H1 - Aula 04

421 visualizações

Publicada em

Material de apoio para a disciplina de Homem, Cultura e Sociedade ofertado pela Faculdade Pitágoras em Linhares/ES - 2010

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
421
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

H1 - Aula 04

  1. 1. ―Homem‖, Cultura e Sociedade Prof. Msc. Hauley S. Valim hauleyvalim@yahoo.com.br Operários, Tarcila do Amaral
  2. 2. Aula 4 Sócrates e os Sofistas 2
  3. 3. Os Sofistas ―O ‗homem‘ é a medida de todas as coisas‖, 3
  4. 4. ―Os sofistas eram professores viajantes que, por determinado preço, vendiam ensinamentos práticos de filosofia. Sempre levando em consideração os interesses dos alunos pagantes, davam aulas de eloqüência e de habilidade mental, ensinando conhecimento útil para o sucesso dos negócios públicos e privados‖. ―As lições dos sofistas não tinham como objetivo o estabelecimento de uma verdade única, mas, sim, o desenvolvimento do poder de argumentação, da habilidade oratória, do conhecimento das doutrinas divergentes; enfim, todo um jogo de raciocínios que seria utilizado na arte de convencer as pessoas, driblando as teses dos adversários‖. 4
  5. 5. ―Para eles, o essencial, todo esforço intelectual tinha por fim algo lucro imediato; vencer um adversário, ganhar uma causa judicial, convencer um auditório. Para isto, tudo era válido. A única norma lógica e intelectual era o êxito‖. ―Havia ali uma preocupação com a audiência dos alunos. A depender de quem era o público as verdades eram apresentadas de uma forma‖. ―Por um lado são os técnicos que se vangloriam de conhecer e ensinar todas as artes úteis ao homem; por outro são mestres da retórica que ensinam como capturar a simpatia da platéia‖. 5
  6. 6. Exemplo da atividade do Sofista ―Diferentemente do tecelão que sabe-fazer tecido, o sofistasabe falar de tecidos, sobre o processo de sua fabricação, sua história desde a origem da técnica de traçar os fios de algodão, dos diferentes usos e costumes das vestimentas em diferentes culturas —tudo isso ele fala com mais eloqüência do que o mais hábil dos tecelões, que não saberá falar com a mesma desenvoltura sobre aquilo que ele mesmo faz‖. ―O mesmo vale para as outras técnicas, inclusive aquelas consideradas e mais estimadas na vida pública, na política. A arte da guerra, a estratégia militar, as variadas legislações das diferentes cidades, a engenharia e arquitetura —sobre todos os assuntos, os sofistas buscavam conhecer, detendo deste modo um vasto saber‖. 6
  7. 7. Concepções críticas de Platão sobre os Sofistas Elas definem o sofista (1) como o caçador assalariado de jovens ricos, (2) como um homem que vende ―virtude‖e, visto que vende bens que não lhe pertencem, como um homem que pode ser descrito como mercador do ensino, (3) que vende a varejo em pequenas quantidades, (4) como um homem que vende a seus fregueses bens fabricados sob encomenda. 7
  8. 8. Concepções críticas de Platão sobre os Sofistas Elas definem o sofista (5) o sofista é alguém que entretém controvérsias do tipo chamado eristica(argumentação que, segundo Platão, busca unicamente a vitória em um debate, abandonando qualquer preocupação com a verdade), a fim de ganhar dinheiro com a discussão do certo e do errado. (6) o sofista é visto como o falsificador da filosofia, construindo, de maneira ignorante, contradições baseadas mais em aparências e opiniões do que na realidade. 8
  9. 9. Acusações aos Sofistas Formuladas assim, as acusações realmente reduziam-se a duas: 1. que os sofistas não eram pensadores sérios e não tinham papel nenhum na historia da filosofia e, 2. que seus ensinamentos eram profundamente imorais (diversidade). 9
  10. 10. Concepção filosófica que surge: ―Verdade e realidade eram objetivas, não subjetivas. Todos os que negassem isso se opunham à verdade e à realidade‖. Concepção sofística Relativista. Argumentavam, por exemplo, que as práticas culturais existiam em função de convenções ou "nomos", e que a moralidade ou imoralidade de um ato não poderia ser julgada fora do contexto cultural em que aquele ocorreu. 10
  11. 11. ―Hegel restaurou os sofistas a uma posição integrada na historia da filosofia grega, mas de tal maneira que seus sucessores puderam continuar, por mais cem anos, com apenas uma modificação parcial da visão previa profundamente hostil do movimento sofista, mas o aspecto mais importante de tudo isso é que Hegel reinseriu os sofistas na historia da filosofia e o fez tratando-os como subjetivistas‖. Os sofistas eram mestres que simplesmente representavam as opiniões correntes na sua época 11
  12. 12. Contribuições dos Sofistas A elaboração dos rudimentos da idéia de democracia, amplamente valorizada por comerciantes em ascensão, cujos interesses se contrapunham aos da nobreza. O exercício prático de preparar os jovens para atuar nas instâncias de tomada de decisão da ágora (debate público). 12
  13. 13. O pano de fundo do debate teórico entre sofistas e filósofos é a tensão entre subjetividadee objetividade Subjetividade Etmologia. lat. subjectívus,a,um 'gramrelativo ao sujeito; que se submete a, submisso', (Dic. Houaiss)
  14. 14. q 14 A condenação de Sócrates, de Jacques-Louis Sócrates (470-399 a.C.)
  15. 15. Sócrates (470-399 a.C.) O pensamento de Sócrates é um divisor de águas no pensamento filosófico, porém não os deixou em forma escrita. Ele valorizava a oralidade do ensino e das discussões. Um passo importante para o pensamento social, pois os temas e os debates passam ter um importância prática. A preocupação deixa de ser a natureza e passa ser questões relativas ao desenvolvimento das cidades-estado, como as questões humanas: morais, éticas e políticas. 15
  16. 16. Exaltou a responsabilidade moral do ser humano enquanto cidadão da polis(cidades- Estado), que passa se organizar politicamente através do sistema que conhecemos como democracia. DEMO: “Povo‖, ―População‖ –Densidade Demográfica. CRACIA: “Força‖, ―Poder‖, ―Autoridade‖ – Teocracia, Aristocracia (Aristo/Melhor, Melhores). 16
  17. 17. Sobre os Sofistas Sócrates argumenta: ―a) Os Sofistas buscam o sucesso e ensinam as pessoas como conseguí-lo; Sócrates busca a verdade e incita seus discípulos a descobri-la. b) Os Sofistas é necessário fazer carreiras, Sócrates quer chegar à verdade, desapegando dos prazeres e dos bens materiais. c) Os Sofistas gabam-se de saberem tudo e fazer tudo; Sócrates tem a convicção de que ninguém pode ser mestre dos outros. d) Para os Sofistas, aprender é coisa passiva e facílima, afirmam isso e tudo por um preço módico. Sócrates defendia que a opinião é individual, mas a sabedoria é universal. A questão da felicidade e honestidade está na prática do agir. As riquezas não interessam aos homens‖.
  18. 18. Teoria do conhecimento em Sócrates Princípio: “Só sei que nada sei” O ponto de partida para o conhecimento é o reconhecendo da própria ignorância. Sócrates põe-se como quem não sabe nada sobre determinado tema diante de alguém que se diz sabedor (parte destrutiva da filosofia de Sócrates). Des-truir. O questiona o senso comum, as crenças e opiniões (doxa), caracteristicamente vagas, parciais, imprecisas, derivadas de nossa experiência sensitiva. O pensamento socrático revela a fragilidadedoentendimentoe aponta para a necessidade e a possibilidade de aperfeiçoá-loatravés da reflexão. 18
  19. 19. Maiêutica (obstetrícia) Indicar através da dialética o caminho que deveria ser percorrido por seu interlocutor até que chegassem a definição do tema discutido. Maiêutica é a construção (nascimento) de novas idéias através de sucessivas perguntas. Ele leva o interlocutor a dar luz a suas próprias idéias. Diálogo(diade ―através de‖, preposição grega, e logode ―palavra‖ ou ―discurso‖) 19
  20. 20. Só assim poderemos, segundo ele, estar diante do caminho que leva ao conhecimentoverdadeiro(episteme), deixando o domínio da opinião(doxa), o que não importa para a filosofia, pois ela procura a verdadeúnica(o conceito, a idéia). Doxa Conhecimento superficial da realidade. Reprodução irreflexiva das coisas (o sol nasce ou morre a despeito da teoria Heliocêntrica de Copérnico). Episteme Teoria do conhecimento -conhecimento construído obedecendo uma metodologia aceitável (neste caso, a científica, racional). 20
  21. 21. Método No método desenvolvido por Sócrates importava à filosofia conceituar, definir determinada coisa, principalmente uma virtude ou qualidade moral. ―O que é...?‖ foi uma das perguntas mais repetidas por Sócrates, era uma chave metodológica para chegar até o conceitodas coisas. O conceito, neste sentido, é diferente das atribuições, das funções, das características, exemplos, etc. Por exemplo: ao discutir com Laquês, Sócrates pede que este importante soldado ateniense defina coragem. Imagino que a pergunta tenha sido: ―Laquês, o que é coragem?‖ Respondera ele: ―o soldado que luta sozinho contra um inimigo numericamente superior, o soldado que mesmo ferido continua a combater, o soldado que não se retira da batalha, o indivíduo que não teme enfrentar o perigo, etc.‖. Esta resposta não satisfaz a Sócrates, pois estes são apenas exemplos de coragem, não o conceito de coragem.
  22. 22. Quais são as principais diferenças entre Sócrates e os sofistas? 1. O sofista é um professor ambulante. Sócrates é alguém ligado aos destinos de sua cidade; 2. O sofista cobra para ensinar. Sócrates vive sua vida e essa confunde- se com a vida filosófica: ― Filosofar não é profissão, é atividade do homem livre‖ 3. O sofista ―sabe tudo‖ e transmite um saber pronto, sem crítica ( que Platão identifica com uma mercadoria, que o sofista exibe e vende). Sócrates diz nada saber e, colocando-se no nível de seu interlocutor, dirige uma aventura dialética em busca da verdade, que está no interior de cada um. 4. O sofista faz retórica (discurso de forma primorosa, porém vazio de conteúdo). Sócrates faz dialética (bons argumentos). Na retórica o ouvinte é levado por uma enxurrada de palavras que, se adequadamente compostas, persuadem sem transmitir conhecimento algum. Na dialética, que opera por perguntas e respostas, a pesquisa procede passo a passo e não é possível ir adiante sem deixar esclarecido o que ficou para trás. 5. O sofista refuta por refutar, para ganhar a disputa verbal. Sócrates refuta para purificar a alma de sua ignorância.
  23. 23. Bibliografia KERFERD, G. B. O Movimento Sofista -Edições Loyola –São Paulo -2003. COTRIM, Gilberto. Fundamentos da Filosofia –Editora Saraiva –São Paulo -1991 TELES, Antonio Xavier. Introdução ao Estudo de Filosofia –Ed. Ática –S. P. -1981. MARCONDES, Danilo. Iniciação à Historia da filosofia – CIP/Brasil –R.J –2005. CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2000

×