Trabalho De IrrrigaçãO Pivô Central 3ºB

5.090 visualizações

Publicada em

Apresentação do Texto do Seminario de Irrigação apresenatados pelos alunos da turma 3º B - Tema: Pivot Central - Material retirado de pesquisa na Internet

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.090
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho De IrrrigaçãO Pivô Central 3ºB

  1. 1. Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia Baiano Campus Catu Coordenação geral de ensino Professor: Luiz Geraldo Disciplina: irrigação e drenagem Técnicos: Ana Carla, Anna Márcia, Edivânia, Evilin e Marivalda IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL Pivô central de irrigação é um sistema de agricultura irrigada por meio de um pivô. Nesse sistema uma área circular é projetada para receber uma estrutura suspensa que em seu centro recebe uma tubulação e por meio de um ráio que gira em todo a área circular, a água é aspergida por cima da plantação O pivô central foi construído pela primeira vez em 1948. Em 1949, seu inventor, Frank L. Zybach, submeteu o invento para ser analisado e finalmente foi patenteado em 1952, no Colorado, Estados Unidos. O pivô girava acionado por mecanismos de pistões movidos hidraulicamente pela água. A grande aceitação do pivô central deve-se a vários fatores, entre eles: necessidade mínima de mão de obra; simplicidade de operação; adapta-se a terrenos planos e ondulados (até 20%); também pode aplicar fertilizantes via água; também consegue irrigar de forma localizada desde que plantado em círculos. O painel de comando do pivô, através de seu percentímetro, ajusta a velocidade de movimentação da última torre. Caso esteja ajustado em 100%, ela se move continuamente na velocidade de aproximadamente 250 m/h. As torres internas movem-se toda vez que o ângulo de declinação de um vão em relação ao outro for superior que um valor predeterminado (em geral 5 graus). Um mecanismo simples detecta tal variação no ângulo e mecanicamente aciona uma chave elétrica permitindo a passagem de corrente para um motor de ¾ ou de 1 cv, localizado sobre a base da torre. Este motor por sua vez aciona um conjunto moto-redutor (engrenagens que acionam um eixo), que faz movimentar outro conjunto moto-redutor localizado junto à roda da torre. Desse modo, as torres do pivô movimentam-se em velocidade constante, parando entretanto se a declinação entre os vãos estiver abaixo do ângulo máximo permitido. Como os vãos possuem ângulo variável entre
  2. 2. si, a junção dos mesmos é feita através de uma juta articulada flexível de borracha. Cada torre possui duas rodas com pneus similares aos pneus de tratores. Esses pneus podem ter 12,4 polegadas de largura ou 14,9 (pneus de bandagem mais larga são requeridos em solos com menor capacidade de suporte a cargas). A água aplicada pelo pivô é feita através de aspersores do tipo spray que funcionam na posição invertida. Para plantio no formato circular (círculos concêntricos), cada emissor irriga uma linha de plantas e neste caso a irrigação pode ser aplicada de forma localizada pelos emissores. . As torres movem-se continuamente acionadas por dispositivos elétricos ou hidráulicos, descrevendo movimentos concêntricos ao redor do ponto do pivô. O movimento da última torre inicia uma reação de avanço em cadeia de forma progressiva para o centro. Em geral, os pivôs são instalados para irrigar áreas de 50 a 130 ha, sendo o custo por área mais baixo à medida em que o equipamento aumenta de tamanho. Para otimizar o uso do equipamento, é conveniente além da aplicação de água, aproveitar a estrutura hidráulica para a aplicação de fertilizantes, inseticidas e fungicidas O consumo de energia para este tipo de equipamento, em pleno funcionamento, está em torno de 80 kwh x R$ 0,12/kwh = R$ 9,24 por hora. Nas regiões onde são cobradas cotas de consumo mensal, deve ser rateado por média mensal de hora de funcionamento: R$ 300,00 ¸ 166,67 = R$1,80 por hora. O funcionamento do equipamento no horário de pico , ou seja, das 18:00 às 21:00 horas, deve ser evitado devido às tarifas elevadas. O reparo é um item importante e o seu gasto pode ser obtido através dos registros de despesas com peças e trocas de borrachas, ou pode ser estimado em torno de 0,5% do valor novo do equipamento, por ano. A base do pivô, instalada no centro da circunferência molhada, é uma estrutura metálica em forma de pirâmide. A água vem de um ponto de captação através uma adutora enterrada, que abastece a tubulação suspensa. Em torno dessa base central, o equipamento realiza um movimento de rotação, acionado pelos motores localizados em cada torre. Junto à base do pivô, há uma caixa central de controle, por meio da qual pode ser regulada a velocidade de deslocamento do aparelho em função da velocidade da torre mais externa. Caso ocorra algum problema em alguma torre ou no alinhamento, a caixa de comando desliga o sistema.
  3. 3. No pivô central é necessário realizar a manutenção para se evitar problemas futuros, recomenda-se a cada 2 anos verificar a vazão do conjunto moto-bomba, dos aspersores, pressão dos aspersores e a uniformidade de distribuição de água no sistema. Principais vantagens do pivô central: • Baixo custo (R$ 2000,00 – 3000,00/ há); • Economia de água, energia e mão- de -obra; • Facilidade de instalação, divisão da área em piquetes e treinamentos da mão- de- obra; • Possibilidade de irrigar culturas diferentes e • Adaptação a áreas irregulares.

×