Ergonomia e Segurança do Trabalho - Aula 5

1.513 visualizações

Publicada em

Aula ministrada pela docente Teresa Maté da disciplina de Ergonomia e Segurança do Trabalho ministrada na Multivix 2013_2.

Publicada em: Engenharia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.513
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
124
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ergonomia e Segurança do Trabalho - Aula 5

  1. 1. ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO CONDIÇÕES AMBIENTAIS III Profª Teresa Maté teresa_mate@yahoo.com.br
  2. 2. AMBIENTE FÍSICO DE TRABALHO  Constituído por conjunto de fatores que influem sobre os trabalhadores na hora de desenvolver o trabalho:  Iluminação  Temperatura  Ruído  Vibrações  Contaminação  Repercutem na vida fora do trabalho, no descanso, na saúde do trabalho.  Reage de formas variadas.
  3. 3. TEMPERATURA  NR 15: atividades e operações insalubres:  Anexo 3 – CALOR  Anexo 9 - FRIO  A exposição ao calor deve ser avaliada por meio do "Índice de Bulbo Úmido Termômetro de Globo" - IBUTG  NR 17 – temperatura entre 20ºC e 23ºC, umidade não inferior a 40%, velocidade do ar não superior a 0,75m/s
  4. 4. ALGUNS EFEITOS FISIOLÓGICOS DO CALOR  Termorregulação: temperatura interna é constante.  Equilíbrio térmico: parte do calor é conservado nos tecidos, o excedente é liberado pelo suor.  Radiação: troca de calor com ambiente (sol).  Condução e convecção.
  5. 5. CONFORTO TÉRMICO  Temperatura do ar.  Temperatura radiante média.  Umidade.  Velocidade do ar.  Vestimenta (isolamento térmico).  Intensidade o esforço público (metabolismo).
  6. 6. EXEMPLOS DE MEDIDAS
  7. 7. PROBLEMAS – SÍNDROMES HIPERTÉRMICAS  temperatura corporal > 37,2ºC  síndromes de lesão pelo calor > 40ºC  Câimbras  Exaustão pelo calor  Intermação  Colapso pelo calor
  8. 8. FATORES PREDISPONENTES:  Do paciente: febre, idade, destreinado, excesso de vestimentas, desidratação.  Ambientais: altas temperaturas, alta umidade, falta de vento.  Condições clinicas: obesidade, diabetes, doenças psiquiátricas e outras.  Drogas.
  9. 9. PROBLEMAS - SÍNDROMES HIPOTÉRMICAS  temperatura corporal < 35ºC  pode ser incidental (ambiente frio) ou secundaria (disfunção da termorregulação hipotalâmica)  urticaria pelo frio  fenomeno de Raynaud  perniose  pé de trincheira  geladura  hipotermia
  10. 10. FATORES PREDISPONENTES  Do paciente: alteração do estado mental, idade, vestimentas inadequadas, roupas úmidas, imobilidade  Ambientais: baixas temperaturas, vento  Condições clinicas: encefalopatia, desnutrição, mixedema, hipoglicemia, uremia, cirurgia prolongada, demência, fenômeno de Raynaud  Drogas.
  11. 11. RUÍDO  Ruídos elevados:  perturbam, e com o tempo, podem até atrapalhar a audição.  prejudica a comunicação e reduz a concentração das pessoas.  Para trabalhos que demandem esforço intelectual e atenção constantes, o nível de ruído aceitável é de 65 dB.  Para o trabalho com mais conteúdo físico, o nível de ruído aceitável numa jornada de 8 horas é 80 dB.
  12. 12. ALGUNS EFEITOS FISIOLÓGICOS DO RUÍDO  Distúrbios no sistema endócrino (aumento hormônios: cortisol, adrenalina e noradrenalina)  Distúrbios cardiovasculares e respiratórios (hipertensão, taquicardia, respiração curta etc.)  Distúrbios gastrointestinais (gastrite, ulcera, etc.)  Perda de audição e outros distúrbios (labirintite, etc.)
  13. 13. ALGUNS EFEITOS PSICOSSOCIAIS DO RUÍDO  Interferência no sono  Cansaço e dor de cabeça  Perda de atenção e concentração (queda de rendimento em tarefas intelectuais e físicas)  Estresse  Distúrbios comportamentais (ansiedade, agressividade, perda de memória, depressão etc.)
  14. 14. CONSEQUÊNCIAS PARA A SAÚDE  Lesões dos órgãos auditivos  Problemas cardíacos e circulatórios  Problemas de equilíbrio (vertigens)  Aumento da produção de adrenalina  Aumento da produção hormonal da tiroide  Surdez profissional  Stress  Diminui a vigilância
  15. 15. INTERVENÇÃO NA FONTE SONORA  Diminuição do tráfego;  Diminuição da velocidade dos veículos;  Alteração do piso;  Encapsulamento dos elementos ruidosos;  Desacoplamento ou reforço estrutural dos elementos que irradiam.  Deslocamento para uma zona onde os níveis de ruído já são elevados;
  16. 16. INTERVENÇÃO NO MEIO DE PROPAGAÇÃO  Barreiras acústicas:  Painéis refletores  Painéis absorventes  Painéis de betão, madeira, metálicos plásticos  Muros de alvenaria;  Painéis transparentes (acrílico)  Taludes de terra com vegetação arbustiva  Edifícios.
  17. 17. INTERVENÇÃO NO RECEPTOR  Isolamento:  Fachadas;  Portas  Janelas  Paredes e tetos.

×