Semiogênese dos principais
sinais e sintomas
CIANOSE, TOSSE E
DISPNEIA
FAMED – Faculdade de Medicina da Universidade de Ri...
Semiogênese dos principais sinais e
sintomas: cianose, tosse e dispneia
Grupo 02
Acadêmicos:
Amanda Monteiro Abrahão
Mathe...
CIANOSE
• Significa cor azulada da pele e das mucosas em razão do aumento da
hemoglobina reduzida no sangue capilar, chega...
Rosto
Lábios
Ponta do nariz
Lobos das orelhas
Extremidades das mãos e pés ( leito ungueal e polpas digitiformes)
ONDE A CI...
QUANTO À LOCALIZAÇÃO
Generalizada Localizada ou
Segmentar
QUANTO À INTENSIDADE
• Leve
• Moderada
• Intensa
Observação : somente a experiência capacita o examinador para afirmar o
g...
TIPOS DE CIANOSE
• Central
. Diminuição da tensão de oxigênio
. Hipoventilação
. Curto - circuito
• Periférica
• Mista
• A...
OS PACIENTES CIANÓTICOS PODEM APRESENTAR
OUTROS SINTOMAS EM RAZÃO DA ANOXIA
TECIDUAL
• Irritabilidade
• Sonolência
• Torpo...
CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES PARA O
RACIOCÍNIO DIAGNÓSTICO
• História clínica
• Presença ou ausência de hipocratismo digita...
TOSSE
• A tosse é o mais significativo e frequente sintoma
respiratório
• Consiste em uma inspiração rápida e profunda,
se...
TOSSE
• A tosse resulta de estimulação dos receptores da
mucosa das vias respiratórias. Esses estímulos podem
ser:
. Infla...
TOSSE
• A tosse é um mecanismo de defesa das vias respiratórias, as quais
reagem aos irritantes ou procuram eliminar secre...
TOSSE
TOSSE
Principais causas da tosse
Asma brônquica Irritação do canal
auditivo externo
Tuberculose pulmonar Corpos estranhos
...
TOSSE
• Investigação: frequência, intensidade, tonalidade, existência ou não de
expectoração, relações com o decúbito, per...
TOSSE
• Tosse quintosa: acessos, geralmente pela madrugada, com intervalos
curtos de acalmia, acompanhada de vômito e sens...
TOSSE
• Tosse reprimida: pleuropneumopatias, pneumotórax espontâneo,
neuralgias intercostais, traumatismos toracoabdominai...
TOSSE SECA OU PRODUTIVA
• Principais causas de tosse seca:
. Áreas fora da árvore brônquica como canal auditivo externo,
f...
TOSSE SECA OU PRODUTIVA
• A tosse enfisematosa é mais seca e a
dos brônquicos é produtiva
• Tromboembolismo, estenose mitr...
DISPNEIA
• Dispneia: é a dificuldade em respirar
. Paciente: pode ou não ter consciência desse estado
• Pode ser:
. Subjet...
DISPNEIA
• Pode ser acompanhada de:
. Taquipneia: frequência respiratória aumentada
. Hiperpneia: amplitude respiratória a...
ESCALA DE DISPNEIA
Escala de dispneia do Medical Research Council (MRC) [Adaptada]
Grau Atividade
0 Sinto falta de ar ao r...
CAUSAS DA DISPNEIA
• Podem ser divididas em: atmosféricas, obstrutivas, pleurais,
toracomusculares, diafragmáticas, tecidu...
CAUSAS DA DISPNEIA
• Causas obstrutivas: redução do calibre das vias respiratórias (da faringe
aos bronquíolos)
. Obstruçõ...
CAUSAS DA DISPNEIA
• Causas parenquimatosas: redução da área de hematose de modo
intenso
• Causas toracopulmonares: altera...
CAUSAS DA DISPNEIA
• Causas cardíacas: devido ao mau funcionamento do coração
• Causas de origem tecidual: aumento do esfo...
BIBLIOGRAFIA
• PORTO, Celmo Celeno. Semiologia Médica. 7ª.ed. Guanabara Koogan, 2009.
• PORTO CC, Porto AL. Vademecum de c...
Agradecemos a atenção!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Semiologia: Cianose, tosse e dispneia

366 visualizações

Publicada em

Trabalho de semiologia sobre o tema: "Semiogênese dos principais sinais e sintomas: Cianose, tosse e dispneia".

Acadêmicos de Medicina da UniRV, Campus Aparecida de Goiânia.

Ano 2016.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
366
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Semiologia: Cianose, tosse e dispneia

  1. 1. Semiogênese dos principais sinais e sintomas CIANOSE, TOSSE E DISPNEIA FAMED – Faculdade de Medicina da Universidade de Rio Verde
  2. 2. Semiogênese dos principais sinais e sintomas: cianose, tosse e dispneia Grupo 02 Acadêmicos: Amanda Monteiro Abrahão Matheus Borges Guimarães Natasha Alvarenga Siqueira Thiago Melanias Araújo de Oliveira Vanessa Camilo Ferreira FAMED – Faculdade de Medicina da Universidade de Rio Verde Campus Aparecida de Goiânia - Goiás
  3. 3. CIANOSE • Significa cor azulada da pele e das mucosas em razão do aumento da hemoglobina reduzida no sangue capilar, chegando a 5g por 100ml. Isso ocorre devido à diminuição da oxigenação nos pequenos vasos sanguíneos da pele.
  4. 4. Rosto Lábios Ponta do nariz Lobos das orelhas Extremidades das mãos e pés ( leito ungueal e polpas digitiformes) ONDE A CIANOSE DEVE SER PESQUISADA? • Rosto • Lábios • Ponta do nariz • Lobos das orelhas • Extremidades das mãos e pés (leito ungueal e polpas digitiformes) Cianose no leito ungueal
  5. 5. QUANTO À LOCALIZAÇÃO Generalizada Localizada ou Segmentar
  6. 6. QUANTO À INTENSIDADE • Leve • Moderada • Intensa Observação : somente a experiência capacita o examinador para afirmar o grau em que uma cianose se encontra.
  7. 7. TIPOS DE CIANOSE • Central . Diminuição da tensão de oxigênio . Hipoventilação . Curto - circuito • Periférica • Mista • Alteração de hemoglobina
  8. 8. OS PACIENTES CIANÓTICOS PODEM APRESENTAR OUTROS SINTOMAS EM RAZÃO DA ANOXIA TECIDUAL • Irritabilidade • Sonolência • Torpor • Crises convulsivas • Dor anginosa • Nanismo • Infantilismo Irritabilidade
  9. 9. CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES PARA O RACIOCÍNIO DIAGNÓSTICO • História clínica • Presença ou ausência de hipocratismo digital Hipocratismo Digital
  10. 10. TOSSE • A tosse é o mais significativo e frequente sintoma respiratório • Consiste em uma inspiração rápida e profunda, seguida de fechamento da glote, contração dos músculos expiratórios, principalmente o diafragma, terminando com uma expiração forçada, após abertura súbita da glote. A última parte da tosse é a expiração forçada, que constitui um mecanismo expulsivo de grande importância para as vias respiratórias.
  11. 11. TOSSE • A tosse resulta de estimulação dos receptores da mucosa das vias respiratórias. Esses estímulos podem ser: . Inflamatórios: hiperemia, edema, secreções e ulcerações . Mecânicos: poeira, corpo estranho, aumento ou diminuição da pressão pleural como ocorre nos derrames e nas atelectasias . Químicos: gases irritantes . Térmicos: frio ou calor excessivo
  12. 12. TOSSE • A tosse é um mecanismo de defesa das vias respiratórias, as quais reagem aos irritantes ou procuram eliminar secreções anormais, sempre com o objetivo de se manterem permeáveis. Contudo, ela pode tornar-se nociva ao sistema respiratório, em virtude do aumento da pressão na árvore brônquica, que culmina na distensão dos septos alveolares. • Ela pode provocar: . Hemorragias conjuntivais . Fratura de arcos costais . Hérnias inguinais (em pessoas idosas) . Grande desconforto nos pacientes recém-operados
  13. 13. TOSSE
  14. 14. TOSSE Principais causas da tosse Asma brônquica Irritação do canal auditivo externo Tuberculose pulmonar Corpos estranhos Tabagismo Adenoides Abscesso pulmonar Partículas no ar, produtos químicos ou gases Refluxo gastroesofágico Amigdalites Câncer do pulmão Estenose mitral Sinusites Faringites Embolia pulmonar Tumores do mediastino Bronquites Laringites Infarto pulmonar Megaesôfago Bronquiectasias Traqueítes Pneumoconiose Medicamentos (inibidores da ECA) Pneumonias Pleurites Insuficiência ventricular esquerda Tensão nervosa (tosse psicogênica)
  15. 15. TOSSE • Investigação: frequência, intensidade, tonalidade, existência ou não de expectoração, relações com o decúbito, período do dia em que sua intensidade é maior
  16. 16. TOSSE • Tosse quintosa: acessos, geralmente pela madrugada, com intervalos curtos de acalmia, acompanhada de vômito e sensação de asfixia (Ex: coqueluche) • Tosse síncope: crise intensa, leva à perda da consciência • Tosse bitonal: paralisia de uma das cordas vocais, que pode significar comprometimento do nervo laríngeo inferior (situado à esquerda do mediastino médio inferior) • Tosse psicogênica: fator emocional
  17. 17. TOSSE • Tosse reprimida: pleuropneumopatias, pneumotórax espontâneo, neuralgias intercostais, traumatismos toracoabdominais e fraturas de costela • Tosse associada a comer ou a beber: doença do esôfago superior (divertículo, doença neuromuscular) • Tosse rouca: própria da laringite crônica, comum nos tabagistas (paracoccidioidomicose)
  18. 18. TOSSE SECA OU PRODUTIVA • Principais causas de tosse seca: . Áreas fora da árvore brônquica como canal auditivo externo, faringe, seios paranasais, palato mole, pleura e o mediastino. . Inibidores da Enzima Conversora de Angiotensina (ECA) . Corpo estranho nas vias respiratórias (tosse seca quase contínua, rebelde ao tratamento; e em fase mais tardia torna-se mais branda, passando à produtiva, se tiver inflamação) • Tosse seca que não cede à medicação comum pode ser equivalente à asma e deve ser tratada como tal.
  19. 19. TOSSE SECA OU PRODUTIVA • A tosse enfisematosa é mais seca e a dos brônquicos é produtiva • Tromboembolismo, estenose mitral e edema pulmonar agudo é improdutiva, mas pode ter expectoração com traços de sangue • Sinusite e rinite = gotejamento de secreção para a faringe
  20. 20. DISPNEIA • Dispneia: é a dificuldade em respirar . Paciente: pode ou não ter consciência desse estado • Pode ser: . Subjetiva: quando percebida somente pelo paciente → nem sempre é percebida pelo médico . Objetiva: quando ocorre com manifestações perceptíveis ao exame físico → nem sempre é admitida pelos pacientes
  21. 21. DISPNEIA • Pode ser acompanhada de: . Taquipneia: frequência respiratória aumentada . Hiperpneia: amplitude respiratória aumentada • Ortopneia: impede o paciente de ficar deitado e o obriga a sentar-se ou ficar de pé para obter algum alívio • Trepopneia: dispneia que surge em determinado decúbito lateral . Exemplo: pacientes com derrame pleural que se deitam sobre o lado são.
  22. 22. ESCALA DE DISPNEIA Escala de dispneia do Medical Research Council (MRC) [Adaptada] Grau Atividade 0 Sinto falta de ar ao realizar exercício físico intenso 1 Sinto falta de ar quando aperto meu passo ou subo escadas ou ladeira 2 Preciso parar algumas vezes quando ando no meu passo, ou ando mais devagar que as outras pessoas da minha idade 3 Preciso parar muitas vezes devido a falta de ar quando ando perto de 100m ou poucos minutos de caminhada no plano 4 Sinto falta de ar que não saio de casa, ou preciso de ajuda para me vestir ou tomar banho sozinho
  23. 23. CAUSAS DA DISPNEIA • Podem ser divididas em: atmosféricas, obstrutivas, pleurais, toracomusculares, diafragmáticas, teciduais ou ligadas ao sistema nervoso central • Causas atmosféricas: em relação ao oxigênio . Oxigênio em baixa composição ou em baixa pressão parcial La Rinconada – A cidade peruana está a 5.100 metros do nível do mar. É a cidade mais alta do mundo.
  24. 24. CAUSAS DA DISPNEIA • Causas obstrutivas: redução do calibre das vias respiratórias (da faringe aos bronquíolos) . Obstruções laríngeas → Parietais Exemplo: Difteria e neoplasias . Obstruções da traqueia → Compressão extrínseca Exemplo: Bócio, neoplasias malignas ou aneurisma da aorta . Obstruções brônquicas → Intraluminais, parietais ou mistas Exemplo: Neoplasias do mediastino, adenomegalias ou carcinoma brônquico . Obstruções bronquiolares → Sempre mistas Exemplo: Asma, bronquiolites
  25. 25. CAUSAS DA DISPNEIA • Causas parenquimatosas: redução da área de hematose de modo intenso • Causas toracopulmonares: alterações que modificam a elasticidade e a movimentação toracopulmonar, ou provocando assimetria entre os hemitórax (Ex: fraturas dos arcos costais) • Causas diafragmáticas: qualquer alteração que interfira na movimentação do diafragma pode causar dispneia (Ex: paralisias e hérnias) • Causas pleurais: quando ocorre irritação da pleura parietal com dores que aumentam ao inspirar
  26. 26. CAUSAS DA DISPNEIA • Causas cardíacas: devido ao mau funcionamento do coração • Causas de origem tecidual: aumento do esforço físico provoca o aumento da atividade metabólica, que exige mais oxigênio • Causas ligadas ao sistema nervoso: . Neurológicas: alterações no ritmo respiratório, como em casos de hipertensão craniana . Psicogênicas: manifestam-se sob a forma de dispneia suspirosa Exercícios físicos mais intensos podem provocar dispneia
  27. 27. BIBLIOGRAFIA • PORTO, Celmo Celeno. Semiologia Médica. 7ª.ed. Guanabara Koogan, 2009. • PORTO CC, Porto AL. Vademecum de clínica médica. 3ª ed. Guanabara Koogan, 2010. • Azulay RD, Azulay DR, Azulay-Abulafia L. Dermatologia. 5ª ed. Guanabara Koogan, 2011.
  28. 28. Agradecemos a atenção!

×