DRGE

5.303 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.303
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
126
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

DRGE

  1. 1. DRGE Ronaldo de oliveira Custódio HC/UFG
  2. 2. CONCEITO E PREVALÊNCIA <ul><li>Conceito – é a afecção decorrente do fluxo retrógado de parte do conteúdo gastro-duodenal para o esôfago e/ou órgãos adjacentes ao mesmo, acarretando variável espectro de sintomas e/ou sinais esofagianos e/ou extra-esofagianos, associados ou não a lesões teciduais. </li></ul><ul><li>Prevalência _ estima-se que 12% da população Brasileira têm DRGE. </li></ul><ul><li>Fonte – II consenso Brasileiro da DRGE. </li></ul>
  3. 3. SINTOMAS <ul><li>Típicos _ pirose e regurgitação ácida. </li></ul><ul><li>Atípicos _ manifestações esofágicas – dor torácica, </li></ul><ul><li>globus; pulmonares – asma, tosse crônica, hemoptise, bronquite, bronquiectasias, pneumonias de repetição; ORL – rouquidão, pigarro, </li></ul><ul><li>Laringite posterior, sinusite crônica, otalgia; e orais – desgaste do esmalte dentário, halitose, aftas . </li></ul>
  4. 4. COMPLICAÇÕES <ul><li>Erosões, </li></ul><ul><li>Úlceras, </li></ul><ul><li>Estenoses, </li></ul><ul><li>Barret, </li></ul><ul><li>Anemia </li></ul>
  5. 5. DIAGNÓSTICO <ul><li>Clínico _ pirose ou regurgitação ácida, pelo menos duas vezes por semana, no período de 4 a 8 semanas. </li></ul><ul><li>Métodos complementares – EDA, Rx esôfago, pHmetria, manometria, impedanciometria. </li></ul>
  6. 6. DIAGNÓSTICO <ul><li>EXAME ENDOSCÓPICO </li></ul><ul><li>para pacientes > 40 anos e/ou presença de sinais de alarme – disfagia, odinofagia, anemia, hemorragia digestiva, emagrecimento. </li></ul><ul><li>Alterações endoscópicas na DRGE _ desaparecimento da rede vascular, erosões, úlceras, estenoses, epitélio metaplásico ( Barret ). </li></ul>
  7. 7. DIAGNÓSTICO <ul><li>Rx de esôfago _ em casos de disfagia e odinofagia. </li></ul><ul><li>pHmetria _ em casos de manifestações atípicas; </li></ul><ul><li>ou manifestações típicas com outros testes negativos; </li></ul><ul><li>ou pacientes que não respondem ao IBP; </li></ul><ul><li>no pré ( nos casos de EDA normal ) e pós-operatório. </li></ul>
  8. 8. DIAGNÓSTICO <ul><li>Estudo manométrico _ estuda a pressão do esfincter e a peristalse esofágica. É indicado no pré-operatório ( considerar possibilidade de fundoplicatura parcial ) de cirurgia anti-refluxo; </li></ul>
  9. 9. TESTE TERAPÊUTICO <ul><li>Pacientes com menos de 40 anos de idade, com manifestações típicas sem manifestações de alarme. </li></ul><ul><li>IBP em dose plena por 4 semanas. </li></ul>
  10. 10. CLASSIFICAÇÃO DAS ESOFAGITES <ul><li>Classificação de Los Angeles </li></ul><ul><li>A </li></ul><ul><li>B </li></ul><ul><li>C </li></ul><ul><li>D </li></ul>
  11. 11. TRATAMENTO <ul><li>Medidas comportamentais </li></ul><ul><li>Elevação da cabeceira da cama ( 15 cm ) </li></ul><ul><li>Moderar – gordurosos, chocolate, gasosos, cítricos, café, hortelã, menta, álcool, derivados do tomate. </li></ul><ul><li>Medicamentos de risco – anticolinérgicos, alendronato, teofilina, bloqueadores de canais de cálcio, antidepressivos tricíclicos, agonistas beta adrenérgicos. </li></ul><ul><li>Evitar deitar-se nas 2 horas após as refeições. </li></ul><ul><li>Evitar refeições copiosas. </li></ul><ul><li>Reduzir o pêso corporal </li></ul><ul><li>Cessar o fumo. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Almofada anti-refluxo (14cm x 60cm x 70cm ) </li></ul>
  13. 13. TRATAMENTO MEDICAMENTOSO <ul><li>Omeprazol 40 mg </li></ul><ul><li>Lanzoprazol 30 mg </li></ul><ul><li>Pantoprazol 40 mg 1 X, em jejum. </li></ul><ul><li>Rabeprazol 20 mg </li></ul><ul><li>Esomeprazol 40 mg </li></ul><ul><li>Tempo – 6 a 12 semanas </li></ul><ul><li>Graus C e D, doses dobradas. </li></ul>
  14. 14. TRATAMENTO CIRURGICO <ul><li>DRGE NÃO COMPLICADA </li></ul><ul><li>Aqueles impossibilitados de dar continuidade ao tratamento clínico. </li></ul><ul><li>Pacientes < 40 anos que fazem tratamento contínuo, que optam por tratamento cirurgico. </li></ul>
  15. 15. CIRURGIA <ul><li>DRGE COMPLICADA </li></ul><ul><li>Estenose, úlcera, adenocarcinoma. </li></ul><ul><li>Barret – não há consenso </li></ul>
  16. 16. ATLAS TEG NORMAL
  17. 17. ATLAS BARRET
  18. 18. ATLAS BARRET
  19. 19. ATLAS ESTENOSE E EROSÕES
  20. 20. ATLAS ÚLCERA
  21. 21. ATLAS ÚLCERAS DE CAMERON
  22. 22. ATLAS CIRURGIA
  23. 23. ATLAS
  24. 24. POSIÇÃO ANTI-REFLUXO

×