ROMA ANTIGAROMA ANTIGA
www.thiagohmlopes.blogspot.comwww.thiagohmlopes.blogspot.com
LOCALIZAÇÃO ELOCALIZAÇÃO E
GEOGRAFIA FÍSICA:GEOGRAFIA FÍSICA:
⇒ A Península Itálica se projeta
pelos mares Mediterrâneo,
T...
ORIGEM:ORIGEM:
MITOLÓGICA:MITOLÓGICA: A lenda de Rômulo e Remo, símbolo da cultura
valorizante de práticas violentas/guerr...
Fases da história política de RomaFases da história política de Roma
Períodos Datas
Monarquia
de 753 a.C. (fundação de Rom...
MONARQUIA (753 – 509 a.C.):MONARQUIA (753 – 509 a.C.):
⇒ Escassez de documentos históricos;
⇒ A monarquia era eletiva, vit...
⇒ Fim da Monarquia = deposição do rei Tarquínio ‘O Soberbo’,
pela aristocracia patrícia, que buscou implantar reformas pró...
DIVISÃO SOCIAL:DIVISÃO SOCIAL:
PATRÍCIOS:PATRÍCIOS:
⇒ “Fundadores da Pátria”, compatriotas;
⇒ Aristocracia detentora de la...
REPÚBLICAREPÚBLICA (509 – 27 a.C.):(509 – 27 a.C.):
⇒ Predomínio político dos patrícios;
SENADO:SENADO:
⇒ Órgão máximo da ...
ASSEMBLEIAS ou COMÍCIOS:ASSEMBLEIAS ou COMÍCIOS:
CURIAL: examinava os assuntos de ordem religiosa;
TRIBAL: nomeava os ques...
CÔNSULCÔNSUL Comandante do Exército; presidia o
Senado, podendo convocá-lo.
PRETORPRETOR Administração da Justiça.
QUESTOR...
AS LUTAS SOCIAIS (GUERRAS CIVÍS) DA REPÚBLICA:AS LUTAS SOCIAIS (GUERRAS CIVÍS) DA REPÚBLICA:
⇒ A marginalização política, ...
REVOLTA DO MONTE SAGRADO –REVOLTA DO MONTE SAGRADO –
Tentativa de criar outra Roma, apenas de plebeusTentativa de criar ou...
A EXPANSÃO ROMANA E ASA EXPANSÃO ROMANA E AS
GUERRAS PÚNICAS:GUERRAS PÚNICAS:
⇒ Expansão Territorial, Militar e
Imperialis...
⇒ Guerras PúnicasGuerras Púnicas (Roma X Cartago: 264 a.C. – 146 a.C.)(Roma X Cartago: 264 a.C. – 146 a.C.)
⇒ Roma e Cartago, grandes potências da época, se enfrentaram na
região do mar Mediterrâneo. Tais conflitos, divididos em t...
⇒ A Segunda Guerra PúnicaSegunda Guerra Púnica deflagrou-se em torno do controle
das regiões mineradoras do norte da Penín...
Do outro lado do mar vivem, conspirando contra todos nósDo outro lado do mar vivem, conspirando contra todos nós
A sombra ...
CONSEQUÊNCIAS DA EXPANSÃO ROMANA:CONSEQUÊNCIAS DA EXPANSÃO ROMANA:
⇒ Grande afluxo de riquezas, atividade mercantil;
⇒ Mud...
REVOLTA DE ESPÁRTACO / DOS ESCRAVOS / SERVIL:REVOLTA DE ESPÁRTACO / DOS ESCRAVOS / SERVIL:
Espártaco (ou Spartacus)Espárt...
A CRISE DA REPÚBLICA ROMANA:A CRISE DA REPÚBLICA ROMANA:
As Reformas dos irmãos Gracoirmãos Graco:
⇒ Tibério GracoTibério ...
PRIMEIRO TRIUNVIRATO (Gal. Pompeu, Gal. Crasso, Gal. JúlioPRIMEIRO TRIUNVIRATO (Gal. Pompeu, Gal. Crasso, Gal. Júlio
César...
⇒ Grande parte da prestígio social e político de César veio através
da conquista militar da GáliaGália (52 a.C.), atuais F...
Astérix e ObelixAstérix e Obelix – Produção cultural francesa, história em quadrinhos,– Produção cultural francesa, histór...
SEGUNDO TRIUNVIRATO (Gal. Lépido, Gal. Marco Antônio,SEGUNDO TRIUNVIRATO (Gal. Lépido, Gal. Marco Antônio,
Gal. Otávio Cés...
IMPÉRIO (27 a.C. – 476 d.C.):IMPÉRIO (27 a.C. – 476 d.C.):
⇒ ALTO IMPÉRIO (séc. I a.C. / séc. III d.C.):ALTO IMPÉRIO (séc....
Banhos Públicos Romanos –Banhos Públicos Romanos –
Símbolos do apogeu econômico e tecnológico de RomaSímbolos do apogeu ec...
⇒ Aquedutos romanos, grandes canais de irrigação sobre arcos.Aquedutos romanos, grandes canais de irrigação sobre arcos.
Cloaca Maxima –Cloaca Maxima –
Sistema de esgotamento sanitárioSistema de esgotamento sanitário
GOVERNO DE OTÁVIO CÉSAR AUGUSTO:GOVERNO DE OTÁVIO CÉSAR AUGUSTO:
⇒ Instauração da “Pax RomanaPax Romana”;
⇒ Ampliação do c...
Arquitetura do Pão e CircoArquitetura do Pão e Circo
Cristianismo:Cristianismo:
As autoridades romanas, entre os séculos I e IV d.C., perseguiram
com violência os cristãos dev...
BAIXO IMPÉRIO (séc. III d.C. / séc. V d.C.):BAIXO IMPÉRIO (séc. III d.C. / séc. V d.C.):
⇒ Período marcado pela decadência...
⇒ Alguns imperadores do Baixo Império tiveram ações concretas
no intuito de tentar reverter a crise.
AÇÕES IDEOLÓGICAS:AÇÕ...
OBS:OBS: O Império Romano do Oriente (Bizantino) se manteve
centralizado e forte sobrevivendo por mais de um milênio,
cain...
⇒ A tetrarquia de Diocleciano:A tetrarquia de Diocleciano: Diocleciano e Galério (Oriente);Diocleciano e Galério (Oriente)...
⇒ Primeiro Concílio de Niceia (325 d.C):Primeiro Concílio de Niceia (325 d.C): estabelecimento dosestabelecimento dos
prim...
⇒ Representações de Cristo,Representações de Cristo,
encontradas nas catacumbas dosencontradas nas catacumbas dos
primeiro...
LEGADO CULTURAL GERAL:LEGADO CULTURAL GERAL:
Roma
Roma
Roma
Roma
Roma
Roma
Roma
Roma
Roma
Roma
Roma
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Roma

4.515 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.515
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.297
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Roma

  1. 1. ROMA ANTIGAROMA ANTIGA www.thiagohmlopes.blogspot.comwww.thiagohmlopes.blogspot.com
  2. 2. LOCALIZAÇÃO ELOCALIZAÇÃO E GEOGRAFIA FÍSICA:GEOGRAFIA FÍSICA: ⇒ A Península Itálica se projeta pelos mares Mediterrâneo, Tirreno, Jônico e Adriático; ⇒ Relevo plano, pouco acidentado e bastante fértil, favorecendo as comunicações e a agricultura; ⇒ Litoral pouco recortado = desfavorável à navegação.
  3. 3. ORIGEM:ORIGEM: MITOLÓGICA:MITOLÓGICA: A lenda de Rômulo e Remo, símbolo da cultura valorizante de práticas violentas/guerreiras entre os romanos; ARQUEOLÓGICA:ARQUEOLÓGICA: Formação de um posto militar, às margens do Tibre, por tribos latinas para defender o Lácio de invasões etruscas.
  4. 4. Fases da história política de RomaFases da história política de Roma Períodos Datas Monarquia de 753 a.C. (fundação de Roma) a 509 a.C. (deposição de Tarquínio ‘O Soberbo’Tarquínio ‘O Soberbo’); República de 509 a.C. (proclamação da República pelo SenadoSenado) a 27 a.C. (Otávio CésarOtávio César recebe os títulos de Augusto, Princips e ImperatorAugusto, Princips e Imperator); Império de 27 a.C. a 476 d.C. (queda do Império Romano do Ocidente).
  5. 5. MONARQUIA (753 – 509 a.C.):MONARQUIA (753 – 509 a.C.): ⇒ Escassez de documentos históricos; ⇒ A monarquia era eletiva, vitalícia e não hereditária; ⇒ Fracionamento dos poderes: REX (rei):REX (rei): ⇒ Exercia funções executiva, judicial e religiosa; ⇒ Na área legislativa seus poderes eram limitados; SENATUS (senado):SENATUS (senado): ⇒ Conselho dos Anciãos que representava as maiores e mais importantes famílias do Reino (o termo Senado é derivado da palavra latina “Senex” = Idoso, ancião); ⇒ Propunham novas leis e fiscalizavam as ações do rei; COMITIA CURIATA (Assembléia Curiática):COMITIA CURIATA (Assembléia Curiática): ⇒ Formada pelos cidadãos que compunham o exército; ⇒ Elegiam altos funcionários, aprovavam ou não as leis e aclamavam o rei.
  6. 6. ⇒ Fim da Monarquia = deposição do rei Tarquínio ‘O Soberbo’, pela aristocracia patrícia, que buscou implantar reformas pró- plebe e fechar o Senado. Implantação da república.
  7. 7. DIVISÃO SOCIAL:DIVISÃO SOCIAL: PATRÍCIOS:PATRÍCIOS: ⇒ “Fundadores da Pátria”, compatriotas; ⇒ Aristocracia detentora de latifúndios, gados e escravos; ⇒ Monopólio do poder político e cargos públicos. PLEBEUS:PLEBEUS: ⇒ População livre vinculada ao comércio, ao artesanato e a agricultura; ⇒ Não tinham acesso aos cargos públicos. CLIENTES:CLIENTES: ⇒ Estrangeiros ou plebeus que se associavam aos patrícios em troca de ajuda econômica e social, trabalhando e administrando as “villas romanasvillas romanas”, complexos habitacionais e econômicos. ESCRAVOS:ESCRAVOS: ⇒ Prisioneiros de guerra ou endividados (a escravidão por dívida foi abolida na República); ⇒ Eram tratados como instrumentos de produção sem direitos políticos.
  8. 8. REPÚBLICAREPÚBLICA (509 – 27 a.C.):(509 – 27 a.C.): ⇒ Predomínio político dos patrícios; SENADO:SENADO: ⇒ Órgão máximo da República (caráter legislativo); ⇒ Formado, em média, por 300 membros da classe patrícia; Atribuições:Atribuições: ⇒ Elaborar as leis; ⇒ Decretar a guerra; ⇒ Controlar as finanças; ⇒ Controlar e eleger as magistraturas.
  9. 9. ASSEMBLEIAS ou COMÍCIOS:ASSEMBLEIAS ou COMÍCIOS: CURIAL: examinava os assuntos de ordem religiosa; TRIBAL: nomeava os questores e edis; CENTURIAL: aprovava as leis e elegia os magistrados; MAGISTRATURAS:MAGISTRATURAS: Altos funcionários da República com mandatos temporários (Cônsul, Pretor, Censor, Questor, Edis, Pontífice e DitadorCônsul, Pretor, Censor, Questor, Edis, Pontífice e Ditador).
  10. 10. CÔNSULCÔNSUL Comandante do Exército; presidia o Senado, podendo convocá-lo. PRETORPRETOR Administração da Justiça. QUESTORQUESTOR Responsável pelo Tesouro; cobrança de impostos. CENSORCENSOR Recenseava a quantidade de cidadãos e vigiava a conduta moral dos romanos. EDILEDIL Preservação da cidade; abastecimento; segurança; contato popular. PONTÍFICEPONTÍFICE Chefia religiosa; cultos públicos. DITADORDITADOR Cargo extraordinário em casos de emergência. Poder absoluto por 6 meses.
  11. 11. AS LUTAS SOCIAIS (GUERRAS CIVÍS) DA REPÚBLICA:AS LUTAS SOCIAIS (GUERRAS CIVÍS) DA REPÚBLICA: ⇒ A marginalização política, social e econômica da plebe deflagrou a luta entre patrícios e plebeus; Conquistas da plebe: ⇒ Lei do Tribunato da PlebeLei do Tribunato da Plebe (493 a.C.) – A plebe passou a eleger um magistrado especial para o Senado, Revolta do Monte Sagrado; ⇒ Lei das Doze TábuasLei das Doze Tábuas (450 a.C.) – Registro das leis romanas, início do Direito Romano e base constitucional; ⇒ Lei CanuléiaLei Canuléia (445 a.C.) – Permissão de casamento entre patrícios e plebeus; ⇒ Lei Licínia SextaLei Licínia Sexta (367 a.C.) – Duplo consulado, um cônsul eleito pelos patrícios, outro pelos plebeus; fim da escravidão por dívida; ⇒ Lei OgúlniaLei Ogúlnia (300 a.C.) – Permissão para os plebeus participaram do sacerdócio romano; ⇒ Lei HortênciaLei Hortência (287 a.C.)– As decisões da Assembleia da Plebe possuem valor de Lei (Plebiscito). OBS:OBS: As lutas sociais da plebe ocorreram durante as guerras de expansão da República, com a expansão da escravidão.
  12. 12. REVOLTA DO MONTE SAGRADO –REVOLTA DO MONTE SAGRADO – Tentativa de criar outra Roma, apenas de plebeusTentativa de criar outra Roma, apenas de plebeus..
  13. 13. A EXPANSÃO ROMANA E ASA EXPANSÃO ROMANA E AS GUERRAS PÚNICAS:GUERRAS PÚNICAS: ⇒ Expansão Territorial, Militar e Imperialista Romana; 1 ª Etapa:1 ª Etapa: ⇒ Limitada ao território italiano; ⇒ Busca de terras férteis para atender o crescimento demográfico. 2 ª Etapa:2 ª Etapa: ⇒ Expansão das fronteiras de Roma; ⇒ Busca de escravos, terras férteis e metais preciosos;
  14. 14. ⇒ Guerras PúnicasGuerras Púnicas (Roma X Cartago: 264 a.C. – 146 a.C.)(Roma X Cartago: 264 a.C. – 146 a.C.)
  15. 15. ⇒ Roma e Cartago, grandes potências da época, se enfrentaram na região do mar Mediterrâneo. Tais conflitos, divididos em três períodos, ficaram conhecidos como Guerras Púnicas, pois os romanos chamavam os cartagineses de “Poeni”“Poeni”, quer dizer, "fenícios". ⇒ Os motivos de tais conflitos foram diferentes para as duas civilizações. Cartago lutou para manter seu controle comercial sobre o mar Mediterrâneo, enquanto Roma lutou para expandir seus domínios políticos e militares sobre os povos da Península Itálica e, depois, por todo o litoral do Mediterrâneo. ⇒ De aliadas, as duas civilizações começaram a rivalizar a hegemonia comercial sobre o Mar Mediterrâneo. Na guerra pelo domínio da MessinaMessina, em 264 a.C., região de acesso à Península Itálica, os romanos entraram em conflito com as frentes de batalha de Cartago. ⇒ Logo após incessantes batalhas navais, a Primeira GuerraPrimeira Guerra PúnicaPúnica acabou em 241 a.C. com a vitória dos romanos que receberam grandes indenizações e o controle sobre as ilhas da SicíliaSicília, da SardenhaSardenha e de CórsegaCórsega. Inconformados com as derrotas sofridas, Cartago combateu os romanos vinte e três anos mais tarde.
  16. 16. ⇒ A Segunda Guerra PúnicaSegunda Guerra Púnica deflagrou-se em torno do controle das regiões mineradoras do norte da Península Ibérica. AníbalAníbal BarcaBarca, general cartaginês, empreendeu uma forte investida militar que ameaçou seriamente os romanos. ⇒ Incitando os gregos a se rebelarem contra os macedônios, aliados dos cartagineses, Roma conseguiu fazer frente às forças militares de Cartago. Na batalha de MetauroMetauro, em 207 a.C., os romanos conseguiram uma significativa vitória que acuou as tropas cartaginesas. Sob o comando do general romano CipiãoCipião, os romanos conseguiram impor mais uma derrota aos cartagineses. Dessa vez, Cartago foi obrigada a ceder suas posses na Península IbéricaPenínsula Ibérica, repassar todas as embarcações militares aos romanos e prometer não invadir a região da NumídiaNumídia. ⇒ Os comerciantes da Península Itálica sentiram a concorrência dos gêneros agrícolas cartagineses. Os patrícios, que cobiçavam as terras cartaginesas, apoiaram a guerra contra Cartago. Em 146 a.C., os romanos destruíram tudo, transformando-a em província de Roma. Com a vitória definitiva nessa guerra, o Mar MediterrâneoMar Mediterrâneo, a partir de então, passou a ser chamado pelos romanos de “mare nostrum” (mar nosso)“mare nostrum” (mar nosso).
  17. 17. Do outro lado do mar vivem, conspirando contra todos nósDo outro lado do mar vivem, conspirando contra todos nós A sombra constante colocada sobre o nosso impérioA sombra constante colocada sobre o nosso império Um prego enferrujado na coroa da Cidade EternaUm prego enferrujado na coroa da Cidade Eterna Agora é hora de empunhar o ferro mortal e navegarAgora é hora de empunhar o ferro mortal e navegar Mil navios, o orgulho romano,Mil navios, o orgulho romano, Ao lado de Cipião eles levaram a guerraAo lado de Cipião eles levaram a guerra Avancem, avancem, Cartago deve pagarAvancem, avancem, Cartago deve pagar Navegar, navegar, atravessar o marNavegar, navegar, atravessar o mar Luta, luta, até o fimLuta, luta, até o fim As palavras de Cato ardem no coração de cada homemAs palavras de Cato ardem no coração de cada homem O sal deve ser espalhado sobre as ruínas, nada restaráO sal deve ser espalhado sobre as ruínas, nada restará Oh poderoso senhor das sombras, Hades, estamos te chamandoOh poderoso senhor das sombras, Hades, estamos te chamando Venha testemunhar o nosso triunfoVenha testemunhar o nosso triunfo “Delenda Cartago est”“Delenda Cartago est” Nem os deuses devem ousar Roma,Nem os deuses devem ousar Roma, De joelhos ou morrerDe joelhos ou morrer E mais uma vez a águia martela sobre esta terra devastadaE mais uma vez a águia martela sobre esta terra devastada Mostrará o poder do aço de um soldado romano.Mostrará o poder do aço de um soldado romano. Do outro lado do mar vivem, conspirando contra todos nósDo outro lado do mar vivem, conspirando contra todos nós A sombra constante colocada sobre o nosso impérioA sombra constante colocada sobre o nosso império Um prego enferrujado na coroa da Cidade EternaUm prego enferrujado na coroa da Cidade Eterna Agora é hora de empunhar o ferro mortal e navegarAgora é hora de empunhar o ferro mortal e navegar Mil navios, o orgulho romano,Mil navios, o orgulho romano, Ao lado de Cipião eles levaram a guerraAo lado de Cipião eles levaram a guerra Avancem, avancem, Cartago deve pagarAvancem, avancem, Cartago deve pagar Navegar, navegar, atravessar o marNavegar, navegar, atravessar o mar Luta, luta, até o fimLuta, luta, até o fim As palavras de Cato ardem no coração de cada homemAs palavras de Cato ardem no coração de cada homem O sal deve ser espalhado sobre as ruínas, nada restaráO sal deve ser espalhado sobre as ruínas, nada restará Oh poderoso senhor das sombras, Hades, estamos te chamandoOh poderoso senhor das sombras, Hades, estamos te chamando Venha testemunhar o nosso triunfoVenha testemunhar o nosso triunfo “Delenda Cartago est”“Delenda Cartago est” Nem os deuses devem ousar Roma,Nem os deuses devem ousar Roma, De joelhos ou morrerDe joelhos ou morrer E mais uma vez a águia martela sobre esta terra devastadaE mais uma vez a águia martela sobre esta terra devastada Mostrará o poder do aço de um soldado romano.Mostrará o poder do aço de um soldado romano.
  18. 18. CONSEQUÊNCIAS DA EXPANSÃO ROMANA:CONSEQUÊNCIAS DA EXPANSÃO ROMANA: ⇒ Grande afluxo de riquezas, atividade mercantil; ⇒ Mudança dos costumes romanos, sincretizando valores culturais dos povos dominados; ⇒ Decadência dos pequenos lavradores, surgimentos dos latifúndios; ⇒ Ampliação da escravidão; ⇒ Êxodo rural da plebe (“homens novos”); ⇒ Fortalecimento dos militares, ditaduras vitalícias; ⇒ Destruição da República e implantação do Império Romano.
  19. 19. REVOLTA DE ESPÁRTACO / DOS ESCRAVOS / SERVIL:REVOLTA DE ESPÁRTACO / DOS ESCRAVOS / SERVIL: Espártaco (ou Spartacus)Espártaco (ou Spartacus) foi um famoso escravo que viveu entre a civilizaçãofoi um famoso escravo que viveu entre a civilização romana e contra ela se rebelou, comandando uma revolta que agrupou cercaromana e contra ela se rebelou, comandando uma revolta que agrupou cerca de 70 mil escravos. Durante três anos, entrede 70 mil escravos. Durante três anos, entre 73 e 71 a.C., Espártaco e seus., Espártaco e seus seguidores enfrentaram várias legiões do exército romano, vencendo-as emseguidores enfrentaram várias legiões do exército romano, vencendo-as em vários momentos.vários momentos. Nascido na Trácia, região onde hoje se encontra parte dos territórios daNascido na Trácia, região onde hoje se encontra parte dos territórios da Grécia, da Bulgária e da Turquia, Espártaco tornou-se escravo após ter sidoGrécia, da Bulgária e da Turquia, Espártaco tornou-se escravo após ter sido soldado do exército romano e, possivelmente, ter desertado, abandonando assoldado do exército romano e, possivelmente, ter desertado, abandonando as fileiras militares. Obrigado a treinar para serfileiras militares. Obrigado a treinar para ser gladiador na Ludi de Cápua.gladiador na Ludi de Cápua. Espártaco não aceitou as humilhações e violências cometidas por seu senhorEspártaco não aceitou as humilhações e violências cometidas por seu senhor ((Lentulus BatiatusLentulus Batiatus) contra os escravos e rebelou-se. Fugiu com vários de seus) contra os escravos e rebelou-se. Fugiu com vários de seus companheiros de cativeiro, iniciando a formação de um exército de escravos.companheiros de cativeiro, iniciando a formação de um exército de escravos. O governo romano enviou várias legiões. Foram sucessivamente derrotadasO governo romano enviou várias legiões. Foram sucessivamente derrotadas pelos fugitivos. A cada vitória, conseguiam se armar cada vez mais. Estima-sepelos fugitivos. A cada vitória, conseguiam se armar cada vez mais. Estima-se que o exército de ex-escravos atingiu uma média deque o exército de ex-escravos atingiu uma média de 60 mil a 90 mil membros60 mil a 90 mil membros.. O Senado romano destacou oO Senado romano destacou o general Crassogeneral Crasso para enfrentar Espártaco. Estepara enfrentar Espártaco. Este buscou negociar uma rendição, mas não foi atendido.buscou negociar uma rendição, mas não foi atendido. Espártaco provavelmente morreu em batalha. Cerca de seis mil escravosEspártaco provavelmente morreu em batalha. Cerca de seis mil escravos foramforam crucificados ao longo dos 200 quilômetros da Via Ápia de Cápuacrucificados ao longo dos 200 quilômetros da Via Ápia de Cápua. O. O objetivo era atemorizar outros escravos que poderiam querer se rebelar. Aobjetivo era atemorizar outros escravos que poderiam querer se rebelar. A história de Espártaco ficou famosa por representar um grande perigo parahistória de Espártaco ficou famosa por representar um grande perigo para Roma e também por ser um símbolo da luta contra a exploração e injustiçaRoma e também por ser um símbolo da luta contra a exploração e injustiça social.social.
  20. 20. A CRISE DA REPÚBLICA ROMANA:A CRISE DA REPÚBLICA ROMANA: As Reformas dos irmãos Gracoirmãos Graco: ⇒ Tibério GracoTibério Graco:: Lex AgráriaLex Agrária = limitava os latifúndios da nobreza (310 acres) e autorizava a distribuição de terras públicas para a plebe; ⇒ Caio GracoCaio Graco:: Lei FrumentáriaLei Frumentária = trigo a baixos preços e distribuição de terras para a plebe nas áreas provinciais; ⇒ Morte dos Gracos = disputas entre aristocratas e populares; ⇒ Ditaduras vitalícias dos generais MárioMário e SilaSila; ⇒ As constantes revoltas e as lutas pelo poder político enfraqueceram o Senado, que estabeleceu um novo tipo de organização política: os TRIUNVIRATOS (governo de trêsTRIUNVIRATOS (governo de três homens)homens).
  21. 21. PRIMEIRO TRIUNVIRATO (Gal. Pompeu, Gal. Crasso, Gal. JúlioPRIMEIRO TRIUNVIRATO (Gal. Pompeu, Gal. Crasso, Gal. Júlio César):César): ⇒Guerra civil entre Pompeu e Júlio César; ⇒O Senado conferiu a César os títulos de cônsul, tribuno, censor, sumo sacerdote, supremo comandante do exército e ditador vitalício; ⇒Assassinato de Júlio César – conspiração de senadores.
  22. 22. ⇒ Grande parte da prestígio social e político de César veio através da conquista militar da GáliaGália (52 a.C.), atuais França, Bélgica eFrança, Bélgica e SuíçaSuíça, além do favorecimento de plebeus com doações de riquezas.
  23. 23. Astérix e ObelixAstérix e Obelix – Produção cultural francesa, história em quadrinhos,– Produção cultural francesa, história em quadrinhos, de 1959, contextualizada no período da invasão romana na Gália.de 1959, contextualizada no período da invasão romana na Gália. O protagonista, Astérix, é inspirado no lendário guerreiro, e líder gaulês,O protagonista, Astérix, é inspirado no lendário guerreiro, e líder gaulês, VercingetorixVercingetorix..
  24. 24. SEGUNDO TRIUNVIRATO (Gal. Lépido, Gal. Marco Antônio,SEGUNDO TRIUNVIRATO (Gal. Lépido, Gal. Marco Antônio, Gal. Otávio César):Gal. Otávio César): ⇒ Disputas entre Marco Antônio e Otávio César, envolvimento de Cleópatra; ⇒ Otávio recebe apoio do Senado que lhe confere vários títulos: ⇒ AUGUSTO -AUGUSTO - divino; ⇒ PRINCIPS -PRINCIPS - primeiro cidadão de Roma; ⇒ IMPERATOR -IMPERATOR - comandante dos exércitos; ⇒ PONTIFEX MAXIMUS -PONTIFEX MAXIMUS - sacerdote supremo; ⇒ TRIBUNUS POTESTAS -TRIBUNUS POTESTAS - tribuno vitalício;
  25. 25. IMPÉRIO (27 a.C. – 476 d.C.):IMPÉRIO (27 a.C. – 476 d.C.): ⇒ ALTO IMPÉRIO (séc. I a.C. / séc. III d.C.):ALTO IMPÉRIO (séc. I a.C. / séc. III d.C.): ⇒ Concentração de poderes nas mãos do imperador; ⇒ Apogeu econômico e militar; ⇒ Ampliação do escravismo e das conquistas territoriais.
  26. 26. Banhos Públicos Romanos –Banhos Públicos Romanos – Símbolos do apogeu econômico e tecnológico de RomaSímbolos do apogeu econômico e tecnológico de Roma
  27. 27. ⇒ Aquedutos romanos, grandes canais de irrigação sobre arcos.Aquedutos romanos, grandes canais de irrigação sobre arcos.
  28. 28. Cloaca Maxima –Cloaca Maxima – Sistema de esgotamento sanitárioSistema de esgotamento sanitário
  29. 29. GOVERNO DE OTÁVIO CÉSAR AUGUSTO:GOVERNO DE OTÁVIO CÉSAR AUGUSTO: ⇒ Instauração da “Pax RomanaPax Romana”; ⇒ Ampliação do comércio mediterrânico; ⇒ Criação de um sistema unificado de impostos; ⇒ Política do “Panis et CircensesPanis et Circenses” (Pão e Circo); ⇒ Construção de obras públicas; ⇒ Código moralizante dos costumes romanos; ⇒ Nascimento de Jesus Cristo na Palestina.
  30. 30. Arquitetura do Pão e CircoArquitetura do Pão e Circo
  31. 31. Cristianismo:Cristianismo: As autoridades romanas, entre os séculos I e IV d.C., perseguiram com violência os cristãos devido estes: ⇒ Não aceitarem o politeísmo romano; ⇒ Repudiarem o caráter divino do Imperador; ⇒ Recusarem prestar o serviço militar; ⇒ Contrários à escravidão (igualdade perante Deus).
  32. 32. BAIXO IMPÉRIO (séc. III d.C. / séc. V d.C.):BAIXO IMPÉRIO (séc. III d.C. / séc. V d.C.): ⇒ Período marcado pela decadência, pelas crises econômicas e pela anarquia militar e política; CRISE DO IMPÉRIO ROMANO – FATORES:CRISE DO IMPÉRIO ROMANO – FATORES: ⇒ Fim das guerras de conquista territorial (Trajano); ⇒ Crise escravista, diminuição da oferta; ⇒ Crise da economia romana: ⇒ Falta de alimentos e bens; ⇒ Inflação, desvalorização monetária; ⇒ Diminuição das receitas públicas; ⇒ Declínio das atividades comerciais; ⇒ Guerras civis internas, anarquia militar, corrupção política; ⇒ Expansão do Cristianismo; ⇒ Êxodo urbano, ruralização da economia e da sociedade; ⇒ Colonato; ⇒ Invasões Bárbaras (bárbaros = estrangeiros), germânicos na maioria.
  33. 33. ⇒ Alguns imperadores do Baixo Império tiveram ações concretas no intuito de tentar reverter a crise. AÇÕES IDEOLÓGICAS:AÇÕES IDEOLÓGICAS: ⇒ Édito de MilãoÉdito de Milão (313 d. C.): o imperador Constantino concedeu liberdade de culto aos cristãos, preside o Concílio de NiceiaConcílio de Niceia; ⇒ Édito de TessalônicaÉdito de Tessalônica (391 d.C.): o imperador Teodósio torna o cristianismo religião oficial do Império Romano, criação da Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR). AÇÕES POLÍTICO-ADMINISTRATIVAS:AÇÕES POLÍTICO-ADMINISTRATIVAS: ⇒ DioclecianoDiocleciano:: dividiu o Império em duas partes (oriental e ocidental), governadas respectivamente por dois Imperadores (Augustos) e dois co-imperadores (Césares) = TETRARQUIATETRARQUIA; ⇒ ConstantinoConstantino:: restaurou a unidade do Império deslocando a capital para o Oriente: Constantinopla (330 d.C.), antiga Bizâncio; ⇒ TeodósioTeodósio:: dividiu o Império Romano entre seus dois filhos (395 d.C.) = Honório (Império Romano do Ocidente) e Arcádio (Império Romano do Oriente).
  34. 34. OBS:OBS: O Império Romano do Oriente (Bizantino) se manteve centralizado e forte sobrevivendo por mais de um milênio, caindo apenas em 1453. OBS.2:OBS.2: Ruralizado, fragmentado, isolado e devastado pelas invasões bárbaras o Império Romano do Ocidente caiu em 476 d.C.
  35. 35. ⇒ A tetrarquia de Diocleciano:A tetrarquia de Diocleciano: Diocleciano e Galério (Oriente);Diocleciano e Galério (Oriente); Maximiliano eMaximiliano e Constâncio (Ocidente).(Ocidente).
  36. 36. ⇒ Primeiro Concílio de Niceia (325 d.C):Primeiro Concílio de Niceia (325 d.C): estabelecimento dosestabelecimento dos primeiros dogmas da Igreja Cristã Romana.primeiros dogmas da Igreja Cristã Romana.
  37. 37. ⇒ Representações de Cristo,Representações de Cristo, encontradas nas catacumbas dosencontradas nas catacumbas dos primeiros cristãos (séculos I – IVprimeiros cristãos (séculos I – IV d.C.), unificado a Apolo.d.C.), unificado a Apolo.
  38. 38. LEGADO CULTURAL GERAL:LEGADO CULTURAL GERAL:

×