Irrigação revisão e 2 bim 2013

1.963 visualizações

Publicada em

Material visual encontrado na internet

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.963
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
56
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
179
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Irrigação revisão e 2 bim 2013

  1. 1. Disciplina: Irrigação e Drenagem Importância e caracterização Prof: Luís Geraldo T Soria
  2. 2. POR QUE IRRIGAR ?POR QUE IRRIGAR ?
  3. 3.  Promove a umidade necessária às raízes no tempo certo; Quais as vantagens da irrigação?Quais as vantagens da irrigação? > Produção; > Vendas; = > LUCRO  Maior Produção • Melhor qualidade dos produtos Sem correr o risco de depender da chuva  Colheitas na entressafra, com antecipação e escalonamento da produção; Aproveitamento pela planta dos nutrientes fornecidos
  4. 4. Irrigação LocalizadaIrrigação Localizada GotejamentoGotejamento: Microaspersão:Microaspersão: Subsuperficial:Subsuperficial:
  5. 5. Irrigação porIrrigação por AspersãoAspersão Convencional:Convencional: Autopropelidos:Autopropelidos: Pivô Central:Pivô Central:
  6. 6. Irrigação por SuperfícieIrrigação por Superfície Sulco:Sulco: Inundação:Inundação:
  7. 7. Como escolher o método adequadoComo escolher o método adequado para uma propriedade?para uma propriedade? Depende do tipo de solo; Das culturas a serem plantadas; Da quantidade e qualidade de água disponível; Da mão-de-obra que se pode contar e; Quanto dinheiro se tem para gastar.
  8. 8. O sucesso do uso da irrigação não depende apenas da compra adequada e da instalação correta do sistema MANEJO DA IRRIGAÇÃO É preciso saber quando irrigar e quanto de água deve-se aplicar. Só o uso da irrigação garante maiores lucros?
  9. 9. RELAÇÃO ÁGUA-SOLO-PLANTA- ATMOSFERA
  10. 10. Técnica da Irrigação Engenharia de irrigação Como Irrigar? Ciência da Irrigação Quando e quanto irrigar?? Solo: armazenamento, infiltração, salinidade; Água: Disponibilidade e qualidade; Planta: espécie, fase de desenvolvimento, espaçamento; Clima: precipitação, umidade relativa, radiação, velocidade do vento, temperatura; Sistema de irrigação: método, tipo e características.
  11. 11. Umidade do soloUmidade do solo  Umidade do solo: • Conhecimento da umidade do solo é de fundamental importância, pois indica em que condições hídricas ele se encontra. • Na irrigação: a umidade do solo deve ser determinada e servirá de parâmetro para a quantidade de água a ser aplicada pelo sistema.
  12. 12. O solo como um sistema trifásico Vt = Volume total Va = Volume do ar Vw = Volume de água Vs = Volume de sólidos Vn = Porosidade total
  13. 13. Água no solo Formas para expressar o teor de água no solo 100* úmidosolomassa águademassa %Ubu = 100* secosolomassa águademassa %Ubs = % teor de água em base úmida % teor de água em base seca %Ubu-100 %Ubu*100 %Ubs = Transformação • Na irrigação, trabalha-se sempre a umidade do solo, em base seca.
  14. 14. loVolumedoso oumeMassadovol cmgds sec )/( 3 = 100* secosolodemassa águademassa %Upeso = DsUU PESOVOLUME *%% = Formas para expressar o teor de água no solo % teor de água em peso Densidade do solo Transformação
  15. 15. Densidade e Porosidade do Solo  A densidade do solo depende essencialmente da composição e da organização das partículas sólidas e da porosidade.  Um solo compactado tem baixa porosidade e alta densidade do solo
  16. 16. Métodos de determinação do teor deMétodos de determinação do teor de água no soloágua no solo Método-Padrão de Estufa Baseado na diferença de peso em uma amostra em que se deseja determinar a umidade antes e após uma secagem. 100* 32 21 %U MM MM bs − − = Onde: M1: peso do solo + peso do recipiente; M2: peso do solo seco + peso do recipiente; M3: peso do recipiente de amostragem;
  17. 17. TDR OBS: resultado imediato  Medição da constante dielétrica do solo;  O método tem o princípio da emissão de um pulso elétrico por um gerador de pulso, que é propagado ao longo de uma haste de aço inoxidável inserida no solo, na qual acontece a reflexão do pulso.
  18. 18. TensiômetroTensiômetro  Método direto para a determinação da tensão de água no solo e indireto para determinação da porcentagem de água no solo. Tensiômetro instalado no campo Manômetro tipo metálico (Bourdon) Manômetro tipo coluna de mercúrio
  19. 19.  Funciona como uma “raiz mecânica”, registrando a força com que as raízes da cultura extraem água da matriz do solo (ALAN e ROGERS, 2004). TensiômetroTensiômetro
  20. 20.  O tensiômetro só tem capacidade para leituras de tensão até 0,80 atm  No caso de tensões maiores que esta, o tensiômetro perde a escorva e para de funcionar.  De uma maneira geral, - 0 atm indicam solo saturado, com muita água, - 0,80 atm indicam a solos muito secos . Unidades: 1 atm = 735 mmHg = 1,0 kgf.cm-2 = 10.000 kgf.m-2 =10,0 mca = 10.000 cmca = 14,7 psi = 100.000 Pa = 100 kPa = 0,1 MPa = 1bar
  21. 21. • Entra-se com o valor da tensão na Curva Característica de Água no Solo ou Curva de Retenção de Água no Solo (eixo X) e encontra-se o valor do teor de água no solo (eixo Y) Para transformar os resultados de tensão, lidos no tensiômetro, em dados e umidade do solo, precisa-se traçar a curva de retenção de água no solo
  22. 22. Curva de RetençãoCurva de Retenção
  23. 23. De forma geral:  0 a 0,1 atm (bar): solo saturado (1 ou 2 dias após irrigação ou chuva);  0,1 a 0,2 atm (bar):solo está na CC (para a irrigação evitar desperdício de água por percolação);  0,3 a 0,6 atm (bar): intervalo onde freqüentemente se inicia a irrigação;  0,7 atm (bar) indica um intervalo de falta de água para a maioria das culturas.
  24. 24. Conceitos: Solo SaturadoConceitos: Solo Saturado
  25. 25. CC = limite superior de água no solo, sendo a máxima quantidade de água que o solo pode reter sem causar danos no sistema. PM = limite inferior de armazenamento de água no solo. É dito como ponto em que a água não está disponível às plantas. Conceitos: Capacidade de campo e ponto de murcha
  26. 26. Capacidade de Campo (Cc)Capacidade de Campo (Cc) Solo Arenoso Solo Argiloso
  27. 27. Ponto de Murcha PermanentePonto de Murcha Permanente (PMP)(PMP)
  28. 28. Cultura Tensão máxima para irrigação (bar) Alface 0,4 - 0,6 Repolho 0,6 - 0,7 Couve-flor 0,6 - 0,7
  29. 29. Cálculo da disponibilidade de águaCálculo da disponibilidade de água no solono solo  Disponibilidade total de água no solo (DTA) Parte da água total armazenada no solo que está disponível para as plantas. Ds PMCC DTA 10 − = DTA= (mm/cm); CC = Capacidade de campo (% peso); PMP= Ponto de murcha permanente (%peso); Ds = densidade do solo (g cm-3 ) 10 = constante necessária para a conversão de unidades.
  30. 30.  Capacidade Total de Água no Solo (CTA) Representa a quantidade total armazenada na zona radicular (Z). Para fins de irrigação considera-se Z a profundidade do solo onde se concentram pelo menos 80% das raízes das planta; Valores são tabelados ZDTACTA *= em mm DTA = mm/cm; Z = cm.
  31. 31. Ou Capacidade Total de Água no Solo (CTA)
  32. 32. CULTURA Z (cm) CULTURA Z (cm) Abacate 60 - 90 Laranja 60 Abacaxi 20 - 40 Linho 20 Abóbora 50 Maçã 60 Alcachofra 70 Mangueira 60 Alface 20 - 30 Melancia 40 - 50 Alfafa 60 Melão 30 - 50 Algodão 60 Milho 40 Alho 20 - 30 Morango 20 - 30 Amendoim 30 Nabo 55 - 80 Arroz 20 Pastagem 30 Arroz 30 - 40 Pepino 35 - 50 Aspargo 120 - 160 Pêssego 60 Aspargo 120 - 160 Pimenta 50 Aveia 40 Pimentão 30 - 70 Banana 40 Rabanete 20 - 30 Batata 25 - 60 Rami 30 Batata-doce 50 - 100 Soja 30 - 40 Berinjela 50 Tabaco 30 Beterraba 40 Tomate 40 Café 50 Trigo 30 - 40 Café 40 - 60 Vagem 40 Cana-de-açucar 40 Videira 60 Cebola 20 - 40 Cenoura 35 - 60 Ervilha 50 - 70 Couve 25 - 50 Feijão 40 Couve – flor 25 - 50 Fontes: Manual IRRIGA LP – TIGRE CNPH/EMBRAPA
  33. 33.  Capacidade Real de Água no Solo (CRA)Capacidade Real de Água no Solo (CRA)  A CRA representa uma parte da CTA, pois do ponto de vista da agricultura irrigada, não interessa planejar a utilização da água até o PM.  Limite entre CC e PMP = ponto f, que representa quanto do valor total será utilizado. CRA = CTA x f em mm CTA = mm/cm; f = fator de disponibilidade hídrica, sempre menor que 1.
  34. 34. Valores recomendados de fator de disponibilidadeValores recomendados de fator de disponibilidade para algumas classes de culturaspara algumas classes de culturas Grupos de culturas Fator f Faixa comum Verduras e legumes 0,2 a 0,4 Frutas e forrageiras 0,3 a 0,5 Grãos e algodão 0,4 a 0,6
  35. 35. CRA CRA
  36. 36.  Irrigação Real Necessária (IRN)Irrigação Real Necessária (IRN) • A irrigação real necessária expressa a quantidade de água requerida pelo sistema para que a cultura se desenvolva sem déficit naquele determinado solo. • Deve ser: IRN ≤ CRA 10 ..).( fZDsPmCc IRN − ≤ em mm  Irrigação Total Necessária (ITN)Irrigação Total Necessária (ITN) • Representa a quantidade de água necessária para a planta, considerando a eficiência do Sistema de Irrigação. Ea IRN ITN = ITN = em mm IRN = em mm Ea = % Lâmina líquida Lâmina bruta
  37. 37. • Eficiência de aplicação média dos sistemas de irrigação. Sistema de Irrigação Eficiência de aplicação média (%) Irrigação localizada 90 a 95 Pivô central 85 a 95 Aspersão convencional 80 a 90 Irrigação por sulcos 50 a 70
  38. 38. • Sintomas de deficiência d`água na planta; - Consiste em verificar alguns sintomas de deficiência d`água na planta, como enrolamento e coloração das folhas. - Quando a planta manifesta esses sintomas, já se encontra sob deficiência hídrica há algum tempo, o que pode prejudicar sua produção.
  39. 39. Bem... Eu determinei a necessidade de água a ser colocada em nosso solo para coloca-lo em sua capacidade máxima de retenção de água (Capacidade de Campo), via Irrigação. Ou seja ... A água foi reposta a sua máxima quantidade (em volume) permitida neste solo trabalhado, via irrigação ou chuva. Agora... A água começa a ser consumida pelas plantas (transpiração) e evaporada do solo (quando o solo estiver nú ... livre de plantas) => Evapotranspirada ou no popular ... Acaba sendo gasta ou retiranda do solo, até o momento de se fazer uma nova reposição via irrigação(ou chuva), até o limite determinado pelo Tensiómetro. E todas etapas se iniciam novamente....
  40. 40. Evapotranspiração
  41. 41. Evapotranspiração (ET)Evapotranspiração (ET)  Soma dos componentes de transpiração da planta e evaporação do solo. • ET0 = evapotranspiração de referência (mm/dia). • Etc = evapotranspiração da cultura (mm/dia).  Determinar a evapotranspiração da cultura (ETc), para os diferentes estádios de desenvolvimento da cultura. Etc = ET0 x Kc
  42. 42. ET0 = EVTCA x Kt ETc = ETo x Kc
  43. 43. Variação de Kc com o desenvolvimento de culturas anuais Kc médio Kc final Estabele- cimento Desenvolvimento Vegetativo Florescimento e Frutificação Maturação Tempo (dias)
  44. 44.  Turno de Rega e Período de IrrigaçãoTurno de Rega e Período de Irrigação ETc fZDaPmCc TR .10 ..).( − = ETc IRN TR =  É o intervalo de tempo (em dias) entre duas irrigações. PI ≤ TRPeríodo de irrigação PI ≤ TR – 1 ou 2 dias folga

×