Aprender Química para o exercício da cidadaniaPara a população em geral, uma expressão do tipo “pão sem química” transmite...
Da imensa variedade de produtos colocados à venda, a maioria deles, se nãotodos, provém de indústrias químicas ou, então, ...
Os medicamentos são substâncias químicas devidamente extraídasda natureza ou fabricadas artificialmente, purificadas, dosa...
Aprender Química é se envolver num apaixonante estudo das substâncias ao nosso redor, de onde vêm, quais suas propriedades...
Uma sonata para piano escrita por Mozart (músico austríaco) pode ser entendida einterpretada tanto por um pianista chinês ...
O caráter puro e aplicado da QuímicaUma pesquisa química pode estar voltada apenas para o melhor entendimento dealgum fato...
O caráter interdisciplinar da QuímicaComo já dissemos, essa ciência possui caráter aplicado. Muitas vezes,para a resolução...
3. Breve panorama históricoEntre as Ciências Naturais, pode-se dizer que a Química é uma das mais recentes. Astronomia,Fís...
3.2 Alquimia, a precursora da QuímicaApós Aristóteles, a Grécia passou por um agitado períodopolítico e, gradualmente, a c...
Nenhum dos dois objetivos da Alquimia foi atingido, contudo, muitosprogressos no conhecimento das substâncias provenientes...
Há outros estudiosos que creditam a Antoine Laurent Lavoisier o mérito de ser o“pai” da Química. Os trabalhos desse cienti...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

V1c1 l1a3 - Aprender Química para o exercício da cidadania.

6.472 visualizações

Publicada em

Aprender Química para o exercício da cidadania - resumo

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.472
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
60
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

V1c1 l1a3 - Aprender Química para o exercício da cidadania.

  1. 1. Aprender Química para o exercício da cidadaniaPara a população em geral, uma expressão do tipo “pão sem química” transmite a ideia de um pãoisento de substâncias prejudiciais à saúde. Tentando transmitir a ideia desejada, essa expressão é,além de infeliz, totalmente incorreta, porque a produção do pão utiliza a farinha de trigo comomatéria-prima e parte dela sofre uma reação química (denominadafermentaçao). Mesmo semsaber Química, o padeiro executa, todos os dias, essa reação.Ao utilizar a expressão “pão sem química’ uma pessoa revela desconhecer várias coisas:● a Química não é um objeto para que possa ser colocada em um pão. A Química é uma ciência, ou seja, um ramo do conhecimento humano que visa compreender melhor alguns fenômenos que ocorrem na natureza e/ou em laboiatório, estudando-os com uma linha organizada de trabalho, denominada método científico;● ao fazer o pão, o padeiro utiliza processos químicos (reações químicas);● todos os objetos e materiais existentes na Terra (incluindo os pães) são constituídos por substâncias químicas.Assim, o “pão sem química” é, na verdade, um pão obtido a partir de substâncias e reaçõesquímicas, mas sem a adição de substâncias que possam ser nocivas à saúde.Analogamente, frases como “não tomo remédios, pois contêm muita química’“alimentos enlatadosfazem mal porque os fabricantes adicionam muita química” ou “instalei em minha piscina um novosistema de tratamento totalmente isento de química” também estão incorretamente elaboradas,pois confundem uma importante ciência com substâncias tóxicas ou com produtos e processosmaléficos ao ser humano.Em nosso dia a dia é muito frequente encontrarmos indicações de substâncias químicas nasembalagens de alimentos, nos frascos de cosméticos, nos rótulos de produtos de limpeza, nasetiquetas de roupas, nas caixas e bulas de remédios e em tantos outros objetos.
  2. 2. Da imensa variedade de produtos colocados à venda, a maioria deles, se nãotodos, provém de indústrias químicas ou, então, entrou em contato durante suamanufatura com produtos delas provenientes (por exemplo, sabões,detergentes, remédios, cremes dentais, cosméticos, plásticos, borracha, metais,papel, colas, tintas, álcool, sal, açúcar, vinagre, aditivos alimentares,refrigerantes, CDs e DVDs etc.). Virtualmente, tudo o que encontramos à vendase relaciona de alguma forma com a indústria química. O produto usado nasembalagens — papel, plástico, vidro ou metal — e a tinta nelas utilizada sãoobtidos por meio de processos químicos.Os materiais empregados na construção de casas, prédios, automóveis, aviões,embarcações, computadores e eletrodomésticos constituem outros exemplosque se relacionam com as indústrias de processos químicos, nas suas maisdiferentes modalidades e especialidades.
  3. 3. Os medicamentos são substâncias químicas devidamente extraídasda natureza ou fabricadas artificialmente, purificadas, dosadas ecomercializadas.Do mesmo modo que substâncias químicas podem contribuir para obem-estar da humanidade, elas também podem — se usadasincorretamente (por ignorância, incompetência, ganância ou ideologiasduvidosas) — acarretar doenças, poluição do ar e das águas,desequilíbrios ecológicos e mortalidade de plantas e animais.Assim, apesar de toda a importância desta ciência e de suasaplicações, há muita confusão no que diz respeito à palavra química.É comum ouvirmos seu nome sendo usado impropriamente comosinônimo de “substâncias tóxicas”. “veneno” ou “poluição”.
  4. 4. Aprender Química é se envolver num apaixonante estudo das substâncias ao nosso redor, de onde vêm, quais suas propriedades, que utilidades possuem e quais as vantagens ou os problemas que.eventualmente podem trazer à humanidade. A principal meta deste livro é ajudá-lo a compreender melhor alguns conceitos fundamentais da Química e sua relação com o cotidiano. Um cidadão participativo e capaz de tomar as melhores decisões para si e para sua comunidade precisa, entre outras coisas, ter noções claras sobre Ciência e Tecnologia. Assim, dominar os conceitos científicos e compreender os fenômenos que nos rodeiam são importantes condições para o exercício da cidadania.Os vários aspectos da QuímicaA Química envolve uma linguagem própriaDiversos ramos do conhecimento humano, por vezes, se utilizam decódigos para expressar as ideias de maneira concisa.A Química, assim como a Música, a Computação e a Eletrônica (apenaspara citar alguns poucos exemplos), utiliza-se de representações quepodem ser entendidas por qualquer pessoa familiarizada com elas. Aolongo deste curso de Química você vai adquirir informações que lhepermitirão entender essa linguagem. Assim, por exemplo, você em brevefará leituras do tipo:
  5. 5. Uma sonata para piano escrita por Mozart (músico austríaco) pode ser entendida einterpretada tanto por um pianista chinês quanto por um brasileiro porque alinguagem das partituras musicais é universal. O mesmo acontece com a linguagemquímica. Isso é importantíssimo no que diz respeito à comunicação científica aoredor do mundo. A Química utiliza ferramentas de outras áreasNo decorrer deste curso, você perceberá que, muitas vezes, a Química utilizaconceitos de outras áreas, principalmente da Matemática e da Física. Quandonecessário, faremos um comentário preliminar sobre eles, para que você possadominar todos os pré-requisitos necessários e entender a Química do ensino médio. O caráter experimental da QuímicaAssim como acontece com as outras Ciências Naturais (Física, Biologia etc.), aQuímica baseia-se na observação de acontecimentos (fenômenos) da natureza. Maisdo que isso, a pesquisa química envolve a execução de experiências em laboratórioe a cuidadosa observação e interpretação dos resultados.Quando um cientista idealiza algumas experiências e obtém resultados importantes,geralmente ele os publica em revistas especializadas de circulação mundial. Suadescrição deve ser precisa o suficiente para que outros cientistas possam reproduzi-las e chegar aos mesmos resultados. Caso contrário, suas conclusões não serãoaceitas pela comunidade científica mundial. Assim, uma preocupação importanterelacionada com as experiências é a sua reprodutibilidade.
  6. 6. O caráter puro e aplicado da QuímicaUma pesquisa química pode estar voltada apenas para o melhor entendimento dealgum fato da natureza; nesse caso temos uma pesquisa pura. Por sua vez, elapode estar focada em resolver um problema prático, tratando-se, então, de umapesquisa aplicada.
  7. 7. O caráter interdisciplinar da QuímicaComo já dissemos, essa ciência possui caráter aplicado. Muitas vezes,para a resolução de um problema prático, é necessário que ela atue emconjunto com outras ciências.Ao se aliar à Engenharia, a Química tem propiciado a elaboração de novosmateriais, como, por exemplo, as cerâmicas que suportam altastemperaturas, os plásticos altamente resistentes e os materiaissupercondutores.A Medicina, talvez a mais antiga das ciências associadas à Química, é umadas maiores beneficiadas com os modernos avanços dessa área.Anualmente, são descobertas centenas de novas substâncias que podematuar como medicamentos.Todas essas fascinantes aplicações que descrevemos representam apenasparte do que existe em termos de avanço científico e tecnológico ligado àQuímica.É importantíssimo salientar que nenhum progresso nesse campo serápossível se os conceitos básicos da Química não forem bemcompreendidos. São esses conceitos, discutidos ao longo deste livro, queformam o alicerce de todo o conhecimento químico atual. Embora se tratede conhecimentos básicos, você poderá perceber a grande diversidade deaplicações práticas que eles possuem.
  8. 8. 3. Breve panorama históricoEntre as Ciências Naturais, pode-se dizer que a Química é uma das mais recentes. Astronomia,Física e Matemática têm uma história que remonta a muitos séculos antes de Cristo.Não há uma data específica que possamos estabelecer como “início” da Química. Podemos dizer,entretanto, que ela só se firmou como ciência no transcorrer dos séculos XVII e XVIII.Vamos, a seguir, dar uma ideia sobre isso. 3.1 A AntiguidadeHá mais de 3.500 anos, os egípcios já utilizavam técnicas em que estavam envolvidastransformações químicas. Dentre elas, podemos citar a fabricação de objetos cerâmicos por meiodo cozimento da argila, a extração de corantes de certos animais e vegetais, a obtenção devinagre e bebidas alcoólicas não destiladas (vinho, cerveja) e a produção de vidro e de algunsmetais. Destaca-se também a arte da conservação das múmias, na qual os egípcios atingiram altograu de perfeição.Por volta de 478 a.C., o filósofo grego Leucipo, que vivia na costa norte do Mar Egeu, apresentou aprimeira teoria atômica de que se tem notícia, e seu discípulo Demócrito a aperfeiçoou e propagou.A ideia envolvida era a seguinte: considere, por exemplo, a areia de uma praia. Vista de longe elaparece contínua, porém, observada de perto, notamos que é formada por pequenos grãos. Narealidade, todas as coisas no universo são formadas por “grãozinhos” tão pequenos que nãopodemos enxergar e, dessa forma, temos a impressão de que elas são contínuas. A esses“grãozinhos” foi dado o nome de átomos (do grego a, que significa “não’ e tornos, que quer dizer“divisível”).Contudo, entre os gregos, acabaram predominando as ideias de outro filósofo, Aristóteles (384-322a.C.). Segundo ele, tudo é constituído de quatro “elementos” básicos:fogo, terra, ar e água. Essamaneira de pensar influenciou muito a evolução da Ciência ocidental, que conseguiu desvencilhar-se totalmente dessas ideias somente no século XVI, a partir do qual a Química teve considerávelimpulso.
  9. 9. 3.2 Alquimia, a precursora da QuímicaApós Aristóteles, a Grécia passou por um agitado períodopolítico e, gradualmente, a cidade egípcia de Alexandriaassumiu a liderança científica da época. Lá, encontraram-sefrente a frente a f ilosofia grega, a tecnologia egípcia e asmísticas religiões orientais.Disso tudo nasceu a Alquimia, uma mistura de ciência, arte emagia, que floresceu durante a Idade Média, tendo uma duplapreocupação: a busca do “elixir da longa vida”, que garantiria aimortalidade e a cura das doenças do corpo, e a descoberta deum método para a transformação de metais comuns em ouro(transmutação), que ocorreria na presença de um agenteconhecido como “pedra filosofal”.A procura pelo ouro não era motivada por razões econômicas, mas porque ele,devido à resistência à corrosão, represeiitava a perfeição divina. Contudo, muitoscharlatães se aproveitaram de encenações simulando a transmutação paraenriquecer à custa da boa-fé de alguns adeptos da Alquimia.Na China, as especulações dos alquimistas conduziram ao domínio de muitastécnicas de metalurgia e à descoberta da pólvora. Os chineses foram os inventoresdos fogos de artifício e os primeiros a usar a pólvora em combates no século X.
  10. 10. Nenhum dos dois objetivos da Alquimia foi atingido, contudo, muitosprogressos no conhecimento das substâncias provenientes de minerais evegetais foram obtidos no Ocidente e no Oriente. Prepararam-se substânciascomo, por exemplo, ácido nítrico (chamado na época de aquafortis) e ácidosulfúrico (oleum vitriolum). Materiais de laboratório foram sendogradualmente aperfeiçoados.No século XVI, o suíço Theophrastus Bombastus Paracelsus propôs que aAlquimia deveria preocupar-se principalmente com o aspecto médico emsuas investigações. (Isso ficou conhecido como latro química.) Segundo ele,os processos vitais podiam ser interpretados e modificados com o uso desubstâncias químicas. Sua contribuição no diagnóstico e no tratamento dealguuas doenças foi digna de nota.3.3 Da Alquimia surge a QuímicaEm 1597, o alemão Andreas Libavius publicou o livro Alchemia, no qualafirmava que a Alquimia tem por objetivo a separação de misturas em seuscomponentes e o estudo das propriedades desses componentes.Em 1661, o irlandês Robert Boyle publicou The sceptical chemist (O químicocético — cético significa desconfiado, que só acredita mediante provas), noqual atacava violentamente a concepção aristotélica de quatro “elementos”.Para Boyle, elemento é tudo aquilo que não pode ser decomposto pornenhum método conhecido. Esses dois livros são considerados, por algunsestudiosos, o marco inicial da Química.
  11. 11. Há outros estudiosos que creditam a Antoine Laurent Lavoisier o mérito de ser o“pai” da Química. Os trabalhos desse cientista francês, realizados no século XVIII,deram à Química bases mais sólidas. Ele realizou experimentos controladosenvolvendo medidas da massa de frascos (incluindo a dos materiais neles contidos)antes e depois de acontecerem reações químicas dentro deles. Uma de suasconclusões, a de que a massa se conserva durante as reações químicas, éconsiderada por alguns o marco inicial da Química.No século XIX, os trabalhos de Gay-Lussac, Dalton, Wõhler, Avogadro, Kekulé eoutros, cujas conclusões também estudaremos neste livro, deram origem àchamada Química clássica.No século XX, com o grande avanço tecnológico, presenciou-se uma vertiginosaevolução do conhecimento químico. O átomo teve sua estrutura interna pesquisada,elementos artificiais foram sintetizados e modernas técnicas de investigação foramdesenvolvidas, utilizando conceitos de Química, Física, Matemática, Computação eEletrônica.

×