Ergonomia e Segurança do Trabalho - Aula 4

1.901 visualizações

Publicada em

Aula ministrada pela docente Teresa Maté da disciplina de Ergonomia e Segurança do Trabalho ministrada na Multivix 2013_2.

Publicada em: Engenharia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.901
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
85
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ergonomia e Segurança do Trabalho - Aula 4

  1. 1. ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO INTERVENÇÕES ERGONÔMICAS E CONDIÇÕES AMBIENTAIS II Profª Teresa Maté teresa_mate@yahoo.com.br
  2. 2. PREJUÍZOS PARA AS ORGANIZAÇÕES POR FALTA DE INTERVENÇÕES ERGONÔMICAS  Absenteísmo e perda de produtividade;  Gastos com afastados;  Indenização pelo dano físico;  Contingente de trabalhador com restrição;  Deterioração de relações humanas;  LER e DORT (LER – Lesões por Esforços Repetitivos/DORT – Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho)
  3. 3. ALGUNS OBSTÁCULOS PARA A ERGONOMIA  Níveis culturais;  Falta de conhecimento da engenharia dos métodos de trabalho;  Assessoria inadequada;  Valores da empresa: trabalho = sofrimento.
  4. 4. SOLUÇÕES ERGONÔMICAS  Eliminação de movimentos/posturas críticas;  Pequenas melhorias;  Projetos ergonômicos;  Revezamento;  Melhoria de método;  Melhoria da organização do sistema de trabalho;  Preparação para o trabalho (exercício de aquecimento, distencionamento, ginástica compensatória);  Orientação ao trabalhador e cobrar de atitudes corretas;  Seleção mínima;  Pausas de recuperação;  Ingerir líquidos (água, soro).
  5. 5. ALGUNS FATORES DE SUCESSO PARA A ERGONOMIA  Apoio da gerência;  Participação dos trabalhadores;  Treinamento de ergonomia em todos os níveis hierárquicos;  Eficácia do serviço médico;  Estruturação administrativa para acompanhar os problemas e as medidas corretivas e preventivas: Comitê de Ergonomia;  Acompanhamento dos resultados e melhoria contínua.
  6. 6. ALGUNS PRE REQUISITOS PARA SOLUÇÕES ERGONÔMICAS - BIOMECÂNICO  Biomecânico: estudo das forças mecânicas que estão envolvidas nos movimentos do corpo humano, incluindo a interação entre os indivíduos e seu meio ambiente físico.
  7. 7. ALGUNS PRE REQUISITOS PARA SOLUÇÕES ERGONÔMICAS - EPIDEMIOLÓGICO  Epidemiológico: estudo do comportamento das doenças em uma determinada comunidade, levando em consideração diversas características ligadas à pessoa, espaço físico e também tempo, desta maneira é possível determinar as medidas de prevenção e controle mais indicadas para o problema em questão como também avaliar quais serão as estratégias a serem adotadas e se as mesmas causaram impactos, diminuindo e controlando a ocorrência da doença em análise.
  8. 8. ALGUNS PRE REQUISITOS PARA SOLUÇÕES ERGONÔMICAS - FISIOLÓGICO  Fisiológico: estudo dos processos adaptativos relacionados com a atividade física na execução de tarefas motoras em situações de trabalho. Estudo das capacidades e habilidades motoras e das características que afetam os sistemas de trabalho, concepção e organização de funções , fluxos de trabalho e organização do espaço e equipamento.
  9. 9. ALGUNS PRE REQUISITOS PARA SOLUÇÕES ERGONÔMICAS – PSICOFÍSICO E PRODUTIVIDADE  Psicofísico: estudo dos limites da carga de trabalho com base na percepção dos trabalhadores, é o estudo da relação entre a informação que chega aos sistemas sensoriais e a experiência subjetiva que a dita informação provoca (sensação).  Produtividade.
  10. 10. A ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EXIGE:  Conhecimentos sobre o comportamento do ser humano em atividade de trabalho;  Discussão dos objetivos do estudo com o conjunto das pessoas envolvidas;  Aceitação das pessoas que ocupam o posto a ser analisado;  Esclarecimento das responsabilidades.
  11. 11. DADOS REFERENTES ÀS CONDIÇÕES AMBIENTAIS: O espaço e planos de trabalho; O ambiente luminoso; O ambiente acústico; O ambiente térmico; O ambiente vibratório; A qualidade da ar.
  12. 12. AMBIENTE LUMÍNICO  Na sociedade moderna as pessoas passam a maior parte do tempo em ambientes iluminados artificialmente.  Boa iluminação:  aumenta a produtividade,  gera um ambiente mais prazeroso,  reduz os acidentes.  Conforto visual:  existência de um conjunto de condições, num determinado ambiente, no qual o ser humano pode desenvolver suas tarefas visuais com o máximo de acuidade e precisão visual.
  13. 13. SIGNIFICADO DAS CORES NA CULTURA OCIDENTAL CRISTÃ
  14. 14. LUZ OU RADIAÇÃO VISÍVEL  Energia em forma de ondas eletromagnéticas  Ondas que excitam o sistema humano olho-cérebro, produzindo diretamente uma sensação visual.  O sistema humano olho-cérebro percebe a radiação dentro de uma faixa e descrimina diferentes comprimentos de ondas para produzir a sensação de cor.
  15. 15. PARA TAREFAS NORMAIS (LEITURA, MONTAGENS DE PEÇAS E OPERAÇÕES COM MÁQUINAS) RECOMENDA-SE:  200 lux - para tarefas com bom contrastes, sem necessidade de percepção de muitos detalhes,  aumentar a intensidade luminosa: à medida que o contraste diminui e se exige a percepção de muitos detalhes;  uma intensidade maior pode ser necessária reduzir as diferenças de brilhos no campo visual, ex.: na presença de uma lâmpada ou de uma janela no campo visual;  as pessoas idosas e com deficiência visual requerem mais luz.
  16. 16. TAREFAS ESPECIAIS: INSPEÇÃO, PEQUENOS DETALHES QUE DEVEM SER DETECTADOS, QUANDO O CONTRASTE É PEQUENO Grandes exigências visuais: o nível de iluminação deve ser aumentado;  colocar um foco de luz diretamente sobre a tarefa;  admite-se que, neste caso, o nível pode chegar até 3000 lux;  considerar que níveis muito elevados provocam fadiga visual.
  17. 17. CLASSIFICAÇÃO BÁSICA DE ILUMINAÇÃO CLASSIFICAÇÃO NÍVEL DE ILUMINAÇÃO A SER OBTIDO TAREFA Baixa 100 a 200 lux • Circulação; • Reconhecimento facial; • Leitura casual; • Armazenamento • Refeição; • Terminais de vídeo Média 300 a 500 lux • Leitura/escrita de documentos com alto contraste; • Participação de conferências Alta 500 a 1000 lux • Leitura/escrita com fontes pequenas e baixo contraste; • Desenho técnico.
  18. 18. CONDIÇÕES CONTRIBUEM PARA O CONFORTO LUMÍNICO NO MOMENTO DO DESENVOLVIMENTO DA TAREFA.  a iluminação suficiente  a ausência de ofuscamento  os contrastes adequados
  19. 19. CONTRASTE E OFUSCAMENTO ÁÁrreeaa cciirrccuunnvviizziinnhhaa ttaarreeffaa AAmmbbiieennttee ggeerraall Contraste: diferenças de luminância (brilho) entre objetos e superfícies no campo visual. Ofuscamento: pode provocar perturbação - desconforto - perda na visibilidade. contraste - caso a proporção entre a luminâncias de objetos do campo visual seja maior do que 10:1; saturação - o olho é saturado com luz em excesso; (luminância média da cena excede 25.000 cd/m2)
  20. 20. MELHORIAS DA ILUMINAÇÃO  Legibilidade:  distância da leitura;  uso do contraste.  Iluminação localizada sobre a tarefa:  Superior a luz ambiental  Uso de luz natural regulada por cortinas ou persianas.  Uso de anteparos entre a fonte de luz e os olhos.  Posicionamento correto de fontes de luz para evitar reflexos e sombras.
  21. 21. USO DAS CORES NA SEGURANÇA NBR 7195
  22. 22. USO DAS CORES NA SEGURANÇA - TUBULAÇÕES NBR 6493
  23. 23. EXERCÍCIO EM GRUPO  Quais os principais conceitos vistos na aula 4? Explique 2 deles.  Quais os fatores que influenciam na discriminação visual?  Faça uma pesquisa e escreva um resumo de 3 a 8 linhas sobre fadiga visual..  Faça um mapa conceitual sobre intervenção ergonômica.

×