2-Desenho técnico mecânico - Multivix

1.496 visualizações

Publicada em

Aula ministrada pela docente Karla Dubberstein da disciplina de Desenho Técnico Mecânico ministrada na Multivix 2014_1.

Publicada em: Engenharia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.496
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
117
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2-Desenho técnico mecânico - Multivix

  1. 1. 2.1. Desenho de Conjunto: Eixo dianteiro de bicicleta
  2. 2. 2.2. Desenho de Detalhes: Eixo dianteiro de bicicleta
  3. 3. 2.3.Plano de usinagem 1-desenho do conjunto
  4. 4. 2.3.Plano de usinagem 2-desenho do detalhe Peça 1
  5. 5. 2.3.Plano de usinagem 2-desenho do detalhe Peça 2, 3 e 4
  6. 6. 2.3.Plano de usinagem 3-plano de usinagem da peça 1 Sequência de usinagem: 1-Prender a peça na placa de três castanhas, centrar e facear; 2-Fazer furo de centro; 3-Abrir furo passante com broca de 17,5mm; 4-Abrir rosca interna M20; 5-Cortar a peça no comprimento indicado; 6-Soldar esta peça à peça 1.2.
  7. 7. 2.3.Plano de usinagem 3-plano de usinagem da interfase peça 1.2 1- Aplainar um paralepípedo de 30 x 117,88 mm; 2-Fazer a inclinação de 45° em uma das extremidades da peça; 3-Chanfrar a 45° para a solda com a devida altura indicada no desenho, na mesma extremidade da inclinação; 4-Soldar a extremidade inclinada à peça 1.3 e a outra extremidade à peça 1.1
  8. 8. 2.3.Plano de usinagem 3-plano de usinagem da peça 4 1-Prender a peça com sobremetal de usinagem na placa de três castanhas, centrar e facear; 2-Fazer furo de centro; 3-Colocar o centro rotativo; 4-Fazer as marcações, 5-Tornear o diâmetro maior; 6-Tornear os diâmetros menores; 7-Abrir a rosca M20; 8-Cortar a peça no comprimento indicado; 9-Levar a peça à furadeira e abrir furo de 11 mm de diâmetro; 10-Rebater as extremidades na montagem, como indicado.
  9. 9. Sobre o assunto: 1. Qual a finalidade do desenho de conjunto do produto acabado? 2. Qual a finalidade do desenho de detalhes do produto acabado? 3. O que é um plano de usinagem? 4. Que peças podem vir representadas num desenho de detalhes? 5. Pode uma peça padronizada ser representada num desenho de detalhes? 6. Os desenhos de detalhes possuem lista de peças, ou esta deve vir apenas no desenho de conjunto? 7. A numeração das peças no desenho de detalhes, guarda alguma relação com a numeração no desenho de conjunto? 8. As peças nos desenhos de detalhes podem ser representadas em escalas diferentes, ou todas as peças numa folha devem ser representadas numa única escala? 9. Que cotas podem vir indicadas num desenho de conjunto?
  10. 10. Rugosidade
  11. 11. Rugosidade: Definição: Conjunto de desvios microgeométricos, caracterizado pelas pequenas saliências e reentrâncias presentes em uma superfície. Norma NBR ISO 4287/2002 Define termos para especificação da rugosidade em superfícies e perfis. NBR 6405-88 Desenho mecânico de indicação de rugosidade.
  12. 12. Rugosidade:
  13. 13. Rugosidade: L     a y x dx L R 0 1 L 1 2 Comprimento de amostragem ou cut-off     q y x dx L R 0
  14. 14. Indicações • Rugosidade:
  15. 15. Rugosidade: Indicação da direção das estrias:
  16. 16. Rugosidade: Quando o valor da rugosidade não for o mesmo em diversas superfícies da peça
  17. 17. Indicação: tratamento térmico e processo de fabricação:
  18. 18. Leitura de rugosidade:
  19. 19. Rugosidade esperada após processo de fabricação:
  20. 20. Indicando rugosidade:
  21. 21. Tolerâncias dimensionais: Eixo e Furo
  22. 22. Tolerâncias dimensionais:
  23. 23. Indicações de tolerância geométrica:
  24. 24. Indicação de tolerâncias geométricas:
  25. 25. Indicações de tolerância geométrica de forma: Exemplo:
  26. 26. Indicações de tolerância geométrica de forma: Exemplo:
  27. 27. Indicações de tolerância geométrica de forma: Exemplo:
  28. 28. Indicações de tolerância geométrica de forma: • Planeza: Exemplo:
  29. 29. Indicações de tolerância geométrica de forma: Planeza: Exemplo:
  30. 30. Indicações de tolerância geométrica de forma: Exemplo:
  31. 31. Indicações de tolerância geométrica de forma: Exemplo: Circularidade:
  32. 32. Indicações de tolerância geométrica de forma: Exemplo: Ex.: cilindro de motores de combustão Circularidade:
  33. 33. Indicações de tolerância geométrica de forma: Exemplo:
  34. 34. Indicações de tolerância geométrica de forma: Exemplo: Cilindricidade:
  35. 35. Indicações de tolerância geométrica de forma: Exemplo: Forma de linha qualquer: É definida por duas linhas imaginárias, cuja distância ente si é determinada por uma circunferência de diâmetro t, que tem o seu centro se deslocando sobre o perfil teórico desejado.
  36. 36. Indicações de tolerância geométrica de forma: Exemplo: • Forma de superfície qualquer: • É semelhante ao caso anterior, agora serão duas superfícies imaginárias que têm os seus contornos definidos por uma esfera de diâmetro (t) e que tem o seu centro se deslocando sobre uma superfície teórica.
  37. 37. Indicações de tolerância geométrica de forma: Exemplo: Forma de superfície qualquer:
  38. 38. Indicações de tolerância geométrica: Tolerância Geométrica e de Orientação
  39. 39. Indicações de tolerância geométrica de orientação: Indicação e interpretação de tolerância geométrica de orientação • Paralelismo: • Uma linha será consideradas paralela a outra se todos os seus pontos se encontrarem entre duas retas ideais paralelas separadas da tolerância t.
  40. 40. Indicações de tolerância geométrica de orientação: Exemplo:
  41. 41. Indicações de tolerância geométrica de orientação: Exemplo: • Perpendicularidade: • Uma linha será considerada perpendicular a uma superfície de referência, se o seu erro se encontrar dentro do campo da tolerância ( t), definido por dois plano ideais perpendiculares à superfície de referência e distanciados de (t). Se a tolerância vier precedida do símbolo ff, o campo da tolerância passará a ser definido por um cilindro ideal de diâmetro t, perpendicular ao plano de referência.
  42. 42. Indicações de tolerância geométrica de orientação: • Perpendicularidade Exemplo:
  43. 43. Indicações de tolerância geométrica de orientação: Exemplo:
  44. 44. Indicações de tolerância geométrica de orientação: Exemplo:
  45. 45. Indicações de tolerância geométrica: Tolerância Geométrica de Posição
  46. 46. Indicações de tolerância geométrica de posição Indicação e interpretação de tolerância geométrica de posição : • Posição de um elemento • Símbolo: • A tolerância de posição pode ser definida, de modo geral, como desvio tolerado de um determinado elemento (ponto, reta, plano) em relação a sua posição teórica. • É importante a aplicação dessa tolerância de posição para especificar as posições relativas, por exemplo, de furos em uma carcaça para que ela possa ser montada sem nenhuma necessidade de ajuste. • Vamos considerar as seguintes tolerâncias de posição de um elemento (ponto, reta ou plano)
  47. 47. Indicações de tolerância geométrica de posição Indicação e interpretação de tolerância geométrica de posição : • Tolerância de posição do ponto – • É a tolerância determinada por uma superfície esférica ou um círculo, cujo diâmetro mede a tolerância especificada. O centro do círculo deve coincidir com a posição teórica do ponto considerado (medidas nominais).
  48. 48. Indicações de tolerância geométrica de posição Indicação e interpretação de tolerância geométrica de posição : • Tolerância de posição da reta – • A tolerância de posição de uma reta é determinada por um cilindro com diâmetro "t", cuja linha de centro é a reta na sua posição nominal.
  49. 49. Indicações de tolerância geométrica de posição Indicação e interpretação de tolerância geométrica de posição : • Tolerância de posição de um plano – • A tolerância de posição de um plano é determinada por dois planos paralelos distanciados e dispostos simetricamente em relação ao plano considerado normal.
  50. 50. Indicações de tolerância geométrica de posição Indicação e interpretação de tolerância geométrica de posição : • Concentricidade: • É indicado normalmente em peças com formas circulares concêntricas, de pequena espessura, para quantificar o erro admissível para este elemento.
  51. 51. Indicações de tolerância geométrica de posição Indicação e interpretação de tolerância geométrica de posição : • Coaxialidade: • É indicado normalmente em peças com formas cilíndricas escalonadas, para quantificar o erro admissível ligado à excentricidade deste elemento. O erro de Coaxialidade é medido em relação ao eixo teórico do elemento cilíndrico
  52. 52. Indicações de tolerância geométrica de posição Indicação e interpretação de tolerância geométrica de posição : • Simetria: • Em alguns elementos mecânicos a condição de simetria é necessária para o seu bom funcionamento, seja um rasgo, ranhura, furo, etc. • Como a simetria também é um conceito teórico não realizável na prática, torna-se necessário indicar uma tolerância para esta condição, que é conseguida quando o eixo de simetria real da peça fica no interior do campo de tolerância definido por duas retas paralelas ou dois planos ideais, simétricos em relação ao eixo de simetria de referência.
  53. 53. Indicações de tolerância geométrica de posição Indicação e interpretação de tolerância geométrica de posição :
  54. 54. Indicações de tolerância geométrica: Tolerância Geométrica de Oscilação (Batimento)
  55. 55. Indicações de tolerância geométrica de posição Indicação e interpretação de tolerância geométrica de oscilação : • Batimento • Na usinagem de elementos de revolução, tais como cilindros ou furos, ocorrem variações em suas formas e posições, o que provoca erros de ovalização, conicidade, excentricidade etc. em relação a seus eixos. Tais erros são aceitáveis até certos limites, desde que não comprometam seu funcionamento. Daí a necessidade de se estabelecer um dimensionamento para esses elementos. • O batimento representa a variação máxima admissível da posição de um elemento, considerado ao girar a peça de uma rotação em torno de um eixo de referência, sem que haja deslocamento axial ou radial. A tolerância de batimento é aplicada separadamente para cada posição medida.
  56. 56. Indicações de tolerância geométrica de posição Indicação e interpretação de tolerância geométrica de oscilação : • A tolerância de batimento pode ser dividida em dois grupos principais: • Batimento radial - A tolerância de batimento radial é definida como um campo de distância t entre dois círculos concêntricos, medidos em um plano perpendicular ao eixo considerado.
  57. 57. Indicações de tolerância geométrica de posição Indicação e interpretação de tolerância geométrica de oscilação : • Batimento axial - A tolerância de batimento axial (ta) é definida como o campo de tolerância determinado por duas superfícies, paralelas entre si e perpendiculares ao eixo de rotação da peça, dentro do qual deverá estar a superfície real quando a peça efetuar uma volta, sempre referida a seu eixo de rotação.
  58. 58. Indicações de tolerância geométrica de posição Indicação e interpretação de tolerância geométrica de oscilação : • Batimento axial -
  59. 59. Exercício: Para a peça (redutor) descreva e justifique as tolerâncias geométricas assinaladas no desenho:

×