Turismo Cultural Ferroviário – Potencialidades e Perspectivas Santa Maria, março de 2010
Plano Nacional de Turismo 2007-2010 MACROPROGRAMAS Logística de Transportes Planejamento e Gestão Informações e Estudos Tu...
<ul><li>O modelo de gestão descentralizada do turismo, implantado no País pelo Ministério do Turismo apoiado por seus cole...
<ul><li>Regionalizar não é apenas o ato de agrupar municípios com relativa proximidade e similaridades. É construir um amb...
Plano Nacional de Turismo 2007-2010 MACROPROGRAMA 4 Regionalização do Turismo Programa de  Planejamento e Gestão da Region...
A segmentação constitui uma forma de organizar o turismo.  É uma estratégia para a estruturação de produtos e consolidação...
Turismo Social Ecoturismo Turismo Cultural Turismo de Pesca Turismo de Aventura Turismo Náutico Turismo de Negócios e Even...
Turismo Cultural Compreende as atividades turísticas relacionadas à vivência do conjunto de elementos significativos do pa...
<ul><ul><li>Sítios históricos </li></ul></ul><ul><ul><li>Edificações </li></ul></ul><ul><ul><li>Festas e celebrações  </li...
Dos roteiros preferidos pelos turistas, cerca de 20 % são cidades históricas
<ul><li>Incremento no número de viagens turísticas realizadas por trens turísticos; </li></ul><ul><li>Preservação da malha...
<ul><li>Fomentar e incentivar os projetos de trens turísticos e culturais; </li></ul><ul><li>Recuperação e aproveitamento ...
<ul><li>Dispersão de informações sobre como implementar um projeto de trens turísticos e culturais; </li></ul><ul><li>Falt...
Principais marcos ferroviários brasileiros <ul><li>No Brasil, o advento das ferrovias se deu graças a Irineu Evangelista d...
O Grupo de Trabalho de Turismo Ferroviário <ul><li>O Grupo de Trabalho de Turismo Ferroviário foi constituído pela Portari...
Diretrizes Gerais para projetos, no que tange aos aspectos turísticos <ul><li>Possuir atrativos turísticos, sejam eles nat...
Priorização dos Territórios para implantação do Programa de Regionalização do Turismo 2009  276 Regiões Turísticas 3.635 M...
Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico Regional 65 Destinos Indutores 3 no Rio Grande do Sul: Porto Alegre;  Gram...
OBRIGADO! Contato: Fernando Moreira Oliviere Caixeta E-mail:  [email_address] Telefone: 61 - 2023-8208
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Turismo Cultural Ferroviário – Potencialidades e Perspectivas

4.329 visualizações

Publicada em

Por: Fernando Caixeta - MTur

Publicada em: Turismo
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.329
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
193
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Turismo Cultural Ferroviário – Potencialidades e Perspectivas

  1. 1. Turismo Cultural Ferroviário – Potencialidades e Perspectivas Santa Maria, março de 2010
  2. 2. Plano Nacional de Turismo 2007-2010 MACROPROGRAMAS Logística de Transportes Planejamento e Gestão Informações e Estudos Turísticos Regionalização do Turismo Fomento à Iniciativa Privada Infra-Estrutura Pública Qualificação dos Equipamentos e Serviços Turísticos Promoção e Apoio à Comercialização
  3. 3. <ul><li>O modelo de gestão descentralizada do turismo, implantado no País pelo Ministério do Turismo apoiado por seus colegiados parceiros, proporciona que cada Unidade Federada, região e município busque suas próprias alternativas de desenvolvimento, de acordo com suas realidades e especificidades. O que propõe o Programa de Regionalização do Turismo – Roteiros do Brasil são diretrizes políticas e operacionais para orientar o processo do desenvolvimento turístico, com foco na regionalização. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Regionalizar não é apenas o ato de agrupar municípios com relativa proximidade e similaridades. É construir um ambiente democrático, harmônico e participativo entre poder público, iniciativa privada, terceiro setor e comunidade. É promover a integração e cooperação intersetorial, com vistas à sinergia na atuação conjunta entre todos os envolvidos direta e indiretamente na atividade turística de uma determinada localidade. </li></ul>
  5. 5. Plano Nacional de Turismo 2007-2010 MACROPROGRAMA 4 Regionalização do Turismo Programa de Planejamento e Gestão da Regionalização Programa de Estruturação dos segmentos Turísticos Programa de Estruturação da Produção Associada ao Turismo Programa de Apoio ao Desenvolvimento Regional
  6. 6. A segmentação constitui uma forma de organizar o turismo. É uma estratégia para a estruturação de produtos e consolidação de roteiros e destinos, a partir dos elementos de identidade da oferta e também das características e variáveis da demanda. Fonte: Marcos Conceituais – Segmentação do Turismo, 2006 . Programa de Estruturação dos Segmentos Turísticos Propõe o ordenamento e a consolidação de cada segmento, a articulação e o fortalecimento de suas instâncias representativas e a padronização de referência conceitual, que juntamente com a estruturação da produção associada ao turismo configuram a base para a construção de roteiros. Fonte: PNT 2007-2010, p. 68.
  7. 7. Turismo Social Ecoturismo Turismo Cultural Turismo de Pesca Turismo de Aventura Turismo Náutico Turismo de Negócios e Eventos Turismo Rural Segmentos Turísticos Turismo de Estudo e Intercâmbio Turismo de Sol e Praia Turismo de Esportes Turismo de saúde
  8. 8. Turismo Cultural Compreende as atividades turísticas relacionadas à vivência do conjunto de elementos significativos do patrimônio histórico e cultural e dos eventos culturais, valorizando e promovendo os bens materiais e imateriais da cultura.
  9. 9. <ul><ul><li>Sítios históricos </li></ul></ul><ul><ul><li>Edificações </li></ul></ul><ul><ul><li>Festas e celebrações </li></ul></ul><ul><ul><li>Gastronomia típica </li></ul></ul><ul><ul><li>Artesanato </li></ul></ul><ul><ul><li>Saberes e fazeres </li></ul></ul>
  10. 10. Dos roteiros preferidos pelos turistas, cerca de 20 % são cidades históricas
  11. 11. <ul><li>Incremento no número de viagens turísticas realizadas por trens turísticos; </li></ul><ul><li>Preservação da malha ferroviária brasileira; </li></ul><ul><li>Criar e qualificar mão-de-obra especializada; </li></ul><ul><li>Consumir um produto de alto valor agregado, com aspectos diferenciados para um público específico; </li></ul><ul><li>Modernização das Estações Ferroviárias; </li></ul><ul><li>Abrangência Territorial. </li></ul><ul><li>* Projeto BenchMarking </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Fomentar e incentivar os projetos de trens turísticos e culturais; </li></ul><ul><li>Recuperação e aproveitamento da malha ferroviária e do patrimônio da RFFSA; </li></ul><ul><li>Criar um destino indutor de trens turísticos (referência) dentro do segmento de turismo cultural; </li></ul><ul><li>Geração de emprego e renda; </li></ul><ul><li>Incremento da infra-estrutura turística regional. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Dispersão de informações sobre como implementar um projeto de trens turísticos e culturais; </li></ul><ul><li>Falta de equipamento (Ex.: material rodante); </li></ul><ul><li>Pouca mão-de-obra especializada; </li></ul><ul><li>Falta de política pública específica para o setor; </li></ul><ul><li>Alto custo de implementação dos projetos. </li></ul>
  14. 14. Principais marcos ferroviários brasileiros <ul><li>No Brasil, o advento das ferrovias se deu graças a Irineu Evangelista de Souza, quando em 1854, implementou a ligação entre Porto de Estrela, na Baía de Guanabara e Raiz da Serra, próximo à cidade de Petrópolis. </li></ul><ul><li>Ligação Rio – São Paulo, no dia 08 de julho de 1877; </li></ul><ul><li>Em 1922, existia no país um sistema ferroviário com, aproximadamente, 29.000 Km de extensão, cerca de 2.000 locomotivas e 30.000 vagões em tráfego. </li></ul><ul><li>Já em 1995, o processo de desestatização da RFFSA foi realizado com base na Lei n.º 8.987, (Lei das Concessões). Esta lei estabeleceu os direitos e obrigações para as partes envolvidas no processo de concessão, definindo ainda, o princípio da manutenção do equilíbrio econômico e financeiro e os direitos dos usuários. </li></ul>
  15. 15. O Grupo de Trabalho de Turismo Ferroviário <ul><li>O Grupo de Trabalho de Turismo Ferroviário foi constituído pela Portaria n° 18 de 25 de fevereiro de 2010. </li></ul><ul><li>Objetivo Geral: </li></ul><ul><li>Desenvolver uma política de fomento ao turismo ferroviário no País, especificamente, no que concerne ao segmento de Trens Turísticos e Culturais, com a finalidade de recuperação, requalificação e preservação dos trechos em atividade ou desativados. </li></ul><ul><li>Competências: </li></ul><ul><li>Compete ao Grupo de Trabalho definir critérios técnicos para análise de projetos concernente à política de fomento ao turismo ferroviário no País. </li></ul>
  16. 16. Diretrizes Gerais para projetos, no que tange aos aspectos turísticos <ul><li>Possuir atrativos turísticos, sejam eles naturais, culturais, atividades econômicas, realizações técnicas, científicas, artísticas ou ainda eventos programados, além de equipamentos turísticos, infra-estrutura, e ainda recursos humanos qualificados; </li></ul><ul><li>Outro ponto importante é o sistema de gestão do destino. Neste caso, é recomendável que o mesmo possua um Órgão Oficial de Turismo e um Conselho Municipal de Turismo, que envolva, além de outros atores públicos, iniciativa privada e terceiro setor; </li></ul><ul><li>Também será considerado se a região/município tem participação em projetos do Governo Federal, e ainda se o município integra o mapa de Regionalização do Turismo 2009, pertencendo a alguma das regiões turísticas mapeadas, sendo um destino indutor ou ainda pertencendo a um dos roteiros prioritários para o Ministério do Turismo, ou ainda, integre alguma das 276 regiões turísticas identificadas pelo Programa de Regionalização do Turismo em 2009. </li></ul>
  17. 17. Priorização dos Territórios para implantação do Programa de Regionalização do Turismo 2009 276 Regiões Turísticas 3.635 Municípios/Distritos 2009 81 roteiros turísticos Priorizados
  18. 18. Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico Regional 65 Destinos Indutores 3 no Rio Grande do Sul: Porto Alegre; Gramado; Bento Gonçalves.
  19. 19. OBRIGADO! Contato: Fernando Moreira Oliviere Caixeta E-mail: [email_address] Telefone: 61 - 2023-8208

×