilidadedetaisinteraçõesmedicamentosasdeveserconsiderada. Materialdestinadoexclusivamenteàclassemédica. Maior queda da PIO obtida com a associação, quando comparada às drogas isoladas1 Combinando, é possível simplificar, com eficácia e segurança!1 ReferênciasBibliográficas:1.BoyleJE,GhoshK,GieserDKetal.TheDorzolamide-TimololStudyGroup.ArandomizedtrialComparingtheDorzolamide-TimololcombinationgiventwicedailytomonotherapywithTimololandDorzolamide. Ophthalmology1998;105(10):1945-1951.2.NoeckerR.EffectsofCommonOphthalmicpreservativesonOcularHealth.AdvancesinTherapy.2001;vol.18-205-215.3.BuladoProduto(posologia). Apresentação Frasco com 5 mL contendo: cloridrato de dorzolamida 2% e maleato de timolol 0,5% Posologia 1 gota 2 vezes ao dia3 NOVEMBRO/2012
  16. 16. 1 Apresentação: Tubo com 40g e 100 compressas.1 Sem enxágue1 Cuida suavemente da limpeza da área dos olhos1 Adequado para usuários de lentes de contato1 Respeita o pH da pele1 Demaquilante1 UNIÃO QUÍMICA FARMACÊUTICA NACIONAL S/A Divisão GENOM Unidade Brasília: Trecho 01 Conjunto 11 Lote 6 a 12 Pólo de Desenvolvimento JK Santa Maria - Brasília - DF - CEP: 72549-555 Produzidoem:Fevereiro/2014 Material dirigido exclusivamente a profissionais habilitados a prescrever e/ou dispensar medicamentos. Referência Bibliográfica:1) Bula do produto:Blephagel® .Registro MS nº2.5203.0006.001-4. BLEPHAGEL® Gel hipoalergênico.Higiene diária das pálpebras e dos cílios.Tubo de 40 g.Conteúdo: Gel para a higiene das pálpebras e dos cílios.Tubo de 40 g e 100 compressas.Composição: Aqua, poloxamer 188, PEG-90, sodium borate, carbomer,methylparaben.Indicações:BLEPHAGEL® ,gelhipoalergênico,demaquilante,cuidasuavementedalimpezadaáreadosolhos.Podeserrecomendadoaosutilizadoresdelentesdecontato.Propriedades:BLEPHAGEL® ,hipoalergênico (formulado para minimizar os riscos de reação alérgica), sem perfume, não é gorduroso, limpa de forma adequada as pálpebras.A sua fórmula:• Facilita a aderência do produto;• Produz uma agradável sensação de frescor, descongestionando as pálpebraserespeitandoopHdapele;•Nãodeixaresíduos.Precauçõesdeutilização:•Produtodestinadoaaplicaçãosobreaspálpebrasecílios,nãoaplicarnoolho;•Nãoutilizaremcrianças.NÃOUSAREMPELELESIONADAOUIRRITADA. Mododeusar:Emmédiaduasvezespordia,demanhãeànoite,ouquantasvezessejanecessáriaalimpezadaspálpebras.1)AplicarumapequenaquantidadedeBLEPHAGEL® sobreumagazelimpaemacia.2)Frenteaoespelho,aplicarcom delicadezaagazesobreaspálpebraseabasedoscílioscomoolhofechado.3)Passarsuavemente,váriasvezesagazecomoBLEPHAGEL® sobreaspálpebraseabasedoscílios,friccionarcompequenosmovimentos circulares a fim de retirar todos os resíduos.4) Eliminar o BLEPHAGEL® restante com a ajuda de uma gaze limpa.5) Repetir cada etapa para o outro olho utilizando sempre gazes limpas.Reg.M.S.nº 2.5203.0006. Importado por: UNIÃO QUÍMICA FARMACÊUTICA NACIONAL S/A.Rua Cel.LuizTenório de Brito, 90 – Embu-Guaçu – SP – CEP 06900-000 – SAC 0800 11 1559 – CNPJ 60.665.981/0001-18 – Farm.Resp.: Daniela Batista Paiva – CRF-MG nº 20617.Fabricado por:LABORATOIRESTHÉA – 12, rue Louis Blériot – 63017 CLERMONT-FERRAND Cedex 2 – FRANCE / FRANÇA. CÓDIGO5001114-Revistaoftalmoemevidências6-Março/14

×